Temporada De Tortura escrita por Amethyst


Capítulo 18
A Primeira vez agente nunca esquece.




P.D.V Poseidon:






Acordei com o sol batendo na minha cara, olhei pro relógio e eram 8:00 da manhã. Depois de uma noite tão quente com Atena eu nem conseguia acreditar no que tava acontecendo, quer dizer, ela ainda é virgem e tudo, mas foi por pouco, muito pouco mesmo.

Atena estava dormindo serenamente agarrada a mim. Ontem a noite ela faltou me matar depois de reparar o que íamos fazer, no final, a culpa foi toda daquela porcaria de afrodisíaco.

Olhei para a mesinha de fotos e vi uma carta ao lado de uma foto de Atena lendo um livro. Tirei Atena de cima de mim delicadamente para não acorda-la e virar um deus morto, levantei da cama no mesmo momento que Atena agarrava um travesseiro e reclamava de como ele era mole, ri com isso, me aproximei da mesinha e peguei a carta com o envelope amarelado. Ué? Cada as figurinhas do My Little Poney? Tentei abri-la, mas não conseguia, parece que tinham achado uma super bonder que funcionava de verdade e colocaram ali. Olhei novamente pra carta e vi a frase escrita em letras fortes ‘’Leiam Juntos!’’.

Fiquei esperando a senhorita dorminhoca acordar, nesse meio tempo fiz o café da manhã e deixei em cima da cama, comi mais da metade da bandeja, afinal um deus tem fome de leão.

Quando Atena acordou eram mais de 10 da manhã, ela se espreguiçou e olhou pra mim.

– Porque não me acordou coisa imbecil? – Gentil como sempre.

– Bom dia pra você também preguiçosa. – Joguei uma direta nela pra ver se tomava jeito.

– Você fez o café, parabéns escravo. – Ela me ignorou e começou a comer.

– Você poderia acabar de comer logo? – Perguntei e ela me olhou curiosa. – Eu to afim de ler essa carta.

– Cadê as figurinhas do My Little Poney com glitter? – Perguntou ela dando uma mordida na maça.

– Também me perguntei quando vi pela primeira vez, mas pelo visto não é da rainha das passarelas. – Falei pegando uma uva.

– E porque você ainda não leu? – Terminou de comer a maçã e se endireitou na cama com posição de índio.

– Porque aqui diz para lermos juntos. – Falei lhe entregando a carta enquanto colocava a bandeja no chão que em poucos segundos se desfez em uma nuvem de glitter.

Atena abriu o envelope e mandou sentar-me ao seu lado porque não queria ler para mim. Sentei-me e comecei a ler.

–-#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—

Rata da Biblioteca e Peixinho,

Em primeiro lugar, CAVALINHA Poseidon? Francamente, que nome idiota para uma flor. Só você mesmo pra gostar disso. HAHAHAHAHA.

Enfim, eu não escrevi para falar da flor preferida do meu tio querido (hahahahahahaha), escrevi porque tinha que alertar vocês sobre o Afrodisíaco. Se vocês não fizerem aquilo logo (vocês sabem o que é, não se façam de santos) tem uma incrível chance de o afrodisíaco fazer. Atena querida, é melhor fazer isso lúcida do que enfeitiçada(se é que me entende).

Bem, Afrodite me mandou dizer que era pra vocês fazerem isso porque não aguenta mais assistir amassos, e por favor, tentei obedece-la, ela tá muito irritada por causa da... a não posso falar, esqueci. Maldita carta que escreve sozinha enquanto falamos.

Então é isso, aproveitem.

Um abraço, Hefesto.

P.S: Cavalinha... HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA.

–-#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—#—

– Cavalinha é Poseidon? – Falou Atena arqueando uma sobrancelha e vermelha de tanto segurar a risada.

– Pode rir Atena. – Bastei dizer isso para Atena gargalhar escandalosamente. – Ei, pra sua informação é uma flor muito bonita. – Falei emburrado.

– HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA, faça o favor Poseidon. – Disse ela se recuperando. – Eu sei que é uma flor bonita, o que me surpreende é você, Poseidon, o gostosão metido a macho, gostando de flores.

– Então você me acha gostoso? – Perguntei com um sorriso malicioso no rosto.

– Não, mas infelizmente esse é o seu logotipo. – Falou ela enquanto observava a carta desaparecendo em uma nuvem de purpurina. – Falei pra ela se cuidar, mas não, tinha que vacilar. – Sussurrou Atena.

– Do que você tá falando Atena? – Perguntei.

– Nada. – Falou tentando esconder alguma coisa. – Então, como vamos fazer isso?

– Isso o que? – Perguntei.

– Você sabe Poseidon, não me faça falar. – Então eu entendi do que se tratava, mas decidi atormenta-la um pouco.

– Mas eu não sei Atena. – Falei normalmente.

– Poseidon, pelo amor de Zeus, você sabe o que é. – Exclamou ela.

– Não, não sei! – Falei observando as bochechas dela ficarem vermelhas.

– É... é... – Gaguejou ela mais assim que viu a minha cara soltou. – SEXO POSEIDON, ERA ISSO QUE VOCÊ QUERIA QUE EU DISSESSE? PRONTO, VOCÊ CONSEGUIU! COMO VAMOS FAZER ESSA MERDA? – Gritou ela vermelha de raiva e vergonha.

– Que tal começarmos assim? – Falei e lhe dei um beijo.

Deitei a deusa da sabedoria na cama e continuei o beijo enquanto passava a mão na sua perna descoberta, eu nem tinha reparado, mas ela havia escovado os dentes já que sua boca se encontrava com o sabor de menta encontrada na pasta de dente. Atena inverteu nossas posições e quebrou o beijo, pensei que ela tinha desistido, mas me surpreendi quando ela tirou a camisola se encontrando agora apenas com as suas roupas intimas. Completamente linda.

– Tá bom, vou te confessar uma coisa Poseidon. – Falou ela dando beijos no meu pescoço. – Não sou tão santinha assim!

Atena rasgou a minha blusa mostrando o quão impaciente estava, olhei nos seus incríveis olhos cinzas para ver se aquilo era coisa do Afrodisíaco, mas me enganei, Atena fazia aquilo por livre e espontânea vontade. Ela voltou a me beijar, agora com mais vontade, nossos corpos estavam em chamas, o ar-condicionado parecia ter virado um aquecedor pelo fato do calor que fazia naquele quarto. Levei minhas mãos até as costas da deusa e tentei tirar o sutien, mas não encontrava o maldito fecho. Atena percebeu a minha irritação e levou minhas mãos para o vale dos seus seios que se encontrava o fecho daquela peça irritante de roupa que eu fiz questão de tirar rapidamente e jogar dei lá aonde, olhei para os seios da deusa e me surpreendi mais uma vez com o tamanho dos mesmos, nunca os olharia com normalidade, eu posso com certeza dizer que eram os mais lindos já existentes, a dona deles os cobriu, como sempre fazia, mas eu retirei rapidamente os braços dela de cima daquelas preciosidades.

Inverti nossas posições novamente enquanto babava por aquelas coisas que não podiam ser comparadas com nenhuma fruta, mas eram muito suculentos. Beijei-os rapidamente, mas não pude me conter e avancei neles como um bebezinho com fome, mordi e chupei enquanto observava as caretas que Atena fazia para não mostrar o quanto estava gostando daquilo, eu simplesmente adorava quando ela fazia isso, afinal eu já tinha feito aquilo com ela, e sempre tinha a mesma expressão por conter o que sentia.

– Eu já te falei para não esconder o que está sentindo Atena. – Sussurrei no seu ouvido enquanto ouvia a mesma gemer baixinho. – Assim mesmo, eu gosto quando geme querida. – Foi o suficiente para Atena ficar por cima novamente.

– Mas agora eu quero ouvir você gemendo ‘’querido’’. – Disse ela beijando meu pescoço enquanto descia as suas delicadas mãozinhas para o meu calção.

Ela beijou a minha boca rapidamente e desceu os beijos para o meu queixo, pescoço, tórax, e quando ficou de cara com o meu amiguinho já duro coberto pelo calção ela pareceu pensar um pouco.

– Hummm, deve ter o que? – Falou ela passando a mão pelo meu pênis. – 18, 19*?

– Você sabe muito bem que tem muito mais. – Falei tentando me virar novamente, mas ela não deixou.

– Nananinanão, ainda nem começou a tortura. – Disse ela com uma carinha de inocente.

– Atena, o que você vai... Aaaaaaai, huuum... – Fui interrompido pela deusa que rapidamente tinha tirado o meu calção e agora estava com a sua língua acariciando o meu amiguinho.

Atena colocou o que conseguiu na boca e começou a chupa-lo assim como chupava o picolé colorido em forma de cilindro que Afrodite tinha distribuído pelo Olimpo 10 anos antes, com qual a cena eu tinha sonhos até hoje.

A deusa tirou a boca do meu amigo e o olhou atentamente enquanto passava a unha do dedo indicador direito pelo lugar, aquilo estava me deixando excitado e nervoso, afinal porque ela tava fazendo aquilo?

– A-Atena, por-porque tá fa-fazen-do isso? – Perguntei em meio a gemidos, aquela mulher ia me enlouquecer.

– Porque tem tantas veias? – Falou enquanto passava a unha por cima de uma.

– A-Atena... – Sussurrei, estava chegando ao meu limite, não ia aguentar por muito tempo.

– Por que ele muda de tamanho quando fica duro? – Ela tava se fazendo de ingênua, só pode. Não aguentei, disparei jatos e jatos do liquido esbranquiçado no rosto de Atena que me olhava aterrorizada.

– Você me provocou! – Falei antes que a paranoica viesse pra cima de mim para me bater. Ela passou o dedo pela sua bochecha e tirou um pouco do liquido de lá, logo após colocou o dedo na boca e saboreou o que tinha lá.

– Huuuum, muito bom, depois vou querer mais, mas agora eu quero você dentro de mim antes que seja tarde. – Falou ela tirando a única peça de roupa que ainda permanecia nela.

Inverti nossas posições e fiquei por cima enquanto colocava o meu pênis na vagina dela bem devagar, afinal ela ainda era virgem.

– Está me deixando entediada, até um boneco sem vida faria melhor. – Disse ela revirando os olhos. Só pode ser brincadeira né?

Perdi a cabeça e coloquei tudo de uma vez com muita força, o que fez Atena gritar.

– Você que pediu. – Falei me defendendo.

– E se você não continuar eu saiu daqui agora e deixo você chupando dedo. – Falou ela passando as unhas pelo meu tórax.

– Você é quem manda princesa. – Falei começando a bombar rapidamente.

Atena não segurou os gemidos e a cada estocada ela deixava uma marca a mais nas minhas costas devido as suas unhas grandes. Ficamos assim por mais ou menos meia hora, sendo que já tínhamos chegado ao orgasmo duas vezes, mas éramos insaciáveis. Quando chegamos ao terceiro, eu sai de dentro dela e deitei ao seu lado. Estávamos respirando com dificuldade e minha visão estava ficando embaçada com pontos vermelhos em forma de coração envolvendo-a, o afrodisíaco estava querendo fazer efeito. Senti as mãos suaves de Atena passeando pelo meu peito e indo em direção ao meu amiguinho que eu poucos segundos já estava sendo estimulado novamente. Olhei nos olhos de Atena e vi que o afrodisíaco estava fazendo efeito nela.

– Que tal um banho bem gostoso tio? – E essa foi a ultima coisa que eu ouvi antes do Poseidon afrodisíaco tomar o meu lugar.


–------------------------------------------------**-------------------------------------------------------

Moraguinhos queridos estavam com saudades de mim? #Momentogrilo.

Este capitulo é totalmente dedicado para a minha melhor amiga safada que me encheu o saco a semana inteira pra eu postar logo. Agradeçam a ela.

Deixa eu lembrar o que eu ia dizer....Aaah, o próximo capitulo vai ser da diva Ártemis, e o que vem depois dela eu estou decidindo ainda, vai depender dos reviews de vocês, se eu receber muitos reviews eu posso colocar um capitulo bônus depois do da Árt, só depende de vocês.

Bom, é isso.

*19: Coisa e minha e da minha Best, não liguem.


Beijinhos com mordidas(não podia deixar de homenagear o meu irmão-amigo).






Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Temporada De Tortura" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.