Slide Away escrita por letter


Capítulo 22
Capítulo XXI - Bônus


Notas iniciais do capítulo

Bom pessoal, eu dedico este capítulo especial para a leitora Carter, que foi ela que deu a ideia para ele, eu não teria conseguido pensar em algo melhor para o capítulo. Espero que vocês gostem :3



              Havia algo errado, isso era perceptível.

        Na primeira vez em que eu visualizara esse convite, ao lado de Victoire, ele parecia leve e suave, encantador aos olhos de quem o olhasse, a promessa de um sonho realizado.

        Mas agora... Agora que ele estava pronto e sob minhas mãos ele parecia pesado, de alguma forma parecia até grotesco. Ele parecia errado. Toda a situação parecia errada.

        A culpa caiu como uma bigorna sobre meus ombros instantaneamente, como se sentiria Victoire se soubesse o que eu estava pensando? Se soubesse o que eu estava sentindo? Se soubesse o que estava havendo?

        Afinal, em que momento as coisas se complicaram tanto?

        Nenhum sonho ao ser realizado deveria pesar tanto. Eu estava prestes a ter o meu maior anseio realizado, eu estava prestes a ter minha família, a qual eu sempre sonhei em ter. Não iria apenas ser “considerado” membro da família dos Potter ou dos Weasley, eu teria a minha família, construiria o que sempre sonhei ao lado de Victoire, a garota por quem perdidamente me apaixonei por tantos anos, a garota que me fez sonhar e acreditar que poderia realizar meus sonhos, a garota que me mostrara que por trás da aparência de Veela, havia alguém que realmente se importava comigo, alguém que valia a pena e que estaria disposta a estar ao meu lado em qualquer e em todas as situações, a garota que me conhecia, que conhecia meus medos, anseios, desejos... A garota que se perdera em algum lugar até chegar ao dia de hoje, e que deixara em minha memória um sopro de saudades da lembrança de quem ela já fora, não no que ela se transformara hoje.

        Noites e dias a finco eu me perguntava em que momento exato Victoire deixou de ser essa garota que eu tanto amava?

        - Ted? – sussurrou uma voz em meio à escuridão.

        Emergindo de meus devaneios apertei o pergaminho contra minha palma e acenei a varinha com a outra mão, instantaneamente os candelabros em volta da sala se ascenderam lançando uma luz tênue sobre a pequena forma de uma garota a entrada da deserta sala de aula.

        - Dominique – respondi, e tão logo podia sentir o deleite e a culpa na voz, sentindo que a resposta a minha pergunta estava a minha frente.

        Victoire deixou de ser quem era, quando Dominique se transformou no que é.

        - Não deveria estar na cama? – perguntei sentindo o pergaminho em minha mão pesar mais sobre ela.

        - Acho que sim... – Dominique fitava o chão, e cuidadosamente deu alguns passos a frente – É aniversário da Rose... Você sabe – assenti ao ver que Dominique iria continuar. Ela parecia tão desolada, tão sozinha, apertei os braços contra o corpo reprimindo o impulso de levar e confortá-la – Albus organizou uma festa na Casa dos Gritos e estão todos lá agora.

        - Sou seu professor, Domi, você não deveria me contar isso – falei.

        Era difícil encarar Dominique com meu convite de casamento em minhas mãos.

        Por tantos anos ela fora apenas à irmãzinha de Victoire, e à medida que cresceu passou a ser muito mais que isso, e em algum ponto da história ela se tornara... Se tornara o que Victoire deixou de ser, mas de tantas maneiras aquilo era errado, de tantas maneiras não podíamos dar certo.

        - E brincamos de verdade ou conseqüência, com um uísque de fogo batizado com Veritaserum.

        Então era isso, pensei.

        Dominique fora obrigada a confessar que longe da aparência de aluna e professor vivemos um romance?

        - Tudo bem Domi – falei com uma calma que não existia em mim até há alguns anos – Vou pensar em como resolver isso com a Diretora e os alunos que agora sabem o que tivemos antes que chegue aos ouvidos de sua família, não é sua culpa...

        Mas as palavras falharam a minha boca, quando finalmente Dominique levantou seus olhos para mim. Eles estavam imersos em lágrimas, e algumas ameaçavam a escorrer violentamente por seu rosto.

        - Ted... – ela balançou a cabeça – Me desculpe, me desculpe, me desculpe – pediu ela – Por favor, me desculpe.

        - Tudo bem, não foi sua culpa – falei, e em minha mente as centenas de complicações que esse jogo proporcionaria começaram a se materializar. Atritos com os Weasley, colocando em risco meu noivado com Victoire, problemas ao chegar aos ouvidos dos pais que um professor teve algum romance com uma aluna, dificuldades para conseguir outro emprego... – Daremos um jeito.

        - Não tem como! – exclamou ela jogando os braços para cima exasperadamente – Teddy, você não entendeu, ou entendeu?

        - Eu acho que...

        - Não você não acha! – exclamou ela dando pesados paços a frente até chegar ao lado de minha escrivaninha, Dominique puxou a mão em que eu segurava o pergaminho de meu convite de casamento e a colocou sobre seu ventre – Eu estou grávida – falou ela ofegante, como se as palavras doessem por sair de sua boca – Estou grávida – ela repetiu, dessa vez em sussurro – E agora... Todos sabem – a voz de Dominique falhou.

        Seus esbugalhados olhos azuis celestes me olhavam, clamando por alguma resposta, eu quase podia ouvir Dominique dizer “fale qualquer coisa, por favor.” E de repente todos problema que eu imaginei que acarretaria seu pequeno jogo de verdade ou conseqüência pareciam ser inúteis diante disso.

        Uma risada fria e rouca escapuliu de meus lábios e recuei a mão de Dominique, abrindo a palma e mostrando o pergaminho amassado que jazia nela. O meu convite de casamento.

        - Me desculpe – pediu ela novamente – Eu só... Estou perdida de mais para descobrir o que fazer.

        - Apenas perdida? Não está satisfeita? – perguntei, mas por um momento não parecia que era realmente eu quem falava, por um momento parecia que toda a cena havia mudado de ângulo e que eu assistia a mim e a Dominique de forma inconsciente, e meu eu no automático era quem se pronunciava.  

        - Eu não pedi por isso – respondeu ela, me olhando como se eu houvesse perdido a sanidade.

        - No momento em que você batizou minha bebida com Amortentia, no natal, você pediu por isso – respondi.

        - Na hora seguinte eu lhe dei o antídoto, o que aconteceu depois foi apenas por que você mais do que eu desejava – rebateu ela – Não venha jogar a culpa em mim.

        - Mas é você quem está pedindo desculpa.

        - Você não é uma criança para falar assim comigo – falou ela.

        - E esse é o problema Dominique, eu não sou uma criança! Eu sou um adulto, quase uma década mais velho que você, sou seu professor, e em três meses estarei casado com sua irmã! – bradei mostrando a ela o pergaminho em minha mão.

        - Eu sou uma bruxa maior de idade, sua idade não importa.

        - E os outros fatos? Também são irrelevantes?

        - E o que eu faço? – ela perguntou – Por favor, me diga o que eu faço.

        Eu poderia dizer uma série de coisas que Dominique poderia fazer nesse exato momento, mas eu não conseguiria.

        - Professor Lupin? – na entrada da sala se materializou a imagem do vice-diretor Neville Longbottom – Ouvi vozes exaltadas.

        - Desculpe-nos – respondi – É só... – o que eu responderia?

        - É só que eu não aceitei as notas que ele me deu – respondeu Dominique se virando para encarar o seu professor de Herbologia, limpando algumas lágrimas com os punhos e forçando um sorriso em seus lábios.   

        - Oh, sim, sinto muito, também nunca fui muito bom em transfiguração quando tinha sua idade – confessou Longbottom acariciando o bigode que crescia em sua face, como se lembrasse de velhos tempos – Mas vá para seu quarto Weasley, vai ser bom para você, estou prestes a pegar vários alunos que me escapuliram de dentro do castelo para Hogsmeade. Estão dando uma festa, uma garota que se meteu em uma discussão veio os delatar a mim – censurou Longbottom, balançando a cabeça – Vim lhe chamar Lupin, todo o corpo acadêmico está indo resgatar esse jovens infratores.

       Dominique já ia cambaleando à frente, novamente eu queria consolá-la, dizer que tudo iria ficar bem, para não se preocupar. Mas eu não conseguia, por que eu sabia que isso não teria concerto.

        - Pobre garota – disse Neville quando Dominique passou por ele – Não seja tão duro com ela, Lupin – pediu

- x -

        - Senhorita Chang – chamou Neville se virando para Cho Chang, professora que lecionava Feitiços em Hogwarts – Chame os pais de cada uma desses alunos, quero todos aqui em Hogwarts quando o dia amanhecer, nós não toleraremos desacatos dessa forma... E você envolvido nisso tudo Frank... – Neville balançou a cabeça para o filho.

        Havia no hall de entrada dezenas de alunos de todos os anos de Hogwarts fitando o chão, culpado por se deixarem ser pegos. Estavam todos dentro da casa dos gritos, e não foi difícil escoltá-los de volta ao castelo. Eu sabia que não era impressão nem complexo, sabia que havia pares de olhos que me fitavam, que sabia a verdade que Dominique não lhes contara. Contariam tudo antes que eu tivesse a chance de amenizar as coisas para Dominique?  

         - Estão todos aqui, senhorita Nott? – perguntou o diretor a uma aluna da Sonserina que estava com uma hematoma roxo sobre o olho esquerdo e os lábios cortados.

        - Não, não... – por um momento pude ver ela me olhando de soslaio – Falta uma garota... Rose Weasley.

        Roxanne Weasley fechou as mãos em punho, e era visível que se Lucy Weasley não estivesse segurando seus braços com toda sua força, a garota iria avançar na delatora, Dora, novamente.

        - E onde ela está? – perguntou Neville olhando pela fila de alunos que se estendia no hall de entrada.

        - Eu a vi aparatando com um garoto – confessou Dora Nott.

        - Outro aluno – suspirou Neville balançando a cabeça.

        - Ex-aluno – corrigiu Dora – Eu a vi indo embora com Scorpius Malfoy. 



Notas finais do capítulo

E o que acharam? Estou enchendo vocês de bônus u-u k Mas eu realmente peço para que comentem, quem sabe a ideia de vocês não é a próxima a me ajudar? Não deixem de expor sua opinião quanto ao capítulo, o que também é muito bom. Obrigada por lerem, e feliz ano novo a todos, muitas fic pra gente no próximo ano e tudo mais :D