Good Day Sunshine escrita por Nowhere Unnie


Capítulo 29
Capítulo 29 - 15 anos da Lily (Parte II)


Notas iniciais do capítulo

Outro capítulo pras melhores leitoras do mundo ♥ Mais uma vez obrigada por tudo, meninas!!



 Os dois deram um pulo para trás com aquele grito e se separaram assustados. George tentou explicar:

— Eu... Eu só....

— Só estava dando um jeito de se amarrotar todo e acabar com a maquiagem da Meggie antes da valsa? Isso deu pra perceber! — Lily se adiantou, já impaciente.

— Então por que pergunta? — George estava vagamente irritado por ter sido interrompido, mas ela o ignorou e se dirigiu à amiga em seguida.

— As meninas já estão na sala trocando de vestido e só falta você, Megan, anda logo!

— Ai tááá, tá beeem! — Ela resmungou enquanto era empurrada por Lily.

— E você vem também, George, os garotos já estão todos prontos, só esperando seus pares! — Ele revirou os olhos e seguiu as duas até a porta de uma pequena sala que havia no local da festa.

— Ei, não posso nem terminar o que estava tentando fazer? — Ele sugeriu na malandragem, puxando Megan antes que ela entrasse na sala, mas Lily soltou os dois e a empurrou para dentro.

— Não! Você já atrasou demais as coisas por hoje! — Ela negou emburrada e entrou na sala, mas não conseguiu impedir a amiga de dar uma fugidinha e se atirar nos braços de George, recebendo um selinho demorado dele.

— A Lily é uma exagerada, ainda falta um monte de gente lá dentro! — Ela comentou revirando os olhos.

— E agora o Harrison também?! — Paul McCartney fingia se ofender por ter sido trocado mais uma vez.

— Ah, dá um tempo Paul! — Megan reclamou, mas sem deixar de rir. E nem teve muito tempo para receber qualquer resposta, pois foi surpreendida por outro selinho de George e, cada vez que pronunciava uma palavra para tentar fazê-lo parar, pois ela estava ficando meio envergonhada, recebia mais um. — George... tá... todo... mundo... olhando...

— Gente, eu sei que o amor é lindo, mas daqui a pouco a Lily se estressa de verdade e vocês vão ter que se amar na morte como Romeu e Julieta! — Cynthia os repreendia enquanto fechava a porta por onde havia acabado de sair. — Alguém viu a Polly por aí?

— Da última vez que a vi, ela estava com o Richard caçando a Megan. — Paul respondeu.

— Bom, eles ainda não me encontraram... — Megan acrescentou, deitando a cabeça despreocupadamente no ombro de George, com quem ainda estava abraçada.

— Entra agora e sossega lá dentro, Megan! — Cynthia ordenou, colocando as mãos entre os dois e os separando bruscamente. — Vou atrás desses dois antes que minha irmãzinha comece a surtar!

— Ta beeem! — Ela resmungou contrariada. — Eu volto lo... — George não conseguiu terminar de ouvir aquele aviso, porque alguém a puxou para dentro e bateu a porta.

Rita logo se encarregou de ajudar a refazer a maquiagem de Megan, que não estava tão acabada assim como Lily dizia, só precisava retocar o batom. Mas demorou mais do que o tempo realmente necessário porque Polly logo chegou e as duas inventaram falhas para arrumar o cabelo dela também, só para enchê-la de perguntas.

A valsa foi tão perfeita quanto Lily sonhava, quinze casais bailavam pelo salão em perfeita sincronia ao redor da debutante e seu príncipe. Ela desejava que essa valsa nunca acabasse, ao contrário de um certo casal de safadinhos que não via a hora de sair dali para algum lugar reservado.

Um a um, os casais foram rodopiando para fora da pista de dança, deixando apenas Lily e Stuart como protagonistas da valsa final. George e Megan foram um dos primeiros casais a sair e, assim que já estavam fora das vistas de todos, Megan sugeriu com um sorriso ligeiramente malicioso:

— Sabe, George, eu estava aqui pensando... Agora que a valsa acabou, ninguém precisa mais se preocupar com roupas amassadas ou maquiagens.

— É mesmo. — Ele concordou, retribuindo outro sorriso maldoso e passou o braço em volta da sua cintura, a conduzindo para outro lugar.

Eles foram para o mesmo espaço onde deram seu primeiro beijo, que parecia ter sido projetado exatamente para casais fujões como aquele, pois tinha apenas um pequeno banco de jardinagem envolto por canteiros de flores e as únicas fontes de iluminação vinham do chafariz e do luar com estrelas cintilantes no céu.

Ele sentou no banco e a puxou para sentar no seu colo, voltando a demonstrar todo o seu sentimento através de um doce e longo beijo. Na verdade não foi tão longo quanto ele desejava, porque outro grito raivoso os interrompeu.

— MAS O QUE SIGNIFICA ISSO?!

Megan se levantou de um pulo com aquele susto e George, que tinha o costume de sempre se afastar quando Richard se aproximava deles, dessa vez apenas se levantou também e, embora também estivesse assustado, a abraçou por trás possessivamente, como se fosse uma criança acuada porque outra maior estava tentando tomar algo que era seu. O mais velho, que não fazia tanta questão de uma justificativa, continuou esbravejando.

— Eu não acredito nisso! Não posso te deixar sozinha por dois segundos e você já... Sai se agarrando com o primeiro folgado que aparece pela frente?! Você me decepcionou, Megan! Vamos embora daqui! — Ele puxou a menina com tanta força, que ela teria sido lançada para o outro lado se ele não continuasse a segurar o seu braço.

— Richard, você ficou doido?! Me larga! — Ela reclamava enquanto tentava se soltar, mas só conseguiu que ele apertasse o seu braço com mais força, chegando a machucá-la.

— Ei, cara, larga ela! Agora! — George ordenava com um leve ranger de dentes.

— Como é?! — Richard olhou incrédulo para o pequeno insolente. Como ele tinha a ousadia de roubar a sua garota bem embaixo do seu nariz e ainda por cima enfrentá-lo?

— Você ouviu! Tira a mão da minha namorada! — Ele gritou com raiva.

— Não quero saber quem você pensa que é! Ela veio pra cá comigo e se acontecer alguma coisa, eu que sou responsável! Não vou deixar você ficar se aproveitando dela, seu...

— Pra quê esse escândalo todo, Ritchie? — Polly se intrometeu, porque já estava preocupada com o rumo daquela discussão. — Desse jeito parece até que o George é um tarado qualquer... Não lembra que ele é nosso amigo?! E eles formam um casal tão bonitinho! — Ela terminou de falar com um tom de voz encantado.

Mas sua tentativa de apaziguar os dois não surtiu muito efeito nele, que ainda bufava de raiva e já estava tentando arrastar Megan para fora dali, fazendo com que uma raiva sobre-humana tomasse conta dela.

— Escuta aqui, Richard, quem você pensa que é pra dizer o que eu posso que fazer ou não?! Você não é meu pai e nem manda em mim! Me deixa em paz! — Ela dava socos nele, tentando fazer com que a soltasse.

No entanto, o que o fez soltá-la foi o tom de voz que ela usava, estava carregado com uma raiva que ela nunca tinha dirigido a ele antes e, só então, Richard percebeu que não adiantava insistir porque sua antiga Megan já tinha se perdido há muito tempo e provavelmente não voltaria para ele.

— Então é isso que você quer? Tá bom! Vou te deixar em paz e nunca mais, ouviu bem, Megan? Nunca mais você vai me ver! — Ele saiu dali batendo os pés e também mostrava uma raiva tão incomum em sua voz, que ela tentou fazê-lo parar.

— Richard, deixa de bobeira... Volta aqui! RICHARD! — Mas ele nem sequer deu ouvidos e ela já estava indo atrás dele quando foi detida por Polly.

— Deixa, Meggie, eu vou atrás dele e tento dar um jeito nisso... Não deixa nada estragar a noite de vocês, hein!

George já estava ao lado na namorada outra vez e a abraçava com força, enquanto ela escondia o rosto contra o seu tórax, tentando controlar aquela vontade de matar um e chorar de raiva ao mesmo tempo.

— Não fica assim, Megan... — Ele a consolava enquanto afagava seus cabelos. — O Richard só deve estar com um pouco de ciúme, sabe? Na verdade ele sempre teve, eu acho até que é normal, porque ele nunca gostou muito de eu ficar perto de você...

— Isso não é verdade, ele até brigou comigo uma vez só pra te defender! Se fosse assim, era melhor pra ele que eu continuasse te tratando mal, não?

— Ah Megan, o conheço há menos tempo que você e até eu já sei que ele sempre vai defender os injustiçados. E quer saber? Eu acho que ele vai perceber logo que tratar a gente assim não é justo e vai vir se desculpar!

— Ele não vai voltar, você não ouviu o que ele disse? Ele nunca mais vai falar comigo!

— É claro que vai! E se ele não falar mais contigo, eu mesmo o obrigo a falar. Faço qualquer coisa pra ver a minha Megan feliz!

— Obrigada, George, você é o melhor namorado do mundo! — Ela finalmente voltou a sorrir, jogando os braços ao redor do seu pescoço e pensou que Polly estava certa, nada poderia estragar aquela noite.

E Lily estava errada, quem disse que beijar alguém não significava namorar? Ela deu uma risada gostosa só de pensar em jogar esse fato na cara da amiga e estar com a razaão dessa vez.

— Eu te amo, Megan! — Ele deixou escapar ao ver toda aquela alegria voltar ao seu rosto, o que a deixava ainda mais bonita do que já era.

— Você o quê?! — Ela estava surpresa com mais aquela declaração repentina.

— Eu... esperava ouvir que você também? — Ele disse meio confuso, será que tinha dito alguma coisa errada?

— É claro que eu também te amo, George! — Ela respondeu, rindo ao ver sua engraçada expressão preocupada, e voltou a beijar seu amado.

Enquanto isso, Richard já estava fora do salão quando Polly conseguiu alcançá-lo.

— Ei, aonde você pensa que vai?

— Vou embora! — Ele esbravejou, indo em direção ao carro.

— Não vou deixar você sair nervoso desse jeito. Agora para e me escuta! Qual o seu problema?! Eu sei que você tava acostumado a ter a Megan só pra você o tempo todo, mas uma hora isso ia acabar contecendo, não ia? E não é melhor que tenha sido com o George que, até onde eu sei é seu melhor amigo?

— Mas viu o que ela fez? Começou a namorar e nem esperou passar uma hora pra sair se desfazendo de mim! E você ainda quer que eu fique feliz com isso?!

— E você saiu puxando ela igual doido! Queria que a coitada fizesse o quê? Te agradecesse por acabar com a diversão dela?!

Ele sabia que a garota tinha razão, mas ainda estava com muita raiva de tudo aquilo. Sobretudo sentia raiva de si mesmo, por ter sido tão estúpido a ponto de nunca ter criado coragem para confessar a Megan que a amava. E agora ela estava lá, se divertindo nos braços de outro e ele não podia fazer mais nada a não ser se conformar com a triste solidão.

Mas de repente, ele se deu conta que não precisava ficar sozinho. Existiam milhares de garotas no mundo e, naquele momento mesmo, havia uma linda bem na frente dele, que por sinal havia passado a festa toda procurando algo, que estava bem perto de ser encontrado.

— Pois é, acho que agora chegou a nossa vez de se divertir... — Ele sugeriu, puxando-a para perto de si e colando seus corpos.

Ela mordeu o próprio lábio, mostrando-se animada com a ideia, então ele a beijou intensamente, parando apenas quando ambos já estavam sem fôlego.

Enquanto retomava o ar, Richard lembrou de como já tinha ouvido falar bem de Polly Plummer, mas não imaginava que ela fosse capaz de causar todo aquele efeito nele e rapidamente voltou à ação, a empurrando abruptamente contra o carro, o que arrancou uma risada de excitação dela, e voltou a beijá-la, dessa vez percorrendo as mãos por cada curva da garota, explorando o seu corpo minuciosamente. E no final das contas, aquela noite tão esperada por Lily foi muito agradável não só para elas, mas também para todos os seus convidados.



Notas finais do capítulo

Ninguém mais pode dizer que o Richard está mal cuidado, ok? u-u Ele terminou esse capítulo tão feliz, que aconteceram coisas dentro daquele carro que eu nem ouso escrever... O novo ship se chama Pingo *-* ok, não :P
Eu disse que ninguém ficaria só na maior festa que Liverpool já viu e todos estavam muito bem acompanhados ♥
Dessa vez nem demorei tanto assim (Claro, porque tive medo de ser torturada pelas mãos das Regans depois do que aprontei nesse capítulo... Elas andam tão crueis, que morrer já é lucro kkkk) Mas acho que o próximo capítulo vai demorar um pouquinho, porque tenho trabalhos da faculdade pra fazer, mas também pode ser que ele fique pronto da noite pro dia, nunca se sabe... Enfim, peço só maus um pouquinho da paciência de vocês...