Opposite Attraction escrita por Giu, Bloody Mari


Capítulo 27
Capítulo 24


Notas iniciais do capítulo

Oi genteee, to aqui com um capítulo para animar a segunda de vocês! Aproveitem.




No último episódio....


– Não vá. - A voz estava entrecortada.


– Nunca mais olhe para mim. Adeus, para sempre. - Falei as palavras, e não aguentei, lágrimas sairam e eu as sequei rapidamente. Puxei minha mala para fora do quarto, e ele ficou parado lá.


Eu sabia que agora estava deixando tudo para trás, mas era apenas o que eu queria, ficar na minha casa, deitada quieta. O dia estava amanhecendo, peguei um dos taxis que ficava parado na porta do hotel, e pedi para me levar ao aeroporto.


Mesmo que quisesse ficar quieta, eu sabia que deveria ligar para pedir ajuda a alguém. Saquei meu telefone que estava na minha bolsa e disquei pro número da pessoa que poderia me ajudar.


– Alice? Eu preciso muito de você. - Falei com a voz de choro para minha amiga, e fechei meus olhos. Esperando que tudo passasse.



Eu me sentia um zumbi enquanto fazia check-in e pegava o avião de volta a Forks. Eu não conseguia pensar em nada, apenas em voltar para casa. O sol já aparecia, deveria ser umas 6 horas da manhã. Eu não me importei de parecer estranha, por estar de óculos escuros e com um sobretudo preto que ia até os meus joelhos.


Não demorou muito para anunciarem meu voô e eu logo embarquei, para algumas horas depois chegar no aeroporto de Seattle com o rosto inchado de tanto choro. Quando entrei no aeroporto Alice me esperava preocupada, e correu para me abraçar.


– Nessie! Oh meu deus, como você está? - Ela dizia enquanto me abraçava, foi nesse momento que eu voltei a chorar, do nada.


– Vamos embora daqui. - Falei com a voz embargada e Alice pegou minha mala. Ela me olhava preocupada. Saímos do aeroporto e ela dirigia para Forks rapidamente.- Vai mais devagar. - Pedi.


Ela apenas assentiu e diminui um pouco a velocidade pela estrada. Eu encostei minha cabeça no vidro, e fiquei olhando os vultos verdes que passavam rapidamente por nós, e silenciosamente, as lágrimas saiam.


[ My Happy Ending - Avril Lavigne ] N/A: OUÇAM!!!!


Eu não sabia o que pensar, eu não sabia o que fazer. Na minha cabeça vinha as imagens dos momentos que passamos juntos, e imaginar que talvez isso fosse tudo fingimento, dava um aperto imenso no coração. Um aperto maior do que o que eu já sentia.


Você era tudo que eu pensava que conhecia

E eu achei que a gente podia dar certo


Como eu pude ser tão idiota? Como eu pude achar que tudo seria perfeito? Eu me sentia tão estúpida. Pela primeira vez em meses eu vi que nunca tinha deixado de ser a Renesmee bobinha, eu não mudaria isso nunca. Sempre seria ingênua, sempre acreditaria que tudo ia dar certo. E daí vem as decepções, apenas para me fazer ver a realidade.


Você era tudo, tudo que eu queria

Fomos criados para ser, supostamente, mas perdemos
Todas as nossas as lembranças, tão perto de mim desaparece
Todo esse tempo você estava fingindo
Tanto para meu final feliz


– Chegamos. - Alice falou baixinho. Acho que havia me perdido em pensamentos. Desci do carro e entrei em casa, sem pegar minha mala, na verdade nem havia lembrado. Alice percebeu que eu precisava ficar sozinha, e deixou a mala no meu quarto, e depois foi embora. Não tinha ninguém em casa. Deveria ser dia da semana, eu não me lembrava mais.


Você era todas as coisas que eu achava que sabia
E eu pensei que poderia ser


Entrei no meu quarto e me sentei num canto, e novamente chorei, chorei o máximo que conseguia, tentei botar toda aquela raiva e mágoa que eu sentia para fora.


É bom saber que você estava lá
Obrigada por agir como se você se importasse
E fazendo-me sentir como se eu fosse a única
É bom saber que tivemos tudo isso


Eu pensava: Como ele pôde? Por que? Por que fazer isso? Eu achava que estavamos bem juntos, estava tudo tão perfeito... Eu sabia, eu sabia que tudo ia dar errado. E era por isso que eu tinha medo de me envolver com ele.


Você era tudo, tudo que eu queria
Fomos criados para ser, supostamente, ser
Mas nós perdemos isso
Todas as nossas lembranças, tão perto de mim
Simplesmente esmorecem
Todo esse tempo você estava fingindo
Tanto para meu final feliz


Comecei a lembrar de o quanto mudei, tudo por ele. Apenas por ele. Eu queria aparecer, eu queria que ele me notasse. E parece ter dado certo. Agora fico pensando, porque ele mentiu? por que disse que já me amava a muito tempo? Oh meu deus, como sou burra, por que acreditei tão facil?


Você tem amigos idiotas

Eu sei o que eles falam

Dizem que sou difícil

Mas eles também são


É, tava na cara que eu nunca deixei de ser a Renesmee bobinha. Eu sempre serei idiota. Sempre serei feita de boba.


Mas eles não me conhecem

Eles ao menos conhecem você?

Todas as coisas que você escondeu de mim

Toda a merda que você faz


Me sentia cansada, de tudo, queria dormir e esquecer tudo por algumas horas. Me joguei na cama de roupa, casaco e sapato e adormeci.


[...]



Quando eu abri meus olhos já era noite e ouvi barulho no andar de baixo. Nem pensei em me levantar para ir lá. Não queria dar explicações, mesmo sabendo que logo eles saberiam que eu estava aqui. Não sentia fome, nem vontade de me mover. Mas me levantei e fui tomar um banho, meu cabelo estava todo grudado no meu rosto, e eu deveria estar com uma cara péssima, mas simplesmente não me importava.


Depois de tomar um banho monotonamente, eu voltei para a cama, puxei um cobertor mais grosso para cima de mim, e adormeci novamente. E dessa vez não derramei nenhuma lágrima. Talvez porque eu já estivesse seca.


[...]


Dois dias depois, eu continuei na mesma. Não sai do quarto para nada, nem vontade de levantar para tomar banho eu tinha. Meus pais sabiam que eu estava aqui, e minha mãe vinha todo dia trazer algo para eu comer, mesmo que no final eu não comesse. Parecia que meu estômago nao conseguia aceitar nenhum alimento.


Ela ficou comigo, me fez carinho, tentou me confortar, mas eu nao tive coragem de contar a ela o que aconteceu. E ela não quis mais saber. Na maior parte do dia ela preferia me deixar sozinha, como eu havia pedido. Eu não via o sol a muito tempo, não abria a janela, nao fazia nada além de ficar deitada, pensando em nada. Sofrendo. Eu não conseguia dormir direito, me remexia demasiadamente, e meu sono não era calmo.


[...]


Mais três dias se passaram, e eu sabia que o natal já estava chegando. Será que eu passaria ele trancada no quarto? Eu começava a ganhar forças. Mas nunca mais dei um sorriso, nada me fazia rir. Alice me ligava, e vinha aqui sempre. Mas eu não tinha o que falar, eu não sabia mais de nada. Eu estava monótona.


Passava o dia trancada no quarto, as vezes ligava a televisão, mas nunca encontrava nada agrádavel para assistir. Então me jogava na cama, e ficava olhando o teto, lembrando de tudo e chorando. Eu tentava parar, mas nao era possível, eu nao conseguia deixar de derramar as minhas lágrimas. Sempre que eu imaginava tudo...


[...]


– Eu juro que se você não levantar o rabo dessa cama agora eu te puxo pelos pés! - Ouvi uma voz fina falar. Alice... Me virei para ela, e mesmo que a voz tivesse uma animação, eu percebia que era falsa, pois nos seus olhos só havia preocupação. - Nossa Nessie, já viu sua cara? Meu deus, falta dois dias pro natal. Você não quer passar assim né?


– Huuurgh.. eu não quero nem sair do meu quarto. - Resmunguei.


– É, mais a senhorita não pode ficar ai para sempre. Por favor. Vamos sair. - Ela pediu.


– Não quero sair. Só quero ficar aqui deitada. - Resmunguei mais uma vez e ela revirou os olhos, e saiu andando pelo quarto, murmurando que eu era muito dificil. Ela foi até as janelas, e abriu as cortinas, e assim entrando claridade no quarto, claridade que eu não via a tempo. - Fecha issooooo! - Reclamei, e ela ficou cantarolando.


Foi saltitante até meu rádio e o ligou numa música animada, no volume mais alto. - Andaaaaa Ness, levantaaaa! - Ela repetia sem parar. Eu tapei meu rosto com o travesseiro e só vi ela vindo até mim e puxando o cobertor de cima de mim.


– Aaaai Alice. Me deixa! - Falei, e ela não me deu ouvidos, começando a me puxar para fora da cama.


– Anda Ness! Não complica, vai logo tomar banho! - Ela falava enquanto me puxava.


– AAAAAAAH TA BOM! - Gritei me levantando.


– Ótimo! - Alice falou batendo palmas. - Eu preparei a banheira para você. - Avisou enquanto me jogava uma toalha.


– Chaaaata. - Resmunguei enquanto entrava no banheiro. Só deu para ouvir ela rindo e eu fechei a porta.


Fiquei um bom tempo lá, tomei um banho longo, depois lavei meu rosto com o sabonete certo, coisa que eu nao fazia a muito tempo, e penteei meu cabelo, que a algum tempo estava cheio de nós quase impossiveis de tirar.


Quando saí de lá, me senti renovada. Mas ainda preferia ficar deitada na minha cama, sem fazer nada.


– O que é isso Alice?! - Gritei quando sai do quarto e vi meu quarto todo revirado. Na verdade, as portas do closet estavam abertas, e estava cheio de roupas em cima da cama, da poltrona, pelo chão, em cima da minha escrivaninha...


– Ah só to separando algumas roupas sua para darmos. Vamos fazer compras! - Disse batendo palmas. - Toma, separei essas aqui para você. - Completou jogando uma muda de roupa para mim.


– Ai Alice, nao quero dar minhas roupas, nao quero nem mecher ai, deixa tudo como tá. - Falei, triste.


– Deixar tudo como está coisa nenhuma! Vamos mudar tudo, vamos dar uma repaginada na sua vida, começando pelo seu guarda roupa. - Disse sorrindo para mim.- Agora vai se trocar logo, temos que tomar café antes de ir.


– Tomar café? Para mim já era de tarde.. Sào que horas Alice? - Perguntei confusa.


– Acho que umas oito horas. - Respondeu mais concentrada nas minhas roupas que ela remexia.


– Sério mesmo que você me acordou as oito da manhã? - Falei cética.


– Claro. Para de show, você só sabe dormir. Anda logo, para de falar e vai se trocar.


– Ooook. - Falei voltando ao banheiro para me vestir.



[...]



– Então, eu fiz o nosso roteiro do dia. Primeiro vamos a um shopping em Seattle, almoçamos lá e depois do almoço podemos pegar a estrada e ir até a capital, sabe que lá tem lojas melhores, ai acho que de noite já estamos voltando. O que você acha? - Alice tagarelava sem parar dentro do carro.


– Minha opiniao conta mesmo?


– Err.. de verdade? Nem um pouco, nós vamos, você querendo ou não. - Ela respondeu rindo.


– Obrigada Alice. - Falei revirando os olhos, como se estivesse estressada.


– Ué.. - Respondeu, eu virei a cara, e bufei.


Só ouvi o barulho do carro freiando bruscamente, e se eu nao tivesse de cinto teria me machucado. Olhei para os lados, mas nao tinha nenhum carro vindo, nao tinha sido nenhuma principio de acidente.


– Alice!!!! Você é louca? O que houve? - Gritei para ela, eu deveria estar de olhos arregalados por causa da parada brusca, mas ela me olhava sério.


– Olha só, se você não se animar agora, vou dar meia volta, e você volta para aquele quarto e se tranca lá eternamente. Mas pelo amor de deus, ta parecendo uma criança. Tudo bem que você gosta dele, mas vamos crescer e superar! - Falou seriamente e dava para ver que ela se irritou.


– Tudo bem Alice. Você tem razão. Mas é muito dificil superar certas coisas. - Falei, com lágrimas saindo.


– Eu sei que é Ness. - Disse, segurando a minha mão. Funguei, e enxuguei as lágrimas.


– Anda vamos logo, juro que vou me animar. - Falei, e tentei parecer forte. Dei um meio sorriso para ela.


– Ótimo! - Falou. Liguei o som numa música animada, pelo menos por hoje eu não pensaria nele, e deixaria esse sofrimento de lado.


[ Part of me - Katy Perry. ]


Começou a tocar uma música que eu conhecia, e tinha tudo a ver comigo nesse momento. Comecei a dançar no ritmo da musica.


Dias como este eu quero fugir

Arrumar minhas malas e ver você desaparecer

Porque você me mascou e me cuspiu

Como se eu fosse veneno na sua boca

Você roubou minha luz, você me tomou


Mas aquilo era antes e isso é agora. Agora olhe pra mim! - Me empolguei e comecei a cantar. Alice me acompanhava. - Esta é a parte de mim que você nunca arrancará de mim, não!


Esta é a parte de mim

Que você nunca arrancará de mim, não

Jogue seus paus e suas pedras

Jogue suas bombas e seus golpes

Mas você nunca destruirá a minha alma

Esta é a parte de mim

Que você nunca arrancará de mim, não


Mais rápido do que pensei já estavamos chegando ao shopping. E eu me sentia diferente, animada. Eu tinha certeza que conseguiria superar. Eu posso, eu quero, e vou conseguir.


Eu só quero jogar meu celular fora

Encontrar aquele que realmente estará lá por mim

Por que você me enganou, seu amor era barato

Era sempre rasgando nas emendas

Eu me apaixonei e você me enganou

Querido, aquilo era antes e isso é agora

Agora olhe pra mim


Começamos a andar e olhar as vitrines, o shopping estava lotado pois estava perto do natal. Mas nós conseguiamos entrar nas lojas, e a cada loja que saiamos eram mais e mais sacolas de roupas novas. É, quando dizem que fazer comprar é bom para esquecer os problemas, tem toda razão.


E olhe para mim, estou cintilante

Um fogo de artificio, uma chama dancante

E você nunca me chutara novamente

Estou explodindo, ohohoh

Você pode ficar com seu anel de diamantes

Ele não significa nada de qualquer maneira

Na verdade, você pode manter tudo

Sim, sim

Exceto eu


Almoçamos num dos bons restaurantes que tinha naquele shopping, e partimos para o proximo round. Eu segui o caminho todo cantando a mesma música que tinha ouvido quando estava ouvindo. E ela me ajudava muito a superar.


Esta é a parte de mim

Que você nunca arrancará de mim, não

Esta é a parte de mim

Que você nunca arrancará de mim, não

Jogue seus paus e suas pedras Jogue suas bombas e seus golpes

Mas você nunca destruirá a minha alma

Esta é a parte de mim

Que você nunca arrancará de mim, não



Esta é a parte de mim, não

Arrancará de mim, não

Esta é a parte de mim, mim, mim...

Não Jogue seus paus e suas pedras

Jogue suas bombas e seus golpes

Mas você nunca destruirá a minha alma

Esta é a parte de mim

Que você nunca arrancará de mim, não...



– HAHAHAH e aquele vendedor te dando mole? Foi muito engraçado, ficou todo enrolado. - Alice comentou enquanto dirigia de volta para casa.


– Sim, foi hilário! hahahah - Respondi. Eu estava muito cansanda desse dia de compras, mas me sentia bem feliz. O Natal estava chegando, e eu deveria passá-lo alegre, como todos os anos. Comprei presente para todos da minha familia, e Alice também.


Quando chegamos na minha casa, estava tudo aceso, e quando entramos, vimos barulho vindo da sala de jantar. Fui até lá, com Alice no meu encalço.


– Oi pai. Mãe. - Cumprimentei meus pais. Emmett também estava lá. - Oi Emm. - Falei baixinho. Não sabia se ele me responderia, ele nunca mais tinha falado comigo, desde o que aconteceu com Rosalie. Ele deu uma olhadela para mim com indiferença e voltou a comer.


– Érrr.. senhora Cullen, nós vamos jantar com vocês, tem problema? - Alice se intrometeu, para abafar o silêncio que havia ficado no ar.


– Claro querida, sem problemas. Sentem aqui. - Minha mãe falou simpaticamente, e nos apontou duas cadeiras. Jantamos quase silenciosamente, os únicos comentários eram sobre o natal, minhas tarefas eram decorar a casa e arrumar a árvore de natal. Alice adorou, e se ofereceu para ajudar. Minha mãe tagarelava sem parar, dizendo que a familia toda viria para cá, e que seria uma ótima ceia. Tentei me animar com a novidade, havia tempo que não via meus avós e meus tios. Que esse fosse um bom natal.



Notas finais do capítulo

É gente, Nessie superando, ou pelo menos tentando e voltando aos problemas da vida real. Já to preparando o próximo capítulo, e ai, o que vocês esperam do natal dela? Minha cabecinha esta cheia de planos rs. Eu acho que esse sofrimento dela passou muito rapido, nao acham? E agora, é bom ela se concentrar nos problemas que arrumou, com seu irmão, com Rosalie...
.
.
.
Digam que também riram com esse "no ultimo episodio" kkkkkk nao sei de onde tirei isso, tipo novelinha mexicana, com um "não vá", momentos dramaticos kkkkk ok. nao to normal Af. nao sirvo para escrever momentos de drama. --'
.
.
.
Espero que tenham gostado, nao deixem de comentar, deem ideias e tals. Beijos, e obrigada por lerem.
.
.
.
.
.
.
UPDATE!!: Meninas, eu to em provas, e entro de férias essa sexta (férias? que férias? kakakak) Entonesss, vou fazer uma pequena viagem - mentira, vou para aqui pertinho.. - mas não dá para carregar a internet, lá é roça e tal, então não pega sinal, poxa ;/ Rezem para que eu consiga ter um tempinho para acabar o próximo capítulo até sexta/sábado/domingo, porque ai dou um jeitinho de postar. Se não conseguir, vai ser sóóóóó em agosto. )))): Façam as macumbas de vocês ai, para eu ter tempo e inspiraçao kakakak