Daisuki escrita por AC3


Capítulo 2
Primeiro Encontro... com Hatsune Miku!





 

Sábado. As duas da tarde, eu estava dentro dum famoso shopping center, que sempre foi ponto de encontro para mim e meus amigos. Só que, desta vez, apenas um deles me acompanhava. Seu nome? Len Kagamine.

Ele desviava seu olhar de mim, mas não conseguia esconder a vermelhidão de seu rosto. A mesma que teve há três dias, quando se declarou.

Isso e o fato de não termos falado nada ao invés de “oi”, mesmo depois de duas horas de “encontro”, me deixava sem graça. Inspirei fundo. Vi minha esperança num velho conhecido meu: sorvete...

— Quer tomar um sorvete? – perguntei, com um largo sorriso no rosto.

Ele não disse nada e virou a cabaça para o lado.

— Espere aqui. – e eu fui comprar o sorvete. No caminho, que não era muito longo, o vi me encarando com um sorriso no rosto.

Pelo menos ele estava feliz.

— Shion-kun! – disse uma voz aguda na minha frente.

Ao virar o rosto, gelei. Lá na fila do sorvete, estava Miku Hatsune, uma amiga minha, acenando para mim.

Por que ela tinha de estar ali justo naquela hora?

— Shion-kun! Vem cá!

Não tive outra alternativa, senão ir ao encontro dela, sorrindo falsamente, mais nervoso que o normal, repetindo “ela não vai descobrir” várias vezes para mim mesmo.

— Oi, Hatsune-san. – nós nos cumprimentamos. – Como vai?

— Bem. E você?

— Bem também.

Na nossa frente haviam duas pessoas. Meu nervosismo aumentava. Nunca havia desejado tanto pegar logo um sorvete. E olha que eu adoro sorvete.

— Mas, o que você está fazendo aqui? – nem havia percebi a rudeza no que falara.

— Combinei de sair com Megurine-san, mas ela ainda não chegou. E você?

— Eu... eu... eu...

Comecei a gaguejar e suava frio. Como na minha primeira tentativa, aparece alguém que eu conheço?

— Que sabor vão querer? – perguntou o atendente, salvando-me.

Suspirei de alívio.

— Vou querer um de creme, – ela olha para mim. – e você?

— Er... um de chocolate. – eu não podia pedir dois sorvetes, a Miku poderia desconfiar.

Pegamos os sorvetes e, para o meu desespero, estávamos indo para onde Len me esperava.

— O que você veio fazer aqui, Shion-kun?

Fui pego de surpresa. Quase derrubei o sorvete que, por sinal, era de casquinha.

— Nada de mais. Só queria sair um pouco. – de repente me veio uma ideia. – Eu já volto. Espere aqui. – disse, e fui correndo para o Len.

— Kagamine-kun! – falei, quando tive certeza de que Miku não me ouviria.

Eu havia corrido demais e acabamos nos trombando. Ele caiu sentado no chão. Eu quase caí em cima dele, sorte que, por reflexo, apoiei minhas duas mãos no chão.

Nossos rostos se separavam por um palmo.

Nós nos levantamos sem notar que a casquinha havia caído no chão. Vários transeuntes nos olhavam. Além disso, o silêncio entre nós apenas piorava.

— Shion-kun! Cadê você?

Me viro, percebendo que Miku se aproximava. Uma espécie de arbusto ao meu lado me deu a “brilhante” ideia de empurrar o Kagamine para trás do vaso.

— Tô aqui. – disse.

Ela vem em minha direção, finalmente percebendo que eu me encontrava ali. Em suas mãos ainda estava o sorvete, pela metade.

— Você me acompanha até a Megurine-san chegar?

E agora? Se eu aceitasse, teria de deixar o Len sozinho; se eu negasse, teria que explicar o porquê. Mais um beco sem saída.

— Claro. – respondi. Olhando, logo depois, através do arbusto. Kagamine-kun ainda estava lá.

Ela enroscou o braço no meu e eu sinalizei silenciosamente para o “arbusto”, dizendo que logo voltaria.

Me sentia cada vez mais idiota a cada momento. Idiota por deixa-lo sozinho. Idiota por ter que enganar a Miku. Idiota por, novamente, não saber o que fazer.

Quando percebi, já estava dentro de uma loja de roupas.

Miku correu para ver as peças, remexendo em várias araras ao mesmo tempo. Já eu, continuei a divagar, olhando algumas outras araras.

Será que eu fora muito rude com ele? Será que eu devia ter explicado melhor as coisas antes de chama-lo para sair? Será que ele ficou bravo por eu querer esconder? Será que foi certo eu “tentar”, mesmo sabendo dos riscos? Será que ele ainda gostaria de mim depois desse dia?

Imerso em tantos “serás”, demorei para perceber que ele estava lá, na minha frente, sussurrando.

— Shion-kun, eu...

Eu fitei-o nos olhos e o seu rosto se encheu do familiar vermelho.

— Shion-kun!

Esse chamado veio de Miku, que segurava, no mínimo, oito peças.

— Eu vou experimentar essas roupas aqui. Fica aí pra dizer quais vão ficar boas.

Havia escondido Len nas minhas costas, quase engasgando. Escutei risinhos das atendentes próximas.

Ótimo! Tiravam uma com a minha cara.

Quando o susto passou, eu me virei.

— Kagami... – fui interrompido pelo abrir de portas do provador.

— Como estou?

Miku usava um vestido branco simples, com uma fita preta na gola e outra na cintura. No final dele, um pouco antes do joelho, se encontrava um babado preto.

— Linda. – disse.

Ela pareceu gostar do elogio.

Após das uma volta pela loja, voltou ao provador.

Já ia me virar novamente, até Len me puxar pelo braço. Logo estávamos do lado de fora da loja.

— Kagamine-kun, des...

Ele me interrompeu, fazendo o sinal de silêncio com uma das mãos.

— Shion-kun, muito obrigado! – eu contei que ele estava vermelho? – Não acredito que você se esforçou tanto por minha causa. Eu...

Ele parou de falar e estendeu um sorvete ainda no pacote:

— Toma. – eu peguei o sorvete.

Ele se aproximou, se apoiando nos meus ombros ao ficar na ponta dos pés.

E me beijou no rosto.

Depois saiu correndo, dizendo “tchau” e acenando, com um sorriso estampado no rosto.

Voltei à loja de roupas com o sorvete na mão. Sorte que Miku não havia saído do provador ainda.

Quando saiu, perguntou-me:

— Aconteceu alguma coisa?

— Não. – será que ela percebera? – Por quê?

— É que seu rosto tá vermelho...

 



Notas finais do capítulo

Vocês gostaram?
O que acharam da participação da Miku?
E das atitudes do Kaito e do Len?
Muito obrigado por ler!!!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Daisuki" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.