Opostos escrita por Tina Granger


Capítulo 8
Capítulo 9


Notas iniciais do capítulo

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.
Albert Einstein





Harry mexia no bacon, enquanto deixava seus pensamentos viajarem livres. Se ele estivesse na escola, naquele momento, estaria se arrumando, brincando com Rony por conta dos roncos do colega ou implicando talvez com Neville.
Ele até que gostava de cozinhar, mas, ficar escutando seus tios brigando antes do café da manhã, não era uma coisa que ele gostasse muito.
Muito bem, então é isso. - Valter falava, enquanto entrava na cozinha.
Quem mandou você fazer o café da manhã? - Petúnia perguntou, ligeiramente irritada.
Eu pensei, que como eu sempre faço, eu tinha que fazer. 
E está usando o bacon que eu estava guardando para o sábado.
Harry ergueu as duas sobrancelhas. Aquela conversa estava muito estranha.
Escute aqui garoto, você além de ser um esquisito, é um peso morto para essa família.
Valter! - Petúnia olhou para o marido, antes de encarar o sobrinho.
Você sabe que eu estou certo. Esse garoto nunca contribuiu para essa casa. Apenas nos trouxe despesas!
E o que o senhor que eu faça tio Valter? - Harry perguntou, sarcástico.
O que eu quero que você faça? Quero que você saia, arranje um emprego e comece a contribuir nas despesas dessa casa! Eu li um anuncio que pedia adolescentes em férias para um estágio. O seu nome já passou na pré-seleção que eles estão fazendo, agora, você vai ir para a entrevista... E não se atreva a fazer nenhuma gracinha para perder a vaga!
Harry, acho melhor você se apressar, a entrevista é em meia hora, você não pode... 



opostos

Harry estava encostado na parede de um corredor, esperando a sua vez de ser entrevistado. Por uma breve momento, ele sentira a mais tenra vontade de falar sobre a herança de seus pais, porém, havia percebido alguma coisa, que ainda não compreendia, uma nuance tão sutil que... Harry balançou a cabeça. Ele jamais revelaria aos Dursley, o fato de possuir um cofre abarrotado de ouro. Sinceramente, era mais fácil Snape usar vermelho e dourado, gritando que amava a Grifinória, no Salão Principal, que Válter deixar passar a oportunidade de tentar tirar sua herança.
O supermercado ficava na outra extremidade da cidade. Harry chegou com cerca de uma hora atrasado. Ele trocou sem querer, o ônibus. que o levaria ao lugar certo, apenas percebendo quando chegara a estação final. Tivera que refazer boa parte do trajeto, mas por fim chegara.
Ele estava entrando no supermercado , olhando para os lados, em meio as ofertas, quando sem querer bateu em alguém que vinha em direção contrária, derrubando uma moça, que tinha uma pilha de pastas e papéis nas mãos.
- Me desculpe. - ele pediu, enquanto ajudava-a a juntar tudo.
Tudo bem, a culpa é minha. Eu devia mesmo ter colocado sapatos mais baixos. - ela fez uma careta para as sandálias de salto alto que usava. - A próxima vez que a bruxa de Salém me disser para usar coisas práticas mas feias, juro que escuto... Se bem que as sandálias de salto baixo são horríveis, você não acha?
Harry deu de ombros.
Bom, eu não reparo muito nesses detalhes. - falou, enquanto examinava-a rapidamente. A faixa estampada, não deixava que os longos cabelos castanhos caíssem no rosto, uma pele cor de oliva, olhos castanhos. Usava uma camisa justa, gola polo azul clara, uma calça que ia até o meio da batata das canelas vermelha e sandálias anabelas roxas.
Eu imagino que não. - ela estendeu a mão. - Sou Diana e você?
Harry. 
Harry, Harry... - ela franziu a testa, antes de dar de ombros. - Deixe-me adivinhar. Você veio para a entrevista de emprego, não é?
Sim. Mas a minha entrevista estava marcada para uma hora atras... - ele deu de ombros. - eu me confundi nos ônibus. 
Ela riu. 
Isso é normal. Eu uma vez, estava voltando para casa, quando peguei no sono... Confesso que para me acordar, o motorista quase teve que mandar a filarmônica tocar Beetoven... E olha que acho que nem a nona sinfonia daria jeito de me acordar naquele dia...
Harry e ela começaram a rir. Alguns minutos depois, um pigarrear interrompeu os dois.
Eu não me importo que os pombinhos fiquem no chão eternamente, mas preciso desses documentos, princesa Diana.
Desculpe Beatrice. - Diana disse, enquanto colocava-se de pé rapidamente. - aqui estão as pastas que...
Leve para o meu escritório e me espere lá. 
A mulher falou, sem tirar o olho de Harry, que levantou-se, tendo um formigamento no pescoço.
Eu estou atrasado para a entrevista, me desculpe. - Harry falou. A maneira que a mulher o olhava era tão gentil quanto Snape, quando ele o enfrentava.
Como você se chama? - a mulher o questionou de maneira fria.
Harry Potter. - Harry respondeu, embora a mulher o encarasse como se já soubesse.
Beatrice Marie Schineider. - ela estendeu a mao. Harry apertou a mão dela. Ele engoliu em seco, quando ela voltou a falar . - Está aqui por conta do que?
Eu perdi o horario para a entrevista de emprego. Fiquei sabendo em cima da hora e sem querer, peguei o onibus errado.
Como ficou sabendo em cima da hora?
Meu tio apenas me avisou que...
Harry parou, revendo a cena do café da manhã em sua mente. Ele piscou os olhos, aturdido, quando a mulher assentiu, olhando para dentro. Harry reparou que o brinco que ela usava brilhou no reflexo da luz.
Você gosta de praticar que tipo de esporte?
Harry abriu a boca para responder, tossindo.
Ergh... eu pratico uma especie de futebol na escola.
Futebol... - ela repetiu baixinho. Então suspirou. - Seu dia de sorte, harry. Vamos passar pela parte da entrevista quero ver como você se dá na pratica. Se for desleixado e preguicoso, saiba, que você não vai ter uma segunda chance. Venha comigo.
Harry acompanhou a mulher, reparando que a maneira rigida que ela caminhava, acentuava a fluidez do macacão verde que usava. Utilizava sapatilhas brancas, quase nada de maquiagem. Os olhos azuis estavam escondidos atras de grossos óculos. Os cabelos castanhos estavam presos em um rabo de cavalo alto.
Beatriz Schineider parou diante de um homem loiro, que usava o uniforme da rede de supermercados.
Michael, esse é Harry Potter. Ele está dentro do nosso programa. Por favor, leve a sua avaliacao sobre ele o mais tardar amanha as oito horas.
E com relacao as pastas que entreguei para a sua secretária?
Estou indo olha-las agora. 
É claro. - o tom de desdém deixava subentendido que uma rixa acontecia entre eles. Beatrice virou-se, sorriu brevemente para Harry, antes de sair, os passos tão rigidos quanto os que tinha a trazido até ali.
Então... você é o protegido da bruxa de Salem, heim? - Michael sorriu um sorriso maldoso. - Vamos ver o quanto você aguenta...
opostos 
opostos
beatrice entrou no escritório, fechando a porta com cuidado. Diana estava lendo uma das pastas, bastante concentrada.
Diana.
A garota, que tinha dezenove anos, largou imediatamente a pasta, como se ela estivesse em chamas. Levantando-se rapidamente.
Sim senhora.
Tres palavras. - Beatrice ergueu a mao, com tres dedos erguidos. - Pedofilia é crime.
Pedofilia? Do que você está falando?
Lembra-se da nossa conversa, ano passado, sobre o seu interesse sobre os estágiarios? E sobre a foto que viu do meu filho?
Olhar uma foto e achar um carinha gos... quer dizer, bonitinho, não é crime.
Vi exatamente o tipo de interesse que você demostrou. E da mesma forma que eu lhe disse, que dependendo a forma que você se aproximasse de Dean, eu mesma me encarregaria de chamar a policia ou lhe matar, digo o mesmo com relacao a Harry.
A senhora nem sabe...
Harry é uma semana mais novo que meu filho. Se você se aproximar de Harry antes dele ter dezoito anos completos, com segundas e terceiras intencoes... fuja o mais rapido que puder. E se esconda no mais profundo inferno... Porque se eu lhe achar.... - Beatriz sorriu. - Os seus malditos gatos vão precisar de uma nova dona.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Opostos" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.