Consultas. escrita por Nine


Capítulo 10
Capítulo 10.


Notas iniciais do capítulo

OOOOI GAAAATIIINHAAAAS! ♥ qq
consegui, aqui estou com o capt 10 e entrando oficialmente na reta final na fic ç.ç
bom, tenho alguns agradecimentos especiais as minhas leitoras fiéis u.u
hinatuxa_chan - simsim,nos adoramos os socos do sasuke u.u
sakura13 - "adoooooooreeeeei" sua frase preferida, né? linda ♥
Jamie Hermeling - simsim, o sai é um fdp,IAUHSAIUH u.u
Dayse-Haruno - "AAAAMEEEI, LIIIINDOOO" IUAIUSHU, defensora da Sakura em todos os momentos, rs
Hideko - fala pouco, mais sempre de da Oi u.u ♥
Elektra_Black - ela morre se eu não postar, jesus u.u ♥
hannahf - 'uhuu,sasuke' UIAHSIUAHSIU
BiancaRamos - obg linda, *-*'.
bia sui - simsim, sasuke é revoltado eternamente. u.u
Meninas, agoa vou-me indo.
PS- a fic pertence a caHh konomoto!
enjoy.



Consultas

And now the planets circle around you


Dor de cabeça. Sasuke era um homem constantemente atormentado por aquele maldito tipo de dor, e era exatamente por isso que sempre tinha na gaveta de seu quarto uma cartela cheia de aspirinas e outras várias de neosaldina. Certa vez chegara a pensar que seu problema era algo genético ou crônico, mas não demorou muito para constatar que o motivo estava bem distante daquilo e que a culpa toda na verdade era das pessoas com as quais convivia.

Quer dizer, aquele dia em específico havia sido – novamente, porque afinal aquilo estava parecendo se tornar uma tendência em sua vida - ruim: acordara atrasado - provavelmente pela primeira vez em sua vida, encontrara com Sakura logo cedo e socara Sai na seqüência – isso tudo antes do dia se quer ter chego às dez horas da manhã. Não que ter dado um soco naquele idiota tivesse sido completamente ruim... Muito pelo contrário, já vinha cultivando esse desejo em seu interior desde o dia em que tivera o desprazer de ser apresentado a ele. O problema todo estava no fato de ter Itachi o ligando por pelo menos dez vezes a cada hora, sua mãe deixando mil recados na secretária eletrônica e Shisui atormentando sua vida por ele ter, teoricamente – e nas palavras dele, óbvio -, 'encarnado um cosplay de Clube da Luta em plena reunião'.

Ainda para completar toda a desgraça acumulada em sua vida e somar na lista de motivos pelos quais ele deveria sim ir para o céu, ao meio-dia recebeu uma inconveniente ligação de Naruto o lembrando que naquela noite eles teriam a "noite dos padrinhos" na escolinha de seu afilhado e que ele não poderia faltar sob hipótese alguma – e vale sempre lembrar que foi devidamente chantageado para que o estúpido pudesse se assegurar de que nada no mundo o faria deixar de estar presente naquela reunião de inépcias.

E aquilo infelizmente havia o levado a uma outra constatação completamente desagradável: ele não veria Sakura naquela noite. Quer dizer, o ponto ruim da coisa toda era que ele ficaria sem seu café com um leve toque de menta, claro...

...Esperar o dia todo passar para ter uma xícara de café para então ser impossibilitado de tomá-la. Céus, ele estava se tornando um estúpido.

Bom, não era exatamente estúpido se considerasse o fato de que café fazia bem – caso cientificamente comprovado -, mas o era por uma série de outros motivos cuja explicação fugia de seu entendimento. Por exemplo: porque mesmo estava começando a ficar nervoso? Não era como se precisasse tomar o café dela todo dia até o fim dos tempos... E também não era como se ele gostasse que ela fosse sempre em sua casa, e café ele mesmo poderia fazer, certo?

Errado. Total e completamente errado. Mas não estava com tempo de estabelecer uma discussão consigo mesmo, até porque já eram sete da noite e ele havia acabado de estacionar o carro em frente à escolinha de seu afilhado.

A boa notícia era que não havia sinal do carro de Naruto na rua, então quem sabe ele pudesse entrar, fingir que tinha esperado por muitas horas e então simplesmente ir embora? Teria um álibi, as pessoas diriam que efetivamente o viram ali... E, bem, tempo era uma coisa tão relativa que ele poderia distorcer um pouquinho, não? A idéia toda estava lhe soando absolutamente perfeita e isenta de falhas.

Sete e quinze e nem sinal de Naruto. Devido à sua pontualidade sempre britânica, Sasuke pensou que ficaria implícito para toda e qualquer pessoa que o conhecesse o fato de que odiava atrasos. E ainda mais do que odiar atrasos simplesmente repudiava ficar ansioso por coisas estúpidas... Mas talvez e apenas talvez, se voltasse para casa a tempo ainda teria seu café o esperando. E Sakura – foi o detalhe que sua mente tratou de adicionar como quem não quer nada, o fazendo menear a cabeça com força suficiente para afastar tais pensamentos.

Seu foco era, e sempre havia sido, o café.

Respirou fundo antes de decidir que seria realmente seguro entrar na escola desacompanhado de Naruto, ignorando completamente as frases estúpidas que seus ouvidos captaram vindas de um gorduchinho de voz estridente que insistia em repetir qualquer inutilidade do tipo 'meu padrinho é melhor que o seu' para um outro pirralho magricela de óculos fundo de garrafa.

Engraçado como a reafirmação parecia ser uma característica comum entre todos os moleques gorduchinhos... Lembrava-se vagamente de ter um em sua sala quando era pequeno, Chouji, o idiota das mãos engorduradas e dos sacos de batatinha. Foi com certo divertimento que se recordou de um belo dia que o estúpido decidira mentir que estava namorando uma outra garotinha loira, Ino, e quando ele colocou as mãos sujas nos cabelos impecáveis dela... Bem, o surto da menina tinha sido memorável e estaria para sempre gravado na memória de quem teve o prazer de assistir à cena no parquinho.

Bons tempos... Aliás, quando era criança tinha tanta gente inútil ao seu redor quanto agora. Na verdade, muitos dos inúteis haviam perdurado em sua vida e ainda faziam parte de seu grupo de convívio social atual.

"-Tio Sasuke!" – fechou os olhos em resignação quando sua audição captou o doce título... Havia sido notado – e pior, reconhecido – e agora era tarde demais para que qualquer plano evasivo fosse colocado em prática.

Sua dor de cabeça aumentaria em 4, 3, 2...

"-Tio Sasuke, vem! Tenho que mostrar você pros meus amigos! Konohamaru está duvidando que você fica com o olho do Sauron quando está bravo!"

"-...Sauron?" – repetiu em tom de questionamento, ainda meio incerto se queria acrescentar aquele tipo de conhecimento ao seu acervo pessoal.

"-Aquele olho gigante do senhor dos anéis, da parte da galera do mal!" – ele fez, gesticulando garras com as mãos e arranhando um cenário invisível.

...Definitivamente não deveria ter perguntado. A juventude dos dias atuais era, certamente, muito diferente da sua.

Completamente à contra gosto viu-se arrastado por corredores forrados de desenhos abstratos pessimamente feitos com crayons, parando apenas ao entrar numa sala repleta de crianças da mesma idade e tamanho que seu afilhado, todas animadas demais para seu gosto. Aquele lugar mais parecia um zoológico... E aquele infelizmente era o espaço das hienas.

"-Aqui, esse é meu-" – viu o projetinho de Naruto parar por um instante. – "Onde o Konohamaru foi?"

"-A madrinha dele chegou." – informou a professora, sorrindo para o pequeno e fazendo Sasuke girar os olhos. Pessoas que gostavam de passar o dia todo na companhia de fedelhos só podiam ter algum tipo de distúrbio mental...

"-Espera só até ele ver o boneco do Ben10 que você me deu, tia Sakura!"

Tia Sakura. O nome ressoou em sua mente por centenas de milhares de vezes seguidas e ininterruptas, fazendo sua cabeça latejar ainda mais. Uma coisa era certa sobre aquela garota: alguma força maior estava fazendo com que ela estivesse em todos os lugares em que ele se encontraria. E se não fosse ela, seria algo que lhe lembrasse dela.

Porque, Deus?

Além do mais ela gostava de crianças e passava o dia na companhia delas – o que arremetia diretamente para o fato anterior de que pessoas com esse tipo de gosto tinham problemas psicológicos.

"-Konohamaru, vem ver meu padrinho! Tia Sakura! Deixa eu ver esse boneco, deixa?"

"-Sasuke! O que está fazendo aqui?" – e então ele foi notado. Ao que parecia constatar o óbvio em situações nítidas era um tanto difícil para ela. Não é como se ele fosse estar ali porque queria, certo? – "Vamos ter que substituir nosso café por Coca-cola hoje." – completou, rindo enquanto lhe estendia um copo.

Haruno Sakura definitivamente tinha não apenas um, mas uma série de problemas. Ela comentava os encontros que tinham na maior casualidade do planeta terra, como se fosse absolutamente normal você encontrar seu vizinho em todo lugar que ia e como se fosse conveniente sempre invadir o apartamento dele de noite com xícaras de café. Queria muito saber em que tipo de universo paralelo absurdo ela vivia...

Se bem que não era exatamente invasão uma vez que ele abria a porta e a deixava entrar, mas... Ah, deu pra entender.

Aceitou o copo de coca apenas porque estava com sede, olhando da mulher para o pirralho grudado na perna dela por pelo menos três vezes. Quem era aquela criança agora...? A boa notícia era que seu afilhado tinha aparentemente desaparecido do mapa junto com vários outros animaizinhos, e agora a jaula das hienas – como ele havia carinhosamente apelidado aquele antro – estava relativamente vazia.

"-Porque não vai procurar seus amigos, Konohamaru? Pode levar o boneco se quiser."

Pela primeira vez estava ouvindo uma idéia inteligente vinda da boca dela. Foi com contentamento crescente que observou o pirralho consentir e sair da sala correndo com o tal boneco – que ele havia gritado mais cedo como sendo do 'Ben10' – nas mãos e um sorriso besta no rosto.

Mais tarde a questionaria sobre que método de persuasão tinha utilizado com o moleque. O presente, talvez? Não tinha pensado que Sakura fosse do tipo que preferia compra à coação. Interessante.

"-Tinha esquecido que você era padrinho do filho do Naruto." – e então ela sorriu.

Realmente, estava demorando para aquele maldito sorriso surgir nos lábios dela e fazê-lo ter vontade de fazer o mesmo pelo simples fato dela ficar bonita daquele jeito. Tomou mais um gole de sua coca quando sentiu o canto de seus lábios se curvando de maneira inconsciente.

"-Que bom que não vamos deixar de nos ver hoje." – Sasuke quase engasgou com o que restava do líquido tão logo realizou o que ela havia acabado de dizer.

"-Hn." – olhou para o lado, completamente desconfortável. – "Aquilo são docinhos?" – perguntou de repente, apontando para uma mesinha mais à frente e se aproximando.

Não gostava de doces, mas eles tinham sido a primeira coisa que seus olhos captaram e pareceram uma ótima desculpa para mudar de assunto. Até porque se ela continuasse falando e sorrindo ele ia...

...Não. Precisava mesmo se concentrar em outra coisa. Pegou um brigadeiro deformado e colocou na boca de uma só vez.

"-Ah, são os docinhos que as crianças fizeram."

Engasgou. A breve visão de milhares de crianças com mãozinhas cheias de areia, terra, tinta e outras coisas mais de repente tomou conta de seus olhos e fez com que ele sentisse ânsia. O mundo estava girando e...

De soslaio acompanhou Sakura pegar um brigadeiro também e comer.

"-Até que ficou gostoso!"

Caso passasse mal, pelo menos estava ao lado de uma médica. O problema seria se ela passasse mal também... Bem, um docinho infectado por milhares de bactérias não poderia fazer assim tão mal, poderia? Esperava que não.

"-Acho que vou pegar outro..."

Quando ela pegou mais um, fez questão de dar um passo para trás da mesinha... Não correria o risco de ter que comer outro. Não mesmo.

"-Aqui." – adiantou-se mais por impulso do que qualquer outra coisa, segurando-a pelo queixo e esfregando o dedão delicadamente na bochecha dela para livrar-se de um granulado indesejado. Só percebeu que o ato todo fora estúpido de sua parte quando seus olhos já estavam imersos nos verdes dela, estando ele perto o suficiente para perceber que perto da pupila a íris dela adquiria um leve tom de mel.

Ela era... Bem, linda era a palavra, mas não é como se ele fosse falar assim tão facilmente.

Inclinou-se levemente, de repente tentado a... Parou.

O celular dela estava tocando.


"-Ah... Hm..." – pausa. Ela deu um pequeno passo para trás, se afastando um pouco e procurando pelo aparelho na bolsa. – "Eu... Desculpe por isso... Me dá um minuto?" – sorriu sem graça, pedindo licença para ele e uma outra mulher enquanto saía da sala.

Sasuke piscou uma vez. Duas. Três. O que diabos ele estava fazendo? Tinha cogitado a possibilidade de beijá-la ali mesmo ou era só sua mente tentando lhe pregar uma peça?

Agora era oficial: ela estava o deixando completamente louco. Passou a mão pelos cabelos escuros e olhou ao redor, procurando pelo seu afilhado. Era melhor ir embora antes que ela voltasse, e por vários motivos:

Um: ele percebeu que, definitivamente, gostava de tê-la por perto. E que esse gostar ultrapassava a barreira do que ele considerava 'seguro' e adentrava um campo novo e completamente diferente.

Dois: ela era a única pessoa capaz de não irritá-lo passada meia hora de interação social. Pelo contrário, passaria horas e horas com ela se pudesse... E, bem, não estava disposto a admitir a ruína de seu mundo isolado assim depressa.

E três: ele ia beijá-la. Até porque Sasuke não era o tipo de homem que deixava a mesma oportunidade passar duas vezes, e... Ele adoraria ver aqueles olhos adoravelmente verdes se fechando para ele e só para ele quando a tomasse nos braços.

Novamente passou a mão pelo já bagunçado cabelo escuro, o deixando em um estado ainda mais caótico e percebendo estar ainda mais incomodado pela mais recente constatação do óbvio: ele gostava dela.

E era hora de ir embora.


Bônus


No dia anterior:


"-Porque está com essa camisa?"

Sakura olhou para baixo, analisando o que vestia por instantes antes de voltar a fitar o aparentemente irritado Uchiha. Conhecia bem aquele olhar, quando ele arqueava levemente a sobrancelha direita e torcia um pouco o nariz: indícios claros de que estava insatisfeito.

"-A que você me deu tive que colocar pra lavar..." – murmurou baixinho, mordendo o lábio inferior enquanto esperava por uma resposta.

Desnecessário falar que ela não veio. Sasuke não costumava falar muito, especialmente quando estava incomodado com algo... Mas era bom estar na companhia dele, de um jeito que ela não sabia muito bem explicar.

Ele fazia com que ela se sentisse calma e segura, como se pudesse sempre contar com ele caso tivesse algum problema. Quando estava perto dele não sentia a necessidade de falar... O simples fato de estar ali já representava muito. E sabia que ele estava sempre ouvindo, por mais que às vezes fingisse o contrário.

Observou atentamente enquanto ele tomava o caminho dos quartos, ponderando por instantes se deveria entrar como sempre ou esperar que ele voltasse.

Decidiu entrar. Deixou as xícaras sobre a mesa da sala e sentou-se no sofá, exatamente como fazia todos os dias, sorrindo ao notar que ele estava assistindo um seriado qualquer.

"-Aqui." – ergueu os olhos para ele novamente quando o moreno adentrou a sala, jogando ao lado dela mais três camisas suas e voltando a se sentar na poltrona de costume, controle em mãos.

Sakura sorriu de lado, meneando a cabeça lentamente enquanto pegava o livro dele para ler.

Já diziam os sábios que um olhar valia mais que mil palavras... E quanto a um ato? Certamente substituía os outros dois sem decepcionar.

É... Sasuke sabia ser doce quando queria, e bem à sua maneira, sem se quer ter que abrir a boca para isso.

Tinha se acostumado com ele. De fato, tinha se acostumado com ele muito mais do que gostaria de ter...

Será que...? Talvez fosse hora de devolver as outras camisas para Sai, se não fosse muita pretensão de sua parte pensar que... Meneou a cabeça novamente, é claro que não estava se apaixonando por Uchiha Sasuke, como poderia?

Resolveu deixar o livro de lado e puxou uma almofada, ajeitando-se melhor no sofá para prestar atenção ao que ele estava assistindo também.

Não percebeu seus olhos fechando lentamente... E de repente não percebeu mais nada.



Notas finais do capítulo

Meninas, que capt foi esse? awn, Sasuke é tão... parei.
então, sunshines, me digam atraves de um rewien o que acharam deste capt, sim? ;3
bgs bgs



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Consultas." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.