New Legends - Cavaleiros do Zodíaco escrita por Phoenix Matt Marques W MWU 27


Capítulo 14
A primeira missão em equipe


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal! Aqui começaremos um novo arco da história, depois de os cavaleiros finalmente se unirem em uma missão.

Os cavaleiros decidem deixar o orgulho e as diferenças de lado e aceitar o desígnio da missão, deixando a desonestidade de Tatsumi em segundo plano, com a condição de que o mantenedor da Fundação Graad não esconda mais informações relevantes deles. Os jovens começam a aceitar seu destino como cavaleiros da deusa da sabedoria e seguir adiante em busca de seus adversários...



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/264005/chapter/14



— OK, não quero incomodar nenhum de vocês – começou Betinho ao ver que todos os outros prestavam atenção nele – mas estou pensando muito nessa missão que ele quer que a gente execute.

Os cinco cavaleiros de bronze estavam sentados num dos quiosques do Coliseu, que nesse momento estavam fechados, pois a assessoria da Fundação tinha dado folga aos funcionários até que começassem as lutas do UFC à noite. Os torcedores que haviam erguido os cavaleiros agora estavam do lado de fora ou assistindo a coletiva de imprensa de penetra. Betinho sentou-se numa cadeira de frente para os demais cavaleiros.

— Quero dizer, a própria Atena nos mandou esses cristais como presentes, e mesmo o velhote foi bacana ao nos declarar campeões. Mesmo eu tendo sido eliminado.

— Você mandou bem contra o Cavaleiro Negro – disse Gustavo. O cavaleiro de Pégaso sorriu e esticou o polegar e o mindinho da mão, no gesto de “Valeu” para o cavaleiro de Dragão.

— Apesar de o velho Tatsumi ter nos ocultado duas preciosas informações – lembrou Thiago. – As armaduras de ouro e os cavaleiros antigos que foram mortos.

— Eu gostei do presente – Rina havia colocado o cristal no pescoço e o contemplava a frente do rosto. – É bem melhor que nossas armaduras estejam aqui do que termos de carregar aquelas urnas pesadas.

— Eu apoio! – disse Matt. – Mas o velho foi muito sacana conosco. Não sei se ele merece nosso voto de confiança.

— Ele, talvez não – concordou Betinho. – Mas Atena deve estar nos observando e deve estar apostando suas fichas em nós. Além do mais, somos Cavaleiros dela.

— Podemos mostrar ao Tatsumi que somos ótimos Cavaleiros sem que ele precise ficar nos dando ordens! – opinou Gustavo.

— Nós teremos que agir como uma equipe, caso não tenham reparado – disse Thiago, soturno. – Agora a pouco tínhamos como meta derrotar uns aos outros para vencermos o torneio. Agora surgem esses malandros que roubaram as armaduras e nós temos que partir imediatamente atrás deles? Não é tão simples assim. Todos aqui passaram os últimos anos sozinhos com seus mestres e aprendendo a se defender assim.

Os cinco se entreolharam. Nenhum havia imaginado aquela possibilidade, de agirem em equipe de uma hora para outra.

— Podemos tentar – disse Matt, por fim.

— O que? – fez Thiago.

— Olhe, nós conhecemos as técnicas uns dos outros no torneio, não é? Podemos nos utilizar disso a nosso favor, para fazer ataques em conjunto ou coisas assim.

— É mesmo! – Betinho bateu na própria testa, lembrando-se de algo. – Nós acabamos de fazer isso lá embaixo contra o Cavaleiro Negro! Temos todas as condições de enfrentar os colegas dele!

— Então isso é sim? – indagou Rina. – Nós vamos?

— Sim – fez Thiago. – Se temos que formar uma equipe, que formemos. Será uma equipe inesquecível!

— Isso aí! – fez Betinho. Ele esticou a mão, e os outros quatro colocaram as mãos em cima da dele.

— Um, dois, três... Cavaleiros de Bronze!! – disseram os cinco em uníssono, e o grito deles ecoou no estádio vazio.

— Vamos mostrar a Atena que valemos o investimento – disse Matt. – E ao Tatsumi que seremos a melhor equipe que ele já teve sob sua “orientação”.

— Vamos, vamos dar a resposta ao velhote – disse Thiago, animando-se e levantando-se de um salto. Os outros quatro o seguiram.

...

...

...

Tatsumi continuava sentado no camarote, com Isabella ao seu lado, navegando em seu tablet. Ele olhava fixamente para frente, como se esperasse algo.

Os cavaleiros de bronze entraram no camarote sem bater e postaram-se diante de Tatsumi, que os contemplou sem mostrar surpresa.

— Cavaleiros de Bronze – começou ele.

— OK, velhote, nós decidimos aceitar a missão, mas não pense que foi por sua causa – afirmou Betinho.

O diretor deu de ombros.

— Eu não tenho tanta importância, não perto da senhora a quem vocês estarão enchendo de orgulho ao partirem nessa missão e recuperarem esse patrimônio do Santuário que são as Armaduras de Ouro.

— Isso influenciou nossa escolha, admito – disse Matt. – Mas não vamos perder tempo dando explicações a você. Apenas nos diga onde encontrar os Cavaleiros Negros.

Tatsumi se levantou.

— Para isso, temos que ler a carta que eles nos deixaram. – Ele abriu-a, pigarreou e começou a ler: - “Prezados Cavaleiros de Bronze, nós, os Cavaleiros Negros, viemos, por meio desta, declarar guerra a vocês como forma de vingança por termos sido derrotados por vocês no passado...”

— Opa! Que história é essa? – exclamou Betinho. – Nós não...

— Foram os seus mestres – disse Tatsumi rispidamente. – Quando eram cavaleiros de bronze, deram combate aos melhores soldados dos Cavaleiros Negros e venceram-nos. Eles querem descontar isso em vocês, já que seus mestres... Hm, posso continuar? “Nosso novo senhor, o grande Marte, nos ordenou que roubássemos suas preciosas Armaduras de Ouro para usá-las a nosso favor. Estamos baseados no Monte Fuji, caso se interessem em tentar recuperar as armaduras.”

Tatsumi guardou a carta no envelope e fitou os cavaleiros.

— Algo a dizer?

— Monte Fuji... O que estamos esperando? Vamos partir agora mesmo – disse Gustavo.

— Um momento – disse Tatsumi. – O monte fica a alguns quilômetros a oeste de Tóquio. Um ônibus da Fundação pode levá-los ao local, pela manhã.

— Não queremos nada de você... – começou Matt, mas o primo o interrompeu.

— De manhã? Esses caras roubaram as armaduras agora! Temos que ir atrás deles imediatamente!

— Como queiram – disse Tatsumi. – Alguém se opõe?

Matt de Fênix torceu os lábios, mas ninguém se manifestou verbalmente.

— Ótimo. Agora que já sabem como utilizar os Cloth Stones, vou preparar o ônibus e vocês serão levados para o monte. Posso não merecer a confiança de vocês ainda, mas tomem cuidado, e que Atena esteja com vocês no cosmo.

— Obrigada, senhor – disse Rina.

Tatsumi juntou as mãos e se curvou, saudando os Cavaleiros de Bronze. Encabulados, eles retribuíram o gesto.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

obrigado por ler!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "New Legends - Cavaleiros do Zodíaco" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.