Consequências - Fred E Hermione escrita por penelope_bloom


Capítulo 26
Special Day


Notas iniciais do capítulo

*jurosolenementequenãovoufazernadadebom*

Gente eu achei que tinha perdido esses capítulos, e tava semsaco de reescrever, daí a Frapuccina veio falar cmgo essa linda e eu resolvi procurar mais um pouco: E ACHEI! glória merlin pai do ceu *U*
.
Anyway, gente, chorei com a recomendação da jak mione potter. Gente, essa garota ainda me mata! também teve recomendação da Gabiia Lupin, Isa Weasley da Polly e da amandagranger. Gente eu morro de rir com vocês, sério, vocês merecem as cabeças de comensais que eu corto pra vocês com tanto carinho :3

anywaaaaay
aproveitem o dia tão especial da Mi ♥




VINTE E SEIS:

O sol da tarde invadia meu quarto em uma linda tarde de verão, sobre meus pés esquentando-os. Eu estava jogada na cama grande, confortavelmente de bruços, ao meu lado um ruivo com as pernas esparramadas formando um 4, a boca levemente aberta e o braço cobrindo seus olhos, enquanto seu peito subia e descia lentamente.

Será que tudo tinha sido um sonho?

O corpo do ruivo coberto por partes do lençol branco tinha alguns hematomas e alguns machucados, meu próprio corpo estava dolorido. Não. Tinha sido real.

E acabou!

Eu sorri com esse pensamento.

Ícaro e Fred tinham razão, tudo ficou bem. Inúmeras cicatrizes e marcas, não apenas no corpo, mas entre mortos e feridos...

Levantei-me e fui no banheiro. Como dormi de cabelo molhado este estava em desgraça, mas nem me importei, entrei em um banho rápido, no banho penteei-o com os dedos. Com a ponta dos dedos acariciei sorrindo a marca de mordida na minha cintura.

Saí do banho, coloquei uma calcinha, uma blusa de Fred e um short de pijama. Enrolei meu cabelo na toalha fazendo o típico turbante. Fred ainda dormia, estava no quinto sono, parecia ter 16 anos.

Deixei-o dormir e desci as escadas. Eu tinha conhecido meus piores demônios nesta casa.

Não.

Eu tinha vencido meus piores demônios nesta casa. Minha casa.

Acariciei as paredes como se fossem vivas, passei no quarto de Naoki. Estava totalmente iluminado, uma fresta da janela aberta fazia a cortina dançar sozinha no meio do quarto, tinha um cheiro fresco e as folhas mexiam-se fazendo um som delicioso. Sim eu estava sensível, então novamente meus olhos encheram-se de lágrimas. Uma ou duas escaparam escorrendo quentes pela minha bochecha.

- Acabou meu filho. – eu disse encarando a fotografia em cima da estante branca do quarto, onde eu e Fred sorriamos em frente ao quarto montado de Naoki. – eu fiz o que tinha que fazer... Mas eu queria tanto que você estivesse aqui. Tanto. – um soluço irrompeu, eu limpei minhas lágrimas.

Não estava exatamente triste. Mas também não era 100% alegria. Mas eu definitivamente não queria mais ficar triste. Um vento mais forte entrou no quarto e a ponta da cortina roçou no meu rosto.

Engoli em seco e limpei as ultimas lágrimas que caiam e sorri. Obviamente era apenas isso: uma cortina balançando com vento. Mas eu, lá no fundo, queria acreditar que aquilo era um afago do meu Naoki. Onde quer que ele estivesse, para que eu seguisse em frente.

Besteira sentimental ou não, aquilo me alegrou.

Saí do quarto e fui para a cozinha, fiz o almoço já que eram quase três da tarde. Estava colocando o suflê de chuchu no forno quando uma bolinha esbranquiçada entrou pela janela.

“Como você está? Estamos preocupados com você Mi.”

Era a voz Harry no patrono. Sorri.

- Accio Moeda. – eu acenei com minha varinha.

O galeão dourado enfeitiçado veio até mim. Eu mandei minha resposta.

“Comemoração aqui em casa hoje à noite. 20:00, venham com fome!                 ~H.G.”

Parei tudo mais o que fazia. Já que jantaríamos, eu não podia comer muito, ou ficaria sem fome. Coloquei o suflê no forno, coloquei a tampa no arroz e guardei a carne que eu pretendia preparar para o almoço. No lugar disso fiz uma omelete com algumas ervas e peito de peru.

Estava concentrada colocando queijo ralado sobre a omelete quase pronta quando duas mãos apertaram meu quadril fazendo com que eu despejasse o queijo ralado em abundância.

- Fred! – eu disse tentando tirar o excesso.

O ruivo riu estrondosamente.

- Desculpa, não pude resistir, você fica tão fofa quando cozinha. Tão séria.

- Vai colocar a mesa, seu físico tarado...

Eu disse sorrindo. Ele estava apenas de moletom, os cabelos molhados estavam para trás deixando seu rosto completamente a vista. Ele estava lindo.

- Bom dia – ele me deu um selinho.

- Bom dia. Dormiu bem?

- E como... – ele sorriu com malícia enquanto colocava um pedaço de pão na boca.

Meu rosto esquentou e eu senti fumaça sair pelos meus ouvidos.

Não importa há quanto tempo eu namore ele, e como eu seja praticamente casada com ele, eu simplesmente não consigo não ficar com vergonha. Ele é muito descarado!

Arremessei um garfo nele. Ele rapidamente se esquivou.

- Sai daqui desgraça! – eu disse ainda vermelha.

Ele apenas deu um passo na minha direção me apertando contra ele, segurando-me firmemente pela cintura enquanto beijava meu pescoço, e eu não sabia se ria ou o espancava com a colher de pau.

Senti um cheiro de queimado.

MINHA OMELETE! MEU SUFLÊ!

- Saí daqui seu praga! – eu disse o empurrando para longe, ele apenas riu.

Tirei o suflê do forno enquanto mexia nos ovos desajeitadamente.

Felizmente não houve estragos maiores.

- Hm... Parece bom.

- Você não merece sabe... – eu disse mostrando-lhe a língua.

- Não mesmo? – ele disse andando em minha direção.

- Você quase me fez queimar a comida... Você sempre me distrai na cozinha Fred Weasley.

- Não é minha culpa ser lindo, e se você não se segura perto de mim.

- Modesto... – eu disse rindo – Ah, convidei a galera para vir jantar conosco hoje. Tem problema?

Ele me analisou por alguns instantes e arqueou a sobrancelha.

- Que horas? – ele disse por fim.

- Hm... As 20:00... Por quê?

- Ah, tudo bem então... Vai dar tempo de fazer o que eu estava planejando.

Inclinei a cabeça ligeiramente confusa, nós tínhamos planos para hoje?

- O que você...?

Não pude terminar a sentença, pois no momento seguinte ele me tomava nos braços, me tirando do chão e beijando-me profundamente, enquanto jogava tudo que havia sobre a mesa da cozinha no chão – quebrando inclusive algumas coisas que havia ali – e me colocava sobre a mesa, passando a mão pela minha cintura enquanto eu entendia seu planejamento para a tarde. Arranquei sua blusa e inverti as posições, colocando-o encostado na mesa, deslizando meus dedos lentamente pela barra de sua calça moletom. Descia beijos pelo seu peito, barriga, quadris...

- Você quebrou meu vaso predileto... – eu disse sorrindo maliciosamente.

Ele apenas me encarava ofegante.

Se me dissessem há dois anos que eu estaria namorando Fred Weasley, morando com ele, tendo noites insanas de sexo, e fazendo um oral na cozinha como forma de “Bom Dia”, eu teria explodido de tanto rir. E, no entanto, aqui estava eu.

É a vida.

*

- Draco! Luna!

Eu abracei os dois. Fred os cumprimentou também.

- Di-Lua, Doninha! É bom ver vocês.

- Oi cabeça de cenoura. – Draco disse com o orgulho ferido.

Eu e Fred tínhamos feito sexo na cozinha, na sala, no quarto e no banho. Tinha sido uma tarde interessante. Com Fred Weasley se tem coisa que não é preciso se preocupar é sobre engordar. É simplesmente impossível com a quantidade de atividade física.

Eu tinha feito Yakissoba, rolinhos primavera, arroz com omelete, o suflê de chuchu quase intacto fora requentado, com refrigerante e suco de laranja. Um verdadeiro banquete.

Eram 20:20 quando todos chegaram.

Draco, Luna, Harry, Gina, Rony, Lilá, Panti, Nick, Ian, Molly, Arthur, Jorge, Lino, Remo e Tonks.

A casa estava lotada, mas felizmente a sala era grande e como eram amigos, cada um se ajeitava onde dava.

- Que nem aquele cara que nos prendeu no armário, lembra Remo? – Tonks contava sobre a batalha de Hogwarts para Nick, Panti e Ian.

- Ah, sim querida – Lupin disse desviando-se de sua conversa com Jorge e Lino.  – aquilo foi realmente estranho.

- Pois é, no meio da batalho um doido nos guardou em um armário de vassouras! – Tonks ria.

 Eu estava conversando com Harry e Rony soltei uma risadinha nervosa. Quando eu voltei no tempo para salvar Fred, acabei salvado algumas outras pessoas...

Fred então surgiu do meu lado e cochichou: “Eles também...?”

Nervosamente sussurrei.

“Sim, não pude deixar os dois... Sabe...”.

Ele apenas riu e voltou a sua conversa com Draco, Luna e Lilá.

- Hermione! – um loiro veio gritando no meio das pessoas. – com licença, nossa Gina, eu adorei sua maquiagem... Licença... Hermione!

Nick finalmente me alcançou.

- Fala Praga. – eu disse rindo.

- Hermione, ontem quando os aurores foram lutar contra os comensais, eles ficaram do lado de fora, e todos os alunos são e salvos no castelo...

- Não diga... – Harry disse revirando os olhos.

- Licença que a conversa não chegou em você. – Nick disse ignorando o moreno. Eu ri. – então, como eu estava dizendo antes de ser rudemente interrompido...

- Desembucha logo. – Rony disse também com um sorrisinho nos lábios.

- Deus, a conversa é entre A e B, não se metam...

- Fala logo Nick! – e, Harry e Rony dissemos juntos.

- Tá, tá... Astória estava fazendo uma pesquisa com os centauros, ela saiu escondida e não avisou ninguém, e os portões fecharam com ela para fora...

- Céus, ela está bem Nick?! – eu disse preocupada.

- Sim! – ele disse eufórico. – a irmã dela não estava achando ela, e veio procurar ela no nosso dormitório, e falou algo sobre as pesquisas da irmã. Eu lembrei que ela tinha me dito sobre os centauros e fui atrás dela. Ah Hermione, foi perfeito, eu tenho que te agradecer, seus treinamentos foram perfeitos. Silêncio e agilidade, eu peguei ela e encontramos alguns comensais, e eu consegui acertar eles!

- Nossa Nick. – eu disse espantada – que imprudente! Deveria ter falado com algum professor. Mas como voltaram para o castelo?

- Ah, eram só uns quatro comensais fazendo um reconhecimento, então nós demos conta deles, e um tal de Firenze, um centauro sabe, nos ajudou... Ele nos levou pro castelo... – Nick fez tom de segredo – nos deixou montar nele!

- Não... – Rony disse boquiaberto.

- Sim! Eles são orgulhosos, mas tinham muitos comensais, e era o jeito de nos levar para o castelo mais rapidamente.  

- Demais... – Harry disse com os olhos brilhantes.

- Sim! E quando chegamos no castelo, ela estava com tanto medo... Ela grudou em mim e não me soltou Mione! Eu beijei ela!

Eu ri.

- Não?! Jura? E ela te bateu?

- Não! Ela ficou comigo o tempo todo, agradeceu e agora sempre que me vê ela sorri e vem me cumprimentar com um abraço.

- Vocês vão namorar! – eu disse com a voz uma oitava acima do normal.

- Eu sei! – ele disse pulando me abraçando. Parecíamos duas cocotas grasnando animadas.

Começamos a rir bobamente, Harry e Rony riram comigo.

- Olha só, Ian tá se dando bem com a Panti... Eles formam um casal bonito né?

O loiro parou de rir olhou na direção da irmã. Tonks não estava mais com eles e eles de fato formavam um casal bonito. Ela não tinha nada a ver com Liza, mas eles conversavam de modo tão natural que me lembrou um pouco como ele ficava descontraído perto da Liza.

Ela mexia nos cabelos loiros e sorria abertamente. Ele não parecia um deus grego frio e distante, parecia uma criança contando sobre algo que o deixou empolgado.

- Mas que absurdo é esse? – Nick disse bufando. – Panti!

Ele foi novamente como uma flecha para o lado da irmã, mas antes que ele chegasse lá, Lino o engatou pelo pescoço e o levou para longe do casal.

Eu, Harry e Rony rimos.

- Então Mione, como você está? – foi Rony que perguntou.

- Estou bem, de verdade. Acabou, finalmente!

- Sei como se sente. – Harry concordou. – será que tudo vai ser normal daqui pra frente?

- Com certeza não! – Ron disse rindo, aquele sorriso frouxo que eu tanto amava.

- Acho que estamos tão acostumados com esse tipo de coisa que o normal deve ser estranho para nós. – eu disse rindo.

- Mas vai melhorar! – Ron disse colocando um braço ao meu redor e ao redor de Harry.

- Com certeza. E tudo está bem... Tenho a Gina, os Weasley, Lupin, e vocês dois. – Harry sorriu, seus cabelos bagunçados como sempre – nosso trio de ouro.

- Sempre o Trio de ouro! – eu disse sorrindo.

- Cara, eu queria parabenizar vocês dois sabe. Quando vocês rasgaram as gargantas deles... nossa, eu nunca vi nada como aquilo.

Eu achei que fosse ficar mal em falar sobre aquilo, mas qual foi minha surpresa que tanto eu quanto Harry apenas rimos.

- Eu não tinha ideia de como era degolar alguém... É estranho isso, saber que eu degolei alguém. – foi Harry quem disse.

- Sim! Pretendo não ter que fazer isso novamente. – eu disse lembrando-me da sensação.

- Sabem do que nos chamam? – Ron disse em tom de segredo – Trio de Sangue. Estão começando as lendas sobre nós. O Profeta Diário chamou a noite de ontem como “Luar Sangrento”. Mas eles estão do lado de vocês.

- Tudo tem uma primeira vez... – Harry disse rindo. Eu o entendia, o Profeta Diário sempre difamava Harry.

- Se bem que a Skeeter pegou meio pesado com você Hermione.

Respirei profundamente.

- O que aquela nojenta disse agora?

- Saiu uma matéria sobre nós. – Ron disse revirando os olhos – Harry foi o de sempre. O garoto sem pais que quer atenção...

- Que mulher insuportável... – Harry disse rindo.

- Bom Mi, ela tinha te apelidado de General Cinza né, ela sempre especulou sobre sua relação com Voldemort, e por você ter ficado amiga de Draco. Agora ela está te chamando como General Escarlate, ela se deleitou com a ironia de uma Nascida Trouxa ter matado o Grande Voldemort, e por meios trouxas! Quer dizer, quem finalmente derrotou o grande Lorde das trevas, foi você Mi. Uma “sangue ruim” – ele desenhou as aspas no ar.

- É, ontem já estavam me chamando assim. – eu disse dando de ombros. – podia ser pior né?

- Bem, na verdade...

- O que? – eu perguntei.

- É que, tipo assim...

- Rony... – Harry disse incerto.

- Há boatos que vão fazer um livro sobre o Harry... E consequentemente sobre o trio de ouro...

Eu e Harry começamos a rir, mas foi de puro nervosismo.

- Puta merda, será que eu posso degolar essa mulher também?! – Harry disse gargalhando.

- Eu seguro ela!

Nós três rimos.

- É bom darmos um fim nessa mulher logo, aposto que vão fazer com que eu termine namorando a Hermione. – Harry disse. – se fizerem mesmo um livro.

- Já pensou se vira filme? – eu disse rindo. – não Harry, acho que nós somos amigos demais, é capaz de me colocarem com o Rony.

- Comigo? – Rony gargalhou – nós não temos nada a ver!

Eu ri, era verdade. Eu tinha gostado dele no sexto ano, mas não conseguia me ver com ele agora. Não conseguia me ver com ninguém na verdade.

- Aposto que nos filmes o Harry vai ter o cabelo ajeitadinho. – Rony riu.

Eu ri mais ainda.

- Harry com o cabelo ajeitadinho! Até parece! E o Draco vai ser o vilão. Ele pode ser tipo o escoteiro lobinho de Voldemort.

Os garotos apenas dobravam-se de rir.

- E ele vai acabar namorando com a Pansy!

- E a Luna? – eu disse.

- A Luna... Não sei... Ninguém combina com ela. – Rony dirigiu o olhar para a loira que gesticulava amplamente do outro lado da sala.

- Ela podia terminar com o Lino. – Harry sugeriu.

Olhamos os dois rapidamente. E mais gargalhadas.

Nada a ver.

- Com Jorge talvez, mas Lino?! – eu disse ainda rindo. – acho melhor eu conversar com o futuro autor desse livro. Para não bagunçarem demais nossa história.

- Boa sorte. – Ron e Harry disseram juntos.

O resto da noite foi maravilhosa, jantamos, rimos, Fred tocou violão enquanto Jorge e Lino cantavam e dançavam sensualmente. Eu e as garotas conversamos sobre várias coisas e demos nossos famosos gritinhos de mulher. De sobremesa Luna tinha trazido pudins, deliciosos por sinal. Lino veio me propor novamente o ménage, e na frente da senhora Weasley!  Quase estrangulei o moreno. Ian e Panti conversavam agora com os demais. Entrosados demais eu diria.

Foram embora por volta das 03:00. Isso os que foram. Harry, Draco, Jorge, Rony e Gina ficaram para dormir conosco.

Arrumamos o quarto de hospedes com os colchões no chão. Eu e Fred fomos dormir com eles, ficamos acordados comendo chocolate até quase o sol nascer. Contamos histórias, rimos, brincamos de – acredite quem quiser – cabra-cega, jogamos uno, e Jorge e Fred contaram piadas.

Fico até com medo de dizer, mas creio que não tem como ficar mais perfeito.

*

- Hermione, se você chorar mais uma vez, eu vou arrancar suas vias lacrimais, está entendendo querida?

Gina disse com um tom sombrio.

- D-desculpa. – eu disse determinada a me controlar.

- Oi garotas! Prontas para o grande dia? – Lilá entrou no dormitório.

- AAAAAH... – eu me debulhei em lágrimas novamente.

- Céus, vamos contratar alguém profissional para fazer a maquiagem da Hermione no dia do nosso casamento, ela está impossível! – Gina disse limpando meu rosto pela milésima vez. – Hermione, minha cunhadinha linda, FICA SEM CHORAR SE NÃO VOCÊ VAI PARECER UM PANDA NA SUA FORMATURA!

Funguei e respirei fundo.

- Certo, agora vai. Vou estar linda para vestir o roxo!

Terminada minha linda maquiagem – Gina era o máximo – colocamos as becas. Era uma espécie de capa, como as que usávamos no primeiro ano, mas tinham uma espécie de longo capuz que caia nas costas e o cetim que revestia era da cor da casa respectiva de cada bruxo. O meu cetim era vermelho escarlate. E na frente, bordado em cima do peito o brasão de Hogwarts. Usávamos um chapéu que era muito parecido com um desses chapéus de formatura trouxa, excerto que o nosso era redondo e achatado. E não quadrado.

Os alunos que estavam se formando, no final do último banquete com suas casas dirigiam-se para uma quinta grande mesa. Sentei-me entre Harry e Rony, queria que Fred estivesse ali, mas não me entristeci por isso. Gina, Draco, Luna, Neville... Todos vestiriam o roxo hoje. Todos sorridentes, eu sentada ali nem podia acreditar que há alguns meses eu estava matando o grande Voldemort.

- E agora, - Minerva disse e todos se calaram.

“Não chore, ou Gina vai dar fim a sua inútil vida...” Minha consciência disse.

“Consciência, você por aqui... Saudades de você.”

Eu hein.”

Notei que tinha perdido o começo do discurso de Minerva.

- ... Esse é um ano de comemorações. Tempos difíceis chegaram ao fim, e o que essa escola espera é ter criado jovens conscientes, jovens de fibra, e garra. Vocês são o nosso maior legado, e sendo assim, hoje nós entregaremos jovens muito especiais ao mundo. Formandos, levantem-se.

Ficamos em pé e nos dirigimos à frente do grande Salão, lado a lado. Os mais baixos na frente os mais altos atrás.

Os professores desceram de seus respectivos lugares e ficaram de frente para nós.

- Repitam. – McGonagall disse abrindo um pergaminho. – Nós, alunos de Hogwarts, juramos vestir o Roxo e honrá-lo. – repetimos – Com astúcia, vivacidade, força, doçura e honra somos entregues ao mundo, para apenas trazer o bem, e nunca infringir o mal. Não julgar por preceitos e não disseminar a segregação, aceitando e respeitando todos ao nosso redor.

Assim que acabamos de repetir, os professores passaram por nós, nos dando os parabéns e nos entregando correntes de prata, delicadas. Todos os alunos enrolaram a corrente duas vezes na mão e então dissemos nosso juramento final, exaltando as principais qualidades do colégio, as qualidades de cada casa, mesmo não sendo a nossa:

- Honraremos o Roxo com coragem, astúcia, inteligência e bondade.

E ditas estas palavras o capuz em minhas costas ficou ligeiramente morno, com um aceno de Minerva fumaças densas e coloridas subiram, cada uma com a cor da sua casa, no meu caso o vermelho e dourado subiu do meu capuz, e assim que atingiu certa altura ficou roxa. A cor da magia. Eu era agora uma Bruxa de verdade. O cetim de minha beca mudou de vermelho para roxo, enquanto explodíamos em gritos e os demais alunos nos aplaudiam. Jogamos nossos chapéus para cima e nos abraçamos.

Eu estava formada.

- Viva os mais novos desempregados! – Lino gritou em meio aos alunos, abraçando alguns garotos da grifinória.

- Professor Lino! – McGonagall repreendeu-o.

Eu, Harry e Rony rimos.

- Vocês três, quero uma palavrinha com vocês.  – Minerva disse apontando para nós três.

Trocamos olhares nervosos. Será que teríamos uma bronca saideira? Assim que nos desvencilhamos dos outros alunos fomos até Minerva.

- Diretora. – Harry se apresentou ainda sorrindo.

- Você quebraram milhares de regras, colocaram muitos alunos em perigo, foram imprudentes e abandonaram o colégio. – Minerva disse séria. – são meus alunos prediletos. Parabéns. E muito obrigado por terem feito tudo que fizerem.

- Até quebrar as regras?

- Não abuse da Sorte, senhor Weasley. – Minerva disse com um sorrisinho nos lábios. – ainda posso arrumar uma detenção para vocês limpando a sala de troféus.

Ela abraçou cada um de nós.

- Ah, quase me esqueço. Vocês tem um convite pessoal do reitor para estudar na Universidade de Medicina e Bruxaria. E o ministro fez o convite para que vocês dois também assumissem cargos como Generais no ministério entre os aurores. E a Universidade de Magias Avançadas ofereceu vagas nos cursos de sua escolha... S-senhorita Hermione?

EU ESTAVA SENDO CONVIDADA PARA ESCOLHER ENTRE A UMB E A UMA, AS MAIORES UNIVERSIDADES BRUXAS DO MUNDO!

Notei então que estava me esforçando muito para não chorar, e sendo assim estava fazendo uma careta um tanto quanto assustadora.

- Hermione? – Harry me cutucou.

- E-eu sinto muito, só um instante... Se eu chorar a Gina me mata.

- Ah, temos um convite para a senhorita Ginevra também, quase me esqueço. Um desses times de Quadribol... Aliás, a turma de vocês tiveram ótimas propostas.

- Espera só até eu esfregar isso na cara daquela doninha... – Rony disse esfregando as mãos sombriamente.

- O senhor Malfoy recebeu os mesmos convites.

- Até de general? – Rony disse quase choroso.

- Não, esse é só para o Trio de Ouro. – Minerva riu.

- Rá! Vou esfregar na cara dele. – Rony voltou a dar gargalhadas.

Eu apenas revirei os olhos.

- Boa sorte, vou sentir falta desse Trio de Ouro. – Minerva disse sorrindo.

- Nós também diretora. – eu disse abraçando-lhe rapidamente.

Ela saiu de perto. Eu Harry e Rony começamos a pular e gritar.

- Este ano está perfeito! – eu disse rindo – não sei o que falta acontecer!

- Agora só falta os casamentos de vocês em Agosto. – Rony riu-se.

Oh meu bom Merlin.

Eu iria casar. Em menos de um mês.

Basiliscos, Dementadores, Comensais da Morte, Voldemort, Horcruxes. Nada. Eu disse NADA! Nada me deixa tão nervosa quando imaginar o dia em que eu diria “Eu Aceito”.

Socorro eu estou passando mal.

- Harry? – Rony disse ficando sério de repende.

Olhei para o lado enquanto o moreno desabava no chão e eu tentava sem jeito segurá-lo.

É. É bom saber que eu não serei a única nervosa.



Notas finais do capítulo

HEEEEEEEEEEEEEY :3 E AI? CURTIRAM?

HAHAAAA ainda não é o casamento, ainda!

Ai gente to numa Deprê aqui, só não vou morrer chorando por que to escrevendo a minha Dramione e também tá ficando bem interessante :3....
MAS EU VOU SENTIR MUITAS SAUDADES DE VOCÊS MINHAS CHICAS CALIENTES FREMIONEIRAS, SÉRIO MESMO!!!!