Daisuki escrita por AC3


Capítulo 34
Cool for the Summer


Notas iniciais do capítulo

Aperte o play na hora que algum personagem apertar ;) (https://www.youtube.com/watch?v=il9nqWw9W3Y)




— Desculpa, mas eu gosto de você... - eu disse, de novo, vendo como ela estava silenciosa depois que me declarei.

— De onde veio isso, Kaito?! - retrucou Meiko.

— Sei lá... Só veio...

Ela ficou me olhando por mais alguns momentos antes de voltar a falar. Pude olhar diretamente nos olhos dela sem sentir culpa de mim mesmo ou fingir para ninguém perceber. Ah, como eu poderia mergulhar naqueles olhos e ficar ali nadando, sem rumo... É, talvez a bebida já tivesse começado a fazer efeito...

— Então essa situação não ficou resolvida, Kaito-kun? - perguntou ela, sem qualquer tipo de censura na voz.

— Eu achei que estivesse, - eu até poderia mentir, quem sabe tiraria dela um pouco de pena para reconsiderar...  mas quando eu falava, só saía a verdade: - só que você ligou depois e teve a viagem... Ficou difícil não reviver o passado...

Por mais que eu negasse pra mim mesmo, aquele momento junto da Meiko na luz das estrelas me provava que, por mais que eu encontrasse argumentos, a verdade é que eu ainda gostava um pouco dela sim...

— Ah, Kaito-kun! - ela me abraçou forte e carinhosamente, como da última vez... Queria tanto sempre receber esses abraços dela... São tão quentes...

Eu queria chorar. Bastante. Mas não conseguia. Queria que as lágrimas que escondi quando tinha dezesseis anos voltassem aos meus olhos e se derramassem pelo ombro dela. Assim ela me abraçaria mais... Ou, pelo menos, eu me sentiria um pouco melhor...

Eu ia me soltar, me preparava para isso. Então, em um movimento que me espantou, ela respondeu apertando ainda mais o abraço. Eu... eu... o que eu poderia dizer? Fechei meus olhos e me concentrei em aproveitar cada momento restante daquele abraço.

— Você não me merece, Kaito-kun... - ela começou a falar, assustando-me de novo porque ainda estávamos abraçados - eu não sou aquela pessoa incrível que você tanto acha que sou. Você vai achar alguém muito melhor, tenho certeza.

Agora meus olhos começaram a umedecer. Talvez eu tivesse alguém melhor. Talvez o Kagamine-kun fizesse muito bem pra mim, talvez eu até tivesse realmente gostado mais dele se a Meiko não tivesse aparecido... Mas, bem, eu nunca ia saber. De que adianta também? No fim, não ia ser amor. Eu me forçar a gostar dele porque é mais conveniente pra mim é horrível. É como se eu estivesse usando ele... Kaito, seu merda!

— Kaito - ela desvencilhou o abraço pra olhar meu rosto. Eu não poderia dizer que chorava, mas, ao mesmo tempo, não poderia negar. Eu conseguia sentir o vermelho em meus olhos e o peso de minha expressão. Tudo tinha se tornado tão difícil, tão complicado. O que aconteceu com os tempos em que o máximo que tínhamos que nos preocupar era se a Hatsune-san apareceria de novo em um encontro meu e do Kagamine?

— Kaito, eu... - começou ela, mas, talvez pelo meu olhar, pela minha expressão ou por pena mesmo, ela voltou a me abraçar.

Com o rosto tão próximo a mim, os lábios repousados em meu pescoço, as palavras dela pareciam penetrar meu interior de uma forma muito mais forte:

— Não se apegue a mim, Kaito... Siga em frente... Resolva o que precisa resolver com todo mundo aqui... Chore se quiser... Me culpe... Pode me xingar horrores, eu mereço...

Eu fiquei quieto, apenas continuei abraçado a ela. Meiko-san tinha toda a razão! Não sobre a parte de culpar ela, não fazia nem sentido fazer isso, mas tinha de seguir em frente e resolver tudo isso... Eu tinha de fazer algo... Eu...

— Calma, Kaito-kun... - ela disse, de novo tão perto que poderia me afogar - Você vai conseguir resolver tudo...

Como uma música de encerramento de tudo que eu sentia pela Meiko, uma voz feminina começou a ecoar do quintal da frente, chegando até meus ouvidos cheia de energia, o que, não vou negar, me fez sorrir por tudo de bom que a Meiko me nutriu e que agora, infelizmente, iria ter de se silenciar em mim, lenta e definitivamente...

— E aí? - eu disse.

Era engraçado como tudo fora rápido. Um segredo de anos, com muito esforço e autocontrole acabou por se resolver em poucos minutos. Ficar sozinho com o Kimura-kun depois que tudo foi dito e vários abraços distribuídos foi bem fácil. Mais do que eu imaginava.

— E aí, o que? - retrucou ele - Agora começou nosso momento Cool for the Summer.

— Hã?!

— Tá me zoando que você nunca escutou essa música?! Pera aí - eu jurava que agora ia vir uma conversa sentimental, uma pergunta sobre o porquê de eu ter falado pra todo mundo que tinha me apaixonado por ele, quando ele sabia que esse não era bem o caso - Aqui - nem tinha reparado que ele tirou o celular do bolso.

 Ele apertou o play e teclas de piano ecoaram.

— Tem certeza que tá tudo bem? - perguntei - Tipo, eu não ter falado sobre o Kagamine e tudo mais...

Ele parecia estar entrando em uma espécie de transe ao som da música. Logo, uma voz feminina começou a preencher o quintal.

Tell me what you want, what you like, is okayyy... I'm a little curious... Too...

— Hã?! Ah, Gakupo, fique tranquilo... Eu entendi porque você fez isso... Se declarar pro loirinho agora, nessa confusão, só ia dar ruim... Agora, relaxa... E escuta...

Got my mind on your body and your body on my mind…

Ele começou a dançar, levemente, mexendo seu corpo de uma forma não muito sincronizada, mas, ainda sim, atraente.

Kiss one another, die for each other... We're cool for the summer!

Ele se aproximava de mim lentamente, envolvendo seus braços em meu pescoço. Era como, se, naqueles poucos segundos, toda aquela confusão não importasse mais...

Take me down into your paradise, don't be scared 'cause I'm your body tyyyype...

Nos beijamos, apaixonadamente.

Cause you and I, we're cool for the summer.

— Mil desculpas de novo, Megurine-san! - dizia Hatsune-san pela enésima vez.

Depois que Meiko-san foi atrás do Shion-kun e o Kimura-kun e o Kamui-kun foram para o quintal da frente, ficamos só eu, minha irmã e Megurine pra continuar a escutar as desculpas da Hatsune. Confesso que senti um pouco de raiva da Meiko por ter ido atrás daquele idiota e inveja dos dois por poderem se pegar sem problemas, mas até que eu estava bem ok comparado com os últimos dias.

— Fique tranquila, Hatsune-san... - era a Megurine respondendo, pela enésima vez também - Com tudo que aconteceu ontem à noite, fica difícil não presumir o que você disse...

Ela conseguia sorrir depois de tudo aquilo. O anel de Kamui-kun ainda tilintava no dedo dela, como uma lembrança cruel daquela fachada. Como é que ela conseguia?! Ela era tão apaixonada pelo Kamui-kun... Dava pra ver... Como que ela aguentou todo esse tempo namorando o cara que gostava sem ele compartilhar seus sentimentos?

Bem, isso é meio parecido com o que aconteceu comigo e o Shion-kun... E com o Kamui-kun também... Nossa! É por isso que ele me beijou no Jogo do Rei então! Ele já sabia como era ser rejeitado pelo Shion-kun e quis ajudar... Coitado...

— Tá tudo bem, Kagamine-kun? - quem disse foi a Megurine, provavelmente pra escapar de mais uma desculpa da Hatsune - Você parece meio aéreo...

A pergunta meio que me pegou de surpresa... Não sabia direito o que responder, afinal, a Hatsune não tinha ideia do que aconteceu comigo e com o Shion-kun... Será que a Megurine sabia? Sinceramente, aconteceu tanta coisa nesses últimos tempos que nem consigo lembrar...

— Ah, não é nada não, Megurine-san - respondi - só tava pensando em tudo que aconteceu...

Megurine-san olhou diretamente pra mim. Não sei se ela já estava olhando e eu que só percebi agora ou se aquilo significava que ela não tinha engolido minha resposta. De toda a forma, isso durou poucos segundos.

Antes que Hatsune-san pedisse desculpas de novo, minha irmã perdeu a paciência – era bem comum isso quando ela estava com a Hatsune – e cortou logo o assunto pela raiz:

— Por que a gente não joga alguma coisa ao invés de ficar aqui se lamentando? - como se fizesse eco à pergunta de minha irmã, o som de uma voz feminina passou a cantar fervorosamente, vindo do quintal da frente.

O resto da noite foi extremamente divertido. Hatsune-san conseguiu achar um jogo de Banco Imobiliário nas coisas dela e ficamos até altas horas jogando. Nossa, como sentia saudade de passar um tempo tranquilo, sem ficar pensando no Shion-kun e em tudo que estava acontecendo entre a gente! Estava tão concentrado no jogo que nem vi eles – Shion-kun e Meiko-san – entrando pra ir pro quarto. Quando o casal – porque agora o Kamui-kun e o Kimura-kun eram meio que isso, né? – entrou, eles ficaram torcendo pra Hatsune ganhar, com o ótimo argumento de que ela tinha sido a cupido perfeita, mas logo foram dormir. Provavelmente, a Rin devia estar morrendo de curiosidade pra saber se iam dormir de conchinha...

Quando o jogo acabou – com a vitória da própria Hatsune, por incrível que pareça –, os perdedores ficaram de arrumar e guardar o jogo.

— Kagamine-san, porque não já vai indo escovar os dentes? - disse Megurine-san - A Hatsune já deve ter usado o banheiro, se você for antes, não vai congestionar com a gente.

— Mas não quer que eu ajude a guardar? - retrucou ela.

— Que isso! Seu irmão e eu damos conta do recado.

Minha irmã acabou saindo, deixando só eu e Megurine na sala, arrumando o jogo.

Eu ainda não conseguia entender como ela conseguiu aguentar aquilo tudo por tanto tempo... Pelo que me lembro de Shion-kun falar, eles namoravam desde o ensino médio! Sem dúvidas, a Megurine é alguém muito forte... Minha irmã tem razão pra idolatrar ela...

— Tudo bem, Kagamine-kun? - ela perguntou. Ai droga! Não percebi que estava olhando fixamente pra ela...

— Er... bem... - o que eu poderia dizer para não soar esquisito? - Sabe o que é? É que...

— Eu sei - ela respondeu - Não é fácil gostar de alguém, Kagamine-kun... É um sentimento que, se eu pudesse, eu evitava... Mas né? Difícil...

Minha cara devia estar vermelha que nem um pimentão. É verdade! Ela sabia... Lembro agora de a Rin ter me contado isso... Nossa! Isso sumiu da minha cabeça... Como pode?

— Eu só... - tentei falar alguma coisa pra ver se ficava menos constrangido - Fiquei surpreso... Com sua força... Nisso tudo...

Ela pareceu ter se espantado com o que eu disse, porque arregalou rapidamente os olhos – só consegui perceber porque ainda olhava fixamente pra ela –, mas logo voltou ao normal e disse:

— Oras, Kagamine-kun, se você tá dizendo, eu é que não vou negar... - um leve risinho se seguiu - Só que, olha, todo mundo tem essa força dentro da si... Assim - ela parecia bem cautelosa na escolha de palavras - não é necessariamente uma coisa boa.

Agora foi a minha vez de estar espantando.

— Ajudar alguém é legal e tudo mais, só que... Bem... Nunca se esqueça de pensar em você primeiro. Nunca. Às vezes você só pensa na outra pessoa e acaba sendo só uma metade, e não uma pessoa completa, entende?

Talvez eu tenha entendido. Eu não sabia o que dizer ou o que fazer com aquela informação. Ela sorriu:

— A gente está cansado, hoje foi um dia com fortes emoções... Vamos dormir e, se você quiser, amanhã conversamos mais...

Eu não tinha percebido que já tínhamos guardado o Banco Imobiliário. Acabei concordando com a cabeça institivamente, novamente cheio de pensamentos.

Por um lado aquilo era ruim. Megurine-san tinha razão, eu estava cansado. Fui logo depois dela, ansiando pela minha cama, provavelmente eu nem escovaria os dentes...

Foi só entrando no quarto que me dei conta. Será que o Kamui-kun iria dormir na cama dele agora estando de coisa com o Kimura-kun? E se o Shion-kun tivesse visto a cama vazia e dormindo lá? Bem perto da minha... Droga. Cautelosamente, enquanto Megurine-san ia ao banheiro, fui até minha cama, já com receio de ver Shion-kun tão perto de novo. Deitei o mais suave que pude para não acordar ninguém.

Imagina o meu espanto quando não vi ele, mas sim Kamui-kun na cama? Era óbvio! Que ideia mais absurda de o Shion-kun estar ali... E, também, faz todo o sentido, não é porque elas tão ficando juntos que tem que ficar grudados todo o tempo... Não pude deixar de relembrar a conversa que tive a pouco a Megurine... Será que era uma boa ideia conversamos sobre nossas desilusões juntos?

Ahhhhh! – depois desse bocejo, teria mesmo é de esperar por amanhã pra me decidir...

Fechei os olhos com uma serenidade extraordinária. Nem parecia que há vinte quatro horas eu estava chorando sem parar na rede...



Notas finais do capítulo

E exatamente 15 dias depois, temos o capítulo 34 de Daisuki!!!! Muito obrigado por ler gente xD

Nesse capítulo eu tentei fazer algo diferente... Além de todo o melodrama que a história já tinha (Kaito triste, Megurine e Len de coração partido, Rin brava, Gakupo confuso e o plano de Meiko), eu pensei: "por que não tentar algo a mais pra agitar o capítulo?" e me veio essa ideia de Cool for the Summer (fiz o máximo pra sincronizar a música com a parte que Gakupo narra, então as partes em itálico seriam as partes reais em que a música estaria naquele momento - pelo menos teoricamente kkkk) que de fato já foi meio que música tema minha com alguém (mas, como a música sugere, só durou no summer mesmo @.@'), ficou bom??

Sobre os melodramas... Enganei vocês não?? Já achavam que vinha um Meiko x Kaito?? Só que não!!!! Temos ainda um plano pra desvendar e mais conversas reveladoras pra ter hehe :3 Sem contar que o Len pode começar a voltar ao protagonismo (ele até narrou nesse capítulo, quem diria??), enfim, ainda muita coisa pra acontecer (nem é tanta assim, mas vamos fingir que sim ;) e no próximo capítulo também farei algo meio diferente quanto a narrativa (ou pelo menos tentarei kk)... É algo que não faço há um tempo escrevendo, então tá sendo meio que um mini-desafio pra mim, espero que gostem ^^

Até o capítulo 35 o/



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Daisuki" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.