The Girl Of Cutting escrita por Fafa Moraes


Capítulo 50
Hello World, I'm Your Wild Girl!


Notas iniciais do capítulo

Ultimo capítulo, da primeira temporada da Fic, muito emocionada...Leiam as notas finais, por favor! *-*
Boa Leitura!




Eu realmente não queria ter acabado com o meu joguinho sangrento tão cedo, mas, infelizmente foi preciso, eu tinha que acabar com aqueles idiotas, e se essa é a conseqüência, por mim tudo bem...Agora eu teria que botar em prática uma coisa que eu aprendi: quando muita coisa se está em jogo você precisa pensar rápido, e, eu pensei...Eu precisava provar para o Mike, a Belly e a Jess - Para a Jess lê-se: jogar na cara dela - que eu estava dizendo a verdade e que não havia feito nada...Como eu faria isso? Acho que eu esqueci de contar, mas, antes do Brian e do Nolan chegarem lá eu escondi um gravador por alí, ou seja eu toda a cena deles admitindo tudo aquilo gravadinha, o que facilita muito as coisas, porém, como eu sou uma garota muito precavida eu precisei fazer uma cópia da gravação, como eu fiz se eu não podia ir pra a minha casa? Simples, eu fui para a casa que eu e o Mike ''conseguimos'' ao assaltar um cara, se você tem algum tipo de informação super importante que pode te beneficiar de qualquer forma, seja por chantagem ou por qualquer outro meio sempre tenha uma cópia, não importando o que isso vá custar, sendo só tempo ou algo mais...

Infelizmente, acho que os policiais são meio cegos ou não batem muito bem da cabeça, e quando eu estava indo fazer as cópias eu ví uma viatura da policia me seguindo, só uma é claro, quando seguem você não mandam uma frota toda - o que eu acho que fariam no meu caso normalmente... - porque se não seria muito previsível...Mas, acho que eles ainda não entenderam que eu sei de tudo, e que eu dito as regras, então eu tive que dar um pequeno recadinho ao policial que teve a honra de me seguir...

Olhei disfarçadamente para o carro por um tempo, esperando o momento certo, que foi quando o policial parou de prestar atenção em mim e foi se comunicar com um dos outros babacas. Fui rapidamente até o carro, abri a porta do carona silenciosamente, sem que o policial percebesse e fiquei ali, observando-o com um belo sorriso maléfico no rosto até que ele percebesse que eu estava alí, o que, felizmente não demorou muito, e, foi até meio engraçado porque o susto que ele levou foi bem grande...Para acalmá-lo e ao mesmo tempo não relaxá-lo eu dei uma risada maléfica e talvez reconfortante...

– Calma, eu não vou te machucar, ainda não...Apenas quero dar um recadinho pra você e espero que você passe aos seus superiores pra mim, ok? - Ele fez que sim com a cabeça - Eu tentei fazer um acordo com vocês, e, pelo o que me parece vocês não estão cumprindo, porque você está me seguindo...Eu falei sério naquela ameaça, vai ser muito, muito pior se vocês não fizerem as coisas do meu jeito...E eu já estou facilitando muito as coisas pra vocês, não acham? Eu poderia deixar vocês descobrirem por sí mesmos que sou eu o assassino misterioso, deixando muito, muito tempo mesmo para que eu desaparecesse do mapa...Porque eu simplesmente não me entrego já que deixei bem claro quem sou eu no meu bilhetinho? Porque, vocês sabem, eu gosto de coisas grandes e extraordinárias, até mesmo o grande final tem que ser assim...Já está avisado, se você ou qualquer um dos outros idiotas me seguir ou aparecer perto de mim antes de amanhã a noite como o combinado Los Angeles e talvez se eu ficar com raiva até metade dos Estados Unidos vai sofrer as conseqüências, tudo bem? - ele assentiu novamente com a cabeça; eu simplesmente sorri de uma forma bem normal e até fofa - Foi ótimo falar com você! - sai do carro e continuei meu caminho, fazendo o que eu tinha que fazer.

Fui até a casa da Jess, não iria tocar a campainha e pedir para falar com ela como uma pessoa normal e civilizada, porque, dã, eu não sou uma pessoa normal e civilizada! Subi no muro, que fica praticamente grudado com a janela do quarto dela, que felizmente estava aberta, e torci para que ela não estivesse em casa, porque, se estivesse e começasse a falar certas coisas sobre mim e eu me estressasse eu faria muito mais do que dar um tapa na cara dela como qualquer um faria, e, depois de já ter deixado bem claro para os policiais quem eu sou esse ''mais'' seria muito mais brutal do que qualquer coisa que eu já fiz na minha vida, o que, acreditem não seria nem um pouquinho legal pra quem tem estômago fraco, o que não é nem um pouco o meu caso...

Entrei no quarto pela janela, felizmente a Jess não estava em casa, ou, ao menos ela não estava no quarto...Peguei um dos CDs com a gravação e deixei em cima da cama, com um bilhetinho "Viu, falsa filha da puta? Tudo aquilo que você disse sobre mim só serviu para me fazer te derrubar, eu não fiz nada...Derrotada mais uma vez! Como se sente? Com raiva? Vai me matar? Hahaha Com certeza não! - Alicia "

Pois é, todo o mistério e o suspense do assassino x poderia ter acabado para os policiais, mas, o meu jeitinho ardiloso, provocador e maléfico é algo bem difícil de desaparecer, e, a Jess merece muito mais do que um bilhetinho maldoso, estou fazendo um grande favor á ela em não fincar o meu canivete no lindo pescoço dela...Viram? Mais uma vez eu provo que sou uma garotinha muito boazinha, não um monstro como agora os policiais me vêem, e como, provavelmente amanhã a noite a maioria da sociedade vai me ver...

Pronto, o primeiro destinatário já havia recebido o produto, agora era a vez da Belly, que com certeza necessitaria e mereceria um pouco mais da minha dedicação, a Jess só tinha ficado com raivinha de mim por que o assassino misterioso mostrou aos pais dela quem verdadeiramente aquela vaca é, e, realmente o assassino misterioso nesse caso não fez nada de realmente errado, ao meu ver pelo menos, e acho que ao da maioria das pessoas; mas, com a Belly o caso é muito mais sério, eu realmente sentia nojo do Nolan e do Brian mesmo já estando mortos por terem feito aquilo com a Belly, e acho que sentiria pra sempre...Aquilo foi um golpe baixo até de mais, algo que realmente um amador faria, por mais brutais e macabros que os meus assassinatos sejam eu não sou um monstro total como eles, posso ser a pessoa menos qualificada para dizer isso, mas, existe algo chamado caráter, e, por mais criminosa que eu seja eu já mais faria algo do tipo com uma criança - a não ser que ela fosse um zumbi ou estivesse possuída por algum tipo de demônio maligno, aí a coisa já muda total e completamente de figura... - e, acho que a Belly precisa do apoio de alguém para relembrar do que aconteceu, não queria forçá-la a tocar no assunto novamente, mas, simplesmente não quero que ela continue me odiando, por mais que eu ache que ela, assim como o Mike de alguma forma sempre souberam que eu não havia feito nada...

Sai tão rapidamente da casa da Jess quanto entrei, a Belly morava não muito longe da Jess, o que facilitou muito o meu trabalho....Dessa vez entrar despercebida talvez exigisse mais um pouco de meu esforço, mas, felizmente não exigiu, havia uma escada exatamente em baixo da janela do quarto da Belly, provavelmente por onde ela saia quando ia se divertir á noite, ja que com o assassino x por aí os 'pais' dela não seriam loucos de deixá-la sair de madrugada...Ah, tão inocentes, tão ingênuos, mal sabendo que a Belly conhece e é amiga do assassino x e que não tem nenhum motivo para ter medo dele, ou melhor, dela...

Com a escada alí a única coisa, obviamente, que eu precisei fazer foi subir, assim que cheguei á janela do quarto me deparei com a Belly, de costas pra mim, lendo um livro...

– Oi... - eu disse, com um tom de voz mais do que natural, mas, que foi o bastante para que a Belly se assustasse, com certeza estava muito concentrada em sua leitura -

– O-oi, você me assustou... - Belly me olhava de uma forma talvez até meio enigmática -

– Desculpa, não foi exatamente a minha intenção... - dei de ombros, quase inexpressiva -

– Tudo bem...O que veio fazer aqui?

– Te provar que eu não fiz nada daquilo...

– Você está falando de...

– É, disso mesmo Belly... - tirei o CD da minha bolsa e dei para ela, que logo colocou-o no notebook, a cada segundo de gravação que se passava ela parecia ficar mais surpresa, quando a gravação chegou ao final a Belly simplesmente começou a chorar, o que me assustou um pouco de inicio, mas, foi totalmente compreensível -

– Desculpa, Ali...Eu sabia que você não tinha feito aquelas coisas, mas, não havia outra forma de explicar, não havia outra pessoa...Me desculpa mesmo, eu não queria ter te culpado, mas, é que eu estava me sentindo tão mal, na verdade eu ainda estou... - cheguei perto dela e abracei, mesmo extremamente fria eu sabia de alguma forma o que ela estava sentindo -

– Tudo bem, Belly...Eu entendo completamente, e, acho que se eu estivesse no seu lugar eu também me culparia, você e o Mike não fizeram nada de errado ou absurdo em achar que eu tinha feito essas coisas, foi algo perfeitamente normal e, mesmo indiretamente a culpa disso tudo ainda é minha...

– O que você quer dizer com isso, Ali? - agora a Belly me encarava, apreensiva e ansiosa por uma respota -

– Mesmo não tendo feito essas coisas a culpa ainda é parcialmente minha, o assassino misterioso era problema somente meu, mesmo não querendo e indiretamente eu acabei envolvendo vocês nisso e prejudicando, eu realmente não queria...Sinto muito...

– Não, Ali, você não teve culpa de nada...Foram aqueles dois idiotas que fizeram tudo isso...Mas, eu não acredito no que você fez, Ali...Você realmente admitiu ser o assassino x só pra poder provar pra mim e para o Mike que é inocente?

– É, Belly, era uma questão de honra eu acabar com eles sendo da forma que fosse, e, eu realmente odeio admitir isso, mas, vocês são as pessoas mais importantes pra mim em toda a minha vida, eu precisa fazer aquilo, não podia deixar eles vencerem, seria uma péssima amiga e uma namorada pior ainda se deixasse eles ditarem as regras acabando com a nossa amizade...

– Você é mesmo a Alicia? Tem certeza de que um E.T. não te abduziu e que você é um clone? Marciano, devolva agora a minha amiga assassina a terra! - Belly agora ao invés de chorar estava sorrindo o que me fez sorrir também, ao menos eu acho que sim...-

– Sou eu mesma...Mas, se alguém te perguntar eu nunca disse essas coisas, ok?

– Ok... - ela deu uma pequena risada - Mas..E o Mike? Você já falou com ele?

– Não... -eu suspirei, meio apreensiva - Eu ainda tô tentando encontrar coragem pra falar com ele, só espero que ele seja tão compreensivo como você foi, Belly...

– E-eu ouvi direito?

– Ou! Para de me zuar, ruiva! Assassinos em série também tem direito de ficar nervosos, ok?! -

– Eu tava só brincando...Mas, Ali, eu realmente espero que ele entenda...A Jess ficou feliz, mas, eu me senti péssima vendo vocês brigando naquele dia...

– Eu também espero que a gente se entenda, Belly, é o que eu mais espero...Mas, agora eu tenho que ir...

– Ok, boa sorte, Ali...Obrigada por fazer isso por mim e pelo Mike, de verdade... - eu sorri, indo até a janela e descendo a escada -

Eu realmente me surpreendi falando com a Belly naquela hora, eu não esperava que ela fosse tão compreensiva assim quanto ao que aconteceu...Mas, mesmo com ela falando daquele jeito eu realmente senti que ela estava muito, muito abalada com aquilo mesmo não demonstrando...Eu também me surpreendi comigo mesma, não sabia que seria capaz de admitir aquilo tudo, até mesmo porque até aquele momento aquilo tinha ficado guardado no lugar mais profundo da minha alma, eu já mais esperaria ter dito aquilo a Belly, mas, eu precisava dizer...

Por último, mas, nem um pouco menos importante, muito pelo contrário, na verdade me restava falar com o Mike...Eu não havia mentido quando eu disse para a Belly que eu estava nervosa para falar com ele...Eu tinha medo de que ele não me perdoasse, porque, sim, eu tinha a minha parcela de culpa naquilo tudo, e, sabia que a irmã do Mike era algo muito importante, se ele não me perdoasse eu realmente ficaria muito, muito abalada..O Mike é a pessoa mais importante na minha vida, o único pelo qual eu senti qualquer coisa verdadeira, o único que me aceita do jeito que eu sou, se ele não me perdoasse seria definitivamente o fim.

Momentos sentimentais e melosos a parte, mas, eu ainda sou uma assassina perigosa, de sangue frio e vingativa, respirei fundo, tomei coragem e fui até a casa do Mike, da qual eu ainda tinha a chave, então, mais uma vez não fiz como uma pessoa normal, simplesmente entrei e fui até o quarto dele, onde sabia que ele estaria...Com coragem, como se eu nem tivesse ficado totalmente apreensiva por isso eu simplesmente me dirigi a ele, de forma totalmente controlada:

– Oi, Mike.

– Alicia, como você entrou aqui? - ele falava com um tom frio, mas, eu sentia pelo olhar dele que estava feliz em me ver -

– Eu ainda tenho a chave...

– Ah, é, eu tinha me esquecido disso...O que você quer falar comigo? - Uma das coisas que eu mais sentia falta é de como ele me chamava de "vadia" mas, ele voltaria a me chamar de vadia rapidinho, ou, ao menos, era o que eu queria...

– Eu consegui...

– Conseguiu o que?

– A prova que eu precisava para que a Belly e você acreditassem que eu não fiz nada...Teve um custo realmente muito alto, mas, eu precisava fazer isso,e, nada é mais importante do que você...pra mim... - falei aquilo ainda muito fria -

– Que custo?

– Descubra por você mesmo... - cafetão... - Acrescentei mentalmente entregando-o o CD com as gravações, escutamos aquilo tudo em silêncio, e, quando acabou ele ficou pensativo por um tempo, olhando pra mim, e, depois, inesperadamente me deu um beijo, feroz e selvagem, como se nunca tivesse feito aquilo antes...

– Uau, valeu por avisar que faria isso.... - soei totalmente irônica, no meu tom natural usado para falar com ele -

– Vadia, você realmente fez aquilo? Eu...

– Eu sei o que você vai dizer, cafetão, você não acredita que eu revelei tudo só pra ter essa prova, mas, antes que você possa dizer qualquer coisa: Você sabe que eu jurei á você, a Ashley, a mim mesma e a quem quisesse ouvir que eu mataria o assassino misterioso de uma forma extremamente torturante custando o que custasse, e, eu cumpro as minhas promessas, eu sei, eu estou totalmente ferrada agora, mas, eu tinha que fazer...Eles não iriam vencer de jeito nenhum me deixando separada de você e sem a amizade da Belly, Mike! Eu já mais deixaria isso acontecer...

– Ali...É sério, me desculpa, isso é culpa minha também...Eu sabia que o assassino misterioso estava fazendo isso contra você eu não deveria ter pensando que era você mesma fazendo isso...

– Não, Mike você tinha toda razão em me culpar, ok? E, o que eu fiz, foi realmente o mínimo que eu poderia fazer, cafetão...Você salvou a minha vida uma vez, eu te devia essa Mike...Eu não mereceria ser sua namorada se não fizesse isso....Se é que eu ainda sou sua namorada... - fechei os olhos, com um pouco de medo da resposta.. -

– É claro que você ainda é minha namorada, Alicia! Sempre vai ser, aqueles dois filhos da puta já mais conseguiriam separar a gente... - eu dei um sorriso, beijando-o novamente - Agora, vadia, eu fiquei curioso por dias querendo te fazer essa pergunta: O que você fez na noite de assassinatos sem mim? - Mike parecia realmente curioso -

– Hmm, talvez eu tenha feito algumas pessoas verem o meu show de horrores..E tenha cortado a língua dessas pessoas...

–Cortado a língua?

– É...E talvez eu tenha feito uma mulher beber o sangue do namorado dela... - foi nessa parte em que o Mike pareceu ficar assustado, não literalmente assustado, mas, surpreendido, o que me fez rir, como uma criança que conta o que aprontou na escola para os pais -

– Beber o sangue do namorado? Se você estivesse na situação daquela mulher...Você beberia o meu sangue? - fiquei pensativa, mas, logo respondi a pergunta -

– Sim, com certeza sim...Mesmo talvez sendo algo nojento e forte, eu saberia que eu iria morrer naquela noite de qualquer jeito, e, por mais macabro que fosse eu beberia seu sangue...Como uma forma de saber que você estaria sempre comigo, acontecendo o que acontecesse depois daquilo...

– Boa resposta, vadia, bem filosófica..Mas, você não acha que isso aqui tá ficando meloso de mais pra nós dois?

– Com certeza cafetão, muito romantismo, pouca ação...

– Concordo totalmente, vadia...Que tal sexo?

– Achei que você não fosse chegar aí nunca...Sexo? Perfeito.

XXX

Oh, céus, como o tempo passa rápido quando se está transando com o seu namorado, não acham? Dia do baile de primavera e uma noite que ficará marcada na história de Los Angeles, dos Estados Unidos, e, quem sabe de todo o mundo...Eu deveria estar nervosa pelo detalhe de que essa noite pode não ser tão boa assim pra mim? Não, nem um pouco! Eu não tenho medo de nada, e a situação estará toda sob controle, afinal eu sou o assassino x, não é? Posso ter o mundo em minhas mãos quando e como quiser, certo? Em um mundo onde você dita as regras não há o que temer, e, acreditem, aconteça o que acontecer os idiotas santinhos já mais ditarão as regras enquanto houver alguma mente como a minha...Eu iria dizer "enquanto eu estiver viva" mas, até morta eu conseguiria fazer um grande estrago no mundo, que, pra mim seria muito divertido...

Com certeza eu não teria escapatória nenhuma essa noite, provavelmente iriam até o baile todos os policiais de Los Angeles isso se não mandassem reforços de outros estados, afinal eu sou considerada a criminosa mais procurada depois de Osama Bin Laden - Mas, isso vai mudar, já já eu irei para o topo da lista, acreditem ou não... - ou seja, todo o cuidado é pouco quando se trata de minha linda pessoa aqui...Mas, vejam pelo meu ponto de vista, não é porque eu não conseguiria fugir de jeito nenhum que eu não poderia brincar um pouquinho, não é? Eu não posso passar um dia sem deixar bem claro o quanto eu sou boa em provocar, jogar, e, é claro matar, essa noite seria um joguinho até que divertido, como ela acabaria? Videntes existem? Se sim, eles sabem...

Contei todo o meu planinho maldoso, malicioso e divertido para o Mike, que definitivamente adorou, somos um belo casal, não acham? Totalmente maldosos, sem pena, sem remorso, que só demonstram sentimentos quando é um para o outro, definitivamente invencíveis, não é o que os policiais acham, mas, é o que somos...

Finalmente a parte do dia que eu aguardava ansiosa chegou, no começo do baile eu agiria naturalmente, como se nada de mais fosse acontecer naquela noite, mas, depois de um tempinho, com a chegada dos policiais eu pararia de agir como ajo de dia, e começaria a agir como sou a noite...Se há muita diferença? Quase nenhuma, mas, a noite é quando os pesadelos acontecem, certo? A noite eu viro um pesadelo, e naquela não seria diferente...Como qualquer noite com um pouco do que eu chamo de diversão psicopata eu não poderia deixar de colocar uma roupa bem provocante...Um vestido preto justíssimo, curtíssimo e com um decote enorme, quando eu digo enorme é enorme mesmo, uma jaqueta de couro com spikes, uma meia arrastão bem rasgadinha e suja propositalmente em algumas partes de sangue - fofo, não? – minha maquiagem de sempre, com um lindo batom vermelho, é claro...e, como de costume uma bota de salto agulha bem alto, eu preciso dela para guardar um dos meus canivetes...Exato, um dos, eu também precisaria de outros brinquedinhos para essa noite...Isqueiro, arma...A caça da vez realmente era eu, mas, a serial killer aqui não poderia deixar de traumatizar alguns alunos que tanto ela odeia, não é? Talvez alguns até acabem mortos, se eu der sorte....

Ah, que bela festa...Tão formal, tão delicada, tão florida...É uma pena que ela não continuará assim por muito tempo se depender de mim...E, ops! Depende sim! Antes de qualquer coisa que eu fizesse, fosse tentar me divertir antes dos policiais chegarem - missão impossível em uma festa sem bebida, cigarros, drogas, sexo ou música de verdade, obviamente - ou até mesmo colocar uma bomba relógio na escola - não, eu não fiz isso antes que perguntem, isso seria algo fácil de mais, detesto coisas fáceis - eu tinha que avisar a Belly e a Ashley sobre o que iria acontecer na festa...A Jess? Eu ainda estou pensando se devo avisá-la ou não...Havia algo que eu tinha me esquecido, a Ashley não sabia que eu tinha descoberto e matado o assassino misterioso, notícia que eu fui logo contar:

– Oi, Ashley...Eu e o Mike temos boas novas pra você! - falei, em um tom animado -

– Ok, falem..O que foi?

– A Ali descobriu o assassino misterioso e o matou...Ótima notícia, não acha? Minha vadia é perfeita... - O Mike disse aquilo me admirando, acho que a noite passada ainda não havia cessado todo o desejo dele por mim... -

– Bem que eu estranhei vocês se falando...Isso é uma ótima noticia! Mas, quem era ele?

– Na verdade, Ashley, eram duas pessoas...Dois idiotas filhos da puta que aprenderam que mexer comigo não é nem um pouquinho legal...Eram o Brian, e Nolan, o meu pai...Mas, fique tranqüila, eu acabei com eles de um jeito bem divertido...E, você sabe exatamente o que é divertido pra mim, não é? Pena que eu tive que sacrificar uma coisa em troca disso.... - agora meu tom de voz era sério com uma pontada de crueldade, meu humor natural é totalmente perverso como vocês sabem, eu não ajo como uma pessoa normal por muito tempo... -

– Uau...O Brian?!! Agora tá tudo explicado! Ali..Do que exatamente você tá falando?

– Mike, vai procurar a Belly enquanto eu digo pra ela, ok? - Deixei a Ashley "no vácuo" por um tempo, precisava dizer a Belly e a Ashley o que aconteceria o quão antes possível, por isso era melhor o Mike adiantar as coisas por mim. Finalmente direcionei minha atenção para a Ashley - Bom, eu estou falando de que eu tive que revelar quem sou eu...Você sabe, assassino x...

– P-Porque?! Ali você tem idéia do quanto você está...

– Fudida? Que seja...O Brian era realmente um completo idiota, eu sei...Mas, o meu pai não...Ele jogava o mesmo jogo do que eu, quase tão bem quanto eu, na verdade...Claro que, como eu disse QUASE; eu acabei tendo que deixar minhas impressões digitais para terminar o meu trabalho, e, para não demonstrar medo, que é algo que eu realmente não tenho e para continuar tão provocadora como sempre, ao invés de esperar eles fazerem a identificação das impressões digitais eu simplesmente contei quem sou eu...

– Mas, se você contou...Porque eles não vieram atrás de você?

– E isso que você vai saber...Quando o Mike voltar com a Be... - nem deu tempo de eu terminar de falar, a Belly e o Mike voltaram...Meu cafetão realmente é tão competente quanto eu... -

– Ali...O que exatamente você quer falar com a gente? - a Belly parecia impaciente -

– Ok, eu vou direto ao assunto, a Ashley acabou de me fazer uma pergunta..."Porque os policiais não vieram atrás de você?" Porque como vocês sabem, eu gosto de brincar...E digamos que eu fiz uma grande ameaça a eles se não concordassem com o meu joguinho, e, eu adoro coisas grandes e bombásticas, exatamente por isso, eu disse á eles que estaria aqui, essa noite...Ou seja, eles virão até aqui, e, eu quero proporcionar um grande tumulto, vai haver bastante violência e confusão, então, por favor, assim que eu me aproximar do palco onde a banda está tocando vocês vão pra fora daqui, ok? Eu estou armada, assim como eles com certeza estarão, um tiroteio não é exatamente o que eu quero, mas, é bem provável que aconteça se eles forem tão idiotas o quanto eu penso que são, é claro...Um lugar cheio de adolescentes inocentes, com certeza se eles tiverem algo na cabeça não vão fazer nada do tipo, mas, existe louco pra tudo, certo? Repetindo, quando eu estiver perto do palco saiam daqui, ok? Acho que provavelmente isso é uma despedida, não pra sempre, é claro, vocês sabem que eu jogo muito bem e sempre consigo o que quero, mas, antes de tudo eu preciso saber exatamente o que vai acontecer, eu não sou vidente, então...Até algum dia....

– Ali, você tá falando sério? - a Ashley parecia preocupada -

– Tão serio quanto seria a minha pessoa com uma granada na mão em meio a um bando de idiotas...Não, eu não tenho uma granada aqui comigo, não se preocupem...E, acho que sei com o que exatamente você está preocupada, Ashley...Eu não vou dizer nada sobre aquele dia em que vocês ajudaram a mim e ao Mike a destruir aquele banco, sou uma boa amiga...Quando quero, é claro....

– Valeu mesmo, Alicia... - a Belly sorria de uma forma espontânea - Mas, você não vai falar nada com a Jess?

– Hmm, acho que não...A Jess é bem malvadinha, não chega nem aos meus pés, mas, tem seu veneno...Ela não vai morrer... - eu fui sínica ao estremo, com um sorriso mais do que malicioso -

– Vadia, você é má... - Mike me olhava com desprezo, que, sem dúvidas era falso, ele faria o mesmo se estivesse no meu lugar, como eu sei disso? Porque ele mesmo me disse -

– E você adora, isso, não é, cafetão? - Me virei para ele, falando sensualmente-

– Sem dúvidas, Ali, sem dúvidas...

XXX

Já haviam bastante alunos no baile, a banda tocava sem parar, e eu estava apenas a espera da mensagem do meu informante, que me contaria quando a policia estava por perto, e - finalmente - o meu celular tocou, anunciando uma mensagem:

"Policiais a menos de 1 km, mais de vinte viaturas, boa sorte..."

Sorri maliciosamente e olhei para a Belly e a Ashley, que entenderam o meu recado e saíram imediatamente do prédio, agora, era só uma questão de esperar...Em mais ou menos 20 minutos os policiais estariam aqui, e o show começaria...E, 20 viaturas, é? Achei que mandariam mais gente...

Ainda faltava uma coisa pra fazer, mas, com certeza daria e sobraria tempo, eu precisava falar com o Mike, e, foi isso que eu fiz:

– Boom, cafetão, é isso...Cadeira elétrica, lá vou eu... - falei em um tom brincalhão, não podem usar a cadeira elétrica em menores de idade, por tanto disso ao menos eu já estava livre -

– Para com isso, Ali...Eu vou junto com você, eu já disse que vou...Eu participei tanto dos assassinatos quando você, e você sabe disso...

– Mike...Você não precisa se não quiser e sabe disso, eu já estou totalmente arruinada, mas, você não, ok? Não desperdice isso... - Eu sei que ele insistiria ao máximo se eu continuasse alí, então simplesmente saí e fui novamente para perto do palco, em pouco tempo os policiais chegaram e entraram no baile....5, 4, 3, 2, 1, 0...QUE COMECE O JOGO!

– Alicia Montgomery, você está presa.... - Awn, muitas pessoas sonham em ouvir isso, realmente é divertido ouvir isso com o meu nome, é uma certa sensação de adrenalina inexplicável.

Eu subi rapidamente do palco, empurrando o vocalista da banda, que por sinal tinha parado de tocar assim que os policiais entraram no baile, segurei o microfone imponente e disse, com a voz mais maléfica, sarcástica e provocante que eu consegui:

– Juuuraaa? Eu disse que estaria aqui, não que seria fácil me prender....Acho que vocês interpretaram mal a minha menssagem...E para os idiotas de plantão que não estão entendendo nada... - ou seja, quase todos os alunos alí - completei mentalmente - Eu vou explicar, e, não corram, ok? Eu juro que eu não mordo, mas, faço coisa pior...Euzinha aqui, Alicia Montgomery, colega de classe de alguns de vocês sou o pior pesadelo de todos os estados unidos, queridos babacas, eu sou o Assassino X... - todos ficaram espantados, e uma onda de sussurros surgiu, os policiais apenas me encarando de forma confusa, como se me perguntassem indiretamente o que eu queria com aquilo tudo... - Agora, queridos policiais... - coloquei um pouco de sedução nos meus movimentos e na minha voz - Venham me pegar, se conseguirem.... - Liguei com o pé a máquina de fumaça que estava em cima do palco, na potência máxima, que em poucos segundos liberou fumaça o suficiente para cobrir todo o local, dificultando a visibilidade dos policiais, alguns alunos começaram a tossir, fracos...Eu pensei, não agüentariam nem meia hora nos lugares que eu freqüento... Logo saquei minha arma, eu conseguia enxergar até bem no meio de toda aquela fumaça, haviam policiais correndo e tentando me achar, alunos gritando apavorados no meio daquilo tudo...Uma cena realmente muito bonita para uma mente maléfica como a minha...Como queria caos eu dei o primeiro tiro...Não faço a mínima idéia de quem eu acertei, afinal não estava dando a mínima pra isso, contando que ficasse mais divertido, e, para a minha esplêndida felicidade foi na vaca/falsa/filha-de-satã da Jess! Assim que percebi que era ela, cheguei perto de onde ela estava, no chão, se contorcendo de dor, infelizmente o tiro não seria mortal, mas, poderia deixar vários danos, simplesmente me abaixei até ela e sussurrei, em seu ouvido....

– Gostou da minha vingança, Jess? As vezes Lúcifer colabora com os meus crimes...Não foi proposital, mas, eu adorei ter acertado você, agradeça isso a Lúcifer por mim pessoalmente... - precisava deixar ao menos uma vítima morta nisso tudo, então tirei um dos meus canivetes na bota, e fiz rápido, o meu lindo corte em formato de X no pescoço da Jess, ela tinha sido uma amiga legal por um tempo...Pena que tão falsa, pois é, mais uma que aprendeu o que acontece quando se brinca comigo...

– Já temos uma vítima morta, policiais, vamos, mostrem que merecem o cargo que preenchem, me peguem, antes que seja tarde de mais! - Gritei, provocante e continuei andando, não sabia ao certo o que fazer, como eu disse, só queria tumulto e confusão, só queria um final caótico pra isso tudo...

Ví um policial de costas pra mim, com certeza tentando me achar, ou, tentando respirar no meio daquela fumaça, simplesmente dei um chute nas costelas dele com o salto, o suficiente para que ele caísse no chão, e talvez para quebrar duas costelas, eu esperava...Assim que ele caiu no chão eu coloquei um dos meus pés sobre o seu abdômen e apontei minha arma pra ele:

– Olá, policial...Procurando por mim? Acho que acabou de achar, não é? Eu te peguei! Ops, não era pra ser ao contrário? Tão amador, se achando tão competente.... - Dei logo o tiro em seu peito, o que o fez morrer imediatamente -

– Devem estar se perguntando quem foi dessa vez, não é, queridinhos? Dessa vez a vítima é um de vocês...O tempo está acabando, pensem e ajam rápido... - Provocar, um ótimo jeito de você saber tudo do que uma pessoa é capaz, principalmente em um caso de vida ou morte, ou quando a pessoa é inútil de mais... -

Fui novamente até o palco, pegando um pote de álcool que eu havia deixado em um cantinho bem escondido dele...Joguei todo o álcool pelo palco inteirinho, me afastei bastante o suficiente e joguei meu isqueiro lá...Depois é claro que eu corri pra fora do prédio, não sou idiota, e daí que mais policiais estariam lá fora? Aquela noite foi mais uma de um crime histórico, e eu pouco me importava se todos morressem lá, o Mike, a Belly e a Ashley já estavam lá fora mesmo...

Cheguei fora do prédio andando provocante, imponente e sensualmente, assim que me viram os policiais apontaram as armas pra mim, eu apenas sorri e disse:

– Acho que chamar os bombeiros é mais importante do que eu agora, não acham? Há centenas de alunos inocentes lá dentro...Gostaram do meu joguinho? Com certeza sim... - Um dos policiais teve o bom senso de abaixar a arma e chamar os bombeiros, awn, que bom homem, que me deu nojo. -

– Já terminou, Alicia? Ou tem mais algum comentário adicional a fazer?- Jack, o novo ''chefão'' da policia de LA depois que eu matei o policial Max falou, vindo até mim e me algemando imediatamente -

– Eu poderia dizer várias coisas, Jack, mas, eu acho que vocês ficariam assustados com o que se passa na minha mente total e completamente inocente...

– Como sabe o meu nome?

– Eu sei de muita coisa...

– Então, você fez tudo, tudo mesmo sozinha?

– Não, ela não fez. - A voz do Mike soou atrás de mim, ele é mesmo um idiota, o MEU idiota. -

– Você é louco, né Mike? Eu poderia me ferrar sozinha... - eu disse, tranqüila -

– Ei, vadia, eu não poderia deixar você levar o mérito dos assassinatos sozinha! Eu também participei! - Foi aquilo o que ele disse, mas, eu entendi o que ele realmente queria dizer: "Ei vadia, eu já mais deixaria você se ferrar sozinha, eu te amo, Ali"

– Ok, já que insiste...É verdade, ele me ajudou em praticamente tudo...

– É claro que sim... - Jack falou, frio e algemando o Mike também - Acho que ninguém seria louco de dizer que cometeu crimes de tamanho tão grande apenas por diversão... - Eu ri, ele estava certo... -

– Bom ponto de vista... - Olhei em volta, haviam várias equipes de televisão no local, e assim que Jack nos direcionou até uma das viaturas vários entrevistadores se aproximaram, junto com outras pessoas, nos xingando do mais variado tipo de palavrões e ofensas que a humanidade já viu, como eu reagi? De uma forma irreverente, como sempre:

– Vão pro inferno, ok? Ou vão querer que eu os mande pra lá pessoalmente?- sorri maliciosa e imediatamente todos se calaram, é o poder de um grande assassino... -

Entramos na viatura e fomos até a delegacia, onde, com certeza seriamos interrogados, já que não sabiam porra nenhuma sobre os crimes, e, assim aconteceu...Só que como somos considerados mortalmente perigosos - não nego que isso seja verdade - ao invés de uma sala comum, para o interrogatório nos colocaram em uma solitária, algemados com os braços em volta das cadeiras em que sentamos, eu, como sempre muito ousada comentei sobre esse método deles:

– Ou, porque a gente está em uma solitária? É só um interrogatório!

– Vocês são perigosos de mais para uma sala comum.

– Jura? Estamos algemados a cadeiras, tem mais de 200 policiais cercando até a 2 km daqui...Que diabos a gente pode fazer? Temos olhos de raio lazer por acaso e nunca descobrimos isso? - O policial riu da minha piada -

– Eu não faço as regras...Agora o chefe do FBI vai interrogá-los.

– Chefe do FBI? Mike, somos importantes!

– Claro que somos, vadia... - Logo o homem engravatado entrou na solitária, sentando-se em outra cadeira que estava posicionada logo á frente de mim e do Mike -

– Então vocês são a dupla que forma o famoso assassino misterioso?

– O que pensou que fôssemos? Dois duendes do papai Noel? E eu prefiro o termo 'casal' somos namorados... - Eu disse, sem aparentar nem um pouco de medo na voz... -

– Vejo que não é apenas como o assassino x que é má, Alicia...

– Má? Eu? Mas, eu não sou má!

– Chega de conversa, vamos logo ao interrogatório...Começando pelo o básico: Exatamente porque vocês fizeram isso?

– Precisa ter um motivo? - O Mike disse, tão entediado quanto eu -

– É o mais normal...

– É, mas, nós não temos motivo nenhum pra ter feito aquilo....Diversão, talvez, eu acho...

– Diversão? Vocês matam por diversão?

– ÉÉ, é divertido matar, sabia? Você nem imagina o quanto...Pegar um canivete, fazer cortes, ver o sangue jorrar, arrancar órgãos e membros do corpo, torturar as pessoas...Vê-las gritando e implorando por sua vida totalmente amedrontadas, é bem divertido...

– Divertido? O caso de psicopatia em você parece ser mais grave do que eu pensei, Alicia, você acha matar divertido?

– Acho, algum problema?

– Nenhum, apenas não é algo normal...Mas, eu não esperava outra coisa de uma pessoa totalmente má como você...

– Porque você acha que eu sou má? Eu já disse que não sou! Eu sou um anjinho... - eu fiz uma cara de inocente.... -

– É, com certeza um anjinho... - O Mike disse, malicioso, eu sabia que ele ia aproveitar e fazer algum tipo de comentário sem inocência naquele momento, não me perguntem como - Rosto de anjo, corpo de mulher, e alma de demônio...

– Demônio, cafetão? Eu não tenho nada de demônio...Talvez só um pouquinho...E mais um pouquinho e mais um pouquinho, e, talvez eu seja mesmo um demônio....

– Não duvido que seja tão má quanto um, Alicia... - agentes do FBI, sempre tão frios, e, tão covardes na verdade.... - Mas, me diga, nem sempre vocês matavam todos que estavam nas boates, como conseguiam atrair as vítimas e matá-las sem que ninguém soubesse? - O Mike riu, de forma sarcástica -

– De uma forma que a Alicia com certeza é totalmente competente para fazer...

– Que seria?

– SE-DU-ÇÃO. - eu disse, apresentando essa mesma palavra na voz... -

– Explique.

– Explicar? Eu acho que eu teria que mostrar pra explicar....E, acredite, ninguém resiste a mim...

– Você não tem mesmo juízo, não é, Alicia?

– Juizo? Do que se trata? Uma nova banda de heavy metal? Um novo tipo de arma? Uma nova droga? Uma marca de cigarros? Uma nova forma de matar? Ou, será que é uma nova espécie de unicórnios? O que acha, Mike? - Ele olhou pra mim como se me perguntasse como eu consigo ser tão palhaça em uma hora dessas e começou a rir -

– Talvez possa ser também uma nova droga... - Mike se fez de pensativo -

– Sem mais brincadeiras, e, bem lembrado...Vocês bebem, fumam ou usam drogas?

– Que tipo de ser que mata pessoas, freqüenta boates ilegais que não bebe ou fuma? Apenas eu uso droga, mas, beber e fumar são vícios que nós dois apresentamos...

– Que tipo de droga?

– Hmm, metanfetamina.

–Metanfetamina? É uma droga muito forte.

– Eu não acho...Mas, cada um tem sua opinião, certo?

– Talvez seja isso que tenha desenvolvido em você a psicopatia... - Com certeza não, querido agente, eu sou psicopata desde sempre, a cada segundo da minha vida com um desejo ruim, de morte ou maldade, eu pensei, mas, não disse nada, pois sabia que o cara já estava perdendo a paciência -

– Ei! Nada disso! É como eu sempre digo, todos somos psicopatas por natureza, mas, alguns de nós acabam passando dos limites...Eu acho que eu passei um pouquinho dos limites...Só um pouquinho, claro!

– Acho seu ponto de vista muito interessante, Alicia...Porém extremamente errado... - Dei de ombros, demonstrando a minha falta de respeito e interesse - Acho que já chega, as perguntas acabaram por aqui. -

– Aleluia! Obrigado Lúcifer! - Mike disse, tão sarcástico quanto eu -

– Entãaaaao, qual vai ser a nossa sentença?

– Como são menores de idade não posso dar uma pena que daria para um adulto...E, acho que vocês são um caso com solução, ainda são jovens, vão aprender com o erro que cometeram, por mais grandioso que tenha sido...Você, Alicia vai para uma clinica psiquiátrica, e o Mike para um reformatório em Nova York, de máxima segurança, é claro, mas, nada como a cadeia, não se preocupe...Não quero que vocês tenham nenhum tipo de contato até eu ter certeza de que estão totalmente curados e que não farão mais nada parecido com o que já fizeram, eu farei visitas semanais a vocês dois, nada de aprontar, a não ser que queiram que eu tome medidas mais sérias, vocês irão passar a noite na cadeia, em celas separadas, já avisando, amanhã de manhã serão enviados imediatamente para os locais ditos anteriormente, entendidos?

– Ok, não temos escolha..Já que eu não tenho visão de raio lazer mesmo...

O resto da noite passou até que rápido, eu não dormi nadinha, precisaria de meses para que o efeito da metanfetamina passasse, voltando a minha necessidade normal de dormir, mas, eu já mais deixaria que isso acontecesse...

Na manhã seguinte eu e o Mike nos arrumamos para finalmente, chegar a pior parte...A despedida...

– Vocês podem tirar as algemas da gente por um minuto por favor? Não vamos fugir, até mesmo porque não temos a mínima chance, somos namorados, acho que devemos ter direito ao menos a nos abraçar, não acham? - Um dos policiais deu um passo a frente, livrando-nos das algemas, e logo nos abraçamos, eu, inesperadamente comecei a chorar...

– Eu vou dar um jeito nisso, eu te prometo, Mike, a gente não vai ficar assim por muito tempo... - eu sussurrei o mais baixo que pude no ouvido dele -

– Eu sei que não, Ali, eu confio e amo você...

– Eu também te amo, Mike... - agora já falávamos com o nosso tom de voz normal - Mas, me promete, que aconteça o que acontecer, o mais longe que a gente estiver você nunca, nunca, nunca vai me trocar por outra garota, me promete que você nunca vai me esquecer, por favor, Mike, me promete..Você é tudo o que eu tenho...

– Eu prometo. - Ele me abraçou com mais força, beijando-me apaixonadamente logo em seguida, essa foi a despedida, entramos em dois carros diferentes, e, seguimos o nosso caminho...

Mas, chega! Chega de tanto romantismo meloso, eu raramente mostro esse meu lado, e, assim que eu perceber como aquele lugar funciona e o que eu posso fazer pra sair de lá eu vou fazer, eu não vou deixar policiais idiotas me vencerem, como eu disse no começo disso tudo...

“Eu, presa? Eu só serei presa quando o universo parar de crescer, a Terra parar de girar e todas as estrelas do universo se apagarem, e, mesmo se eu for presa, uma coisa eu garanto...Não estou disposta a ficar lá por muito tempo, afinal, comigo não se brinca...”




Notas finais do capítulo

Bom, eu só queria agradecer a todos os leitores - até os fantasmas - por lerem a Fic, e não se preocupem, teremos mais temporadas, que serão postadas em breve, aqui mesmo! Muitissimo obrigada pelo apoio com a fic, vocês são de mais!
Eu também percebi que o número de leitores caiu bastante desde o começo da Fic =( Se não for pedir muito poderiam divulgá-la pra mim? Sério, com mais leitores, com mais reviews eu vou estar cada vez mais motivada a postar, a escrever...Espero que tenham gostado da primeira temporada, nos vemos na segunda!
Ah, pra não perder o costume, só acho melhor eu ter reviews nesse capítulo...A Alicia foi presa, mas, eu não..
♥ Lady Suicide ♥