New Legends - Cavaleiros do Zodíaco escrita por Phoenix Matt Marques W MWU 27


Capítulo 38
Cavaleiros, Atena chama por vocês!! Surge Saori


Notas iniciais do capítulo

Após o término do embate entre Bronze e Aço, a própria Atena surge no local de batalha, prestes a dar um novo direcionamento tanto aos Cavaleiros de Bronze quanto aos de Aço. Uma nova jornada aguarda o grupo dos novos cavaleiros...

De volta ao Japão, Tatsumi presenteia Rina com algo que pertenceu ao mestre dela: um objeto de extrema importância que será essencial em momentos posteriores da história.

Enquanto isso, Matt e Isabella conversam sobre o futuro de ambos como um casal.


Aqui chegamos ao final de mais uma saga, deixo aqui meu agradecimento aos leitores que nos acompanharam fielmente neste arco:
Louis
Bilss o Destruidor
Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic
Aeslandboy
Tecnoartemago
archer shiro
Guiga
Senhorita Nada
StarLight
Storm Phoenix

Espero vocês na próxima saga!



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/264005/chapter/38

— Cavaleiros de Bronze... – gemeu Luiz. – A batalha não terminou...

— Mesmo sem a armadura de ouro, atacaremos o santuário! – disse Fidelis.

— Vamos derrotá-los! – disse Kevynne.

Os Cavaleiros de Bronze e de Aço voltaram a se encarar. Porém, quando parecia que iam recomeçar a luta...

Um intenso brilho dourado encheu o local; os Cavaleiros cobriram os rostos daquela luz, que era forte como os raios do Sol, até que ela diminuiu.

Uma jovem havia surgido no meio dos Cavaleiros de Bronze e de Aço; era bela, tinha vestes brancas, segurava um cetro dourado e tinha longos cabelos roxos.

— Quem é você? – perguntou Matt.

— Cavaleiro de Fênix, com um poderoso cosmo entre seus colegas de Bronze, eu sou aquela quem você jurou proteger – respondeu ela, num tom de voz calmo e pacífico.

— O QUÊ? – disseram os Cavaleiros de Bronze ao mesmo tempo.

— Mas... então você... – disse Rina.

— Saori Kido, neta adotiva de Mitsumasa Kido, herdeira da Fundação Graad... e reencarnação atual da deusa Atena. – a voz dela era bela e reconfortante. Seu imenso cosmo parecia envolver todos ali presentes.

— ATENA?? – disseram os Cavaleiros de Bronze, mais uma vez, em uníssono.

— Mas... Eu achava que Saori Kido já tivesse uns quarenta anos, e eis que ela surge com um corpo de 18 anos! – disse Betinho. Saori não falou nada, apesar do rosto dela parecer corar por um instante.

— Enfim – disse Saori. – Como Atena, vim agradecer a vocês, Cavaleiros de Bronze, bravos, corajosos, justos e honestos, por recuperarem as Armaduras de Aquário e Libra. Assim como ao jovem guerreiro Marcolino e seus amigos, que resolveram apoiar os Cavaleiros de Bronze contra seus antigos colegas e, fazendo isso, declararam apoio, ao mesmo tempo, a mim.

— Mas... – começou Gustavo, mas Saori interrompeu-o.

— Quanto a vocês, Cavaleiros de Aço, discípulos de Shô, Daichi e Ushô, fiéis cavaleiros de Atena, eu fiquei triste por saber que valiosos aprendizes deles tenham voltado a mão contra mim. Mas dou-lhes uma segunda chance. Vocês juram fidelidade a mim, e nunca me trair, assim como seus mestres?

— Sim – responderam os líderes de Aço. Os outros Cavaleiros de Aço concordaram.

— Muito bem. Vão em paz. O Dr. Hakase Asamori, que ajudou a criar as armaduras de Aço originais, estará esperando por vocês no Japão para orientá-los sobre como deverão proceder como novos e convertidos Cavaleiros de Atena. – disse Saori, e os Cavaleiros de Aço foram embora em silêncio. – Quanto a vocês, Cavaleiros de Bronze... Novamente eu agradeço, e estou esperando vocês no Santuário. Isabella, Marília, Gabriella... por favor, transportem a armadura de Libra com cuidado, e assegurem a ela um retorno seguro às Doze Casas.

Dizendo isso, o cetro de Saori brilhou e ela desapareceu. Os Cavaleiros de Bronze, atônitos, foram embora, murmurando pelo caminho, uns com os outros:

— Atena... Vimos Atena!

— Esses realmente tem fé – disse Marília para Isabella. – Ei, nós estamos com um pouco de pressa, mas, se quiser se despedir mais apropriadamente, eu dou uma desculpa ao Mestre depois. Ele vai querer saber por que nós não chegamos junto com Atena.

Isabella assentiu, agradecendo à amiga de treinamento. Ela foi ao encontro de Matt, que estava um pouco distante dos outros. Thiago, Betinho, Gustavo e os outros cavaleiros de Bronze conversavam com Marcolino e os outros Cavaleiros de Aço que os haviam ajudado, alguns deles ainda muito surpresos por terem visto Atena. Rina de Andrômeda começou a conversar com Marília de Grou, que havia se sentado sobre a urna da armadura de Ouro, enquanto Gabriella observava o diálogo.

— Então é isso. – Matt olhou-a de cima a baixo, como se estivesse diante de uma nova Isabella. – Você é uma amazona de Prata.

— Você fala como se não tivesse gostado – insinuou ela.

— Eu gostei muito – garantiu ele. – Mas, ao mesmo tempo, também sei que isso muda a nossa situação. Uma amazona de Prata tem muito mais obrigações do que um cavaleiro de Bronze. Além disso, o relacionamento entre cavaleiros sempre foi uma questão complicada.

— Matt, só porque eu estou indo ficar um tempo no Santuário não quer dizer que vamos ficar separados para sempre. Mais cedo ou mais tarde, você e os outros terão que ir ao Santuário também.

— A questão não é essa. Você nunca vai ter tempo para um cavaleiro de Bronze. Eu só vou empatar sua vida. E não acho que o relacionamento de dois cavaleiros novatos vai ser bem aceito por todos no Santuário.

— Não diga isso!! – exclamou Isabella. – Nós temos amigos, eles podem nos dar cobertura para que continuemos nosso relacionamento e...

— Bella. Não é tão simples assim. – Ele segurou as mãos dela e olhou-a bem no fundo dos olhos. – Não quero estragar sua vida. Vamos dar um tempo. Se no futuro, nós pudermos ficar juntos, nós ficaremos. Mas agora... Acho que nossos caminhos tem que se separar.

— Matt... Eu não acho que nós precisemos dar um tempo a nós mesmos. – Ela o encarou com seus olhos claros e profundos, fitando-o com melancolia. – Mas, pelo amor que tenho por você, vou respeitar a sua decisão. Mas espero sinceramente que ela não seja demorada ou mesmo definitiva.

Ela o abraçou, e ele não a afastou. Os dois ficaram juntos por um longo tempo, até que ela o soltou delicadamente.

— A gente se vê por aí, Matt.

Ela soltou as mãos dele, e foi se despedir dos outros cavaleiros de Bronze. Depois, segurou com Marília e Gabriella a urna da armadura de Libra e as três sumiram pelo teletransporte da amazona de Grou.

No dia seguinte, os Cavaleiros de Bronze chegaram de volta ao Japão, acompanhados de Marcolino e de seu grupo de Cavaleiros de Aço, e dos demais Cavaleiros de Bronze. Informaram Tatsumi da volta da Armadura de Libra ao Santuário e da aparição de Atena. Ele não parecia surpreso com a ausência de Isabella, nem com a notícia de que ela era uma amazona.

— Era algo que vocês iriam descobrir mais cedo ou mais tarde – afirmou ele. – Acompanhei Isabella desde que ela era uma criança. Logo, logo, chegaria o momento de ela assumir de vez a própria armadura.

— OK... E quanto a Atena, Tatsumi? – quis saber Rina.

— Srta. Saori... – disse ele. – Como é bondosa... Perdoou os traidores... Deu-lhes uma chance de redenção...

— Ela nos disse “espero vocês no Santuário” antes de ir embora – disse Gustavo.

A estas palavras, Tatsumi ficou branco de pálido. Começou a andar pela sala em círculos, como se estivesse pensando em algo. Os Cavaleiros de Bronze ficaram olhando-o, confusos.

Até que Matt perguntou:

— Tatsumi? O que está acontecendo?

— Chegou a hora do teste de fogo para vocês – disse Tatsumi. – Se a Srta. Saori quer que vocês encontrem-na no Santuário, é para testar a capacidade de vocês. Para ter uma prova definitiva de seu valor como cavaleiros.

— Hm, e o que poderia ser? – indagou Thiago.

— Vocês saberão quando chegarem lá – disse o empresário. – Tenho certeza de que o Mestre preparou um ambiente adequado para testar vocês. Nada mais justo, depois de terem conseguido cumprir suas primeiras missões com sucesso, resgatando duas armaduras de Ouro.

— Ahn, Tatsumi...? Gostaria de lembrá-lo de que nós só decidimos recuperar as armaduras por vontade nossa, e não por seguirmos suas ordens – disse Matt.

— Seja como for – disse Tatsumi – vocês não irão precisar mais seguir “minhas ordens” por um bom tempo. Depois que tiverem chegado ao Santuário e, supondo que completem o desafio que o Mestre fará a vocês, passarão a responder diretamente ao Mestre, ao Santuário e a Atena.

Os cinco se entreolharam.

— Quanto aos outros Cavaleiros de Bronze e aos Cavaleiros de Aço que, segundo vocês, ajudaram a enfrentar os rebeldes, podem permanecer na Mansão Kido pelo tempo que for necessário – disse ele para os demais cavaleiros. - Mas acredito que, em breve, dependendo de como os cinco se saírem no teste, vocês também serão convocados pelo Santuário para se juntar às suas fileiras.

Marcolino e os demais agradeceram, e foram conduzidos pelos agentes da Fundação para os quartos que iriam ocupar.

— Descansem, cavaleiros de Bronze – disse ele aos cinco. – Amanhã mesmo, voltarão para a Grécia.

...

...

...

...

Rina estava deitada em seu quarto, olhando distraidamente o celular. Alguém bateu em sua porta.

— Pode entrar – disse ela.

Tatsumi entrou no quarto. Segurava uma pequena caixa nas mãos.

— Boa noite, Rina – disse ele. – Vim deixar algo para você.

— Pra mim?

— Sim, a pedido do seu mestre. – Ele depositou a caixa aos pés da garota. Ela abriu e encontrou dois objetos: um retrato e uma corrente com um medalhão. O retrato mostrava um garoto segurando um bebê. O medalhão tinha os dizeres Yours Ever inscritos no centro. – Essa medalha pertence ao seu mestre desde que ele era bebê. Mas agora ele acha que deve ser passada a você, para que se torne um legado de todos os cavaleiros de Andrômeda.

Rina segurou a medalha em suas mãos.

— Mas essa inscrição... Yours Ever. Significa "Seu Para Sempre". Tem algum significado?

Tatsumi deu de ombros; parecia genuinamente não saber, mas Rina teve o pressentimento de que ele não estava sendo de todo sincero.

— Se tem, só o seu mestre pode lhe contar.

— E esses meninos na foto? - ela perguntou para mudar de assunto, fingindo aceitar a resposta do velho.

— Este é o Shun, quando era um bebê, nos braços do irmão mais velho, Ikki, que mais tarde se tornou o cavaleiro de Fênix.

— Então, esse é o mestre do Matt?

— O próprio... Ele e seu mestre eram muito ligados, embora fossem muito diferentes. Achei que já era hora de dar um novo destino a essa foto, já que ela esteve guardada por muitos anos aqui na mansão. Aliás, ela ficava neste mesmo quarto... Que era onde o seu mestre sempre ficava quando se hospedava aqui.

— Tatsumi, teve alguma notícia da armadura de Sagitário? – perguntou Rina, com a pergunta surgindo em sua mente de forma repentina. Ela se deu conta de que não pensava na Armadura de Sagitário fazia muitos dias. Com toda a luta pelo qual haviam passado para recuperarem a Armadura de Libra, ela não conseguia entender como nem eles nem os Cavaleiros de Aço haviam avistado nenhum sinal sequer acerca de onde a outra armadura poderia estar.

Ele balançou a cabeça.

— Nada até agora. Sumiu da mesma forma como os Cavaleiros de Aço tinham sumido por um tempo. Até pensei em interrogá-los para saber se eles teriam algo a ver com esse desaparecimento, mas Marcolino garantiu que nenhum dos Líderes de Aço sabia que havia outra armadura de Ouro roubada em posse daqueles Cavaleiros Negros. Espero que vocês consigam pistas no Santuário... As armaduras sempre encontram o caminho de casa. É possível que ela apareça por lá.

Rina contemplou a foto. Shun repousava tranquilamente nos braços fortes do irmão Ikki. Era reconfortante ver uma imagem de seu mestre, embora fosse uma foto antiga, mas a imagem de paz transmitida pelo rosto do pequeno Shun deixou Rina relaxada. Era incrível, também, notar que o irmão dele, Ikki, lembrava a ela um pouco seu amigo Matt; os dois tinham a mesma expressão firme e determinada. O jeito protetor com que Ikki segurava Shun em seus braços era muito semelhante ao abraço com que Matt envolvia Isabella quando os dois estavam juntos; os dois cavaleiros de Fênix transmitiam seu afeto às pessoas amadas à sua maneira, incomum e singular, porém carinhosa.

Rina se lembrou da expressão nos rostos do casal, pouco antes de Isabella partir para o Santuário com a armadura de Libra. Os dois estavam estranhamente tristes naquele momento, como se estivessem se despedindo para sempre... Será que eles terminaram? Não pode ser. E Tatsumi havia acabado de lhes contar que eles estariam indo para o Santuário logo no dia seguinte. Era muito provável que eles encontrassem Isabella por lá, e talvez, Matt e ela pudessem se entender.

— Bom, eu vou deixá-la descansar, Rina – disse Tatsumi, tirando Rina de seus devaneios. – Durma bem.

— Boa noite, Tatsumi – disse ela, enquanto ele deixava o quarto. Rina colocou o retrato de Shun e Ikki sobre sua mesa de cabeceira, e colocou o medalhão de Shun em seu pescoço. Era como se pudesse ter algo de seu mestre com ela, lembrando-a dos bons momentos de sua época de treinamentos. Então se deitou para dormir, pensando na viagem que fariam ao Santuário no dia seguinte.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

Próximo capítulo: O relógio de fogo e o desafio das Doze Casas!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "New Legends - Cavaleiros do Zodíaco" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.