Bad Angel escrita por Miller


Capítulo 12
'Cause my life is like Supernatural


Notas iniciais do capítulo

Primeiramente: não me batam pelas comparações com Supernatural. É só que a oitava temporada da série vai estrear daqui a três dias e eu estou quase tendo uma síncope de expectativa *---*
Well, eu ia postar antes, buut minha mãe veio com chantagem emocional dizendo que ela era minha familia e não o computador e etc, e eu tive que ficar um pouco com ela rsrsrs'
Mas aqui estou eu e aqui está o novo capítulo *O*
Nossa, eu fiquei espantada com o número de reviews. 336*O*
MUITO OBRIGADA.
E muuuuuuuuuuuuito obrigada pelas recomendações PERFEITAS que recebi.
Capítulo dedicado às lindas Gossip Girl, MelPotter e NaatyTabosa pelas recomendações lindonas *-*
Espero que gostem!
Enjoy!




James Potter

Ainda completamente pasmo com a aparente facilidade de meus amigos em aceitarem o fato de que eu possuía um anjo da guarda como alguma coisa completamente normal e não algo que remetesse a um psicólogo, ou, possivelmente, um psiquiatra, sacudi-me mentalmente enquanto observava-os caminharem em direção ao carro, todos conversando de forma animada.

Quero dizer, tinha UM ANJO entre nós e tudo o que estávamos fazendo era dirigir para o shopping como se aquele fosse mais um dia normal em Londres.

Ou eu estava enlouquecendo, ou eles é que estavam.

– Cara, eu odeio sentar no banco de trás – Sirius resmungou após algum tempo.

Ergui meus olhos para o espelho retrovisor e o avistei sentado junto à janela do lado do passageiro com uma expressão carrancuda enquanto remexia-se de forma inquieta.

– Agora você sabe como me sinto – Remus retrucou com um sorriso maroto no rosto, parecendo adorar aquela situação muito mais do que o outro.

Sirius bufou.

Ouvi o riso de Lily e a encarei com o canto do olho.

Ela conversava animadamente com Dorcas sobre seres celestiais e sessão da tarde angelical, o que eu imaginava que deveria ser bem estranho para Sirius e Remus. Fiquei imaginando como me sentiria se eu visse alguém conversando supostamente com o nada.

– Mas então, Lily – Sirius perguntou de repente. – O que é que você está fazendo com o James? Faz quanto tempo que estão juntos?

Eu me senti desconfortável com as palavras ‘estão juntos’, mas decidi ignorar.

– Realmente não sei o que estou fazendo, exatamente, a não ser passar o dia salvando a vida de James – ela respondeu com um rolar de olhos e Dorcas repetiu para ele. – E já faz pouco mais de uma semana que estou aturando este traste – e me lançou um olhar indicativo. Nós dois sabíamos que, de convivência verdadeira, somente tínhamos “ficado junto” um único dia.

Mesmo que aquele único dia tenha se tornado um tormento.

Revirei os olhos para suas palavras.

– Sempre muito amável – resmunguei e ela sorriu para mim um sorriso forçado e totalmente sarcástico.

Como sempre.

– HEY! – Remus gritou de repente, assustando a todos nós, fazendo-me pular no banco e desviar o carro pela pista, recebendo uma buzinada como resposta. Lily puxou o volante naturalmente enquanto todos voltavam os olhares para Remus. – Sabe o que você falou de Supernatural, James?

Encarei-o pelo retrovisor, o coração ainda na boca pela minha falta de atenção, sem entender.

– Somente disse aquilo por que estava conversando com a Lily quando você me notou – falei e ele rolou os olhos enquanto remexia em seus bolsos.

Isso eu percebi... – disse e franziu a testa quando não parecia achar o que procurava. - Só que me lembrei de uma coisa também... Ah, aqui – e puxou o celular do bolso da calça.

– O que você vai fazer? – Sirius perguntou com seus olhos arregalados enquanto observava Remus do outro lado do banco tocando em alguns menus.

Dorcas e Lily tinham os mesmos olhares de incompreensão.

Então, parecendo ter encontrado o que queria no celular, ergueu-o e o apontou com a câmera voltada na direção do banco do carona como se estivesse prestes a tirar uma foto ou qualquer coisa do tipo.

Encarando a tela, Remus arregalou os olhos tanto que pareciam prestes a saltar de suas órbitas e atirou o aparelho para longe, como se o que viu tivesse lhe dado um choque.

Seu rosto estava mais pálido do que qualquer outra coisa que eu já tivesse visto, mas nenhum de nós conseguia entender coisa alguma.

– Isso... Isso... – ele olhava para mim como se estivesse vendo-me pela primeira vez. – É verdade – disse com um fio de voz.

– O quê? – Dorcas perguntou, encarando-o como se ele fosse um alíen, coisa com a qual particularmente estava concordando, afinal de contas não seria muito anormal, levando em consideração que tínhamos um anjo no banco da frente. – O que é verdade, Remus?

– O anjo! – Remus estava ofegante.

Rolei os olhos, um pouco aliviado e um pouco irritado por todo o suspense.

– É claro que é verdade! – eu disse de forma cansada. – Você mesmo viu o armário!

– Mas eu não tinha certeza... – Remus disse e soltou um longo suspiro, passando as mãos pelos cabelos enquanto eu continuava a encarar a cena pelo retrovisor.

Sirius, então, remexeu-se.

– Só eu que não estou entendendo nada? – perguntou, encarando-me através do espelho com as sobrancelhas arqueadas.

Remus esticou-se e pegou o celular de onde o havia atirado. Estendeu-o para Sirius.

– Há um episódio, da segunda temporada da série, em que Dean descobre que pode ver espectros através da câmera do celular – Sirius tinha os olhos arregalados. Remus rolou os olhos. – Sabe toda aquela história de fotos em que se pode ver algo estranho no canto escuro da imagem, atrás de uma cortina e etc.– resmungou. – Lembrei-me disto e decidi testar – deu de ombros.

Sirius, ainda com os olhos arregalados, puxou o celular da mão de Remus. Empurrando-se sobre Dorcas, apontou o celular para o banco da frente, onde Lily tinha a testa franzida em completa incredulidade e confusão.

– Uau – Sirius assoviou, meneando a cabeça logo em seguida.

E, claro, estava tão distraído com aquela nova descoberta que tinha esquecido completamente do fato de ainda estar dirigindo.

Se não fosse por Lily puxar o volante mais uma vez de minhas mãos e ativar o freio de mão, nós seriamos como um enlatado contra um poste.

– Preste atenção! – Lily ralhou e então voltou a olhar para os garotos, como se o fato de ter acabado de salvar nossa vida não fosse nada. – Eles podem me ver? – parecia assombrada.

Eu também estava, afinal de contas.

– Vocês conseguem vê-la? – repeti sua pergunta, a curiosidade me assolando enquanto virava-me para encará-los melhor.

– Se você não fosse um anjo, eu juro que te pegava – Sirius disse com um sorriso maroto no canto dos lábios, ainda apontando o celular para Lily. Aquilo respondeu minha pergunta.

Fechei a cara.

Lily fez um gesto obsceno para a câmera, fazendo com que Sirius fizesse uma careta.

– Pensei que anjos não pudessem fazer essas coisas – ele resmungou.

– Há exceções – Lily retrucou, algo que achei muito idiota já que Sirius ainda não podia ouvi-la, apesar de tudo.

– Isso tudo é muito ridículo – Dorcas finalmente falou. – Quero dizer, aquilo é apenas uma série de televisão. Como é que possível que possa realmente funcionar?

– E como você explica o fato de termos um anjo no banco do carona? – Sirius perguntou de forma irônica para a garota, fazendo-a bufar enquanto cruzava os braços sobre o peito. – E, também, como é que você explica o fato de poder vê-la?

Dorcas rolou os olhos.

– Só estou dizendo que é meio ridículo que vocês fiquem comparando a vida real com coisas absurdas feito séries.

– Já me disseram isso antes – murmurei comigo mesmo, algo que não passou despercebido por Lily, já que a garota virou-se para mim e arqueou uma sobrancelha.

– Quem? – perguntou.

Dei de ombros sem responder.

Não queria falar sobre meu encontro com Constantine/Castiel. Não mesmo.

E depois não queriam que eu comparasse as coisas com séries de TV. Como se fosse possível com um nome desses.

– Pelo menos funcionou – Remus concluiu e pegou o celular da mão de Sirius, voltando-se para Lily. – Você é mesmo ruiva – comentou de forma absurdamente idiota.

– Não, seu imbecil, eu sou morena – Lily rolou os olhos.

– Ela acabou de tirar com a minha cara, não foi? – Remus perguntou, olhando em minha direção.

Eu concordei com a cabeça.

– Então nós somos o que? – Sirius perguntou e nós voltamos a encará-lo. – Um grupo de quatro humanos, contendo um protegido por um anjo da guarda, uma menina doida que nos acha pervertidos e que pode ver o anjo, um nerd que gosta de Supernatural e um cara gostoso, muito inteligente e que tem um encontro com uma americana daqui a dez minutos – concluir e me encarou. – Está tudo muito interessante, MAS SERÁ QUE DÁ PARA VOCÊ ME LEVAR PARA O SHOPPING?

– Bem determinado esse ai – Lily comentou e suspirou. – Você está com fome? – ela perguntou de repente para mim e eu franzi a testa, sem saber onde ela queria chegar com aquela pergunta.

– Acho... Acho que sim – respondi meio incerto, encarando-a em confusão.

– Ótimo – ela disse e eu franzi o cenho. – Você vai comprar um hambúrguer bem grande e gorduroso para comer – mandou.

– O que isso tem a ver comigo? – perguntei.

– Eu não posso comer – falou. – Então você vai comer para mim – Lily suspirou novamente. – Agora faltam 7 minutos para a menina chegar ao shopping. Acho que é melhor você se apressar, antes que o menino ali tenha um ataque de pelancas.

Não discuti.

Tirei o freio, dei a partida no carro e nos encaminhamos até o shopping.

Quando chegamos lá, Sirius praticamente saiu correndo do carro.

Lily, Dorcas, Remus e eu ficamos apenas observando.

– Agora me diga uma coisa – Remus começou a falar. – Você não quer mesmo dar uma olhada nessa americana? – me encarou e eu sorri de forma marota.

X—X

Depois de corrermos no encalço de Sirius, parando quando chegamos à cantina do lugar, demorei algum tempo até encontrar o garoto, afinal o shopping estava atulhado de pessoas àquela hora.

Quando finalmente o vi, ele estava do lado oposto ao que nos encontrávamos e tinha um sorriso no rosto. Aquele sorriso idiota e sacana que ele sempre dava toda a vez que estava prestes a flertar com alguém.

À sua frente, uma garota de cabelos escuros e longos conversava com ele enquanto o observava como se o avaliasse.

Imaginei que, devido à sua postura, ela não parecia ser alguém que fosse cair naquele sorriso idiota de meu amigo.

Estava prestes a comentar sobre isso quando vi a expressão de Lily.

Ela estava pálida – o que era completamente estranho levando em conta o fato de que, normalmente, estava corada e furiosa por alguma coisa que tinha lhe falado – e sua expressão era de choque.

– Lily? O que aconteceu? – perguntei, sentindo-me preocupado com seu comportamento.

Lily demorou alguns instantes até responder. Encarava Sirius e a americana com os olhar fixo.

– Eu... – ela voltou seus olhos muito verdes para mim. – Acho que conheço aquela garota.



Notas finais do capítulo

Não me batam :) Porque eu parei :) Nessa parte :)
Era para o capítulo ser melhor, mas minha mãe está oficialmente me chantageando por causa do computador, então não tive muito tempo.
Negócio de nerd isso de celular, mas, como eu disse, Supernatural domina minha vida, é.
E agora, tenho que dizer adeus.
Beijos da Mills que está quase sendo espancada pela mãe =D
Bye