Can't Be So Wrong (Versão Original) escrita por B Mar, Irlandesa, B Mar


Capítulo 49
S2C25


Notas iniciais do capítulo

Booooooaaaaa tardeeeee pessoal. Já sei, já sem: quem é essa guelada que está postando em Can't be So Wrong? Euzinha sou a nova parceira da BMar, e depois de vocês tanto, tando pedirem: Finalmente o pedido foi atendido, então ponham uma garrafinha de água entre as pernas e se preparem para jogar a calcinha do dia no lixo, porque a coisa está quente. =)



S2C25

Hermione PDV:

- Cuidado. – George avisou enquanto amarrava minhas mãos atrás de meu corpo. – Não quer se machucar.

Fred se aproximou de mim com sua gravata de Hogwarts e me deu um selinho.

- Feche os olhos.

Obedeci e o pano foi posto em meu rosto. Os dois me guiaram até a cama e ofeguei, sentindo um beijo em meu pescoço.

- Você foi uma menina muito, muito má. – George avisou em meu lado esquerdo. – E nós queremos que você saiba,  nós não pretendemos fazer nada que te machuque você.

Confirmei com a cabeça e senti um par de mãos em meus seios.

- Não faz ideia de tudo o que queremos fazer com você, bruxinha. – Fred sussurrou do outro lado, deslizando sua mão por minhas coxas.

Gemi e esfreguei uma perna contra a outra, tentando conter o calor que se espalhava por meu corpo.

- Não. – George deu um leve tapa em minha coxa. – Aberta. Não quer mais castigos, não é?

Neguei e eles riram.

- Olhe só esses mamilos, Fred. Estão tão duros. – Sua mão pousou em meus seios, desenhando padrões suavemente. – Eles estão chamando por minha boca, não é bruxinha?

Gemi quando ele torceu meu mamilo entre seus dedos, puxando para cima.

- George. – Mordi meu lábio inferior e ele rosnou.

- Não queremos controle, Hermione. – Avisou. – Agora, porque você não se comporta como uma boa menina? Se fizer tudo certinho, vai ganhar uma recompensa muito gratificante.

Gemi alto e os dois riram.

- Muito bem.

As duas bocas pousaram em meus mamilos e me contorci, lançando o peito para a frente.

- Tão desesperada. – George riu.

As línguas se alternavam em circular meus seios e golpear meus mamilos lenta e tortuosamente.

- Oh sim.

Os dois riram juntos e, para minha surpresa,  pousaram as mãos em minhas coxas.

- Abre as perninhas, Mione... – Fred sussurrou em meu ouvido.

- Ou vamos abrir para você. – George completou.

Merlin, eu estava tão perto do ápice...

Os dois tocaram minha vagina ao mesmo tempo e ronronei.

- Você está tão molhadinha. – Fred gemeu em meu ouvido. – O que te fez ficar assim? Foram nossas bocas juntas em seus seios...

- Ou estar amarrada e vendada? – George completou.

Não pude responder. Os dois haviam começado a me penetrar e acariciar meu clitóris, o que me deixou ser fôlego.

- Ele está tão durinho, Mione. – George rosnou em meu ouvido. – Tão inchadinho, parece um morango.

Ele se afastou de meu corpo, sem deixar de me masturbar.

- Será que ele está tão doce quanto um morango?

Apertei as mãos juntas e Fred riu, afastando os dedos de meu canal.

- Abra as pernas, bruxinha. – Ele sussurrou em meu ouvido. – Nós queremos te dar prazer. Nós vamos cuidar de você e da sua bonequinha. Você não quer?

- Oh sim. – Gemi quando a língua de George correu por toda a minha vagina, parando em meu clitóris.

- Você gosta, bruxinha. – Fred desceu a mão e abriu meus grandes lábios. – Gosta quando ele te chupa gostoso? Gosta de sentir a língua do George na sua bonequinha molhada?

- Oh sim. – Lancei a cabeça para trás. – George... Fred...

Eu estava praticamente perdida em seus estímulos verbais.

- Eu estou tão excitado, bruxinha. – Continuou. – Você faz ideia do quão excitante é ver você sentindo prazer. Faz ideia do quão quente é ver seu rosto contorcido, seus mamilos em ponta? Saber que você está sentindo isso apenas conosco me faz tão duro, bruxinha.

- Oh...

George segurou minhas pernas abertas enquanto continuava lambendo, como um gato faminto. Eu estava tão perto.

Minha perna estava começando a ficar dormente, o que me sinalizou a proximidade do ápice.

- Ela vai gozar, Fred.  – George avisou. – Provoque-a. Provoque a nossa bruxinha até que ela nos dê seu delicioso mel.

- Vamos, bruxinha, goze. – Ele brincou com meu lobo. – Não sente George? Ele está tão louco pelo seu gozo. Eu aposto que ele pode até gozar apenas em levá-la aos céus.

Duas mãos vieram até meus seios e ele acariciou meus mamilos em círculos.

Os dedos de George me penetraram e me contorci.

- Oh sim, por favor. – Choraminguei.

Os redemoinhos estavam correndo todo o meu corpo.

- George, por favor. Eu preciso.

- Do que você precisa? – Ele incentivou.

- Eu preciso gozar, George. Por favor. Fred.

Os dois rosnaram e a boca de Fred veio para meu ouvido.

- Goze, bruxinha.

- Por favor. – choraminguei mais.

- Isso não é um pedido, bruxa travessa. Eu quero que você goze, eu quero ver o seu corpo se contorcendo enquanto George chupa e lambe sua doce vagina, engolindo todos os sulcos que descem da sua bonequinha quente. Eu quero que você goze, Hermione. Agora.

Foi o gatilho. Meu corpo se contorceu e George se aplicou ainda mais em mim.

- Oh sim. – Gritei.

Senti os espasmos mais fortes e fechei meus olhos. Meu corpo relaxou, mas George não parou de me lamber até que eu descesse.

Fred me desamarrou e tirou minha venda, fazendo-me corar com a primeira visão que tive. Ele estava se masturbando lentamente.

- Desculpe, bruxinha, mas eu não posso aguentar. Nós não podemos aguentar. – Jogou a cabeça para trás e olhei George. Ele fazia o mesmo. – Te vez gozar é tão bom bruxinha, nós estamos tão duros.

Meus olhos brilharam e beijei suas bocas, uma a uma. Eles se deitaram involuntariamente pousei as duas mãos em suas ereções.

- O que vai fazer, bruxinha? – George indagou. Sua voz estava tão rouca que não foi mais que um rosnado.

Eles estavam próximos o bastante.

Peguei seus dois... Membros nas mãos e lambi um de cada vez.

- Bruxinha. – Fred arregalou os olhos. – Você não precisa...

- Mas eu quero.

George lançou a cabeça para trás quando lambi a “cabecinha” vermelha.

- Oh sim. Merlin. – rosnou.

Eu estava quente de novo.

- Sente-se, Hermione. Vamos fazer isso direito.

Obedeci e os dois se ajoelharam, um de cada lado.

Sorri e dividi minha atenção entre eles.

- Você está excitada de novo? – George perguntou lentamente.

Confirmei com a cabeça e eles sorriram.

- Toque-se. – Fred ordenou.

- O que? – Indaguei o pouco aérea.

- Toque-se. – Ele se abaixou novamente em meu ouvido. – Toque-se enquanto nos chupa. Toque-se.

Gemi e usei a mão que não usava com eles para tocar meu clitóris. Gemi alto e os dois sorriram.

George me virou para Fred e me pôs de joelhos.

- Eu posso gozar aqui, bruxinha? – Indagou em meu ouvido. – Com você? Enquanto você chupa o Fred?

- Sim. – Confirmei sem deixar de dar atenção para Fred.

- Isso, Mione. – Fred gemeu acima de mim. – Toque-se com mais vontade. George, ajude-a.

- Com prazer.

Gemi quando o membro de George roçou em meu clitóris.

- Tão quente, bruxinha. – Gemeu.

Me esforcei com Fred, que gemeu acima de mim. Ele estava inchando, cada vez mais desesperado. Eu não estava longe.

George se esfregou mais em mim e gememos – os três – em juntos, chegando ao ápice.

Engoli os jatos de Fred com cuidado e caímos na cama.

Os dois me beijaram e sorri.

- Nós amamos você, bruxinha. Nunca se esqueça disso.

Continua...



Notas finais do capítulo

Então, então: Fui bem?
Pessoal, não me esculhambem com a BMar, tô em fase de testes. Haushashuash
Beijos ~Nena~ (GirlPotterMore)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Can't Be So Wrong (Versão Original)" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.