Reticências De Uma Semideusa escrita por Bruna Jackson


Capítulo 29
Sra. O'Leary


Notas iniciais do capítulo

PASSEI DE ANO, isso significa que estou de férias e vou postar mais frequentemente *-* até o natal, então fico do dia 25 até o dia 2 sem pc, e volto a postar dnv. enfim, aproveitem o cap ^^



Na verdade não era exatamente um plano. Apenas combinamos algumas coisas a serem feitas e a posição estratégica que teríamos que assumir. Conta como um plano? Bom, pode ser então. O plano era o seguinte: iríamos viajar pelas sombras com Nico até o pavilhão de julgamentos e procurar pela cadela infernal de Percy. Daríamos um jeito de tirá-la do transe, pegar o pergaminho e sair de lá o mais rápido possível, antes de Hades sair à nossa procura. Loucura? Sim, totalmente.

Todos fizemos um círculo e demos as mãos, para Nico poder nos transportar pelas sombras. Assim que estávamos preparados para partir, ele ficou mais pálido do que normalmente, e suor começou a brotar de sua testa. Ele olhou para mim com um olhar quase suplicante.

– O que houve? – perguntei.

– Eu... Eu não... – Nico suspirou. – Desculpe, mas não consigo transportar todos vocês. Mesmo se conseguisse, ficaria dormindo por dias.

Assenti. Droga, plano por água abaixo.

– Eu posso te ajudar – ofereceu Erich.

Um lampejo de esperança faiscou no olhar de Nico, mas logo apagou.

– Você provavelmente não conseguiria. Já fez isso alguma vez? – perguntou o garoto.

Um sorriso de divertimento ameaçou surgir no rosto do fantasma.

– Existem muitas coisas sobre mim que você não sabe, filho de Hades – respondeu.

Fizemos dois círculos menores. Nico, Haley e Charlie estavam com Nico. Eu e Peter, com Erich. As mãos do fantasma tornaram-se névoa assim que as toquei, e pressenti que algo daria errado. Fechei os olhos. Ouvi meus amigos dissiparem-se em sombras com um grito, mas eu não senti nada. Abri os olhos e encontrei-me sozinha com Peter, exatamente como eu havia previsto.

– Por que, exatamente – disse Peter – nós ficamos aqui?

– Queria saber também, loiro – respondi, resmungando. – E agora, vamos a pé?

Ele sorriu de lado.

– Sem chances, Stef – disse-me.

Então ele chegou mais perto de mim, devagar, como se fosse me beijar. Eu pude sentir sua respiração em minhas faces, e meu coração pulou uma batida. Ele sussurrou em meu ouvido.

– Confia em mim?

Atordoada demais para responder, fechei os olhos e assenti. Ele abraçou-me, passou o braço por trás dos meus joelhos, deu dois passos e pulou.

Espera, pulou?

Abri os olhos e vi que estávamos voando. Ah, maldito. Olhei para seu sorrisinho de triunfo e fechei a cara.

– O que foi, Stef? – perguntou o loiro sorridente.

– Nada. Eu só fiquei surpresa. – respondi, de mau humor.

Ele ergueu uma sobrancelha.

– Por quê, exatamente?

– Por que eu achei que você... achei que você fosse... – senti as bochechas corarem e virei o rosto.

– Achou que eu fosse o que? – perguntou, irônico. – Te beijar?

Resmunguei qualquer coisa.

– Sabe, se quiser um beijo pode simplesmente pedir – disse ele. – Não é um esforço tão grande assim pra mim.

Franzi a testa e olhei para ele. Eu mal havia parado de mover o pescoço quando ele segurou-me pela cintura e deixou meus pés suspensos, puxou meu pescoço e me beijou. Assim como começou o beijo, teve que interrompê-lo, pois eu nada fiz para separar-me de seus lábios. Dei um sorriso tímido para Peter, e ele retribuiu o gesto.

– Vamos continuar? – perguntou ele.

Assenti. Ele puxou minhas pernas novamente e continuamos o trajeto até o pavilhão de julgamentos. Recostei minha cabeça em seu peito e suspirei. Assim que chegamos, encontramos dois semideuses e um sátiro fêmea impacientes. Erich não demonstrava mudança de humor. Charlie ergueu uma sobrancelha para mim, como se perguntasse o que havia acontecido. Respondi com um revirar de olhos.

– Nico – chamei – você sabe onde está a cadela?

Ele apoiou a mão esquerda sobre o punho de sua espada.

– Exatamente? Não – respondeu ele, simplesmente. – Mas posso sentir que você tem uma bênção muito forte de algum deus, e presumo que seja Apolo. Você, melhor que qualquer um de nós, pode nos dizer onde o pergaminho está. Experimente fechar os olhos.

Fiz o que Nico pediu. Fechei os olhos e procurei esvaziar minha mente, como uma forma de concentração. As vozes dos meus amigos ficaram mais fracas gradativamente, e tudo se aquietou. Então uma fraca luz brilhante surgiu em minha mente, junto com o mapa de uma parte do mundo inferior. Pontos vermelhos indicavam onde estávamos, e a luz, meu objetivo. Fui atraída para a luz de olhos fechados, como se um ímã me puxasse. Vi os pontos vermelhos avançarem rapidamente pelo mapa, até chegarem muito perto da luz, que começou a irritar meus olhos. Quando os abri, vi que estávamos a poucos metros do lugar anterior. Tínhamos atravessado o grande pavilhão e estávamos parados atrás de uma coluna, que nos separava de um cão infernal abraçado com uma espécie de canudo dourado. O pergaminho de Apolo.

– Muito bem – disse Nico, que estava ao meu lado.

Afastei o olhar do pergaminho e voltei-me para o grupo, que aguardava instruções.

– Tenho uma ideia um pouco arriscada, mas vale a pena tentar. – falei.

Assim que terminei de explicar, todos assentiram.

– Alguém tem alguma outra ideia? – arrisquei.

Como eu previa, ninguém se manifestou.

– Ótimo – resmunguei. – Todos em seus lugares.

Fui para o centro do largo corredor, afastando-me das almas que passavam para ser julgadas. Peter ficou sobrevoando o local, com sua espada em punho. Haley ficou um pouco atrás de mim com suas flautas preparadas. Nico e Erich ficaram escondidos nas sombras, e Charlie cobria o lado oposto ao de Nico. Assim que estávamos prontos, pus o plano em ação. Invadi os sonhos da cadela e a acordei com um barulho irritante. No segundo seguinte, um bichinho de estimação muito grande e extremamente irritado levantou-se e começou a procurar a fonte do barulho. Como não achou, e a primeira visão que teve foi a minha, rosnou para mim. Ótimo.

Meu plano foi por água abaixo. A cadela estava com os olhos vermelhos, por causa da hipnose. Achei que ela sairia desse transe quando sentisse o cheiro de água marinha que meu sangue tem, assim como o do meu irmão, mas falhou. Numa tentativa desesperada de manter as coisas sob controle, joguei aos pés da cadela uma das esferas de Hipnos, que explodiu em uma fumaça acinzentada e a fez dormir imediatamente.

– Acho que ela não vai dormir por muito tempo – disse.

Corri até o pergaminho e o peguei, colocando dentro da minha mochila. Então a Sra. O’Leary levantou em um pulo. Hoje, sinceramente, não é meu dia de sorte. Como eu ia sair viva sem matá-la?

– Peter, Charlie, Nico e Erich – chamei – distraiam-na para mim, por favor?

Os quatro assentiram e chamaram a atenção dela para o lado oposto do corredor. Enquanto isso chamei Haley, que estava pálida, ainda recostada na parede.

– Vai, me fala como tirar essa hipnose – pedi. – Eu aguento a verdade e sei que você sabe como fazer isso. Diga.

Ela engoliu em seco.

– Só tem um jeito de fazer isso se você não quiser matá-la, Stef – respondeu. – E você não está pronta pra isso. Teremos que sacrificar alguém do grupo.



Notas finais do capítulo

muahaha.
deixem reviews dizendo quem vcs querem que morra u-u



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Reticências De Uma Semideusa" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.