Good Day Sunshine escrita por Nowhere Unnie


Capítulo 23
Capítulo 23 - P.S. Eu te amo


Notas iniciais do capítulo

Esse capítulo é dedicado a Pekenota (Shorty Kate) ♥



Richard ficou a semana inteira no hospital e quase todos os dias eu faltava a escola para vê-lo. Claro que contava com a sorte de não ter nenhum adulto fazendo visitas por lá de manhã, o que os fazia pensar que eu sempre ia depois da escola. George também ia visitá-lo quase todas as tardes e levava algumas tarefas, que eu fazia ali mesmo e pedia para ele entregar no dia seguinte, torcendo para que ninguém da escola telefonasse para a minha casa avisando das minhas faltas. Mas pelo visto os professores não se incomodavam com isso, contanto que as tarefas chegassem.

Após o tempo de repouso indicado pelo médico, finalmente havia chegado o dia em que ele voltaria para a escola. No dia anterior tive que fazer mais um trabalho com as meninas e não pude estar com ele. Para quem tinha ficado um dia inteiro longe, depois de vários ao seu lado, a espera no café da manhã parecia uma eternidade, ainda mais com aquela ansiedade toda que eu estava sentindo para vê-lo de novo e voltar à nossa rotina normal. Me levantei da mesa em um pulo quando finalmente ouvi sua voz gritando meu nome no portão e saí correndo, sem ao menos terminar de comer minha torrada e esqueci até de pegar minha bicicleta.

Quando abri o portão, ele me esperava recostado no muro e abriu um sorriso tão grande quando me viu, que ficou claro que ele também estava tão ansioso quanto eu para aquele reencontro. Dessa vez eu nem me importei se havia alguém por perto para ver, joguei os braços ao redor do seu pescoço e ele me agarrou pela cintura e foi me rodando no ar, até perder o equilíbrio e me colocar no chão outra vez. Ficamos rindo aos tropeços enquanto ele corria os dedos pelas minhas têmporas, tirando algumas mechas de cabelo dos meus olhos.

— Senti sua falta! — Ele disse, voltando a passar os braços em volta da minha cintura.

— Eu também! — Respondi, apoiando as mãos nos seus ombros.

Eu já tinha até mesmo esquecido de que tinha ido ao seu encontro para sairmos juntos para a escola e, ao que parecia, ele também, porque ao invés de me soltar, me abraçou mais apertado, colando nossos corpos. Ficamos por alguns segundos apenas aproveitando aquele momento com troca de olhares e tudo parecia normal, até eu perceber que nossos rostos estavam próximos demais e perder completamente o controle de qualquer razão. Meu coração batia aceleradamente, como se estivesse esperando animado por alguma coisa, mas também receoso do que pudesse acontecer. Então senti seus lábios junto as meus de forma tão suave que prendi a respiração, temendo que o menor movimento pudesse fazê-lo se arrepender e eu queria mais, então fechei os olhos e levei a mão à sua nuca como um pedido desesperado para que ele aquele momento não acabasse. Ele pareceu entender, porque eu logo senti seus lábios roçando ligeiramente os meus, o que me causava agradáveis arrepios e a sensação de querer sempre mais. Eu não sabia ao certo mais o quê eu queria, mas desejava com todas as minhas forças descobrir o que era.

E quem sabe eu teria descoberto se não abrisse os olhos de repente, totalmente sem ar e tão enrolada nas cobertas que mal conseguia me mexer após perceber que aquilo tudo não passava de um sonho e eu acabava de acordar.

Esfreguei os olhos e me sentei na cama, com o coração batendo tão forte quanto no sonho, e um alívio tão grande que eu não sabia ao certo se era porque toda aquela situação constrangedora não passava de um sonho ou porque ainda daria tempo de se tornar real. E provavelmente estava ficando louca, onde já se viu, além de ficar sonhando besteiras com meu melhor amigo, ainda por cima ficar esperando que aconteçam?!

Olhei para o relógio e ainda faltavam alguns minutos para o despertador tocar, mas levantei mesmo assim e fui tomar banho de uma vez, tentando pensar em qualquer outra coisa mas tudo parecia acontecer absurdamente igual ao sonho. Até as torradas no café da manhã, minha ansiedade e o grito vindo do portão. Acabei de comer minhas torradas vorazmente, quase em um gesto de rebeldia para fazer alguma coisa diferente do sonho e fui correndo abrir o portão, mas não sem antes ter certeza de que não esqueceria minha bicicleta dessa vez.

Mas consegui me desligar de tudo quando o vi, largando a bicicleta tombada no portão para correr ao seu encontro. Ele me abraçou e rodopiamos juntos, até que eu me lembrar daquele sonho, quando começamos a rir tropeçando nas próprias pernas pela tontura de ter rodado tanto e ainda estarmos abraçados. Meu coração acelerou quando ele me dirigiu seu olhar mais terno e disse:

— Senti sua falta! — Me deu uma vontade enorme de sair correndo dali quando escutei isso e percebi que ele começava a acariciar meu rosto.

— Eu também! — Respondi sussurrando e quase sem ar, não era possível que aquilo estivesse acontecendo outra vez...

Eu sabia como isso terminaria e, embora já tivesse certeza de que estava completamente doida, queria que começasse logo. Senti uma sensação estranha no estômago ao perceber que ele ainda mantinha seu olhar fixo no meu e, antes que eu cedesse ao desejo de beijá-lo de uma vez e ele achasse que eu estava perdendo o juízo, resolvi quebrar o silêncio. — Vamos?

— Vamos. — Ele me deu um abraço apertado e demorado antes de me soltar e, finalmente, meu dia pareceu voltar à normalidade.

Ele poderia ficar até um pouco menos normal, porque mal entramos no pátio da escola e o retardado do Moon quase me derrubou enquanto corria, eu só não saí correndo atrás dele porque Richard me segurou, o que fez com que ele olhasse para trás com um irritante sorriso vitorioso.

— Me larga, Richard! Vou mostrar pra esse pirralho idiota o que acontece quando alguém me irrita!

— Deixa ele, Megan... — Ele dizia rindo, enquanto eu ainda tentava me desvencilhar de suas mãos que seguravam meus braços. Mas o que realmente me impediu de sair do lado dele para acabar com o Keith foi um gritinho repentino que, além de me tirar do foco, fez com que quase todo mundo que estava no pátio olhasse para a gente.

— RITCHIE! Ai, que bom que você voltou! — Era Lily, que vinha correndo em nossa direção e o abraçou com tanto entusiasmo que quase o derrubou.

— Nossa, também estou feliz por ver você de novo! — Ele dizia em meio a risadas enquanto tentava se equilibrar.

— Tá, tá, eu sei que todo mundo está feliz, mas agora vamos logo porque a aula já vai começar! — Eu os apressei, sacudindo um ombro de cada um deles com as mãos, esperando que entendessem que isso era um aviso para que parassem com aquele agarramento no meio do pátio e andassem de uma vez, porque só o fato de eu ter alertado para o começo da aula não tinha adiantado muito.

— Ah, vão na frente porque eu preciso passar na secretaria antes. — Ele disse, finalmente soltando a Lilyzinha, então nós duas fomos juntas para a sala.

— O Richard não vinha hoje? — George perguntou quando me viu chegar sozinha ao fundo da sala e sentar no meu lugar.

— Ele veio, mas foi primeiro na secretaria.

— Ah tá. — Ele respondeu e logo em seguida o professor entrou na sala, fazendo com que a turma toda se calasse, porque já era praticamente o fim do ano letivo e muita gente estava em uma situação ainda pior do que a minha.

Richard não apareceu em nenhuma das aulas e, na hora do intervalo, George e eu fomos para o mesmo canto de sempre. Sentei na grama, apoiando as costas em um tronco de árvore e a essa altura George tinha desenvolvido o hábito irritante de querer ocupar o mesmo espaço que eu no tronco.

— Pagamento? — Perguntei assim que ele sentou quase em cima de mim, então ele passou o braço em volta dos meus ombros, colocando a barra de chocolate que estava comendo em frente à minha boca.

Abocanhei um pedaço de chocolate, enquanto ele ria e tirava o braço, mas esse chocolate com pedacinhos de coco era mais gostoso do que os outros que ele costumava oferecer, então eu eu segurei seu pulso e mordi outro pedaço assim que tinha acabado com aquele.

— Ficou mais caro, é? — Ele perguntou fazendo uma careta e eu balancei a cabeça afirmativamente. — Ah, pode ficar com tudo, você já tirou a metade mesmo! — Resmungou descontente, deixando o chocolate na minha mão, mas sem tirar o braço dali.

Aquela era uma das melhores barras de chocolate que eu já tinha comido e pelo visto o George também achava a mesma coisa, porque me olhava tão cabisbaixo que eu até fiquei com pena dele.

— Ah, não fica assim George! — Estiquei o ultimo pedacinho em frente à boca dele, que puxou o chocolate entre os dentes com a maior felicidade.

Alguns segundos depois, a sombra de alguém pairou sobre nós e, quando ele viu quem era ao levantar a cabeça, me largou de repente como se estivesse fazendo alguma coisa errada e foi se arrastando, ainda sentado, para fora do tronco.

— Você não para de comer nunca, George?! — Richard ria, sentando-se ao lado dele e dando tapinhas nas suas costas.

— Eu fiquei um tempão sem comer quando a Megan levou meu chocolate quase todo! — Ele se queixou, mas em seguida riu e devolveu uns tapinhas no ombro dele. — É bom ter você de volta, cara!

— Demorou hein, Richard! — Eu reclamei enquanto esparramava as costas no tronco, que finalmente tinha voltado a ser só meu.

Se eu soubesse que o segredo para tirar o George dali era ter mais alguém por perto, eu teria levado alguém para lanchar com a gente todos os dias. Ou talvez não, até que a presença dele era bastante agradável, embora eu me sentisse bem egoísta com meu lugar no pátio, que era quase um trono onde eu reinava absoluta durante meus poucos minutos de descanso naquela escola.

— Eu tive que esperar o diretor acabar uma reunião pra conseguir falar com ele, por isso demorei...

— E o que você tinha de tão importante assim pra resolver? — Perguntei curiosa.

— Eu... Bom, eu já estava meio atrasado com os estudos, vocês sabem e... Eu fui tentar negociar o certificado de conclusão logo de uma vez... — Ele falava pausadamente e parecia escolher cautelosamente cada uma de suas palavras, como se alguma coisa pudesse explodir a qualquer momento se ele revelasse a informação depressa demais. — Então ele disse que.... Eu poderia fazer algumas provas e, se conseguir uma pontuação elevada, eu já... Já posso me formar.

— Espera aí! Então você não... Não vai mais... — Dessa vez era eu que moderava cada palavra e nem terminei de falar, na esperança de que ele me interrompesse, dizendo que não era bem assim, mas ele só balançou a cabeça, confirmando minhas suspeitas.

Então eu entendi o que era a coisa que poderia explodir a qualquer momento se ele falasse tudo logo de uma vez. Era eu.

— Você vai me deixar aqui sozinha?!

Levantei indignada e ele fez o mesmo, pousando as mãos nos meus ombros.

— Você não vai ficar sozinha. Tem a Lily e as meninas, o George...

— Mas não é a mesma coisa! Eu quero que você fique aqui comigo!

— Megan, eu tive muito tempo pra pensar nisso enquanto estive no hospital e... Talvez eu não tenha tanto tempo assim pela frente e não quero passar o resto da minha vida estudando.

— Eu já te disse pra não falar assim Richard! Você não está morrendo e não vai passar toda a sua vida estudando, são só mais alguns anos até a gente se formar e...

Ele não deixou que eu terminasse e me interrompeu:

— Você não entende que esse aqui não é o meu lugar? Eu tentei voltar, não tentei? Mas não deu certo! Isso é a maior perda de tempo! Eu já falei com o Eddie pra gente começar a ensaiar sério, porque a banda está completa e logo vamos conseguir fazer shows. É isso que eu quero fazer daqui pra frente!

— Você pode ter sua banda e ficar aqui, não pode? O Paul tem uma banda também e continua aqui... Se você for embora eu nunca mais vou te ver!

— Não precisa exagerar, Megan... — Ele deu uma risada e me abraçou. — Você acha mesmo que eu ia conseguir ficar sem te ver? Não é essa escola que faz a gente se encontrar e você sabe disso! Eu prometo que vou te visitar todos os dias, assim que sair dos ensaios. E deixo até você assistir todos os ensaios, se quiser... E além do mais, eu ainda vou assistir as últimas aulas de hoje com você.

— Tá bem, tá bem... Mas você vai me visitar todos os dias mesmo?

— Claro, até você enjoar de mim!

— Eu nunca vou enjoar de você, seu bobo! — Respondi rindo e o abracei de volta.

— E você, seu magricelo comilão... — Richard disse, apontando para George, que até então se mantinha cautelosamente de fora na conversa. — Cuida dela pra mim e não deixa ela se meter em encrencas enquanto eu estiver fora!

— Isso vai ser meio difícil, mas eu juro que vou tentar! — Ele prometeu, rindo e se aproximando de nós.

— E não esquece de mandar ela parar de me bater! — Keith passou por ali correndo e pulando igual a um canguru bêbado e Richard gritou para que ele escutasse, porque já estava longe. — E vê se não bate mais no maluco do Moon, Megan!

Todos começamos a rir e voltamos para a sala de aula quando acabou o intervalo, mas eu não conseguia pensar em mais nada a não ser que meu melhor amigo não estaria mais ao meu lado em todas aquelas aulas chatas. Eu tentava não ser tão egoísta e pensar que isso era o melhor para ele, mas ainda assim era difícil aceitar que meus dias não começariam mais com toda aquela alegria que só ele era capaz de me proporcionar.

Estava completamente distraída com meus pensamentos enquanto encarava meu livro aberto sem ler uma palavra sequer, quando vi que Richard estendia um pedaço de papel rasgado para mim. Peguei o bilhete e li, abrindo um sorriso enorme.

Guarde bem estas palavras, sempre vou estar aqui com você, é só buscar no fundo do seu coração.

P.S. Eu te amo.

E eu guardei bem aquelas palavras, como ele tinha pedido. Na verdade levei aquele papelzinho guardado no estojo até meu último ano de escola e, sempre que me sentia sozinha, era só ler aquilo de novo para me lembrar que ele estava sempre ali comigo de algum modo.



Notas finais do capítulo

Sei que na imagem (gigante porque não consegui mudar o tamanho) parece a Mo, mas finge que é a Meg, ok? kkkk Desculpem a demora, eu tive um pequeno bloqueio criativo e juro que tentei fazer o melhor que pude e.e Dediquei esse capítulo à Pekenota porque ela pediu um selinho dos dois, então eu tive essa ideia louca outro dia e resolvi atender ao seu pedido de alguma forma, já que ela mereceu por ter me pedido de forma muito gentil e sem escândalos, portanto aprendam com ela como é que se faz!! u-u kkkkkk Espero que gostem e não me matem, principalmente as shippers fanáticas de Regan (Sim Alicia, estou falando de você... :P)