Just In One Direction escrita por CostaSalazar


Capítulo 155
Capítulo 155





Sendo Zayn e Sofia mais caseiros, coube novamente a Harry e Gina a tarefa de irem buscar Louis e Lúcia ao aeroporto. Mas desta vez o casal aproveitou para dar uma volta durante a tarde, logo depois do almoço. Assim, foram para o Porto e visitaram alguns dos principais monumentos da cidade, tirando fotos. Só ao final da tarde Louis e Lúcia chegaram, mas não quiseram voltar a Esposende sem fazer uma visita ao shopping, até porque o casamento de Marcos era nos próximos dias. Gina e Harry aproveitaram também para tratarem do mesmo.

Zayn e Sofia estavam em casa descontraídos, após umas horinhas de banhos de sol seguidas de um banho de imersão, quando receberam uma chamada dos amigos a avisar que não iam a casa jantar porque iam ao shopping. Então Sofia lembrou-se que também queria ir, até porque ainda não tinha o vestido para o casamento do amigo. Depois de um bocadinho de insistência para com o namorado, que não tinha mínima vontade de sair, acabaram por se decidirem a ir jantar com os amigos ao Norte Shopping. E mais uma vez ela ir-se-ia aventurar a andar na moto com o namorado. Vestiram os casacos de cabedal, puseram os capacetes e aceleraram pelos cerca de 50km que tinham pela frente debaixo ainda daquele maravilhoso sol português que começava a despedir-se.

-x-x-x-

Dias depois, chegava o grande evento: o casamento do amigo das portuguesas. Estando todos preparados surgiu o problema do transporte. O carro tinha cinco lugares e eles eram seis. Num outro dia, não se importariam de ir uns em cima dos outros, mas estando as meninas bem vestidas e penteadas, recusavam-se a ir feitas sardinhas enlatadas para estragarem os modelitos. Faltava decidir quem iria em que carro. Sofia queria ir no Mustang e por isso Zayn logo entrou no lugar de condutor. Os outros dois casais é que se tinham de decidir. Gina acabou com as dúvidas:

- Eu e o Harry vamos sozinhos no outro carro. Prefiro não me juntar a casais melosos…

O resto dos amigos riu-se de mais um dos típicos comentários da morena e aceitaram a ideia.

E chegaram por fim à igreja de Arcozelo, freguesia de Sofia e também da noiva. Já eram muitas as pessoas à porta da igreja, e também muitos os carros estacionados. As caras dos convidados eram quase todas conhecidas das três portuguesas, visto que tinham andado todos na mesma escola. Era bom rever-se aquelas pessoas que já não viam há cerca de um ano. Alguns estavam diferentes, outros iguais ao que eram, mas o mais engraçado era ver-se rapazes e raparigas que nunca pensaram em ver juntos, agora em relações. Por outro lado, sentiam-se um pouco observadas. Primeiro porque chegaram em carros bons, o que logo suscita os olhares, e porque depois, ao olharem para elas, facilmente as reconheceram e, não as vendo há tanto tempo, era natural que as quisessem ver. Além disso, tanto os olhares femininos como os masculinos, não deixavam de percorrer de cima a baixo os namorados das três. Eram bonitos e notava-se que não eram portugueses. Mas elas continuavam com naturalidade. Logo aos primeiros passos, começaram a encontrar conhecidos com quem iam trocando umas palavras e apresentando os ingleses. Por fim, Lúcia e Louis separaram-se dos outros dois casais para ela cumprimentar uma velha amiga da ginástica, enquanto os outros ficaram com as velhas amigas de infância de Gina e Sofia: Marlene, Raquel e Sandra e o namorado, casal que Sofia tinha já encontrado na praia dias antes.

Nisto, surge o noivo vindo de dentro da igreja. Como sempre muito calmo. Com ele vinha João, que seria o padrinho, e Tiago. Ambos do grupo de velhos amigos. Sofia aproveitou para saber quem desse mesmo grupo estaria presente no casamento. Por acaso, nenhuma das três amigas tinha pensado na possibilidade de Vitor ir, a não ser naquele momento, em que surgiu na mente da namorada de Zayn essa possibilidade. Marcos afirmou tê-lo convidado e não obter resposta. Depois o noivo foi chamado, mas os outros dois amigos começaram a relatar o que sabiam do rapaz. Parecia que andava metido em drogas mais fortes, que sempre que o encontravam em discotecas estava embebedado e já quase que tinha sido preso por posse de droga. Estava um farrapo autêntico. Nem o pai o quisera mais a trabalhar com ele na oficina devido às faltas constantes depois de noites de moca. Sofia respirou fundo. Naquele momento comparou a vida que possivelmente teria à beira de um gajo daqueles, com a vida feliz que estava a ter com o seu mais que tudo. Olhou para ele, ao seu lado, e sorriu-lhe quase que agradecendo por ele ter aparecido na vida dela.

Compreendendo, minimamente, alguma coisa de português, percebera que a conversa era sobre Vitor e que não o estavam a elogiar. Mas, naquele compasso de espera, com nada para fazer, apeteceu-lhe fumar, mas ao pôr as mãos aos bolsos, reparou que se tinha esquecido do maço e do esqueiro no carro.

- Ó amor, dá-me a chave do carro que puseste na bolsa para eu ir buscar os cigarros.

João, que percebia bem inglês, logo se predispôs a dar-lhe dos dele. A partir dali, juntaram-se os dois, mais a um canto, a conversar no bom inglês enquanto fumavam.

Sofia ficou feliz por ele se integrar com os amigos dela. Juntou-se então à conversa paralela que se gerava entre as amigas com Gina, que Harry agarrava delicadamente pela cintura como marcando território. Por aqueles lados, riam-se com algumas frases que o inglês tentava pronunciar na língua materna da namorada. Era hilariante!

Nisto, as pessoas começaram a entrar para a igreja, mas aquele grupo de amigos continuava junto. Louis e Lúcia, juntar-se-iam a eles e ainda pessoas que por lá passavam as cumprimentavam depois de um ano sem as verem. Um deles foi Miguel. Talvez o amigo mais bonito de entre o velho grupo. Continuava o mesmo pedaço de anos antes. Depois de cumprimentos e apresentações, ele, juntamente com o primo Tiago, entraram na igreja. Altura em que as meninas trocaram aqueles olhares de outrora por entre risos. Mas naturalmente que Sofia e Lúcia, como costume não se deixariam ficar por aí.

- O Miguel… Ó meu Deus!

- Mesmo… Nossa!

- Já sabeis… É meu primo… - Issurge Raquel, orgulhosa, em tom de brincadeira.

Louis e Zayn olharam-se abanando as cabeças. As poucas palavras das namoradas tinham sido facilmente interpretadas. Por isso fizeram-se notar para que elas remediassem com elogios.

A noiva parecia ter chegado. Entraram. Os três casais conseguiram encontrar lugar perto da frente, e para lá se dirigiram.

A marcha nupcial ecoou. Joana começava a entrar, passo a passo. Agora Marcos parecia nervoso.

Louis começou a pensar como seria com ele. Agarrou a mão de Lúcia e ela olhou para ele que apenas lhe respondeu com um sorriso. Só de imaginar que poderia ser ele ali à espera de Lúcia… O “bichinho” do casamento surgira naquele momento na cabeça dele.

-x-x-x-

Na realidade, Marcos e Joana até não formavam um casal feio. Naquele dia estavam bem bonitos um ao lado do outro. Sofia lembrava-se das cenas daqueles dois de apenas um ano atrás… Pareciam crianças autênticas! E agora estavam ali a casar-se. Aquilo fazia-na sentir velha! Tanto ela como as duas outras amigas, consideravam esquisito alguém, um amigo, de 18 ou 19 anos casar-se, porque era algo que não estava nos planos delas para tão cedo.

-x-x-x-

- Su!

Sofia olhou para trás. Era Joana. Não a que se tinha casado, outra.

- Ju! Ao tempo! Não sabia que vinhas…

- Pois é. Desde que acabou o secundário nunca mais…

Zayn, ao lado da namorada, observava Joana desde o momento em que chamara por Sofia.

- Mas conta lá! O que é feito de ti?

Sofia começou a contar as novidades de Londres, acabando por apresentar o namorado. Cumprimentaram-se e a rapariga pôde mostrar os seus dotes de inglês. Alguma coisa saía.

- Bem… Não fazes por menos… Foste logo arranjar um “bom” rapaz.

Sofia riu-se e envolveu-se no braço dele, vaidosa.

Realmente, Zayn esmerara-se na apresentação. Aquele fato ficava-lhe a matar… todas as raparigas que tivessem olhos e bom gosto. No entanto, a namorada, tentara alcançar-lhe o nível, não fugindo aos gostos dela: um vestido curto e justinho.

Mas chegara a hora em que todos deviam entrar para se sentarem nos lugares marcados. Felizmente, as mesas eram de seis, pelo que Gina, Sofia e Lúcia puderem ficar juntas e com os namorados, a sós.

As horas iam passando e o casamento tornava-se até bastante divertido. Uns conversavam, outros dançavam, outros bebiam e havia ainda os que enchiam a pança. Harry era um dos doidinhos que dançava como se não houvesse dia seguinte. Talvez tivesse bebido um pouquinho demais. Facilmente as pessoas se familiarizavam com o namorado de Gina. Aquele sorriso, com aquele fato e gravata, deixava qualquer pessoa mais à vontade… E era delicioso vê-lo a dançar com as senhoras mais velhas! Ele era muito carinhoso.

Gina, linda naquele dia, sentada à mesa, conversava com amigas que se tinham sentado ao lado dela e ia-se rindo, deleitada com as cenas do namorado.

Louis estava um autêntico gentleman. Aquele penteado era qualquer coisa de irresistível. Ele, juntamente com Lúcia, mantinha-se a socializar sempre com o copo de champanhe na mão. A rapariga demonstrava-se radiante ao contar as aventuras ao longo daquele ano que passara, bem como pela estadia recente em Paris. Os amigos notavam a paixão daqueles dois em cada palavra. E naturalmente os elogios eram sempre bastantes para ambos. Até porque também Lúcia tinha caprichado na escolha do vestido.

Sofia e Zayn tinham ido para o exterior tirar a tradicional foto com os noivos à beira da piscina. Tinham sido dos últimos a fazê-lo. Estiveram um tempinho a conversar, mas depois Sofia acabou por se meter à conversa com Luísa e Elsa da antiga turma. Também Luísa namorava agora com um antigo affair. Estava diferente dos tempos de secundário. Mais solta, desinibida, o que era normal, estando ela a estudar comunicação social, como sempre sonhara. Mas Zayn, que tinha ido à casa de banho nunca mais chegava. Pensou que talvez estivesse com os outros, a fumar, ou então que talvez encontrasse alguém para falar, e por isso Sofia não se preocupou.

Porém, a conversa com as amigas ia-se esgotando, e voltou para dentro. Nessa altura deu logo de caras com Zayn… que não estava sozinho. Ainda por cima aquele Zayn que estava a ver não era o dos últimos tempos, mas o antigo Zayn. Conhecia bem aquele sorriso de conquista, a pose, o olhar. Naturalmente, não ia deixar avançar, mas não estava com ideias de fazer escândalo. Apenas lhe queria mostrar indiretamente que percebera as intenções deles. Por isso chegou-se à beira deles.

- Su! - Cumprimenta-a ela da mesma forma de sempre.

- Então que se conversa por aqui? – Pergunta Sofia, quase que fuzilando Zayn com o olhar, mas sempre discreta.

- O Za…

- Zayn… - Ajuda-a ele a completar o nome dele, ao notar que ela ainda não o sabia pronunciar.

- Isso, o Zayn, estava agora a contar-me como é a vida de Londres.

- Pois… Uma cidade muito bonita. A nossa cidade, não é amor? – Tenta Zayn acalmar a namorada ao notar que ela estava furiosa, tentando aproximar a dela pela cintura. Ela, disfarçadamente fugiu.

- Ah…

- Ele até me convidou para lá ir. Disse até que me ajudava a orientar-me por lá.

- Ah, pois. Sabes que o Zayn é muito bom guia. Eu falo por experiência própria. Nem imaginas o quão bem ele me guiou logo que nos conhecemos… - Responde Sofia, com ironia à mistura, tentando levar a conversa num segundo sentido.

- É. Nota-se que ele é um rapaz simpático. – Acrescenta ainda Joana, a velha amiga de Sofia.

- Pois. Muito simpático para quem quer... Principalmente para as mulheres. – Completa Sofia, olhando para o namorado com um sorriso irónico e os olhos tão afiados como lanças prontas a atacá-lo. – Mas continuem a vossa conversa. Eu tenho de ir… beber qualquer coisa. Estou com a garganta seca. Está muito calor hoje… por estes lados, não é amor? – Pergunta ela ao namorado, carregando na ironia ao chamá-lo amor. – Fiquem à vontade. Com licença.

Zayn tentou ainda agarrar-lhe a mão, mas não conseguiu. Sentiu-se constrangido, envergonhado. Sabia que ela tinha ficado chateada, mas ele não estava a fazer aquilo por mal… Talvez tivesse bebido um pouco a mais e… Não sabia o que estava a fazer. Joana tentava continuar a conversa, sempre muito simpática, mas o inglês queria ir procurar Sofia. Não quis ser mal educado e, por isso, deu ainda dois dedos de conversa à antiga amiga da namorada, arranjando por fim uma desculpa para se retirar. 



Notas finais do capítulo

Próximo capítulo na segunda feira. Será o último de 2012!! No entanto, a fic continuará. Não se esqueçam que, caso a fic seja eliminada, podem encontrar-nos em http://justinonedirectionfic.wordpress.com/
Beijinhos. ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Just In One Direction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.