Opostos escrita por Tina Granger


Capítulo 1
Capítulo 1


Notas iniciais do capítulo

tentativa de fazer uma historia com um personagemque eu gosto





Inspire. Expire. Inspire. Expire.

A mulher ordenava-se, enquanto caminhava. Os cabelos que já haviam sido loiros, que agora exibiam uma coloração castanha, tinham alguns fios que haviam escapado do rabo de cavalo, grudavam-se em sua testa.

Inspire. Expire. Inspire. Expire.

A quanto tempo ela caminhava ali? Ela nem pensou em olhar para o relógio. Quando estivesse cansada, ela diminuiria o ritmo, então pegaria sua garrafinha de água...

Inspire. Expire. Inspire. Expire.

Uma das melhores coisas que ela achava que a vida tinha a oferecer, era a comida. Ela gostava de comer. Olhando-se no espelho da academia, um meio sorriso orgulhoso surgiu em seu rosto. Após a gravidez, ela havia conseguido algo, que nem mesmo quando adolescente tivera. Ela finalmente, resolveu que era hora de sair do aparelho de ginástica. Pegou a toalha, secando seu suor, ia caminhando até onde iria reabastecer a garrafinha de água Ela tinha um compromisso apenas a noite, não era nem meio-dia.

Para quem olhava de fora, era apenas uma mulher que logo entraria na meia-idade, que mantinha a forma. Do nada, um arrepio desceu pela sua nuca, por toda sua espinha. Ela virou o rosto, procurado a razão, mas não encontrou nada. Ela tinha certeza de duas coisas. Ela não iria ser vencida por um medo infundado, totalmente sem sentindo. Antecipou o alongamento, coisa que fez o Foi até o vestiário, pegou suas coisas e contrariamente a seus hábitos, saiu da academia trouxa a qual ia há muito tempo, da forma que estava.

Utilizou o carro para ir até sua casa, então, colocou a banheira enchendo, enquanto tentava fazer uma ligação. Duvidava muito que conseguisse, desistindo quando a banheira estava pronta. Deixou um recado na secretária, indo tomar banho em seguida. Aquele arrepio não lhe saía da cabeça.

Vestiu-se para o jantar, calças e blusa negra, botas escuras, com um salto baixa. Como única peça de cor, tinha em seu pescoço, em um pingente que havia sido um presente, o brasão da casa que estudara.

Maquiou-se discretamente e foi até o restaurante que havia marcado o jantar. Não demorou muito, para encontrar a pessoa que havia, depois de muito tempo, lhe convidado a jantar.

– Beatrice... como vai? - ele estendeu a mão, que ela apertou quase que imediatamente.

– Muito bem.

– Espero que você não esteja de dieta. Segundo me informaram, esse restaurante tem as melhores sobremesas que...

Ela riu discretamente.

– Professor Dumbledore... O dia que eu deixar de comer um doce, vai ser o dia que o mundo vai deixar de existir!