Consequências - Fred E Hermione escrita por penelope_bloom


Capítulo 28
It's. Not. Okay!


Notas iniciais do capítulo

*jurosolenementequenãovoufazernadadebom*

AEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE

AGORA SIIIIIIIM

(desviando dos crucios e avadas)

Cara a inspiração voltou - E o aniversário da Linda da Dany, uma leitora muito querida e dedicada me deu o empurrão final que eu precisava - e eu vou conseguir dar um final à altura que vocês merecem IUASHOIADHUA bem, não posso me enrolar muito por que eu to atrasada, mas eu acabei o capítulo pra vocês (em duas horas, por isso ficou tri curto) por que eu tava morrendo de saudades das minhas leitoras lindas e amadas - e mega pacientes.

APROVEITEEEEM, prometo que até semana que vem tem mais IUHOIASHAD




VINTE E OITO:

E então eu estava ali. Vestida de branco, com meu ruivo ao meu lado. Tudo estava perfeito... Só que não! Harry estava com os cabelos chamuscados, Draco com a bochecha MUITO vermelha, uma Alpaca mastigando o véu da Luna e isso para não comentar sobre a nossa Sacerdotisa de cerimônia que estava...

Bom, melhor eu explicar desde o começo...

Cinco horas antes do casamento:

– HERMIONE, SE VOCÊ CHORAR MAIS UMA VEZ, EU VOU TER QUE CONTRATAR UM DUBLÊ COMO NOIVA GAROTA! – Gina gritava, era a vigésima terceira tentativa da maquiadora.

Literalmente, eu tinha estragado a maquiagem vinte e três vezes. Luna e Gina estavam na tenda comigo, ambas prontas e mais magníficas do que nunca. Dragões, crucios e anos de guerra. Eu era a toda durona General Escarlate, mas ainda assim eu não conseguia parar de chorar.

Clichê.” Minha consciência revirou os olhos. Mandei ela a merda.

Gina tinha o longo vestido branco de Gazar e Zibelne: cheio como um bolo, tomara-que-caia valorizando seu lindo busto e combinando com seus cabelos vermelhos que caiam soltos em uma cascata de lava com sua franja presa para trás e seu batom marcante. Um laço rubro que marcava sua fina cintura. Nos seus olhos um simples traço negro puxando seus olhos, valorizando seus longos cílios. No seu pescoço brilhava uma delicada gargantilha de família e em seu dedo o lindo anel que Harry havia lhe dado. Seu buquê obviamente era de rosas vermelhas.

Luna tinha um vestido solto de Mousseline que acolhia seu corpo delicadamente, um tecido macio e esvoaçante que abraçava seu torso realçando curvas nem sempre tão evidentes e trespassando um de seus ombros em um interessante vestido de um ombro só. O tecido era branco e tinha algumas pedras, espalhadas e quase imperceptíveis que reluziam azuis como se ela fosse uma estrela. Era o vestido que a mãe dela se casara. Usava seus cabelos em uma longa trança que caia pela lateral do seu corpo. Seu buquê era de flores azuis e brancas.

– É aqui onde tem uma noiva desesperada? – eu congelei ao ouvir a voz do meu ruivo ali na cabana da noiva.

– Fred! Dá azar ver a... – eu me interrompi assim que me virei para vê-lo. Ele tinha os olhos vendados. Estava com um lindo terno preto com a gravata borboleta de mesma cor, um colete prata e a delicada magnólia-anã roxa (uma exclusividade da botânica bruxa), seus lindos cabelos ruivos sempre tão despenteados estavam agora elegantes de modo a fazê-lo parecer com um ator ou algum modelo de ternos da Armani.

– Não estou vendo nada, Princesa. Mas tenho certeza que está linda, agora pelo amor de Deus, que história é essa de atrasar o casamento? – ele estava virado para Luna ao invés de mim.

– Estou aqui – eu disse sorrindo.

– Que voz embargada é essa? – ele murmurou segurando meu rosto.

– Nem está embargada.

– E essas bochechas encharcadas?

– Gina me jogou um balde d’água.

Seu sorriso se abriu enquanto ele colava os lábios nos meus, provando meu lábio inferior.

– Tinha sal nessa água?

Eu apenas deixei que ele me abraçasse.

– Sim. – eu murmurei ali encolhida, queria ficar ali e dormir para sempre nos braços dele.

– Se você não quiser fazer isso, tudo bem. – ele disse com a voz baixa. – se você está com dúvidas ou algo assim...

– Sério? – eu disse me afastando. – depois de tudo que passamos, depois de todos esses anos...

– Nem foram cinco anos ainda... – ouvi Gina cochichar.

– Eu não tenho dúvidas. – concluí ignorando o comentário da ruiva.

– Então por que você está assim, amor? Você não precisa ficar nervosa. Eu sei que eu estou incrivelmente lindo, e isso pode te tirar o foco, mas com certeza você não vai estar muito atrás de mim. – Eu ri e suspirei. – pronto, agora se acalme. Vamos fazer isso. Juntos.

Assim que eu estava calma o suficiente, me afastei dele, tinha parado de chorar e meu peito. Estava trinta quilos mais leve.

– Confie em mim. Vai dar tudo certo.

Naquele momento tudo que eu queria era olhar em seus olhos. Ao invés disso apenas dei-lhe um selinho e acariciei seu rosto.

– Meu deus, Hermione! – a voz de Lino ressoou pela tenda das noivas.

– Sim, sim, eu te devo um ménage. – eu disse rindo observando o moreno.

– Que bom que sabe disso. – ele sorriu – mas a presença do noivo é solicitada em sua tenda.

– Aconteceu algo? – a ameaça psicótica na voz de Gina era assustadora.

– O que? Não! Gina, menos... – Lino disse revirando os olhos. – Apenas relaxem e aproveitem suas ultimas horas de solteira.

Lino tirou meu noivo dali sem nem ao menos me deixar dar um ultimo selinho nele. Mas não tinha importância, eu poderia beijar ele pelo resto da vida.

Sorridente eu fui até uma Gina nervosa que estava estraçalhando o pano da tenda.

– Fique tranquila, está tudo bem – eu sorri.

***

Enquanto isso, na Tenda dos Noivos...

– AH MEU DEUS, NÃO ESTÁ NADA BEM! – Fred gritou enquanto em um clássico movimento cinematográfico tentava arrancar seus cabelos.

– Fred se controla! – Draco dizia vermelho como um pimentão.

– Eu to controlado! AH MEU DEUS ELAS VÃO ME MATAR!

O Pianista estava desmaiado estatelado no chão e a sacerdotisa literalmente cuspia bolas de fogo com a pele escamosa verde musgo e pequenos chifres nascendo em sua testa. Péssima ideia brincar entre os noivos para aliviar a tensão. Quanto mais Lino desafiar Draco a assustar o pobre senhor asmático e cardíaco que aparentava ser tio bisavô de Dumbledore. Péssima ideia a de Fred guardar a poção revitalizante junto com os produtos Weasley, ainda mais perto da Poção Escama de Dragão... Frascos tão parecidos... E a pior ideia de todas: vir correndo com o frasco aberto na mão tropeçar nos próprios pés e derrubar toda a poção na mulher que deveria fazer o casamento. Resultado? Sacerdotisa Brida estava feito um Dragão. Em todos os sentidos.

– EU É QUE VOU TE MATAR! – a sacerdotisa não parecia nada sagrada ou pacífica naquele momento, cuspindo pequenas bolhas de fogo contraindo as pupilas como Bichano fazia ao sol.

– Ora o que está acontecendo aqui? Meu deus... O que pelas meias de Merlin...? – Lupin disse entrando na tenda dos noivos... – Meu senhor, acalme-se...

– EU SOU MULHER! – a Sacerdotisa rugiu. Aquele comentário apenas piorou seu estado de espírito.

– Já sei... – Harry disse ofegante, como um doente com câncer de pulmão que sobe as escadas do cristo redentor correndo. Em suma: ele parecia a beira de um surto. – vamos pegar um pouco de poção... A-aquela que usaram em nós na queda do ladrão em Gringotes...

– Aquela que demora dois meses pra ficar pronta? – Draco estava literalmente mastigando a gravata – Sim! Perfeito! Vou ali ver com os convidados se eles não se importam, afinal casamentos sempre atrasam né?! – ele deu uma risada nervosa esdrúxula.

– Calma! Ainda há salvação. O importante é que os três estão juntos! Vão casar hoje! – Lino tentou parecer otimista.

Harry começou a rir desesperadamente. E no momento seguinte a premissa de Lino foi arruinada, pois Harry estava agora desmaiado ao lado do Pianista.

– Tudo bem! – ele disse ainda empolgado batendo as mãos – dois em três não é ruim! Só precisamos desacordar a Gina, e arrumar nomes falsos, e depois da lua de mel nos mudamos para o México trouxa e ganhamos a vida como Mariachi.

– Eu vou morrer, eu vou morrer – Draco murmurava no canto, embalando-se para frente e para trás, puxava a respiração como se fosse dar a luz a uma zebra colorida.

Um som alto se ouviu e a bochecha esquerda de Draco aos poucos enrubesceu com o tapa que Lupin lhe acertara.

– Ninguém aqui vai morrer, nem virar Mariachi para fugir da fúria da Gina! Foquem-se! – Lupin gritou agarrando um copo d’água e logo em seguida jogando em cima de Harry.

Harry piscou lentamente, Fred o ajudou a se levantar.

– Lindo. Mas lamento informar que se depender de mim, eu não caso nenhum de vocês! – A sacerdotisa disse. – nunca fui tão humilhada... – ela fungou e soltou uma espessa fumaça pelas narinas dilatadas.

– Brida... – Lupin disse esfregando as costas da mulher dragão. – Por favor, não me deixe na mão... Eu sinto muito, são apenas moleques... Você lembra como eu estava no meu casamento certo?

– Mas você não me transformou em um Dragão!

– Por favor... – Fred estava literalmente de joelhos, Harry atirado aos seus pés quase beijando-os.

– Nem que deem uma Víbora Cornuda azul de um metro e meio de comprimento! – A mulher disse irritada, o tom verde musgo tomando um tom vermelho terra.

– Fechado! – Lino disse sério.

É melhor que eu esclareça isso também... Sacerdotisa Brida, é uma grande bruxa, excelente sacerdotisa, muito culta, rica e Sonserina orgulhosa. Seu sonho sempre foi ter em sua coleção uma Cobre Cornuda do Deserto, e como o nome sugere, é uma cobra, com chifres. Uma antiga linhagem vinda da mistura de dragões e Basiliscos. Mas muito raras e cada vez mais mirradas e fracas.

– Lino, não tem como você conseguir...

– O padrinho vai resolver, não se preocupem!

Mais atrasados do que escritora de fanfic que sai pra viajar sem o computador, Rony e Jorge, os outros dois padrinhos, entraram na tenda. As palavras morreram em suas gargantas ao notar a situação do lugar: Uma mulher-dragão, um senhor desmaiado, um Fred descabelado e um Draco mastigando sua gravata borboleta como um bode velho nervoso.

– Rony, Jorge, vocês vem comigo. Sacerdotisa Brida, essa poção ainda é experimental então lá pelo horário do casamento a senhora deve estar quase normal - “eu acho” Lino acrescentou mentalmente - eu sei, eu sou a cobaia. Temos um acordo?

Todos olharam com grande tensão para a mulher dragão. Menos Draco. Draco estava surtando novamente no canto, com uma áurea negra ao seu redor, apoiando-se em Harry escorregando rumo ao chão murmurando balburdios.

– Minha Cobra de Chifres, e eu realizo a cerimônia. – ela disse apertando a mão do moreno.

– O que? – Rony disse manhoso – Cobras?

Lino então deu um tapa forte em Rony.

– Chega de cocotice!

Lino então virou-se para Draco e o ergueu pelas vestes, o estapeando fortemente.

– Vai se controlar? – Lino disse sério.

– S-sim. – Draco disse piscando algumas vezes a bochecha ardendo fortemente.

E para intensificar ainda mais a ardência, Jorge deu-lhe outro tapa.

– Não senti firmeza! – Jorge gritou em vozeirão de general.

– Sim! – Draco respondeu, agora alerta e afagando o rosto dolente.

– Bom menino... – Lino disse soltando suas vestes, mas assim que o fez, Draco girou em seu eixo, recebendo mais um tapa. Dessa vez de Fred.

– Eu já me acalmei! – Draco disse piscando irritado.

– Eu sei, mas somos um trio sabe... Não queria ficar de fora. E eu meio que sempre quis te dar esse tapa. – Fred deu de ombros.

Draco ia xingar, mas pensando bem, lembrou-se da surra que tinha dado em Fred quando eles brigaram em Hogwarts, na época que ele ainda nem namorava Hermione. Acabou apenas arqueando a sobrancelha e balançando a cabeça como quem diz: Fair enough.

– Certo, tentem ressuscitar o pianista, e vão se arrumar. Vocês estão horríveis. – Lino deu as costas.

Lino, Rony e Jorge saíram da tenda deixando os três noivos para trás, todos precisavam se recompor, e Draco tinha que passar alguma maquiagem em sua escarlate bochecha esquerda.

Enquanto corriam para achar Neville e Lilá, tropeçaram em Gina, é claro. Afinal nada esta tão ruim que não possa piorar.

– G-gina... – Rony murmurou assustado. Recebeu uma cotovelada nas costelas forte de seu irmão.

– O que houve? – ela disse com o rosto transformando-se em terror puro.

– Francamente Rony, eu não sei mais o que faço com você. – Jorge disse revirando seus bolsos procurando algo em suas vestes.

– Digam agora o que aconteceu! Foi o Buffet? Eu sabia que devia ter contratado o outro, oh deuses, foram as flores não foram? Oh céus! Harry desistiu do casamento e... – e antes que ela continuasse sua neurose, Jorge soprou um pó verde em sua cara.

Pó Obliviare, um produto exclusivo Weasley-Jordan, como o Pedra Boa Noite Cinderela, um pó verde que ao ser inalado apaga sua memória recente dos últimos cinco minutos.

– O que é isso? – Rony indagou curioso ao ver a irmã lentamente fechar os olhos.

– Isso o que? – Gina abriu seus grandes olhos verdes, sentindo o fundo da garganta coçar e os olhos ficarem ressecados.

– Isso o que o que? – Rony disse ressaltado.

– O que estão fazendo aqui?

– Vamos cuidar de um problema... Nada demais.

– Oh deuses! O que houve? Harry... – e então antes que ela surtasse, outra baforada de pó verde atingiu seu rosto.

– Céus Rony, só cale a boca! – Jorge disse revirando os olhos.

Gina então abriu os olhos novamente.

– O que vocês...

– Oi mana, Harry pediu pra vir ver se você estava bem. Ele está tão nervoso, acha que você vai fugir, acredita? – Jorge disse conduzindo-a rumo a sua tenda.

Gina sorriu e começou a falar coisas floreadas que garotas falam quando vão se casar. Jorge nem a escutava, apenas gesticulava com um movimento de cabeça para Lilá que passava atrás dos garotos, distraída com um ponche na mão.

Pelo canto de olho, Jorge viu Lino cochichando rapidamente com a Loira.

– Vocês transformaram a sacerdotisa num dragão?! – ela disse exasperada.

– E eu nunca imaginei que realmente fosse casar... com... o... Harry... – Gina foi diminuindo o som da fala, enquanto seu olho começava a tremular e seu peito subir e descer.

– Francamente, Brown. – Jorge disse pegando o Pó Obliviare. – Você e meu irmão realmente se merecem.

E dito isso ele soprou novamente o pó no rosto da garota.

– Jorge... Sua irmã vai acabar ficando meio demente desse jeito... – Lino disse observando a garota fechar os olhos.

– Pior do que é não fica. – Jorge disse. – Lilá, consegue cuidar para que elas não saiam? Nós precisamos de tempo, temos tudo sobre controle.

Não. Eles não tinham.

– Sim. Apressem-se!

– Melhor você ficar com isso. – Jorge entregou o Pó Obliviare para a loira. – acho que vai precisar... Uma baforada na cara, apaga os últimos cinco minutos.

– O que...? – Gina disse piscando lentamente.

– Cinco minutos... Para a massagem das noivas! – Lilá disse com um sorriso de quem vai ter que passar o fim de semana fazendo faxina na mansão Malfoy sem magia.

– Ah, eu preciso de uma massagem – Gina disse voltando para a tenda. – céus, eu fiquei com dor de cabeça de repente.

Assim que a ruiva voltou para seus aposentos junto com as outras duas noivas que nesse momento terminavam os retoques em Hermione, os quatro que estavam do lado de fora trocaram olhares cúmplices, como um grupo de marginais prestes a assaltar o banco central de Washington.

Usando uma caneta esferográfica Bic.

– Certo. Jorge, Rony, preciso de vocês comigo – Lino disse sério – Lilá, ache Neville e providencie uma massagem demorada.

– Mas nós não temos nenhum massagista.

– Improvisem! – Lino disse revirando os olhos – temos cinco horas ainda.

– Quatro. – corrigiu Lilá.

– Merda! – Lino segurou no ombro dos outros dois garotos – Bom, nos deseje sorte.

– Boa... – O estampido forte se fez e os garotos sumiram, deixando a garota de cabelos loiros ali sozinha com um abacaxi e tanto nas mãos. - ... Sorte.

Os dados estavam lançados. Conseguiriam Jorge, Rony e Lino arrumar uma cobra rara que é encontrada no deserto? De onde virá a Alpaca citada no começo do capítulo? Conseguirão Lilá e Neville arrumar uma massagista pelo Ebay antes que Gina comece a desconfiar? E Gina? Terá ficado lesada de tanto ter sua memória apagada pelo irmão?

Não perca os próximos capítulos – Que eu prometo que serão postados semana que vem sem mais atrasos por que eu amo vocês IASHDIAUOHS .



Notas finais do capítulo

Ah e eu queria mandar um beijo pra todas as lindas que me mandaram MP - foram 32 no total - já respondi todas HAAHHA. Sério. mesmo eu sendo uma bobona atrasada com vocês, vocês continuam me dando força e sendo umas fofas comigo. Muito obrigada, eu não mereço vocês