Dilemas escrita por Paige Sullivan


Capítulo 1
Capítulo 1


Notas iniciais do capítulo

Eu disse que ia esperar mais um pouco pra postar, porque ela ainda está em andamento, mas como vou seguir um cronograma de postagem, provavelmente quando eu terminar de escrevê-la, ela já estará terminada no meu blog.
Espero que gostem.
A outra sinopse, eu vou colocar na capa.... Junto com a sinopse original.



Capitulo 1

Julho de 2012 – Rio de Janeiro – Ipanema.

CONDOMINIO ANIMALE

O sol batia forte nas janelas do apartamento de Dominique Fagundes, Aline Resende e Leticia Costa. As amigas dividiam um apartamento que Aline sempre agradecia por ser muito mais barato do que o preço valia.

– Nem parece que estamos no inverno. – Dominique levantou e fechou as cortinas do quarto – E ainda por cima estou atrasada. – olhou para o relógio e saiu correndo para tomar banho.

– Acorda Aline. – Leticia estava no quarto da amiga tentando levantá-la – Daqui a pouco Diana vai começar a reclamar porque você está sempre chegando atrasada.

– Ela me deu essa liberdade por um mês. Ela sabe muito bem pelo que eu passei. – Aline pegou as cobertas e se cobriu até a cabeça.

– Então tudo bem, ela pode ter te dado essa folga, mas eu, Leticia Costa não vou te dar. – ela saiu de perto da cama e escancarou as cortinas deixando o sol entrar no quarto e iluminá-lo como um todo. Pra completar, ela puxou a coberta de Aline.

– Que saco Leticia, parece uma criança. – ela levantou revoltada e se trancou no banheiro.

– E nada de dormir por ai no chão não, sabe muito bem que já sei onde fica a chave reserva daqui.

Depois de uns vinte minutos, Leticia já estava na cozinha terminando de preparar o café da manhã de todas elas.

– E a Aline, como está? – Dominique se sentou à mesa e olhou para Leticia que vinha com uma jarra de suco.

– Consegui fazê-la levantar, mas sabe muito bem que ela está querendo me matar por isso. Como eu já tomei o meu café, que eu não sou boba, to saindo e encontro com vocês no escritório.

– Tudo bem, beijo.

Foi só Leticia sair pela porta afora que Aline apareceu pela outra. E pode ter certeza não estava com uma cara muito boa.

– Bom dia para você também. – ela sentou em frente a Dominique mas não falou nada.

– Eu detesto ser acordada daquela maneira, acha que estou com humor para conversar?

– Serinho Aline, você já está enchendo o saco sabia? – Dominique se alterou deixando Aline assustada – Já se passaram três meses desde que você terminou com aquele lá e ainda fica sofrendo por ele?

– Como acha que devo me sentir?

– Pelo menos faça igual a Leticia, quando se apaixona só se dá mal, mas sabe dar a volta por cima. Se ainda não percebeu ela nem se lembra mais quem é o ultimo ai também que ela estava apaixonada.

– Cada um reage de uma maneira Nique. Pra você é fácil já que todos os caras morrem por você. – Dominique sentiu um tom de deboche no ar e olhou para a amiga com cara de poucos amigos.

– Sabe muito bem que isso não é verdade. – Aline percebeu que tocou na ferida da amiga e se redimiu logo.

– Desculpa, eu sei que você ficou muito magoada com o Bruno. Acho que não devo descontar nada em você.

– Tudo bem, isso já passou. – ela manteve um ar frio, mas Aline sabia que tinha algo fedendo ali, coisa que a amiga nunca contava – Acho que você deveria tirar umas férias.

– Não sei, não estou com cabeça para férias não.

– Deveria, pelo menos assim você conheceria caras bonitos e com certeza se animaria mais.

– Como se alguém fosse me notar...

– Lá vamos nós de novo...

CONDOMINIO MARTIN

Ao contrario da manhã meio tumultuada no outro condomínio, os irmãos Palmas estavam bem animados com o dia novo que chegou e com os negócios.

– Então quer dizer que Charles conseguiu convencer a Diana de trabalhar com ele? Pensei que ela o detestasse. – Tiago e Dennis estavam tomando café da manhã e Tiago ria ao saber da novidade.

– Ela não o odeia, só não gosta de ficar com ele no mesmo ambiente, coisa que eu ainda não entendi, mas eles já fecharam muitos negócios juntos.

– Sim, mas esse seria um passo muito importante. Fundir as empresas numa conta para apenas um cliente é novidade. Ela teria que o aturar muito mais. – Tiago continuava rindo e Dennis acabou entrando na diversão.

– Eu acho que aconteceu alguma coisa entre os dois. Afinal eles são quase dez anos mais velhos que a gente. Quando eles já estavam tomando conta das empresas, nós ainda estávamos no colégio.

– Sim, isso é verdade. Eu também já desconfiei disso, mas nada que me prendesse por muito tempo.

– Senhores... – entrou a empregada dos meninos, uma senhora de 48 anos, já trabalhava para eles desde que eles eram pequenos – o Senhor Charles está subindo.

Marta, Marta... – Dennis levantou e abraçou a empregada de lado – Quantas vezes já não te pedimos que parasse de nos chamar de “senhor”?

– Desculpa Senh... Dennis – ela sorriu sem graça – Mas é que me acostumei assim.

– Que isso Marta, você nos viu de fraldas, não precisa ter tanta formalidade assim, só quando tem algum cliente aqui em casa.

– O que é quase sempre não é Tiago? – entrou na sala, Charles o primo dos meninos e Ariana, a governanta.

– Dennis, sua namorada Roberta ligou e pediu para que você retornasse. – Ariana falou e Charles se sentou ao lado de Tiago.

– Mais uma namorada Dennis, onde vamos parar? – Charles meneou negativamente a cabeça e ele e Tiago começaram a rir.

– Tiago, sua amiga Amanda também ligou e...

– Caramba, porque comigo é namorada e com ele é amiga? – Dennis reclamou e todos começaram a rir. Marta estava servindo o café de Charles e Tiago olhando para ele espantado.

– Tomou café em casa?

– Tomei, mas me deu uma fome quando entrei e vi isso aqui tão bonitinho.

– Não me ignorem. – Dennis reclamou e olhou para a governanta que estava com a maior cara de mãe.

– Marta pode ficar sem graça com vocês, mas eu falo mesmo. – ela deu com uma caneta na cabeça do Dennis – Já está mais do que na hora dos mocinhos arrumarem uma namorada decente.

– Ih começou. – Tiago ia se levantar, mas quando viu a fúria nos olhos de Ariana, sentou novamente.

– Está parecendo com a minha tia, Ariana. – Charles comentou calmamente enquanto degustava de um pãozinho.

– Foi a ordem que ela me deu. Tomar conta desses meninos, ver se ponho algum juízo na cabeça deles. E vou cumpri-la, pode ter certeza.

– Então Ariana... – Dennis tentou desconversar – É que ainda não encontrei A garota.

– E nem vai agindo dessa maneira. – ela continuou o olhando furtivamente quando apontou para o Tiago – Que exemplo você dá pro seu irmão? – Charles cuspiu o suco que estava tomando e os irmãos gargalharam.

– Desculpa Ariana, mas vou te falar a verdade, acho que o Tiago é muito pior do que eu.

Ela parecia estupefata. Saiu falando palavrões em francês, e Charles estava morrendo de rir.

– Por isso que não tenho governanta.

– E precisa? – Tiago olhou para ele com uma cara desconfiada e depois voltou para a comida – Acho melhor terminarmos de comer e irmos para a empresa.

– Não vão ligar para as meninas não?

– Não! – os irmãos responderam ao mesmo tempo e Charles soltou um sorriso de canto de boca.

NA MONTENEGRO PUBLICIDADE (MP) – BARRA –

Diana está em seu escritório lendo as resenhas dos projetos quando Aline entra em sua sala.

– Bom dia Diana, desculpa o atraso. – ela parecia sem graça e foi chegando aos poucos perto da mesa dela.

– Sem problemas Aline, eu disse que você tinha essa folga esse mês. Já melhorou?

– Está tudo indo Diana, um dia eu melhoro de verdade.

– Então vamos mudar de assunto, assim você não pensa nisso. Na verdade eu tenho uma reunião com o Charles hoje na PP. Preciso que deixe tudo organizado. Os clientes da Extreme são muito exigentes e não sei se a parceria irá dar muito certo.

– Sem querer me intrometer Diana, mas são as duas empresas mais conceituadas do mundo da publicidade. Pelo menos aqui no Brasil. Acho que a junção das duas será de grande efeito para todos.

– Sim Aline, mas sabe muito bem que não estou falando do Manoel, mas sim do Charles.

– Eu sei Diana, mas você mesma me disse que os negócios não devem ser misturados com vida pessoal. Você sempre soube disso, porque agora essa dificuldade?

– Porque eu nunca fiquei tão próxima dele depois de tudo que aconteceu. Manoel sempre teve um senso de entender a situação e tomava a frente de tudo. Agora é diferente.

– Quem tratava de negócios com ele era sua outra assistente não é?

– Sim, a Monica. Mas ela acabou crescendo muito e está na Europa. O que é muito bom também já que mantenho contato com ela e consegui aquela campanha na França.

– Nem me lembre, fiquei três meses trabalhando como uma louca.

– Só não te peço para tratar disso para mim porque a Extreme é uma empresa muito grande. Muito mesmo, não há condições de apenas uma pessoa se empenhar nisso.

– Diana eu te asseguro de uma coisa. O Charles que eu vi uma vez não se parece em nada com o que você me contou que era anos atrás. Já até vi uma entrevista feita com o senhor Manoel, e ele disse que confia piamente no sobrinho. Sabe muito bem que do jeito que ele é desconfiado, para ele revelar uma coisa dessas é porque pelo menos nos negócios ele é responsável, não acha?

– Espero que isso seja verdade. – Diana levantou e ficou olhando pela janela afora – Não quero passar por tudo de novo.

Aline percebeu que ela havia voltado a um momento no passado e estava perdida em pensamentos. No mínimo não era algo agradável já que a feição da chefe não era das melhores.

– Vou terminar os relatórios. Já te entrego. – Aline se levantou e tirou Diana de seus devaneios.

– Sim, sim, espero por eles, vou terminar por aqui também.

Na parte das finanças, Dominique estava ficando louca com a situação catastrófica que havia se instaurado no lugar.

– Mas o que diabos aconteceu aqui? – ela jogou a bolsa em sua mesa e todos olharam assustados.

– Houve um problema no servidor Srta. Fagundes e estamos impossibilitados de passar os relatórios financeiros para a senhora.

– E precisam desse alarde todo? – ela sentou em sua mesa, tentou consertar o erro pelo computador dela, mas não conseguiu nada – Pelo visto teremos que chamar o Fábio aqui. Não se preocupem, à tarde isso se resolve.

Aline sentou em sua mesa e Leticia veio correndo para lhe contar a novidade do dia.

– Está sabendo do cara novo que está trabalhando no setor de RH? – ela praticamente sentou-se à mesa de Aline que estava muito compenetrada na sua tarefa para falar de carne nova na empresa.

– Desculpa Leticia, mas tenho coisas mais importantes para resolver.

– Querida, você não está entendendo ele é muito gato. – ela insistia mesmo assim.

– Então pega o telefone dele. – Aline olhou para a amiga e no mesmo momento elas perceberam que as mulheres estavam murmurando por perto.

– Bom dia. – um rapaz muito elegante, loiro, cabelos meio bagunçados, porte definido parou em frente a mesa de Aline. A mesma o olhou meio assustada, e Leticia babava pelas duas.

– Bom dia. – Leticia o respondeu com malicia e Aline se levantou chutando o pé da amiga sem que ninguém visse.

– Bom dia, posso ajudar? – Aline também falou.

– Sim, meu nome é Danilo, e eu estou meio perdido. Estou trabalhando no RH, mas ninguém me disse pra onde devo ir para entregar os documentos dos novos funcionários.

– Contabilidade? – Aline sorriu e ele assentiu sorrindo também – Tudo bem eu te mostro.

– Que isso Aline, você tem que entregar esses relatórios para a patroa, deixa que eu mostro o setor financeiro para ele... – ela o olhou maliciosa – E quem sabe o resto da empresa também...

– Leticia... – o tom repreensivo de Aline foi o suficiente para prender a atenção de todo mundo em volta.

– Que isso Aline só pensa maldade. – Danilo tentava controlar o riso – Só estou tentando ser educada.

– Percebi. – ela olhou para o Danilo – Pode ir com ela, ela não morde.

– Só se me pedirem. – Leticia piscou e tomou um soco no ombro – Que foi? – e ainda se fez de desentendida.

Aline sentou a sua mesa novamente e ficou analisando alguns papéis para tentar entregar a tempo para Diana.

– Aline... – Dominique entrou na sala com os olhos meio apreensivos – Aqueles documentos que você me pediu. São para hoje?

– Sim, eu preciso juntar aos papeis que estou imprimindo agora para Diana. Por que?

– Então... É que assim, o servidor deu problema e eu não tenho como te entregar. Acredito que só depois do almoço.

– Como? – Aline estava quase tendo um ataque – Não acredito. Aquele servidor nunca dá problema.

– Eu sei, mas sabe como é né?

– Diana.... – Aline chamava Diana pelo ramal – Temos um problema. O servidor travou e Dominique não tem como me entregar as planilhas que pedi agora de manha. Só a tarde. Acredito que você precisava para mostrar ao Cha... Ao Sr. Roich não?

– Sim Aline, mas como tenho muita coisa pra resolver com ele, por favor, leva na empresa deles depois do almoço. Pede para resolverem isso o mais rápido possível. – Diana desliga e elas respiram fundo.

As duas resolvem sair da ala administrativa e ir tomar um café no térreo do prédio. Aline e Dominique percebem que não têm muito que fazer com o sistema fora do ar. Fábio, o técnico chega um pouco depois para reativar o sistema, enquanto isso elas estão sentadas e conversando.

– Olha lá a exibicionista em pessoa tentando dar em cima do rapaz novo. – Aline aponta com a cabeça para Leticia que está toda prosa para o lado do garoto novo do RH.

– Qual o nome dele? – Dominique pergunta interessada.

– Você também? – Aline bufa e balança a cabeça negativamente – Danilo, eu acho. Ele veio se apresentar lá na sala e Leticia se ofereceu a levá-lo para o setor dele.

– E você nem me falou nada? Nem vem falando disso, o cara é muito gato.

Aline tinha que admitir, o cara era muito bonito. Mas ela ainda ficava tentando entender como elas conseguiam voar no primeiro que aparecia. Letícia as viu e saiu puxando o rapaz para perto delas.

– Danilo, essas são minhas amigas. Aline você já conhece, como te falei ela estuda publicidade e alem de ser braço direito da chefe nos projetos, é sua assistente também. – eles dois acenam a cabeça um para o outro enquanto Dominique o analisa de cima a baixo – E essa minha amiga super discreta é a Dominique, chefe do setor financeiro e jurídico da empresa.

– Muito prazer. – ele estende a mão dele e assim que Dominique estende a sua, ele age como um cavalheiro e beija sua mão. Ela se derrete toda e os olhares dos dois se encontram numa sintonia bem diferente da usual.

– Acho que estamos sobrando aqui Leticia. – Aline levanta e sai puxando a amiga.

– Que droga cara, eu tinha o visto primeiro.

– E pelo visto ele viu a Nique primeiro. Vamos, vamos...

As duas saem de vista e ficam conversando perto do setor delas, quando Fábio aparece e conta a Aline tudo o que aconteceu.

– Eu tentei procurar pela Nique, mas ela não esta em lugar nenhum.

– Pode ter certeza que ela está muito bem. – Leticia com seu sarcasmo deixa Fabio sem entender nada e Aline tenta não rir.

– Não liga, ela está com recalque. Nada que não acabe com um bom copo de cerveja. Mas pode ficar tranqüilo, eu passo tudo para ela e depois ela te liga, não sei.

– Ok, estou indo.

As meninas voltam para os seus afazeres, mas Aline passa antes no setor de Dominique para pegar os documentos que precisa. Ela olha a hora e quando chega em sua mesa, vê o recado de Diana, falando para ela não esquecer de levar as planilhas na Palmas Publicidade.

NA PALMAS PUBLICIDADE – BARRA –

Tiago e Dennis estão atolados em papeis e trabalhando mais do que nunca. A ultima conta que pegaram conseguiu deixá-los cada vez mais com trabalho. Charles, por sua vez, não para de andar pela sua sala, nervoso por saber que a reunião com Diana está quase chegando. Há muito tempo que eles não ficavam sozinhos em ambiente nenhum e isso fazia suas mãos tremerem e suarem muito mais.

Charles olhava pela janela e se sentia como um adolescente novamente, esperando a hora que falasse para a namorada que estava apaixonado por ela. E foi nesse bombardeio de emoções dentro de si que por um instante ele voltou no tempo.

Flashback

Era mais um dia fatídico na faculdade. Turma nova e semestre novo. Charles estava na ultima carteira conversando com seu amigo de anos, Ed, e eles não paravam de falar sobre a ultima noitada que tiveram com umas garotas que conheceram de outra faculdade. A aula começou e ele estava irritado porque todo mundo tinha um par para um trabalho que o professor estava passando, que mal se deu conta da menina loira, de cabelos curtos, óculos de gente importante, calça jeans rasgada e tênis all star.

Mas quando o professor a olhou de lado e nem sequer se deu ao trabalho de perguntar seu nome e apenas apontou para onde ela deveria se sentar, ele olhou pra cima. Parecia uma visão do paraíso. Ela era linda. Aquele jeito despojado, meio desligado do mundo, de uma pessoa que queria mudar tudo a sua volta o encantou no primeiro momento.

Ao mesmo tempo em que ela parecia um pouco envergonhada pelo constrangimento do atraso, ela tinha um ar decidido, imponente. Ao sentar ao lado dele, único lugar vago naquela sala, eles dois nem tiveram tempo de se apresentar.

– Qual o seu nome mocinha? – a voz do professor, grossa e forte ecoou pela sala e todos olharam para ela.

– Diana Montenegro, prazer. – ele parou de prestar atenção em tudo. Olhou apenas para ela. O professor lançava um olhar de desafio e ela fez o mesmo. Como se tivesse adivinhado que o professor tivesse feito isso de maldade, para constrangê-la perante todos – Filha de Malcolm Montenegro, dono da Montenegro Publicidade.

– E ao que devemos a honra da senhorita aqui?

– Acredito que se estou sentada com cadernos na mão e um livro é porque vim para estudar não é? Ou agora aqui há outro tipo de atividade? – todos riram, inclusive ele.

– Não gosto que cheguem atrasados na minha aula.

– E eu não gosto que me chamem a atenção na frente de todo mundo, nem por isso estou reclamando, senhor. – o tom de deboche era tão audível que chegava a ser palpável.

– Um semestre mocinha.

– Mal posso esperar.

O professor voltou sua atenção a lousa e deixou todos estupefatos. A fama do professor não era das melhores e muitos alunos tinham medo de serem reprovados por causa disso. Ninguém se atrevia a enfrentá-lo e Charles achava que teria muito problema com isso, afinal tinha alguns problemas para lidar com autoridade.

– Muito prazer, Charles Roich. – ele estendeu a mão para ela e simpática como sempre foi, estendeu a mão em revide.

– Acho que já sabe o meu nome. – eles riram.

– Sim e acredito que você será minha parceira esse semestre.

– Por que? – ela não entendeu e ele apontou para o quadro.

– Só eu que não tinha companhia e você era a única aluna que faltava para entrar na sala.

– Tudo bem, só espero que você não se prejudique com isso, ele não foi muito com a minha cara.

– Ele não vai com a cara de ninguém.

Fim do Flasback

E dali começou a nascer uma amizade, que mais tarde se transformaria em amor...

Charles nem se deu conta de que tinha passado um tempo viajando no passado até ouvir aquela voz tão familiar em seus ouvidos.

– Como sua secretaria tentou lhe chamar e não conseguiu, eu me dei a liberdade de entrar e saber se estava aqui. Fiz mal? – Diana estava bem ali na sua frente, um pouco mais velha, madura, mas tão linda como sempre foi.

– Nenhum. – alguns segundos se passaram com aquela troca de olhares intensa, mas que foi suficiente para acharem serem horas. Diana se sentia um pouco constrangida pelo fato de saber que o olhar dele era tão profundo que parecia que ele lia sua mente daquela maneira. O jeito como olhava para o seu corpo era tão sexy que sentia como se ele a despisse apenas com os olhos.

Isso a irritava. Os anos se passavam e aquela tensão não mudava. E mesmo que fosse inconsciente, parecia que os corpos dos dois tinham algum campo positivo e negativo que os atraía mais.

– Pode se sentar Diana, não dá para ficar em pé o tempo todo.

– Claro. – ela engoliu em seco e ele agiu involuntariamente, sempre quando ficava nervoso, passando as mãos pelos cabelos e deixando-os bagunçados.

Enquanto isso em outra sala, Tiago já não agüentava mais esperar pelo horário do almoço, porque parecia que o trabalho tinha consumido todas as suas forças. Ele tinha prometido almoçar com o primo e o irmão, mas quando soube que ele tinha acabado de entrar em reunião, desistiu de esperá-lo.

– Dennis, será que podemos ir logo? Eu to morrendo de fome e Charles não vai sair tão cedo dessa reunião com a Diana.

– Sim, sim. Ele mandou uma mensagem pra mim dizendo que era bem provável que não fosse.

– E porque ele não mandou nada pra mim?

– Você checou os seus e-mails? – Tiago o olha sem graça.

– Não.

– Tá explicado.

Aline chega a empresa Palmas um pouco ansiosa. Como demorou um pouco para juntar os documentos, ela acha que a reunião acabou antes do que deveria e que ela pode ter chegado tarde demais. Ela chega a recepção e anuncia o seu nome, mas Diana já tinha pedido para Charles deixar um recado por lá e ela sobe direto para a ala presidencial. Quando o elevador chega, ela entra e chega solta a respiração que nem percebeu que há minutos atrás estava prendendo. Tiago e Dennis chegam a ala dos elevadores e assim que eles entram em um para descer, Aline chega no outro e sai andando, quase correndo.

Os meninos descem e quando chegam a recepção se encaminham diretamente para o restaurante mais próximo por ali.



Notas finais do capítulo

O primeiro sempre é um prelúdio das coisas.
Caso queiram saber o perfil deles, o link está na capa da história e você podem conhecê-los um pouco mais e vão entender como vai se seguir a história.
Já posto o segundo!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Dilemas" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.