Just In One Direction escrita por CostaSalazar


Capítulo 57
Capítulo 57





Naquela noite Louis foi jantar à casa da namorada. Tinham combinado sair um bocadinho, para passarem algum tempo juntos depois de um dia de aulas. O jantar, obviamente, foi uma comida tipicamente portuguesa feita por Lúcia. Estava disposta a mostrar ao seu amado os seus dotes culinários.

No final do jantar, Gina e Sofia juntaram-se na sala a ver televisão enquanto os pombinhos foram para o quarto de Lúcia.

Já lá, os dois deitaram-se aconchegadinhos sobre as mantas enquanto falavam dos assuntos do costume. Também as carícias não eram esquecidas e, como era natural, estas fizeram o ambiente aquecer e a loucura chegar à flor da pele dos amantes. Os beijos tornaram-se profundos e cheios de desejo, os corpos de ambos estavam quentes e prontos a avançar, as mãos de Louis revistavam a pele da rapariga.

- Não… - Sussurra Lúcia a custo. – É melhor não.

- Mas o que foi? Fiz algo de errado?

- Não, não! Não é isso. – Recusa ela a ideia, acariciando o rosto dele, que estava ainda estava por cima dela, olhando-a incompreensivo.

-É que… Louis, não é nada contigo… Eu… Eu ainda não me sinto preparada, entendes? Desculpa.

- Mas Lúcia…

- Por favor amor… Entende.

- Mas eu amo-te! Tu sabes disso.

- Eu sei. Mas sou eu. Não sinto que seja ainda o momento certo para mim.

Louis sentou-se na cama e olhou para a namorada.

- Eu espero por ti o tempo que for preciso.

Lúcia sorriu ao namorado e aproximou-se dele, beijando-o:

- Por isso te amo tanto.

No dia seguinte de manhã, Raquel encontrou Liam à saída da universidade.

-Por aqui? Já não tens aulas pois não? – Estranha a rapariga.

- Não, aboborazinha. Fiquei à tua espera. Queria ver se me acompanhavas ao bar para falarmos um bocadinho.

- Hum… Gosto disso.

Liam riu-se e levou-a até ao bar. Sabia que ela não gostava de o ver com Danielle e ele tinha saído do bar, no domingo, a correr atrás de dela e Kelly e não mais voltara. Sabia que isso talvez a tivesse magoado e decidiu compensá-la com aquela surpresa.

Estavam a comentar os acontecimentos de domingo, quando ela teve de se retirar para a aula e Liam foi então abordado por Niall.

- Sabes quando é que a Débora chega?

- Não… Mas olha, tens ali o Zayn a falar com a Daisy. Vai lá perguntar-lhe. Ele sabe de certeza.

- Está, obrigado.

Niall dirigiu-se ao amigo muçulmano e pediu-lhe para falar com ele a sós. Zayn despediu-se da rapariga com um beijinho na face prometendo-lhe telefonar-lhe mais tarde.

- Diz lá.

- Sabes por acaso quando é que a Débora chega?

- Por acaso ontem estive a falar com ela e penso que ela me disse que era no fim da manhã. Talvez lá para as 11h – 11h30.

- Ah, boa! Agora tenho de ir para a aula. Obrigadinho. – Despede-se o loiro rapidamente.

Passou a aula completamente distraído. A única coisa em que ele conseguia pensar era em Débora e no que lhe havia de dizer. Sabia que ela não era rapariga de cenas como a que ele fizera no domingo e sentia-se por isso muito nervoso. Não imaginava sequer a forma como ela iria reagir.

Saiu disparado da sala no final da aula. Dirigiu-se ao átrio onde imaginava que ela estivesse e não se tinha enganado. O coração do irlandês bateu mais forte ao vê-la a rir-se, linda, ao conversar com Mónica. A respiração custava-lhe. Hesitou. Mas, num impulso de coragem, respirou fundo e correu até ela.

- Olha o loirinho! – Cumprimenta-o Mónica ao vê-lo aproximar-se.

Débora alertou-se e virou-se para ver quem se aproximava.

- Eu – não – a – cre – di – to! – Reclama por múrmuros a loira com a prima.

- Olá meninas! – Cumprimenta o rapaz timidamente.

Débora virou-se para ele com um sorriso forçado.

-Tudo bem contigo? – Questiona Mónica.

- Tudo, obrigado.

- Ah… Ainda bem. – Remata Débora virando-lhe as costas. Contudo, algo dentro dela lhe fazia nascer um leve sorriso, sem que ela desse conta.

- Ó Débora… - Interfere Niall. – Achas que… Podíamos conversar… A sós?

Débora volta-se novamente para ele:

- Niall, é assim, eu…

- Por favor Débora. – Pede o rapaz.

- Débora, fala com ele. Ele só quer falar contigo. De certeza que ele tem o que te dizer. – Intromete-se Mónica.

- Vais dar agora em advogada de defesa dos pobres e oprimidos, Mónica?

- Anda lá Débora. Não te ocupo muito tempo. – Tenta novamente o loiro com olhos de cachorrinho abandonado.

A rapariga teve uma grande vontade de aceitar, mas não queria dar parte fraca.

- Eu… Eu agora não posso. Tenho de aula a seguir.

- A que horas almoças hoje?

- Meio dia e meio.

- Ah… Tenho aula… - Desilude-se o loiro.

- Desculpa Niall… Tenho de ir para a aula. Depois falamos.

E assim a loira despede-se da prima e foge dali a passo rápido.

- Ó loirinho, estás lixado! – Avisa-o Mónica. – Ela é impossível! Quando mete uma coisa na cabeça…

- Já notei.

- Mas o que tu disseste no bar é verdade?

Niall olhou a rapariga nos olhos e assumiu uma postura séria.

- Podia estar bêbado, mas acho que nunca fui tão sincero na minha vida.

Mónica encheu-se de admiração pelo rapaz.

- Mas… - Tenteu ela, sendo interrompida por ele.

- Eu sei que ela não sente o mesmo por mim. Sei que o melhor é desistir, mas não o vou fazer sem antes tentar ao menos falar com ela. Mónica, eu gosto dela de verdade, entendes?

Mónica sorriu. Viu ali um homem dentro daquele rapaz tão infantil do costume.

- Desejo-te sorte Niall. E espero não me vir arrepender, espero que não me desiludas, mas a partir de hoje podes contar comigo. Eu vou tentar fazê-la ver as tuas qualidades. Mas eu não faço milagres! Não vou conseguir mudá-la.

Os olhos de Niall brilharam.

- Obrigado Mónica. Já é muito bom, mas realmente não sei se vai valer a pena. Ela é… complicada. – Desanima-se ele.

- Força miúdo! Ela no fundo, no fundo é um coração de manteiga.

- Obrigada pelo ânimo. És uma rapariga cinco estrelas.

- Oh! Ora essa! Mas agora tenho de ir. O Dylan vai almoçar comigo hoje. Já deve estar à minha espera lá fora.

Os dois despedem-se e Niall sentou-se a pensar na forma de conseguir falar com Débora.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Just In One Direction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.