New Legends - Cavaleiros do Zodíaco escrita por Phoenix Matt Marques W MWU 27


Capítulo 47
De mestre para discípula: a lição final de Shun


Notas iniciais do capítulo

Um mestre, uma aprendiz, uma batalha intensa. Uma prestação de contas, uma prova de fogo, e a obtenção do resultado do saldo do árduo treinamento imposto a uma amazona firme e determinada.



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/264005/chapter/47

Uma vez fora da casa, Matt alcançou seus amigos entrando na Casa de Virgem. E todos puderam notar que esta casa era a mais diferente de todas até agora.

Era como um jardim enorme de flores; eles não conseguem sentir nada senão felicidade, e um imenso cosmo abrangia tudo. Realmente, só o imenso cosmo era motivo de preocupação naquele lugar.

— Parece o paraíso que se estende para além do Rio Lethe... – disse Thiago.

— Os Campos Elíseos! – disse Betinho.

Então, as flores começaram a sumir, e eles se viram mais uma vez numa casa do Zodíaco. O imenso cosmo desaparecera.

A escuridão tomara conta do lugar. Então, uma imensa luz dourada se projetou à frente, e eles foram em direção a ela.

Havia um homem sentado na posição de lótus, de olhos fechados, em cima de um pedestal; sua armadura também era de ouro. Todos pararam de repente, mas só Rina reconheceu os cabelos castanhos.

— Mestre Shun? – perguntou ela. Os outros olharam incrédulos.

— Shun? – disse Gustavo. – Shun de Andrômeda?

— Hoje, já não sou mais Andrômeda – disse ele, falando pela primeira vez desde que haviam chegado. – Eu possuo a armadura de Ouro da constelação de Virgem, protetora dessa casa.

— Mas você é o irmão do meu mestre, não é? – perguntou Matt. – Outro cavaleiro de bronze antigo que se tornou Cavaleiro de Ouro?

Shun não respondeu. Então, perceberam que o imenso cosmo que eles haviam sentido era dele.

— Mestre, por favor, deixe-nos passar – disse Rina.

— Creio que não posso fazer isso – respondeu Shun.

— Então, deixe-me enfrentá-lo, enquanto meus amigos passam.

— É uma boa ideia – disse Shun. – Afinal, mesmo que tenham passado pelo Ikki, creio que não terão chance contra os próximos Cavaleiros de Ouro. Podem passar, exceto Rina.

Os Cavaleiros de Bronze lançaram um último olhar para ela e passaram por Shun. O mestre virou-se para Rina.

— Então, o senhor é um Cavaleiro de Ouro – disse ela.

— Bem observado – admitiu ele. – Já gozava desse status desde antes de você chegar à Ilha de Andrômeda. Não vejo outra maneira de conferir os resultados de nosso treinamento e de seus primeiros atos como guerreira do que a enfrentando com minha força máxima. Que outro modo mais eficaz de forçá-la a despertar o Sétimo Sentido?

— Então, vai mesmo me enfrentar? Eu já enfrentei um Cavaleiro de Ouro.

— Mas não enfrentou a mim como um Cavaleiro de Ouro.

Rina esperou, encarando seu mestre. Então, a Casa de Virgem ficou repleta de correntezas de ar; a amazona foi lançada contra o teto da casa, para depois cair violentamente no chão.

— Reconhece isto, Rina? – perguntou Shun.

— Sim. É a Correnteza Nebulosa – disse ela, se erguendo.

— Pois é. O golpe mais forte dos Cavaleiros de Andrômeda, desde que eu lutei contra Afrodite de Peixes. Presumo que com este golpe você morrerá. CORRENTE NEBULOSA!

— CORRENTE NEBULOSA! – disse Rina, de repente.

A Casa de Virgem se encheu de correntes fortes de ar; ambos, Rina e Shun, se seguravam para controlar suas correntezas sem sair voando. E ficaram ali, naquela situação, por alguns momentos. Até que Shun disse:

— Basta. – No mesmo instante, as correntes de ar cessaram; a casa voltou à sua atmosfera normal. Surpresa, Rina escorregou para o chão. – Você conseguiu controlar bem a Corrente Nebulosa. Meus parabéns. Agora...

Rina se levantou de repente; Shun, porém apenas sorriu.

— Acalme-se – disse ele. – Deixarei você passar por esta casa, mas falta uma coisa. É a última coisa que eu vou lhe ensinar. Prepare-se, Rina, pois só vou mostrar-lhe uma vez. É a força de um Cavaleiro de Ouro.

Então, Shun se ergueu do pedestal e ficou de pé. Seus olhos se abriram e ele encarou a discípula.

— RENDIÇÃO DIVINA!

BUM! Uma explosão tão grande como uma supernova atingiu Rina; a única vez em que recebera um golpe assim fora quando enfrentara Kanon e sua Explosão Galáctica.

— Veremos o que consegue fazer contra o poder de um Cavaleiro de Ouro. – Shun tirou seu capacete e caminhou em direção a Rina, mas ela se ergueu rapidamente e o encarou.

— Não tenho nada a temer, mestre – disse ela. – Vamos, mostre o seu poder.

— Que assim seja.

O cosmo de Shun começou a se elevar. Rina sentiu-se envolvida e, ao mesmo tempo, ficou impressionada com a dimensão que o cosmo de seu mestre podia envolver.

— Ciclo das Seis Existências!!

Rina sentiu que estava sendo sugada para um espaço dimensional, como quando Kanon tentou mandá-la para outra dimensão. Logo, várias imagens diferentes começaram a passar diante de seus olhos, como borrões.

— Contemple, Rina! Os seis mundos para onde as almas são enviadas após a morte... – enunciou Shun. Ela podia ouvir a voz do mestre, e sentia pelo cosmo dele que ele não estava distante, embora não conseguisse vê-lo. – O Inferno: o local para onde vão as pessoas que cometeram atos terríveis e onde estas sofrem dores intermináveis. O Mundo dos Espíritos Famintos: onde os corpos dos mortos ficam esqueléticos, suas barrigas crescem e eles não param de vomitar, tendo que recorrer ao canibalismo. O Mundo das Feras: onde todos são transformados em feras e é preciso derrotar os predadores para sobreviver. O Mundo das Guerras: onde há batalhas, sangue e morte todos os dias, sem trégua. O Mundo dos Humanos: um mundo instável, sem distinção explícita entre o bem e o mal, onde felicidade, ódio e tristeza se misturam perigosamente. Por fim, o Paraíso: um local onde há grandes chances de encontrar a felicidade, contudo, um único pensamento pode fazer você cair no Mundo das Feras, no Mundo dos Espíritos Famintos ou no Inferno. Sua alma irá escolher seu destino, Rina. Então, para onde sua alma prefere ser destinada?

Rina queria gritar, mas sua voz havia sumido. Não queria morrer. Seus amigos não sabiam, mas seu maior medo era o medo de morrer.

Matt teria escolhido ser mandado para o inferno, pensou ela, tentando pensar numa solução. Mas ela não era Matt. Não podia retornar dos mortos. E mesmo que o amigo tivesse conseguido retornar do submundo após se livrar da Maldição de Fênix, não havia certeza de que ele conseguiria isso numa segunda vez, sem a Maldição.

— Não... Quero... Morrer...!! – Foi o que ela conseguiu dizer.

— Hm, se bem me lembro... O seu maior medo sempre foi o de morrer. – Shun se tornou visível; estava sentando, flutuante no espaço dimensional, alguns metros em frente a ela. – Como seu mestre, acredito que seria muito cruel da minha parte liquidar sua alma tendo conhecimento dessa sua fraqueza. Vou poupá-la dessa vez.

O espaço dimensional sumiu. Rina estava deitada de bruços no chão da Casa de Virgem, sentindo como se toda a sua energia tivesse sido enviada para os seis mundos.

— NÃO!

O berro agonizante da garota surpreendeu Shun.

— Rina, você não está mais nos seis mundos. Eu trouxe você de volta à casa de Virgem. Por que está gritando e agonizando?

— Mestre... Não me faça de idiota...! O senhor poderia ter me matado agora mesmo e encerrado esta luta. Mas... Por pena de mim... O senhor resolveu me poupar... Só porque... Sabia do meu m-medo de m-morrer... – Ela mal tinha forças para falar. – Não vê que isso é uma grande forma de deboche, m-mesmo sendo um cavaleiro de Ouro enfrentando uma de Bronze? Se eu estava à beira da morte, que fosse morta, nem que fosse pelas suas mãos, mesmo que eu NÃO QUEIRA MORRER!! Me dê a chance de lutar contra o senhor seriamente, sem ser hu-humilhada desse jeito...! Lute comigo de verdade, Shun...!!

Shun cerrou os punhos.

— Está certa. Fui piedoso demais. Perdoe-me, não queria passar a impressão de que estava debochando da sua situação. Se é o que desejas, te darei a batalha que tanto almejas. Nem que eu tenha que matá-la para encerrar a luta. Levante-se!

Rina estava exausta. Shun fez um gesto com a mão e ergueu sua aprendiz, colocando-a de pé, ainda que estivesse desequilibrada. Ela ergueu sua corrente, hesitante, pois estava nas últimas.

— Tesouro do Céu!!

Rina não estava preparada para este golpe. Talvez, mesmo se não tivesse sido enviada para os seis mundos, não conseguisse dimensionar o poder desse golpe.

Sua armadura soltou-se de seu corpo e caiu no chão, mas, ao invés de atingir o solo da casa de Virgem, as peças da armadura atravessaram o chão, como se estivessem sendo sugadas. Seu corpo parou de se mover: suas pernas, seus braços, seu tronco, sua cabeça, tudo estava imobilizado. Ela não sentia nada; era como se seu corpo estivesse adormecido, mas sua mente não.

— Seu desejo foi concedido, Rina. – Shun não se escondeu da vista dela dessa vez. Estava parado no mesmo lugar, mas ela sentia que ele se aproveitara do movimento que havia feito para levantá-la para facilitar a execução do golpe. – Este é meu golpe final. Seus cinco sentidos serão removidos. Veremos se consegue me enfrentar assim.

Pouco a pouco ela foi sentindo seus sentidos se esvaírem. Seus ouvidos pararam de escutar... Seus olhos deixaram de enxergar... Seus dedos deixaram de sentir... Seu nariz deixou de sentir cheiros... Sua boca começou a formigar até que seu paladar também sumiu. Em consequência, sua voz também despareceu.

Ela ainda estava de pé, mas não sentia mais nada. Seu corpo era um cadáver vivo.

— E então, Rina? – disse Shun. – Tente me enfrentar sem seus cinco sentidos, guiando seu cosmo apenas com a mente, o sexto sentido... Se achar que não será capaz de me enfrentar, eu te devolvo os cinco sentidos e te deixo partir do Santuário com vida. Qual sua resposta, Rina?

A amazona fitava seu mestre, mesmo sem enxergar. Seu cosmo ainda conseguia sentir a presença e a localização do cavaleiro de Ouro, cujo cosmo a envolvia, oprimindo cada vez mais seus cinco sentidos inoperantes. O silêncio imperou por um longo período.

Até que o cosmo de Rina brilhou... E começou a se expandir.

— Mestre Shun! Você removeu os meus cinco sentidos. – Era a primeira vez que ela não o chamava de “senhor”. – Mas se esqueceu de algo importante. Esqueceu-se de remover a minha mente! Não sei se o seu golpe não é capaz de realizar isso, ou se você optou por não removê-la, ou se você não possui técnicas que lhe permitam fazer isso. Mas enquanto eu tiver a minha mente, a minha consciência, alimentando o meu cosmo, minha energia não se dissipará. Meu cosmo irá se expandir, para que eu possa derrotá-lo! Ainda não posso morrer... Tempestade Nebulosa!!

É preciso dizer que, se Rina estivesse com seus cinco sentidos e com a armadura, seu golpe possivelmente sairia mais forte. Mas não é por isso que ele tenha ficado fraco. Shun não conseguiu manter a postura defensiva e foi jogado ao chão pela força da técnica da moça. Sua concentração se rompeu, e ele não conseguiu mais manter os cinco sentidos afastados de Rina.

A armadura de Andrômeda ressurgiu, sem os arranhões das últimas lutas. Os olhos de Rina se iluminaram novamente; seus ouvidos se abriram, seu nariz voltou a farejar e seu corpo voltou a sentir, assim como sua boca, e sua voz também voltou.

— Meus deuses... – Ela contemplou as próprias mãos, incrédula. – Como eu fiz isso?

— Ora! – Shun se levantou rapidamente, mas parecia abatido pela forma como seu golpe fora desfeito. – Seu cosmo produziu um milagre. Ainda que por um instante, você conseguiu tocar a barreira do Sétimo Sentido. Impressionante... Seu treinamento está rendendo mais frutos do que o esperado, Rina. Talvez eu tenha sido ingênuo demais hoje... Vou te dar uma última chance. Se conseguir resistir ao próximo golpe, poderá passar desta casa! Se não, terá que voltar atrás e desistir de seu objetivo. Está preparada?

— Não tenho mais nada a temer, mestre Shun. Mostre-me sua força!! – bradou ela.

— Como queira... Rendição Divina!!

— Corrente Nebulosa!!

A energia do golpe de Shun tentava alcançar Rina, mas ficou envolvida pela corrente de ar que Rina havia lançado.

— Hm, Rina. Acho que é ingênua demais em pensar que conseguiria prender o meu golpe somente com a Corrente Nebulosa.

— Exato, por isso mesmo que não será o único método que usarei para prendê-lo... Avante, Corrente de Andrômeda!!!

E as correntes prenderam Shun nos braços e nas pernas. Ele riu.

— Inútil, Rina! Como acha que as correntes podem deter a mim, que sou seu mentor e um Cavaleiro de Ouro!!

E ele forçou as correntes a soltarem-no. Shun, porém, percebeu tarde demais o plano de Rina.

Com seu mestre ocupado em se livrar das correntes, ela havia conseguido reunir energia o suficiente para intensificar a Corrente Nebulosa e fazê-la... Explodir.

— Tempestade Nebulosa!!!

As correntes de ar liberaram toda sua força e explodiram na direção de Shun, erguendo-o no ar e fazendo-o cair no chão em seguida.

Shun parecia desacordado. Rina se dirigiu até ele após fazer as correntezas cessarem, mas seu mestre se ergueu rapidamente, e a fitou.

— Ráh! Bravo, Rina. Você me enganou e me distraiu por tempo suficiente para lançar a Tempestade Nebulosa. Muito geniosa. Parece que está próxima de alcançar o Sétimo Sentido.

— Ahn, obrigada, mestre Shun.

— Excelente, Rina. Acabei de lhe passar meus últimos ensinamentos – disse Shun. – Aproveite-os e use-os bem. Nossos cosmos estarão com você, não é, June?

Uma amazona surgiu ao lado de Shun. Rina reconheceu imediatamente June de Camaleão, sua segunda instrutora. June acenou para ela e Rina retribuiu mais tranquila.

— Vá em frente, e boa sorte – disse Shun, em tom de despedida.

Assim que Rina saiu, June perguntou:

— Não esqueceu de dizer nada a ela?

— Sei o que está pensando – disse ele. – Sobre ela assumir a armadura de ouro de Virgem no futuro. Mas não falei nada, porque creio que não é o destino dela. Ela vai saber quando encontrar o irmão dela.

— O irmão dela...? – June fez menção de falar mais, mas Shun a deteve.

— Ela saberá no momento certo. Algo me diz que não vai tardar muito para que ela descubra. Por ora, deixemos ela terminar de percorrer as Doze Casas.

— E quem vai assumir esta casa e a armadura quando você morrer, Shun?

— Ora, quem sabe. Talvez o jovem Paulo. Como está indo o treinamento dele?

June sorriu, enfim compreendendo.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

Próximo capítulo: O novo Dragão Ascendente e os Cem Dragões de Rozan




Revisão do capítulo concluída em 03.05.2020



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "New Legends - Cavaleiros do Zodíaco" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.