Just In One Direction escrita por CostaSalazar


Capítulo 18
Capítulo 18





Niall estava a caminho da casa da sua amiga portuguesa Sofia. Tinham combinado lanchar na casa dela para conversarem um pouco, visto que à algum tempo não o faziam. Quando já tinha chegado ao piso onde Sofia morava ele ouviu uma música que lhe agradou. O som vinha da casa de Danielle e Kelly e, para aumentar ainda mais a curiosidade de Niall, a porta estava aberta. Ele decidiu entrar, claro, conhecia as donas, de certeza que não se iriam importar. Já la dentro, vê Kelly a tocar uma bela melodia, com uma guitarra muito parecida com a sua.

- Belo som! - Comenta Niall - É tua a canção?

Kelly é apanhada de surpresa. Ele não tinha batido à porta, e para além do mais não queria que ninguém a ouvisse a tocar. Apenas Danielle tivera descoberto esse pequeno segredo de Kelly há uns dias atrás.

- Como é que entraste?

- A porta estava aberta e eu curti o som e decidi ver de onde vinha. Desculpa se te assustei... - Explica-se Niall com receio que Kelly ficasse chateada com ele.

- Mas e o que é que estás a fazer por estes lados?

- Eu vim lanchar com a Sofia.

- Ahm... - Kelly estava com ciúmes, sabia que eles eram amigos, mas a amizade às vezes leva a outras coisas.

- Posso ver a canção que estavas a tocar? - Niall pegou na guitarra de Kelly e começou a tocar.

Kelly não lhe respondeu, não queria que ninguém descobrisse as suas canções, mas também estava a gostar de ter Niall ali com ela.

- O que é que achas? - Pergunta-lhe ela

- Esta canção é fantástica! Não sabia que compunhas...

- Pois, porque eu não quero que ninguém saiba. - Kelly olhou para Niall nos olhos - Não contes a ninguém que eu componho, por favor.

- Porquê? Tens talento, não percebo...

- É uma cena minha. Tenta compreender.

- Eu não compreendo, mas respeito. - Ele dirige-se à porta e olha uma última vez para Kelly - Vou andar de olho em ti… e nas tuas canções.

Nessa manhã, Zayn e Débora encontraram-se à entrada da faculdade. Aliás, os encontros deles eram cada vez mais frequentes. Zayn tratava-a como uma irmãzinha e ela não estava minimamente arrependida de lhe ter dado a oportunidade de ser seu amigo.

Depois daquele abraço brincalhão que Zayn lhe dava quando a via, ela perguntou-lhe:

- Tens aula agora?

- Não. Acabei de ter História e agora ia até casa. Só tenho aulas de tarde agora. - Responde-lhe ele.

- Ah, bom. Eu só tenho aulas mais daqui a bocado. Porque não nos sentamos ali para falar um pouco?

- Boa! Sabes que eu gosto sempre muito de falar contigo. – Diz-lhe ele com uma voz querida e um daqueles cómicos olhares que só ele sabia fazer.

Os dois sentaram-se num banco do jardim que lá estava perto e conversaram sobre os últimos acontecimentos da vida deles, com muitas gargalhadas à mistura, como sempre com aqueles dois.

Sofia nesse momento ia a chegar à universidade quando Débora a vê e logo a chama:

- Hey, Sofia, anda cá! – Virando-se de seguida para Zayn. – É esta aquela minha amiga que já te tinha dito que te queria apresentar. Ela é muito fixe!

Zayn reconheceu-a mas não quis dizer nada a Débora.

Sofia chegou-se à beira deles, cumprimentou Débora e quando esta os ia apresentar, Sofia dirige-se a Zayn:

- Olá Zayn! Tudo bem?

Débora ficou com cara de estúpida a olhar para os dois.

- Vocês já se conhecem?

Ambos riem e Zayn, mordendo o lábio inferior como era de seu hábito quando estava nervoso (gesto que aliás deixava qualquer uma derretida por ele) e olhando fixamente Sofia com o seu olhar malandro, responde a Débora:

- Longa história…

- Um dia conto-ta, se o Zayn não se importar, claro. – Conclui Sofia desviando o olhar de Zayn para Débora com um sorriso igualmente malandro como se estivesse a lembrar-se de toda a história naquele momento.

- Ah bom… - Queixa-se Débora aos dois. – Pensei que tanto um como outro dividiam tudo comigo e afinal ambos me escondem um segredo. E um segredo comum ainda por cima!

Ambos se riem novamente de Débora.

Débora estava-se a divertir imenso com os seus novos amigos, mas começou a sentir-se a mais.

- Ei! Ia-me esquecendo. A Mónica já deve estar à minha espera! - A loira não queria dizer diretamente que estava a mais, por isso inventou uma desculpa. E representou-a muito bem.

- Queres que te acompanhe até lá dentro? - Pergunta Sofia tentando não ficar com sozinha com Zayn.

- Não, deixa estar. Até logo!

- Bem, parece que ficamos nós os dois... - Constata Zayn.

- Pois...

- Posso fazer-te uma pergunta?

- Sim, podes.

- Tu não pensaste mesmo em mim quando voltaste para Portugal?

- Eu já te disse que não. Foi uma aventura de uma noite. Eu não queria ficar para sempre a pensar no fantástico que foi. - Sofia parou, tinha acabado de admitir que tinha sido fantástico em frente a Zayn. Corou de imediato.

- Obrigado, não és a primeira a dizê-lo. – Agradece com um grande sorriso.

- Convencido. - Ri-se ela. - Mas conta-me lá, a Débora não parece ser mais uma das tuas conquistas...

- Se queres que te diga a verdade, a primeira intenção foi essa. Mas não me deu hipótese nenhuma. No entanto gostei da forma durona como ela me tratou. Não para mais do que uma amizade, porque esse tipo de raparigas é que veste as calças num relacionamento e eu não aprecio isso. Mas curti-a! É uma espécie de irmã para mim. Gosto muito dela.

- Acho muito bem, talvez ela te emende e deixes de ser tão mulherengo. - Sofia pisca o olho a Zayn sorrindo.

- Gajos como eu nunca mudam... - Sofia ia falar mas Zayn continuou - Pelo menos é o que as raparigas que se chateiam comigo dizem.

Sofia começa a rir-se. Não esperava tornar-se amiga de Zayn. Ele, para além de ser muito, muito, muito mulherengo, até era bom moço. Estava feliz com aquela amizade. Infelizmente, não tiveram mais tempo para conversar. O toque já tinha soado e Sofia tinha de ir. Despediu-se do amigo com um beijo na bochecha, e ambos seguiram os seus caminhos.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Just In One Direction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.