Daisuki escrita por AC3


Capítulo 32
Meiko-san é um E.T?!


Notas iniciais do capítulo

Será que do nada essa fic virou ficção científica?!




Aquela era realmente a Meiko-san?! Como ela conseguiu ler meus pensamentos assim, sem cerimônias?! E ainda surgir do nada atrás de mim se ela tinha acabado de ir pra praia?! O que estava acontecendo ali afinal?!

É óbvio! Por isso que ela ligou do nada para viajar com a gente! É tudo um plano pra abduzir todo mundo! O que eu ia fazer agora?! Ela estava ali na minha frente. Sozinhas. Não sei se escutariam meus gritos de socorro... Sem contar que ela com certeza é mais forte e rápida que eu... Não ia ter chance...

Eu tinha que falar alguma coisa... Quanto mais o silêncio se alongava, maior o perigo ficava... Tinha de pensar rápido, antes que ela tentasse fazer algo...

  - Tá tudo bem, Hatsune-san?

O que aquela pergunta queria dizer?! Será que ela ia usar isso como pretexto pra se aproximar e me atacar?! Ou pior: me substituir por algum agente infiltrado que nem ela?! Era o fim. Adeus Miku! Melhor sorte da próxima vez...

Ah, mas eu não ia partir sem saber o que estava acontecendo, não mesmo!

— Como você escutou o que eu estava pensando, "Meiko-san"?

Ela fez uma cara confusa, mas depois começou a rir. Era a risada da vitória. Não dizem isso? Quem ri por último, ri melhor. E eu não ia rir naquele momento... Só estava esperando "ela" dar o golpe de misericórdia.

Enfim, dizem que a vida inteira da gente passa sob os nossos olhos... É... Eu devia ter sido menos curiosa...

— Hatsune-san, - adeus pessoal... - você pensou em voz alta... - ela continuou a rir.

Pensei em voz alta? Como assim? Eu não ia soltar tão facilmente meu plano super secreto pra desmascarar o Kamui-kun e o Kimura-kun...

— Será que eu é que sou a alien?

Não, não podia ser... Eu me lembro perfeitamente de minha vida como humana... Acabei de ver a retrospectiva... Só se... É isso! Eles devem ter apagado minha memória pra deixar a infiltração mais eficaz. Claro, porque eu poderia por tudo a perder em uma situação como essa.

— Alien?! - perguntou Meiko-san, minha provável vítima - Hatsune-san, você não quer se deitar um pouco?

Eu fiz de novo... Droga! Não podia dar minha posição assim tão fácil para os humanos... Minha espécie acima de tudo!

— Nada não, Meiko-san, só besteira da minha cabeça... - ri para disfarçar.

— Bem que a Kagamine-san me falou que as vezes você confunde ela... Mas quer um conselho? Dá uma diminuída nos animes, tá?

Como ela ousa dizer para eu diminuir meus animes?! Só porque acompanho uns vinte por temporada?! Calma Miku, pensa... Esse negócio de alien é muito parecido com a história do "Space Girl no Kuran"...

— Ai, Meiko-san, desculpa... - disse, por fim, era claro que eu estava delirando... - É que tô cheia de coisa na cabeça...

— E não ligou o ventilador, né? - retrucou ela - Sua louca! Há quanto tempo você tá nessa estufa de quarto nesse calor?!

— Hã... - não tinha muita certeza se tinha saído do quarto hoje - Desde quando eu acordei?

— VOCÊ AINDA NÃO COMEU?! - berrou ela - Não é a toa que tá delirando! - ela segurou meus dois braços, nitidamente alterada - Vamos pra cozinha AGORA! Que bom que voltei aqui pra te chamar pra praia...

Isso explicava o suposto teletransporte...

— Eh... - lembrei - Mas o Shion-kun e a Rin não estão esperando a gente para ir pra praia?

Ela não me respondeu. Como um alienígena ela virou a cabeça com tudo e gritou, do nada:

— PODEM IR NA FRENTE!!! EU E A HATSUNE-SAN VAMOS DEPOIS!!!

Quando o meu susto momentâneo estava começando a passar, a voz da Rin respondeu:

— BELEZA!!!

— Resolvido, - Meiko-san disse - agora você vai comer!

Me puxando pelo braço, fomos até a cozinha.

— Meiko-san, calma, eu não tô com fome... - tentei resistir, mas ela tão forte quanto aparentava...

Ela me soltou só quando sentei à mesa da cozinha. Tinham algumas bolachas, torrada, manteiga e pão. Fiquei me perguntando como aquilo tinha ficado tão bagunçado se ontem à noite tínhamos deixado arrumadinho...

— Vai comendo enquanto me conta o que aconteceu...

COMO ELA DESCOBRIU?! Meu deus, será que...

Calma Miku, calma! Você realmente deve estar verde de fome se pensou de novo na teoria do alien... Peguei uma bolacha e comecei a mastigar.

— Pode começar com essa história de alienígena! - exclamou Meiko-san, claramente curiosa.

Nossa! Que delícia! Miku, como você ficou tanto tempo sem comer?! Aquela bolacha estava tão gostosa... Meu deus, como aquilo era possível? Já fiquei o pacote na mão.

— Bebe alguma coisa também... - disse ela, me estendendo uma xícara. Ela tava com uma xícara na mão?

Depois de um gole de leite, lembrei que a Meiko-san tinha me perguntado coisas enquanto eu estava no paraíso da comida. Respirei fundo. Esconder aquilo de todo mundo estava claramente me fazendo mal, e a Meiko-san merecia saber o que o amigo dela estava fazendo com a Megurine-san.

— Beem... - comecei, falando e comendo mesmo... quem é você pra julgar meus modos? - o alien é de um anime que tô vendo... - agora em voz alta o que aconteceu parecia ridículo - muito legal! É sobre uma menina que na verdade é um alien, aí ela tem que se adaptar a nova realidade porque no planeta dela tudo é yaoi ou yuri, aí tão planejando uma invasão pra cá e ela se-

— Hatsune-san, - interrompeu Meiko-san, preocupada - era só por causa de um anime?

— Claro que não! - retruquei, uns pedacinhos de bolacha podem ter voado na direção dela - É que, bem...

— FALA LOGO ENTÃO, HATSUNE!

— OKamui-kuntátraindoaMegurine-sancomoKimura-kun!

Estava um clima esquisito.

Eu e a Kagamine-san tínhamos ido pra praia na frente no impulso, mas imagino que, depois de tudo que aconteceu na última noite, eu deveria ser a última pessoa com quem ela poderia querer dividir companhia.

Eu não estava aguentando mais! Eram os Kagamine, era o Gakupo, quem seria o próximo a me culpar por tudo?! Ódio!

Será que ela não percebe que eu queria mesmo retribuir os sentimentos do irmão dela?! Que é incrível pra mim a ideia de gostar de alguém que já gosta de você?!

Não tô nem aí se eu fosse gay. Se o Kagamine-kun é gay. Se o Gakupo for gay. Eu só queria ser amado... É tão difícil!

Eu não estou a fim da Meiko-san! Será que ninguém consegue ver isso?! Eu tenho vergonha, vergonha que ela me veja como alguém que não se apaixonou ainda desde que ela me deu um fora... Que ninguém conseguiu fazer meu coração palpitar do mesmo jeito que ela...

A culpa é dela! Eu devia ter feito isso, eu assumia isso. Aquela desnaturada acabou com meu coração... Mas... Não era ela que estava lá, prestes a ser beijada e recusar com tudo... A culpa era minha mesmo, eu sou um idiota!

— Tem alguma coisa pra me falar, Shion-kun? - perguntou Rin, com uma voz irritada.

Queria muito poder desabafar tudo e jogar em cima dela. Ela que começou me reprimindo! A culpa era dela também!

Meu deus, Kaito, o que é que você tá pensando?!

— Não adianta ficar me secando com esse olhar de peixe morto! - gritou - Se tem alguma coisa pra me falar, desembucha de uma vez!

Virei meu olhar pra ela. Eu queria muito me descontrolar e gritar com ela. Queria muito culpar ela pra me sentir melhor. Queria muito mesmo não ter consciência do que eu tinha feito.

— Eu sou um bosta. - foi o que eu disse.

Num primeiro momento, pude perceber que ela se espantou com que eu falara. Uns segundos de silêncio se seguiram, recheados de arrependimentos meus por ter aberto a boca.

— Que bom que tem consciência disso - respondeu ela, olhando, pela primeira vez naquela dia, nos meus olhos.

Agora era a minha vez de não saber o que responder. Eu virei o olhar pelos paralelepípedos, pelas casas, pelas árvores, e só refletia a imagem do Gakupo e do Kagamine. Tristes, bravos, cansados. Assim como eu depois que a Meiko-san me rejeitou anos atrás. Só que ela não tinha feito nada comparado a o que eu fiz. Na verdade, eu tinha feito tanta burrada que não me surpreenderia se eles nunca mais falassem comigo. Nunca poderíamos chegar à relação de amizade que eu tinha agora com a Meiko-san.

Rin continuou quieta. Eu nunca vi ela quieta por tanto tempo. Dava medo. O apocalipse tinha chegado pra mim e eu não tinha como escapar...

Logo a Hatsune-san e a Meiko-san - com certeza que a Megurine já sabia - iriam descobrir e eu perderia todo mundo. Antes mesmo de voltarmos da praia eu já ia ter perdido todo mundo...

Chegamos à praia com esse clima pesado. Logo vimos Megurine e o odioso do Kimura-kun num canto e Gakupo e Kagamine-kun no outro...

O que será que aquilo queria dizer? Será que falavam sobre mim?!

O fim estava mais próximo do que eu pensava...

Todos os suspeitos estavam na sala, acomodados como podiam. O dia começava a entardecer, com alguns poucos raios de luz invadindo os cômodos da casa. Pairava no ar um sentimento de paz e harmonia, como uma calmaria depois da tempestade. De acordo com a Meiko-san, era o momento ideal para revelar toda a verdade sobre o caso sórdido de Kamui-kun e Kimura-kun. Ela ficou em choque ao descobrir - ela não era cúmplice do Gakupo, afinal... - e logo já foi me incentivando a revelar tudo de uma vez. O que, na verdade, era o melhor pra mim mesmo. Vai que eu confundia mais alguém com um alienígena nesse estresse?!

Tinha acabado de me postar no centro de todos, onde ninguém poderia escapar de minhas palavras. Os envolvidos me fitavam com olhares confusos, calados...

— E então, Miku - pelo menos por alguns segundos... - vai começar a mímica ou não?

Obviamente era a Rin. Só ela pra ter uma impaciência tal qual a minha e quebrar toda a seriedade do clima... Fui direto ao ponto:

— Vou te dar uma chance, Kamui-kun - meu coração não é de pedra - Não tem nada que queira nos contar?! - como ele me pareceu confuso com o que eu disse, resolvi completar: - Principalmente pra Megurine-san?!

Todo mundo ficou embasbacado. Ninguém deveria saber direito o que aquilo significava. Só sei que, pelo olhar de Gakupo, eu ia ser trucidada.



Notas finais do capítulo

Olá gente o/ O que acharam do capítulo??

Fazia muito tempo que não escrevia uma cena mais engraçada pra variar e foi muito divertido ver o delírio da Hatsune-san (e essa imagem no capítulo se encaixou como uma luva) kkkk Mas, nossa, como finalmente as coisas parecem estar se resolvendo! Estou até impressionado! Achei que a última cena ia demorar uma eternidade para acontecer T.T

Enfim, sobre o Gakupo vocês saberão mais no próximo capítulo (obviamente, né?? kk) e sobre o Kaito também (toda essa parte dele bravo/triste não foi a toa, preparem-se :3). De todo modo, fico muito feliz de estarem acompanhando, não se preocupem que agora que as coisas começaram a andar, é ladeira a baixo kkk Mas não ficará tudo de uma vez, prometo :)

Até o próximo capítulo o/

PS: O que vocês achariam de uma fic com o enredo do anime que a Miku assiste, hein? (comente, a possibilidade dessa fic existir depois que Daisuki acabe pode ser real se curtirem a ideia ^^)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Daisuki" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.