Os Cinco Marotos escrita por Cassandra_Liars


Capítulo 4
Capítulo 4 - Passagens Secretas


Notas iniciais do capítulo

Bem, espero que vocês gostem desse capítulo! Eu achei que ficou legal! Esse capítulo não está Betado (corrigido) mas a partir do próximo, todos vão estar, a Evangeline Pope vai betar eles para mim!



A amizade de Pam, Sirius e James foi selada de vez no dia seguinte, quando o último fez questão de esperar a garota para irem juntos tomar o café da manhã.

Ela parecia cansada. Tinham escuras olheiras embaixo dos seus olhos e havia momentos em que os garotos achavam que talvez ela estivesse dormindo em pé.

Toda a história tinha sido contada para Peter também e ele não parava de repetir como os três eram corajosos.

Remus ainda não tinha voltado. O que era muito ruim e assim que os quatro amigos puderam ficar finalmente sozinhos em baixa da faia, durante o tempo livre depois do almoço, foi que começaram a falar sobre isso.

_Sabe, a professora McGonagall e o professor Dumbledore falaram alguma coisa sobre isso ontem à noite._ comentou Sirius.

Os outros assentiram.

_É, o Dumbledore confia totalmente no Remus._disse Pam, um tanto distraída.

_Ele disse que estava doente._ disse Pedro, pela milionésima vez.

_Nós já sabemos!_disseram os outros três ao mesmo tempo.

_Isso é realmente muito estranho._disse James, pensando._ Mas uma hora ou outra ele vai voltar e aí não vai poder escapar de nós, vamos arrancar a verdade dele!

*~~*~~*~~*~~*~~*

Lily e Sev estavam conversando. Ela decidira mandar uma coruja para seus pais, mas tinha medo de que Túnia ticasse furiosa com ela.

_A Petúnia me odeia! _disse ela, tentando se controlar para não cair no choro.

_É ciúmes. Porque você é especial e ela não._disse ele colocando a mão no ombro dela.

Os dois estavam andando em direção as estufas. Lily tinha aula de Herbologia, e embora Severo tivesse aula de Defesa Contra as Artes das Trevas, tinha sido gentil o bastante para levá-la a sua aula, primeiro.

_Pronto, chegamos.

_Eu lhe disse que não precisava vir._disse ela, limpando as lágrimas de seu rosto.

_Ah, eu precisava sim._ele recolheu uma lágrima dela com a ponta do dedo e sorriu._ Não fique triste. Você fica tão bonita quando sorri.

Lily sorriu involuntariamente.

_Obrigada Sev. Você é um fofo.

Ele continuou contemplando seus cabelos ruivos escuros e os colocou atrás de sua orelha.

_Tenho que ir, Lily. A gente se vê depois.

_Tá.

E ela foi para a estufa, onde encontrou Lene e Dory, tinha uma cadeira vazia no meio delas.

Lene balançou as mãos no ar, tentando atrair a atenção de Lily e quando a ruiva olhou para lá, ela ouviu a amiga gritar:

_Vem, cá! Senta aqui com a gente!_ enquanto dava leves tapinhas no banco.

Lily, sorridente, se juntou a elas.

*~~*~~*~~*~~*~~*

Pam estava entrando na Sala Comunal da Grifinória. Colocou a mão no bolso interno das vestes e encontrou um pergaminho, o pegou e o analisou.

Era a carta que pretendia mandar para a mãe. Acho que agora ela parecia inapropriada, considerando os acontecimentos recentes.

Então, ela subiu e pegou um pergaminho novo, escrevendo:

Querida mamãe,

Sou da Grifinória! Estou pulando de tanta alegria, embora a poucos dias atrás eu achasse que minha vida estava se tornando um verdadeiro inferno.

No começo, fiz amizade com minhas colegas de quarto, mas depois, briguei com elas e não pretendo fazer as pazes. Tinham três garotos particularmente irritantes, James Potter, Sirius Black e Peter Pettigrew. Eu briguei com James e então marcamos um duelo a meia-noite na Sala de Troféus e nos acertamos. Agora, sou melhor amiga dos três. Que reviravolta, não? Isso para não mencionar Remus, que é amigo de James, mas que sumiu a uns dias e ninguém parece ter notícias dele. A não ser que você considere a noite do duelo, em que ouvimos Dumbledore e McGonagall falando dele, mas não conseguimos ouvir muita coisa.

Bom, a matéria mais complicada de todas é Transfiguração com certeza, eu vou acabar me dando muito mal mesmo. Isso sem mencionar Poções, na qual eu fui a primeira a explodir alguma coisa. Mas eu realmente gosto de Feitiços. Defesa Contra as Artes das Trevas é legal, mas a professora é chata.

Estou louca para me meter em mais confusão.

Me desculpe não ter podido escrever antes, mas você viu que está um pequeno caos por aqui. Sinto sua falta. Escreva-me quando quiser!

Sinceramente,

Pam

Era um alivio não ter que mentir para a mãe. Pam então levou a carta até Athena e a observou partir.

*~~*~~*~~*~~*~~*

No café da manhã, no dia seguinte, Pam, James, Sirius e Peter estavam sentados no Salão Principal, tomando o café da manhã, quando chegou o correio. Athena veio voando e se sentou no ombro de Pam, que desdobrou a carta que estava presa em seu pé e leu a resposta da mãe:

Amada Pam,

Estou feliz de saber que você não é uma sonserina (que sei pai não saiba disso), mas triste porque você não está na minha casa. Mas acho que a casa não importa (desde que não seja a Sonserina), vamos passar para as outras coisas.

Não acho que você deva ficar saindo tão tarde da sua Sala Comunal (e se te apanharem e você for expulsa? Eu gosto muito de você, mas não quero te ver em casa tão cedo).

Sabe, acho mesmo que você deva fazer as pazes com as garotas do seu dormitório. Uma vez eu briguei com uma colega minha em Hogwarts e no outro dia eu coloquei manteiga na meia dela, o que não é nada legal (para ela, eu achei hilário) e não quero que o mesmo aconteça com você.

Como eu já disse antes, se meta em muitas confusões, mas não seja expulsa!

Beijos,

Mamãe

Pam começou a rir depois de ler a carta, não podia evitar. Era exatamente o tipo de comportamento que Pam esperava de uma adolescente e não de uma mãe e era o tipo de comportamento que a deixa arquejante, tentando parar de rir.

Mas, quando ergueu os olhos da carta, viu que outra coruja pousara na mesa.

Era uma coruja grande e preta. Ela tinha deixado uma carta na frente de Sirius que estava branco.

O corujão levantou voo e deixou um atordoado Sirius, que olhou para os amigos, parecendo buscar ajuda, parecia sem saber o que fazer, onde esconder o rosto.

Pam olhou melhor para a carta e viu que era um berrador.

_Abre logo, ou vai ser pior._ aconselhou James, que também parecia apreensivo.

Sirius pegou o berrador como se fosse uma bomba prestes a explodir e o abriu.

_SIRIUS BLACK!_ o grito feminino corto o ar e várias pessoas pararam o que estava fazendo para olhar._COM FOI QUE VOCÊ PÔDE? EU PODIA DESERDÁ-LO POR TAMANHA DESONRA! UM GRIFINÓRIO NA FAMÍLIA! O QUE DIRÃO OS OUTROS? NÃO QUERO QUE VOCÊ VOLTE NAS FÉRIAS DE NATAL E DE PÁSCOA PARA CASA! FIQUE AÍ, COM GENTE DO SEU TIPO! UM GRIFINÓRIO NA FAMÍLIA! UMA VERGONHA, UMA VERGONHA! ESTOU FURIOSA COM VOCÊ! FURIOSA!

Todos estavam olhando para Sirius, que perdera a pouca cor que tinha no rosto. O envelope vermelho começou a pegar fogo e se desfez em chamas.

Então, para a surpresa de Pam, Sirius sorriu e disse:

_E essa foi minha adorável mãe.

Houve alguns risos pelo salão e aos poucos as pessoas retornavam para suas conversas.

_Bem, _disse Sirius, quando percebeu o olhar dos amigos continuava sobre ele._ Acho que vou passar o Natal aqui._ e então ele tomou em num só cole uma garrafa de suco de abóbora.

*~~*~~*~~*~~*~~*

Dois dias se passaram. Domingo chegou e Pam, James, Sirius e Peter tinham se tornado melhores amigos.

Era comum encontrar a garota no dormitório junto com eles. Ela sabia mais sobre Quadribol do que os outros, o que os surpreendeu.

_Ah! Não brinquem!_exclamou ela, sentada na cama de Sirius, e encarando os outros._ Vocês realmente não sabiam que Pomo de Ouro só foi introduzido em 1269?

Os outros três balançaram a cabeça.

_Por Merlin! E vocês ainda se dizem conhecedores do Quadribol!_ exclamou Pam, sem acreditar.

Os três garotos, entretidos ouvindo o que Pam tinha a dizer sobre o jogo, não perceberam quando um novo ouvinte se juntou a eles.

Remus ficou parado a porta, ouvindo a garota contar sobre a última vez que tinha estado no Museu do Quadribol.

_Lá tinha a carta de Madame Modéstia Rabnott e também os trechos do diário de Trude Keddle, escritos em saxônio original. Além disso, é claro, tinha

_O que ela faz aqui?_o garoto parado a porta finalmente se denunciou.

_Remus!_ exclamou James, se colocando de pé._ Onde você esteve?

_Estive doente

O garoto de fato, parecia abatido e suas roupas estavam mais remendadas do que nunca. Em sua bochecha havia um corte fundo e havia um curativo em seu queixo. Tinha olheiras terríveis e parecia sinceramente cansado, como se só o esforço de se manter em pé, acabasse com suas energias.

_O que ela faz aqui?_ repetiu ele.

Remus estivera fora quando os James e Pam tinham marcado o duelo.

Os quatro explicaram rapidamente ao amigo o que tinha acontecido e depois começaram a o pressionar com perguntas.

_Você não estava na ala hospitalar._ disse Pam.

_Verdade

_Então, onde você estava?_Ela perguntou.

_Tive que ir para o Hospital St. Mungus._disse ele.

_E o que você tem?_perguntou Peter.

_Nada demais, estou bem agora._disse Remus, indo se sentar em sua cama, intacta a uma semana, quando tinha sumido._ Só preciso de um pouco de paz e sossego.

*~~*~~*~~*~~*~~*

Os dias se passaram, duas semanas terminaram surpreendentemente rápido, Pam e Peter eram os únicos que não conseguiam transformar o palito em agulho na aula de Transfigurações; Lily e Severo eram os alunos mais brilhantes em Poções; Remus não voltou a sumir e se provou um grande nerd; James tinha pegado Quadribol através dos Séculos na biblioteca e ele e Pam discutiam Quadribol o tempo todo; Sirius passava cada vez mais tempo olhando para as garotas mais bonitas e planejando travessuras mirabolantes, inspirado pelo sucesso da primeira, em que ele, Pam e James tinham pichado as paredes das masmorras com frases como Sonserina fede!.

_E então, Sirius, o que vamos fazer essa semana?_perguntou Pam, que viu que o amigo estava com um olhar pensativo e arranhava sem parar um pergaminho.

Mas o moreno não lhe deu atenção.

_Sirius?

Mas uma vez não houve resposta.

_Sirius!_disse Pam, em um tom sussurrante, cutucando o garoto.

_Que? Ah me desculpe, Pam. Você estava falando comigo?

_Claro que eu estava, com quem mais poderia?

Ele deu de ombros.

_O que você está planejando desta vez?_disse Pam, tentando parecer concentrada na aula de Defesa Contra as Artes das Trevas, na qual a professora passava o tempo todo lendo um livro e, as raras vezes em que tiveram uma aula usando varinhas, foi para aprender a desarmar o adversário, o que Pam podia fazer com as duas mãos presas nas costas.

_Eu? O que a leva a pensar que eu estou planejando alguma coisa?

Pam olhou para ele com uma expressão de Sério?.

_Tá, porque eu sempre estou planejando alguma coisa._disse ele, com um sorriso maroto._ Não, desta vez não estou planejando nada.

_Milagre!

_Estou só escrevendo uma coisa para não esquecer depois.

_O quê?

_Achei uma passagem secreta.

Pam olhou para Peter, Lupin e James, a algumas carteiras de distancia. E concluiu que podia contar para eles depois.

_Onde?

_Atrás de um espelho no quarto andar. Não deu tempo de ir até o final, mas logo na entrada tem uma sala grande. Pretendo ir lá assim que puder. Não me entenda mal, mas eu não quero que os outros saibam, por isso por enquanto é um segredo nosso, até eu já ter achado mais passagens.

Pam assentiu, entusiasmada com a ideia de passagens secretas em Hogwarts.

_Você iria comigo depois das aulas, Botão de Rosa?

_Eu? Tá brincando? É claro que eu iria!_disse Pam, sem resistir ao impulso de o abraçar.

Por um momento Sirius ficou rígido, assustado, mas depois retribuiu o abraço.

_Obrigada, Sirius, você é o melhor!

_Srta. Porter, Sr. Black, tem alguma coisa que vocês gostariam de compartilhar com a classe?_disse a professora.

Todos os olhares se voltaram para eles.

_Não, Professora Funke._disseram os dois em uníssono.

*~~*~~*~~*~~*~~*

Tinha acabado a aula de Herbologia a não muito tempo e Sirius, Pam, James, Lupin e Peter, estavam indo para o salão da Grifinória. Sirius não parava de lançar olhares para Pam, esperando que ela despistasse os outros para poderem ir dar uma olhada na passagem secreta.

Mas a garota não fazia nada, parecia tão pouco estar reparando nos olhares do amigo.

Lily estava sentada na poltrona perto da lareira, a que Pam costumava sentar. Por dentro, a morena sentiu a raiva tomar conta dela.

Pam não tinha se acertado com as colegas de quarto e às vezes encontrava surpresas indesejadas em baixo do travesseiro, que ela tinha certeza ser obra de Lene ou Dory. Como uma vez que ela achou uma caixa, que tinha um rato morto dentro ou a vez em que um chiclete estourou e grudou no cabelo dela e Pam teve que ficar na enfermaria por dois dias, para a Madame Pomfrey conseguir tirar tudo.

Mas ela nem ligava, pois uma hora ou outra, ela sempre acabava se vingando. Uma vez tinha feito lama sair pelo chuveiro quando Lene estava tomando banho, um truque muito bom que tinha aprendido com sua mãe uma vez; e também uma vez ela tinha trocado o xampu de Dory por cola, o que fez um belo estrago.

_Humm, garotos_começou Pam._ Vocês podem ir à frente. Eu acho que vou para a biblioteca pegar um livro para o dever de Poções.

_Eu vou com você._disse Sirius, percebendo o que Pam estava fazendo.

_Tá bom._Disse James, dando de ombros._Vocês quem sabem. Vamos estar no dormitório._disse para os amigos, enquanto ele, Lupin e Peter subiam as escadas.

Pam e Sirius passaram pelo retrato da Mulher Gorda.

_Ei! Vocês não acabaram de entrar?

_Precisamos ir a biblioteca!_ respondeu Pam, ao longe, já que ela e Sirius tinham saído correndo.

Descendo as escadas correndo para o quarto andar e sem se esquecer de pular aquele degrau de sempre desaparecia, os dois amigos finalmente chegaram no espelho que Sirius tinha falado.

Era um espelho grande, que ia do teto até o chão. Estava em uma sala pequena e aparentemente vazia.

_Eu estava fugindo do Filch e entrei aqui. Então comecei a praticar feitiços para o caso de ele me encontrar, pronunciei um deles errado e quando encostei no espelho, passei direto.

_ E que feitiço você estava praticando?

_ Estupefaça.

_ E você disse?

_Esputaça._disse Sirius encostando a varinha no espelho.

Nada aconteceu até Sirius puxar Pam lá para dentro, que como a plataforma 9 1/2, permitiu que os dois passassem.

Lá dentro era escuro, Pam pegou a varinha e disse:

_Lumus.

Ela ouvia Sirius dizer o mesmo e duas luzes apareceram na ponta das varinhas dos garotos.

A passagem era enorme, como a toca de um coelho gigante.

_Nossa!_Pam olhava tudo, fascinada.

_Vem, vamos dar uma olhada._disse Sirius e com a mão que não segurava a varinha, pegou o pulso de Pam e a arrastou para dentro do túnel.

_Sirius!_ gritou Pam, que tentava se manter em pé atrás dele. Com suas vestes mais longas do que o normal, ela quase não conseguia não tropeçar.

_Vamos logo! Com alguma sorte nós encontramos um atalho para as masmorras.

_E para que você quer um atalho para as masmorras?

Apesar de Pam não conseguir ver, Sirius sorriu maliciosamente.

_Ora, para poder aprontar com os sonserinos. disse ele, parando de correr e voltando o pulso da amiga.

_E o que você tem em mente dessa vez?

_Ah, isso, você vai ter que esperar para poder ver.

_Sirius! disse ela, contendo uma risada. Você é um chato!

_ Também te adoro, Pam. disse ele com ironia.

Sirius olhou para ela e os dois sorriram.

E os dois continuaram andando, varinhas esticadas a frente, indicando o caminho que não pareceria ter um fim.

_Humm Eu acho que se a gente demorar demais, os outros vão ir procurar a gente na biblioteca e vão ver que não estamos lá. Então acho melhor nos apressarmos.

Sirius assentiu, sem olhar para ela.

Os dois continuaram avançando, um pouco mais rápido.

_Botão de Rosa?

_Não me chame assim, por favor. Eu realmente não gosto desse apelido.

_Ah, certo. Desculpe, não queria ofender.

Pam sorriu, encarando seus cabelos pretos.

_ Então, Pam. Por que você acha que o James deixa o Peter andar com a gente? Quer dizer, ele é um idiota e

_ O James gosta de aparecer. disse Pam. Gosta de ter alguém para o aplaudir toda a vez que ele faz algo mais legal. E o Peter faz isso, não é verdade?

_ Bem você está certa.

_Não que eu concorde com o James. Eu preferia que o Peter não andasse com a gente, particularmente eu não gosto muito dele.

_ Estou com você. Mas o James insiste, então

_ Então temos que suportar o idiota.

Os dois deram um longo suspiro.

Eles andaram mais um pouco, Pam já estava quase sugerindo que eles voltassem, quando Sirius exclamou:

_Ei! Olha! Eu to vendo alguma coisa ali!

E, de fato, lá havia uma escada grandiosa. Por alguns segundos os dois amigos se olharam, apreensivos, depois concordaram silenciosamente, já tinham chegado até ali e iriam até o final.

Pam começou a contar os degraus enquanto descia. Um dois três quatro cinquenta e seis cento e vinte e nove Ela perdeu a conta no cento e cinquenta e três.

Quando finalmente eles pararam de descer, Pam estava um pouco cansada, mas nada comparado a mais cedo, quando tinha subido todos os sete andares do térreo até a sala comunal, e isso enquanto errava várias vezes, já que as escadas mudavam de lugar constantemente.

Sem falar nada, os dois continuaram avançando. Então, finalmente depararam com uma porta em uma parede. O túnel tinha acabado. A porta era tão pequena, que se os dois quisessem passar, teriam que se abaixar.

Pam tentou forçar a porta, mas ela não abria.

_Está trancada.

_Sai da frente disse Sirius, apontando a varinha para a tranca. Alohomora.

Ouviu-se um alto crack e Sirius abriu a porta, a luz quase cegou os dois amigos, que tinham os olhos acostumados ao escuro. Os dois se viram em um beco.

_Ah! Muito esperto! elogiou Pam.

_Obrigado.

Ele saiu da frente para deixá-la passar primeiro e depois a seguiu.

Saindo do beco, eles perceberam que estavam em uma vila.

_Onde estamos? perguntou Pam.

_Eu tenho um palpite, mas não tenho certeza. Acho que estamos em Hogsmeade.

_Hogsmeade? disse Pam, olhando para o amigo. O único vilarejo inteiramente mágico da Grã-Bretanha? É do lado de Hogwarts, não é? A estação de trem é aqui, certo?

Sirius assentiu.

_Uau! exclamou Pam, olhando para as pequenas casas e lojas.

_ Ei! disse Sirius. - Olha aonde nos viemos parar! Estamos do lado da Zonkos!

_ Zonkos? disse Pam, confusa.

_ É. A loja de lorgos e brincadeiras!

_ Lorgos e brincadeiras? ela sorriu e seus olhos brilharam com intensidade, entusiasmada com a ideia.

_É. Vende todo tipo de coisas para travessuras. Como bombas de bosta, sabão de ovas de sapo, snap explosivo, soluços doces, xícaras mordente disse Sirius, sorrindo também.

O entusiasmo cresceu dentro dela.

_Você tem algum dinheiro? perguntou ela, quase dando pulinhos.

_ Com quem você acha que está falando? Eu sou um Black não sou? falou Sirius colocando a mão dentro das vestes e pegando um saquinho. Eu posso ser muito diferente do resto deles, mas mesmo assim tenho dinheiro. Ainda não fui deserdado, lembra?

Pam sorriu. Os dois entraram na loja e compraram tudo a que tinham direito. Sirius estava pagando quando ouviram a atendente dizer:

_Vocês não são de Hogwarts? E pelo que eu sei esse não é dia de visita a Hogsmeade. Vocês não fugiram de lá, fugiram?

Pam foi mais rápida que o amigo, pegou a varinha e gritou:

_Estupore!

A vendedora caiu desmaiada e Sirius sorriu.

_ Essa foi muito boa, Pam. Parabéns.

_Obrigada, mas você sabe que eu sou melhor do que você. brincou a morena enquanto voltava a guardar a varinha. Vamos.

Os dois saíram da loja com várias sacolas carregadas e voltaram para o castelo pela passagem secreta. Estavam ofegantes quando chegaram a Sala Comunal da Grifinória e o sol tinha se pôs a algumas horas.

A sala estava vazia exceto por duas garotas do segundo ano, que pararam de conversar para ver o que os dois estavam fazendo.

Pam e Sirius não ligaram nenhum pouco para os olhares das garotas e subiram juntos para o dormitório masculino. James, Peter e Lupin estavam lá.

_Onde vocês estavam? perguntou o primeiro.

_ O que é isso? perguntou Lupin, olhando para os dois amigos com uma expressão preocupada.

_Isso? disse Pam e então olhou Sirius. Vocês querem uma explicação rápida sem muita enrolarão? os outros assentiram. Então acho melhor perguntar para o Sirius.

_Ei!

_Sinto muito, mas a ideia foi sua. disse Pam dando de ombros de deixando as sacolas caírem no chão e depois esfregando os braços doloridos.

_ Tudo bem, vocês venceram. _ disse ele deixando as suas sacolas caírem no chão com um estrondo e dando um grande suspiro. _ Onde está Frank?

_ Ainda não voltou. Ele tem amizade com aqueles garotos da Corvinal, não tem? disse Peter.

Pam pensou em Michael Fox, e como, por interferência dos amigos, ele tinha parado de mandar rosas para ela. Agora toda a vez que seus olhares se encontravam o garoto se encolhia. Ela gostaria de saber o que os outros tinham feito para ele.

_Melhor assim. Mas antes eu quero que vocês jurem solenemente que vocês não vão contar para ninguém. pediu Sirius.

_Eu juro solenemente que não pretendo fazer nada de bom. disse James. Arrancando risos dos outros.

_Estou com o James nessa. disse Lupin.

_ E eu também! falou Peter.

_Certo, - disse Sirius se sentando na sua cama e permitindo que Pam se sentasse também. Nós fomos a Hogsmeade.

Lupin, Peter e James chegaram mais perto, sem acreditar no amigo.

_ É verdade! exclamou Sirius. De onde vocês acham que vieram todas essas sacolas? Da Zonkos é claro!

_ Mas como? Como vocês dois chegaram lá? perguntou Lupin, assombrado.

_ Por uma passagem secreta. _ disse Pam baixinho.

_Uma passagem secreta? disseram os três, juntos.

_ Falem baixo, por favor! pediu Sirius. _ Mas, sim. Uma passagem secreta. Eu que descobri, no quarto andar, dentro de um espelho.

_Nossa. disse James, incrédulo. Quantas será que tem?

_Mais umas três pelo menos. disse Pam, todos os olhares se voltaram para ela.

_ Como você sabe? perguntou Lupin.

_Meus pais estudaram aqui, e eles começaram a namorar no sexto ano. Minha mãe sempre me disse que eles entravam uma passagem secreta, que levava do sexto andar para o campo de Quadribol, e que ficavam lá se beijando. Eu também li que em Hogwarts, uma História, que durante a Rebelião dos Duendes, foram feitas três passagens que interligam a escola e Hogsmeade. Então, com a passagem para o campo de Quadribol e as outras três para Hogsmeade, são quatro.

_Cinco. disse Remus.

_O que você disse? perguntou Sirius, se virando para o garoto.

_Sei da existência de mais uma passagem. Mas não sei onde é. disse ele apressadamente.

_Certo. Temos certeza de que existem pelo menos cinco passagens e conhecemos uma - disse James, pensativo.

_ Eu ouvi três garotos conversando sobre uma passagem para as estufas! exclamou Peter com sua voz esganiçada.

_Ótimo. Então subimos para seis o nosso número de passagens. Alguém sabe de mais alguma coisa? perguntou James olhando para os outros.

Os outros quatro balançaram a cabeça.

James pegou um pergaminho e escrevendo, lendo em voz alto o que escrevia.

_Seis passagens secretas Uma conhecida Pronto. Bom, gente, amanhã, eu quero todo mundo atrás das passagens. Pam, envie uma coruja para sua mãe e descubra onde é a passagem que ela disse. Remus, não me importa o que você vai ter que fazer, mas descubra onde é essa passagem que você falou. O mesmo para você Pettigrew. Sirius, você fica com as outras duas para Hogsmeade.

_Certo. disse Sirius. Mas e você?

_ Eu vou descobrir se existem mais passagens.

Ninguém nunca tinha dito nada, não que precisassem, James era um líder nato e os todos o tinham aceito com o chefe do grupo. Pam e Sirius eram os sub-líderes, Lupin era o inteligente e Peter era o garoto sem muito talento que os seguia e um tipo de fã número um dos outros.

Os lugares tinham sido ocupados automaticamente e nenhum deles discutiu por causa disso.

_Certo. disse Pam, animada. Amanhã começa a Missão Passagens Secretas! disse ela dando um soco na mão.

Logo depois, Frank entrou no quarto, sonolento.

_ O que você está fazendo aqui?

_Eu? disse Pam. Estou indo para o meu dormitório, meninos. Boa noite.

E a garota foi embora enquanto seus quatro amigos murmuravam boa noite e tchau.

Frank bocejou.

_Eu acho que vou dormir. Boa noite, gente.

_Boa noite.

E depois de todos terem se trocados e se deitaram, dormiram sem falar mais nada sobre a missão do outro dia.



Notas finais do capítulo

Sabe, outro dia eu estava passando distraidamente pela imagens dos meus Marotos lindos e tive uma ideia brilhante.
Todo mundo sabe das classificações dos N.O.M.s e dos N.I.E.M.s, não?
O= Ótimo
E= Excede as Expectativas
A= Aceitável
P= Péssimo
D= Deplorável
T= Trasgo
Então pensei: "Por que não?"
E eu queria pedir, será que dá para vocês avaliarem cada capítulo? É só colocar no começo O, E, A, P, D ou T. Só isso.
Obrigada para quem fizer isso, eu realmente agradeceria.
BBK,
Cassie