Good Day Sunshine escrita por Nowhere Unnie


Capítulo 40
Capítulo 40 - O baile de formatura


Notas iniciais do capítulo

Não sei se feliz ou infelizmente, esse é o penúltimo capítulo da fic.
Dedico à Alícia, que não sei como adivinhou o que ia acontecer nesse capítulo há séculos... rsrs



POV Lily

Eu andava pelos corredores da escola pensando nas mil possibilidades de lugares onde eu poderia estar agora, se estivesse de férias como todas as minhas amigas e me arrependia amargamente por cada maldita aula que eu havia faltado aquele ano. Agora eu estava de recuperação e tinha que aturar as aulas extras só com aquele povinho chato que também havia se dado mal. Na verdade eu nem fazia questão de terminar essa escola idiota, eu já tinha conseguido um bom papel em uma peça e logo seria uma grande atriz, só estava ali porque minha mãe fez um escândalo quando eu disse que iria largar os estudos no último ano e me obrigou a me formar.

E ainda tinha aquele maldito baile de formatura, onde eu não poderia ir com quem eu realmente queria e lembrar daquilo fez com que meu olhos se enchessem de lágrimas.

–Droga! -Murmurei enquanto apressava os passos para um canto isolado qualquer, por sorte não havia quase ninguém na escola por esses dias e ninguém me veria naquele estado.

Subi dois lances de escadas e me sentei em um dos degraus, me recostando de lado no corrimão. Eu sabia que não havia aulas de recuperação nos andares de cima, então eu estaria em paz para deixar minhas lágrimas correrem a vontade.

–Também não custava nada o imprestável do Richard vir comigo nessa droga de baile! Mas é claro que meu namorado não poderia ir a um simples baile comigo porque sua banda famosa não pode ficar sem o baterista! Mas aposto que se a Megan pedisse, ele arrumava um jeito de largar tudo rapidinho só pra acompanhar ela!! -Comecei a soluçar com raiva e escondi o rosto com as mãos.

A quem eu estava tentando enganar? Era idiotice continuar com aquilo, nós dois sabíamos que era impossível esquecer nossos verdadeiros amores... Mas estar com ele me fazia bem, de certa forma ele me completava e por isso eu insistia nesse relacionamento, tentando tapar o sol com uma peneira.

Eu estava tão perdida em meus pensamentos que nem percebi os passos que se aproximavam e só me dei conta de que não estava sozinha quando alguém tocou meu ombro. Levei um susto tão grande que pulei sentada e olhei para ver quem havia sentado ao meu lado.

–Sai daqui, Moon! -Eu disse com raiva e o empurrei, mas ele não se mexeu.

–O que aconteceu? -Ele perguntou e senti uma pontada de culpa por tê-lo tratado mal quando ele me dirigia um olhar de preocupação e não curioso, como eu imaginava.

–Nada... -Apenas o ignorei e virei para o outro lado, deitando minha cabeça acima de meus braços cruzados em um dos degraus superiores.

Achei que ele fosse embora, mas para minha surpresa, ele se curvou sobre mim e começou a afagar meus cabelos.

–Eu sei como você tá se sentindo... Ver todo mundo se divertindo nas férias e ter que ficar nessa escola chata... Mas olha, se você quer mesmo que ninguém te veja, deveria se esconder em uma das salas de biologia... Sabe aquela que tem uns animaizinhos empalhados num armário com portas de vidro? Então, eles dizem que tem um esqueleto guardado no armário com porta de madeira e por isso ninguém mexe nele, mas eu já abri uma vez e não tinha nada! Lá dentro é um ótimo lugar pra se esconder dos valentões, por sorte eu sempre fui baixinho e consigo me esconder até hoje... -Eu senti umas cosquinhas por dentro, não sei bem se porque estava gostando do afago ou se era por achar graça da solução tão inocente que ele estava tentando achar para o meu problema, que ele não fazia ideia do quanto era mais complexo que apenas estar chateada por estar de recuperação.

–Ah Keith, você é tão idiota!! -Eu disse com uma risada em meio às lágrimas e me joguei para o lado dele, o abraçando. Ele ficou tão surpreso com aquele ato repentino que demorou um tempo até me abraçar de volta. -Mas pode ficar com seu esconderijo, eu vou ficar bem... -Deitei minha cabeça em seu ombro e fechei os olhos, sabendo que qualquer besteira que ele fosse dizer seria suficiente para me fazer rir e me ajudar a esquecer de todo aquele drama que eu estava vivendo.

Os dias demoravam a passar como séculos e, como se já não bastassem aquelas aulas e provas chatas, o insuportável do Andrew Mitchel não me deixava em paz. O que ele tinha de lindo e perfeito, tinha de burro e por isso todos os anos ficava de recuperação. Ele era o garoto mais popular do nosso ano e talvez até da escola inteira, poderia levar qualquer uma ao baile, mas insistia em me encher o saco para ir com ele toda vez que passava por mim e dessa vez não havia sido diferente.

–Ei Lily, já pensou bem sobre aceitar ir comigo ao baile? -Ele perguntava enquanto bloqueava minha passagem pelo corredor.

–Que eu saiba, deixei bem claro que NÃO VOU COM VOCÊ! -Esperei que aquele grito fizesse com que ele saísse do meu caminho, mas ele continuou me impedindo de passar.

–Eu sei que você tá doidinha pra ir comigo e tá só se fazendo de difícil... Você sabe que nós dois juntos não vamos deixar chance pra mais ninguém ser rei e rainha do baile! -Revirei os olhos depois daquela demonstração patética de convencimento dele.

–Se manca, Andrew! Eu não iria a esse baile contigo nem que você fosse o último homem da face da terra! E sem contar que meu namorado é famoso e você só me enche o saco porque tá com medinho de que ele venha comigo e te roube a coroa do baile!

–Com medo, eu? Faça-me o favor! Todas as garotas me amam e além do mais, eu sei que seu namoradinho famoso não vai poder estar aqui só pra um baile de formatura! Ir comigo é sua única chance de ser a rainha... -Eu não sabia como ele tinha descoberto isso, mas precisava de outra desculpa que o fizesse desistir de uma vez por todas.

–É, meu namorado pode até ser muito ocupado, mas isso não quer dizer que eu já não tenha um par pro baile, tá bem?

–Claro que você não tem, a essa altura todos já saberiam se algum cara fosse levar Lily Powell ao baile! Se você tem mesmo um par pro baile, me diz quem é então! -Ele ergueu uma sobrancelha, desafiador.

Eu estava em uma enrascada, não deveria ter inventado aquilo e não conseguia lembrar nenhum nome específico de algum nerd solitário que com certeza ainda não tinha um par. Então, em um momento de desespero, estendi o braço e segurei o primeiro maluco que apareceu pelo corredor deslizando com os tênis pelo piso recém encerado, como se estivesse em cima de um skate.

–Olha só, ainda bem que você apareceu! -Keith me olhou confuso, como se eu tivesse cometido algum engano e agarrado a pessoa errada. -Diz pro Andrew aqui que você vai me levar ao baile, porque ele é um convencido estúpido e não consegue acreditar que existam outros garotos nessa escola!!

–E-eu... -Ele começou a gaguejar ainda confuso e eu apertei o seu braço com tanta força para ver se ele se tocava, que as próximas palavras saíram quase como um grito de dor. -Voooou mesmo!!

–O Moon? Agora tá explicado porque você guardou segredo o tempo todo... -Ele fazia uma careta de nojo ao olhar para o outro garoto de cima a baixo e em seguida olhou para mim de volta. -Entendo que você esteja meio rebelde, Lily... Então se você quer passar vergonha nesse baile indo com um perdedor qualquer, vá em frente! -Ele finalmente me deu as costa e foi andando.

Suspirei aliviada ao saber que tinha me livrado daquele pé no saco e passei o braço em volta dos ombros do meu salvador, andando até a sala onde teríamos a última prova.

–Ei Lily, você... Você vai mesmo comigo no baile? -Ele perguntou incrédulo.

–Claro que não Moon, eu não vou nesse baile idiota! Prefiro mil vezes ficar em casa escutando o Elvis! -Revirei os olhos me lembrando de como eu tinha que aguentar as meninas falando animadas desse baile, que eu tinha vontade que explodisse.

–Ah... -Ele disse compreensivamente, mas parei de andar ao perceber certa tristeza em seu semblante.

–Olha Keith, se for assim tão importante pra você, eu posso ir contigo...

–Não precisa fazer esse esforço, eu já me conformei que ninguém em sua sã consciência iria aceitar me acompanhar no baile... -Ele dizia frustrado enquanto voltava a andar e chutava uma bolinha de papel que algum aluno do primeiro ano provavelmente jogou no colegamas errou, fazendo-a voar pela janela.

–Para com isso, Moon! -Eu o repreendi enquanto o seguia. -Você não tem que acreditar no que pessoas idiotas como o Andrew dizem... E pra mim não é vergonha nenhuma te acompanhar, além do mais, as meninas iriam me encher o saco a vida inteira se eu não fosse nessa droga de baile e a essa altura não vou vou conseguir mais par nenhum... Bom, talvez até consiga, mas ninguém assim tão legal quanto você...

–E desde quando você me acha legal? -Ele perguntou surpreso.

–Desde que você deixou de ser um chato de galocha! -Eu disse rindo enquanto passava os braços pelos olbros dele mais uma vez.

Não acho que minha explicação tenha sido muito clara e nem eu sabia exatamente quando é que ele tinha deixado de ser aquele moleque insuportável de sempre, mas era verdade que eu achava ele um pouquinho legal agora e, assim que cheguei em casa, liguei para as meninas, que estranharam minha repentina mudança de vontade quanto ao baile mas ficaram extremamente felizes com a notícia, como eu havia imaginado.

No fim das contas, até eu fiquei tão eufórica quanto elas na hora de comprar o vestido e, quando fomos lanchar no fim do dia, com nossos vestidos e sapatos devidamente comprados e jogados em sacolas no chão ao lado de nossas cadeiras, Megan soltou a questão:

–Lily, você ainda não disse com quem vai ao baile... -Ela disse antes de abocanhar um cheeseburguer.

–Claro que ela vai com o Richard, Meggie, que pergunta! -Polly declarou enquanto remexia seu suco de maracujá, fazendo movimentos circulares com o canudinho.

Megan engoliu rapidamente o que estava mastigando para responder: -Eu perguntei pro o Rick hoje cedo e ele disse que não ia no baile... M-Mas não se preocupa Lily, eu não disse que você ia sem ele... -Ela emendou quando viu que eu arregalava os olhos, assustada ao pensar na reação que ele teria se soubesse que eu tinha reconsiderado ir ao baile com outro acompanhante.

Eu ainda não havia tido tempo de contar para ele esse pequeno detalhe, mas no fundo eu estava pouco me lixando para o que ele ia achar, porque ele nunca tinha tempo para mim. Ela continuou se explicando:

–Eu percebi a tempo que você devia estar planejando isso escondida e mudei de assunto... -Respirei aliviada por saber que ele ainda não tinha sabido, afinal eu gostava muito dele e não queria brigar por uma besteira dessas. Eu ia achar um jeito delicado de contar e tinha certeza que ele me entenderia.

–Então, se você não vai com o Ritchie, com quem você vai? -Rita havia até desistido de comer seu sanduíche natural para tirar aquela dúvida. Para mim, ainda era estranho ver a Rita comendo coisas naturais, mas ela havia se esforçado bastante e já estava consideravelmente magra em relação a todos esses anos em que a conheci.

–Eu vou com o Keith... -Respondi e em seguida comprimi os lábios no canudinho para beber minha coca-cola.

–Keith Williams? -Polly perguntou histericamente, fazendo com que todos à nossa volta se virassem para ver quem era aquela louca gritando em plena lanchonete.

Qualquer um que não conhecesse meu vizinho Keith Williams, acharia que era uma vergonha para nós sermos amigas daquela pessoa histérica, mas todas as meninas da mesa riram e apenas ignoravam que tinham se tornado o centro das atenções naquele momento.

Ele era um garoto alto, musculoso, teddy boy como todos os outros de Liverpool e seu topete ruivo fazia uma combinação perfeita com seus olhos azuis e algumas sardas que salpicavam levemente ao longo de suas bochechas pálidas e uma pequena extensão de seu nariz. Ele era realmente perfeito.

–Não, Keith Moon... -Eu corrigi naturalmente e não fazia ideia do reboliço que iria causar entre elas.

Rita quase deixou seu sanduíche cair na mesa e começou a falar tão rapidamente que mal pude entrender suas palavras de reprovação. Polly me encarava boquiaberta e sem reação enquanto Megan cuspia todo o refrigerante que estava em sua boca, fazendo com que Polly finalmente resmungasse qualquer coisa por ter respingado nela e, finalmente, todas estavam me repreendendo por aquela atitude, como se fosse a coisa mais absurda de se fazer na vida.

–AAAHHHH, QUIETAS!! -Eu gritei logo após tampar os ouvidos com as duas mãos, pois não aguentava mais aquela bagunça de vozes brigando comigo ao mesmo tempo. Todas pararam para me ouvir. -Não é o fim do mundo, tá legal? E além do mais, se não fosse pelo Moon, eu nem iria nesse maldito baile com vocês, então espero que sosseguem e nem pensem em desrespeitar, rir, ou bater no meu par enquanto estivermos juntos! -Fui tão rigorosa em meu tom de voz, que elas apenas concordaram com a cabeça e voltaram a atenção para os seus lanches.

–Lily... -Megan foi a primeira a quebrar o silêncio que havia se instaurado na mesa. Ergui os olhos para encará-la. -Você sabe que vou te encarnar o resto da vida por ter ido ao baile com o Keith Moon, não sabe? -Ela me provocou rindo e, em resposta, joguei uma batatinha frita nela, o que fez com que todas voltássemos a rir e nos divertir normalmente naquele fim de tarde.

Quando o dia do baile chegou, me surpreendi ao ver o maluco do Moon tão bem arrumado, de cabelos elegantemente penteados, comportadíssimo e, pasmem, tão bonito que quase todas as garotas do baile reparavam nele e ficavam de cochichos umas com as outras quando seus pares saíam para pegar uma bebida ou algo do gênero, se esquecendo até mesmo de como ele havia sido pentelho ao longo de todos esses anos.

No fundo, eu sabia que não seria vergonha nenhuma dar uma chance a ele e estávamos um casal tão apresentável quanto Polly e Jeremy Phillips, que estavam concorrendo a rei e rainha do baile. George e Paul já haviam deixado de estudar com a gente há alguns anos mas voltaram apenas para o baile, Paul para acompanhar Rita porque ainda eram bons amigos mesmo que já não estivessem mais juntos e George obviamente para acompanhar sua namorada.

Me separei do Keith por alguns instantes, apenas para tirar umas fotos com as meninas e quando voltei, me mantive a certa distância porque ele estava conversando com aquela antiga namoradinha dele e não quis atrapalhar. Eu não sabia o que ela estava fazendo no baile, já que era de algumas séries anteriores, mas logo percebi que estava ali apenas para implicar com ele, pois consegui ouvir boa parte da conversa.

–Eu sabia que você ia acabar sem um par pro baile! Ninguém além de mim te aguentaria, Moon! Você não deveria ter terminado comigo, agora é bem feito pra você, passar vergonha sozinho no baile de formatura!

–Cala a boca, Diana! Não sei o que você tá fazendo aqui... Vergonha mesmo é estar em um baile de formatura sem ter sido convidada! -Eu achei que ele fosse fazer algo infantil e bem típico dele, como mostrar a língua, mas tudo o que ele fez foi colocar as mãos dentro do bolso.

–Que eu saiba, o baile é aberto pra todos os estudantes, seu idiota! -Ela respondeu elevando o tom de voz e colocando as mãos na cintura.

–Algum problema por aqui? -Me aproximei antes que um barraco se armasse entre os dois.

–Quem te chamou aqui, Powell? -A pequena insolente perguntava com os braços cruzados.

–Eu tenho todo o direto de estar aqui, já que sou o par do Keith! -Respondi com ar de superioridade, o que fez com que ela inflasse as narinas de raiva e mudasse o olhar de mim para ele, como se buscasse a confirmação.

–Pois é, quem tá sobrando aqui é você, docinho! -Ele completou com um sorriso zombeteiro enquanto passava o braço pela minha cintura.

Ela bufou e saiu em direção à mesa de comes e bebes batendo os pés no chão com força, nos deixando a sós e rindo.

–Você é a melhor, Lily! -Ele disse me abraçando e estalando um beijo na bochecha. -E eu nem precisei explodir o pudim na cara dela!

–Como assim? -Perguntei confusa, ainda em meio às risadas.

–Eu trouxe umas bombinhas... Se eu ficasse por baixo da mesa e colocasse uma das fracas no pudim sem ninguém ver, ela ia ficar toda lambusada quando tivesse pegando um pedaço!! -Ele explicava orgulhosamente.

Então por isso ele havia levado a mão ao bolso minutos antes. Se eu não chegasse ali para interromper, ele colocaria seu plano em prática assim que eles terminassem a discussão.

–Keith, você anda com bombinhas no bolso como se fossem pastilhas de menta? -Perguntei assustada.

–Fala baixo!! -Ele me ralhou enquanto olhava preocupadamente para todos os lados, se certificando de que ninguém havia me escutado. Então continuou a falar, em um sussurro. -Sim, nunca se sabe quando vamos precisar... E explodir coisas é sempre divertido!

Normalmente eu faria uma careta diante de uma declaração dessas, mas me lembrei de quantas vezes desejei que várias coisas explodissem pelos ares, esse baile incluído, e um sorriso maldoso brotou em meus lábios.

–Me diz uma coisa Keith, você também não odiaria se aquele nojento do Andrew Mitchel fosse eleito rei do baile? -Falei secretamente ao pé do seu ouvido e nem dei tempo para que ele respondesse. -Se por acaso a Poly e o Jeremy perderem, a gente podia mandar aquele insuportável pelos ares com coroa e tudo, o que você acha?

Vi um brilho surgir em seu olhar quando me afastei de sua orelha para encará-lo e sorrimos juntos malignamente ao perceber que pensávamos do mesmo modo.

Para a sorte de Andrew, Polly e Jeremy foram eleitos rei e rainha do baile, o que me deixou levemente frustrada, uma vez que as bombinhas já estavam armadas e só precisavam de uma faisquinha para se ativarem. Mas é claro que eu não faria isso com a minha melhor amiga e de qualquer jeito, Keith e eu tivemos muitas oportunidades para explodir coisas juntos depois daquele baile, pois eu havia descoberto que aquilo era uma espécie de passatempo libertador.

POV MEGAN

O baile havia sido perfeito e, quando já estavamos cansados de dançar depois da coroação, George e eu saimos da quadra onde estava sendo a parte principal do baile e fomos para o pátio. Ele se recostou em uma das antigas árvores que guardavam tantas histórias nossas em vários intervalos e me abraçou com força, como se aquilo pudesse trazer de volta todo o tempo de sobra que tinhamos para ficar juntos no passado.

–Nós só temos mais alguns dias... -Eu murmurei pesarosamente enquanto acariciava seu rosto, me lembrando da viagem que ele faria com os garotos da banda para Hamburgo.

–Não, não vamos pensar nisso agora... -Ele começou a falar e fechou os olhos, como se eles traíssem sua intenção de não pensar na tristeza que nos aguardava. -Temos que aproveitar o pouco tempo que ainda temos... -Também fechei os olhos e senti seus dedos se entrelaçarem em meus cabelos, me afagando enquanto me beijava suavemente e sem pressa, como se aquele ainda fosse o primeiro beijo e não um dos últimos.

–Eu te amo tanto, George! -Aquelas palavras conseguiram ultrapassar o nó da minha garganta com muita dificuldade.

–Eu também te amo demais, Megan! -Ele voltou a me beijar e pude sentir entre nossas línguas o gosto salgado das lágrimas que insistiam em escorrer dos meus olhos. No fim do beijo, enquanto eu respirava fundo tentando não chorar ainda mais, ele secava minhas lágrimas com as pontas dos dedos e dizia: -Eu vou pensar em você o tempo todo, Meg! E prometo que volto pra você, mas enquanto isso não acontece, vou escrever todos os dias... Você... Vai me esperar, não vai? -Ele perguntava idiotamente, como se não fosse a coisa mais óbvia do mundo.

–Claro que vou te esperar, George! -Eu dei um beijo em sua bochecha, exatamente onde uma lágrima traiçoeira escorria. -Você sabe que meu coração é só seu! Vou ficar todos os dias esperando suas cartas e quando você finalmente voltar, vou ser a primeira a te receber, tá bem? -Nem o esperei processar a informação e voltei a beijá-lo, dessa vez expressando todo o meu sentimento na intensidade daquele beijo, para o caso de minhas palavras terem falhado.

De qualquer jeito, nós dois sabíamos que a distância não seria um impecilho para esse amor, que ardia como uma chama acesa em nossos corações.



Notas finais do capítulo

Como eu já disse, o fim está próximo... O fim da fic, não o do mundo, porque é capaz de a Alícia voltar no tempo e exterminar os maias se o mundo acabar antes de Regan :P
Enfim, venham para a Nowhere Land, é um grupo fechado, ninguém vai saber o que é falado lá e vai ser mais fácil de todo mundo ficar sabendo quando eu postar os capítulos da nova fic: (sim, Good Day Sunshine vai ter continuação pra quem ainda estiver aturando isso aqui rsrs) https://www.facebook.com/groups/521146371246732/?fref=ts
Sempre é bom lembrar o link do blog onde serão postados os capítulos de I'll Follow The Sun (pois é, já escolhi o nome da continuação) http://justanowherewriter.tumblr.com/
O blog ainda está em construção, logo vou colocar os capítulos de Good Day Sunshine lá também e tudo mais...
E mais uma vez, muito obrigada a todas que acompanham a fic!!