A Mulher da Minha Vida escrita por Lisbeth


Capítulo 2
II Surpreendida


Notas iniciais do capítulo

Para Jeane Karla.
Boa leitura!



POV Gilbert Arthur Grissom

Precisava entender as expressões que seu rosto formava. Acredito que a sequência mais próxima da realidade é ansiedade, surpresa, medo, insegurança e então receio. Por fim, decidi quebrar o gelo de uma vez por todas, não podíamos ficar naquela agonia para sempre.

– Catherine? - chamei, evitando tocá-la. Aliás, estava evitando qualquer coisa naquele momento, não queria deixá-la mais chocada do que acredito que estava.

Ela abriu a boca, mas nenhum som saiu. Fechou a mesma, suspirando e levantando-se. Apenas pude acompanhá-la com o olhar enquanto ela andava de um lado para o outro, os braços cruzados e o queixo apoiado na mão.

– Grissom, eu... - suspirou novamente, possuída pela expressão surpresa e confusa.

Fiquei de pé ao seu lado, e abracei-a fraternalmente. Não havia como pensar no que fazer agora, ainda mais com seu cheiro me enfeitiçando. Segurei a respiração por alguns segundos, repelindo ao máximo o aroma encantador.

– Se você não sente o mesmo, eu vou entender - falei, minha voz saiu abafada em seu cabelo.

Delicadamente, Catherine tocou meus lábios com o dedo, olhando desesperadamente para mim. Seu nervosismo proporcionou que eu conseguisse sentir seu coração pulsando sob a camiseta de algodão branca.

– Eu te amo - disse, buscando colocar toda sua sinceridade naquela simples frase. Nossos corações batiam num compasso igualado, assim como nossa respiração.

Discretamente, começamos a nos aproximar, seu hálito indo de encontro ao meu. Posicionei uma mão em sua cintura, a outra em sua nuca. Então estávamos juntos, conectados. Nossas línguas entrelaçadas, nossos lábios provando seus sabores. Éramos um só.

Toc, toc, toc

Que ótimo, era o que faltava!

– Gil, algum problema? - gritou Sara do outro lado. Catherine suspirou e encostou a testa no meu ombro, sorrindo e então sinalizando para que eu fosse abrir a maldita porta.

Bufei, olhando Catherine que correu sentar-se e fui até a porta pisando duro e girando a maçaneta o mais rápido possível.

– Tranca as portas agora? - a morena falou, sem medo de demonstrar sua irritação ao encarar a loira que estava corada e sorrindo.

Ri baixinho, assim como Catherine. Para nossa sorte Sara não percebeu.

– Trancada! Catherine por que trancou a porta? - interroguei, fingindo indiferença.

Willows olhou aturdida para mim e depois para Sara. Eu a conhecia, ela iria inventar alguma desculpa que convenceria a morena. Se eu não estivesse ali até eu acreditaria na mentira.

– Posso saber o que estava ocorrendo aqui ou além de isolados vocês dois vão ficar de segredos? - questionou.

Catherine começou a andar, limpando disfarçadamente a boca avermelhada.

– Lindsey está com um problema na escola e vim pedir um conselho – suspirou, aparentando verdadeira preocupação.

Sara arqueou a sobrancelha, balançando levemente a cabeça e sussurrando 'crianças'.

– O que Linds tem?

Mordendo os lábios, a perita respondeu:

– Acho que não te devo satisfações Sara - sorriu amarelo.

Ao ver aquela situação, Gil soube que se não interrompesse o assunto a tempo tragédias poderiam acontecer.

– Então Sara, o que você quer? - tamborilava os dedos na mesa ao realizar essa pergunta.

– Greg vai precisar passar o caso para o Nick - avisou, jogando a ficha do caso em cima da mesa friamente, fechando a porta ao sair.

Sorrindo, estiquei a mão e puxei a ex-stripper para mim, colando nossos corpos quentes pelo último beijo, tomando seus lábios em uma mordida cuidadosa.

– Infelizmente, precisamos trabalhar – sorri levemente envergonhado, sem saber como proceder após o que acabara de acontecer.

Ela sorriu, encantadora como sempre. Me pergunto de onde ela tira tanta alegria, sensualidade.

– Vamos - sorriu mais ainda - Trabalhar ao seu lado é maravilhoso! - exclamou, fazendo com que um sorriso surgisse em meu rosto.



Notas finais do capítulo

Obrigada!