Roller Coaster escrita por jgw22


Capítulo 35
Capítulo 35


Notas iniciais do capítulo

OIEEE, sou mt meiga e estou postando um por dia conforme o prometido. :33 ~~ok, n sou meiga, mas a tentativa foi boa, vai~~ IUSHAIUHSIUDS Enfim, esse capítulo tem um POV novo, do Harry. Espero que gostem :33 Ah, e não me matem pela perversão do Haroldo. usdhidsudsih




ALICE’S POV

Ele disse que me ama. Zayn me falou ‘eu te amo’. Amor. A-M-O-R. Um sentimento concreto, lindo, mágico. Aquele que muda as pessoas, que fazem elas atingirem estados nunca antes alcançados, nunca antes imaginados. Muitas pessoas cresciam e morriam com a esperança de ouvirem essas palavras, de sentirem amor. E Zayn sentia isso por mim, eu sabia que sim. Por mais que parecesse idiotice minha, eu não conseguia conter minha felicidade depois que ele disse aquilo. Naquela noite, dormi com aquelas palavras ecoando no fundo de minha mente.

Infelizmente, depois de uma noite mágica sempre tem a manhã que nos faz voltar à realidade. E meu despertador não me deixou esquecer isso naquela terça-feira de manhã. Com a pouca vontade de sair da cama que consegui reunir, levantei e fui em direção ao banheiro fazer minha higiene matinal. Coloquei uma roupa (http://www.polyvore.com/40/set?id=41924816) e passei no quarto de Zayn, que já se encontrava vazio. Mas que milagre todo é esse? Meu namorado já estava acordado?

Ok Alice, calme e reflita no que acabou de dizer para si mesmo. O Zayn não é seu namorado. Ele apenas disse que te ama. Nada é oficial, vocês continuam tendo essa espécie de amizade colorida muito sólida, mais nada.

Ah, o que eu tava tentando fazer, me enganar? É claro que eu me considerava namorada dele! Ele disse que me ama, eu necessitava dele com tamanha ou maior urgência que meus pulmões necessitavam de ar. Eu o amava.

Afastei todos os pensamentos complexos para àquela hora da manhã e desci as escadas em direção a cozinha. Louis, Liam e Zayn já estavam lá, todos sentados à mesa.

- Bom dia garotos. – apertei a bochecha de Louis e baguncei o cabelo de Liam, indo em direção a Zayn. Ele afastou a cadeira de perto da mesa e eu sentei em seu colo.

- Bom dia meu amor. – ele falou sorrindo, me dando um beijo, mais longo que um selinho e mais rápido que um daqueles beijos capazes de me tirar o fôlego.

- Bom dia lindo, dormiu bem? – depositei um beijo na ponta de seu nariz, enquanto lhe acariciava o lóbulo da orelha.

- Dormi muito bem, obrigada por perguntar. – Louis disse afetando a voz. Olhei pra ele e comecei a rir, demais.

Depois de tomar meu café da manhã, subi para meu quarto, escovei-me e coloquei a mochila no ombro, já descendo as escadas correndo. Fui em direção a escola e encontrei Juh enquanto entrava nos portões.

A maioria das nossas aulas eram juntas, o que fez o tempo passar bem mais rápido do que de costume. Quando dei por mim, já estávamos novamente no portão, desta vez indo para a casa. Ficou combinado que ela e Bruna jantariam lá em casa hoje a noite, o que obviamente me fez lembrar do clima tenso que ira se formar sobre Juliana e Harry.

Não, eu precisaria fazer alguma coisa. Segui com esse pensamento até em casa e finalmente, eu já sabia o que fazer. E eu precisaria de ajuda.

ZAYN’S POV

Todos já sabiam o que fazer; tinha que dar certo dessa ver. Ficar vendo Harry sofrendo e se culpando pelos cantos realmente não era uma alternativa viável. Depois que jantamos, fomos todos para a sala e começamos a conversar, até que Alice se levanta do meu lado e chama Juh pra conversar. Ela levanta e a segue. Perfeito. Etapa 1 concluída com sucesso.

Depois de passado algum tempo, Louis levanta e chama Harry. Este o segue, e os dois sobem as escadas. Nesse momento, eu e todo o restante do pessoal que estava na sala, levantamos as pressas e subimos para o segundo andar, onde todos os outros se encontravam.

Quando ouviu nossos passos na escada, Alice abriu a porta do quarto dela - onde ela conversava com Juh - ao mesmo tempo em que Louis abria a porta do quarto de Harry. Os dois ficaram encarando todos nós no corredor. Puxei Louis de dentro do quarto que estava, e segundos depois, Alice puxava Juh de dentro do seu quarto e empurrava para dentro do quarto de Harry.

Uma batida na porta, uma chaveada. E pronto. Esses dois teriam que se resolver de qualquer jeito essa noite.

HARRY’POV

O que aquelas pessoas filhas de umas putas tinham acabado de fazer?

Ali estava eu, trancado em meu quarto em frente a uma garota – gostosa por sinal – que eu não queria ou sequer podia pensar em magoar. Mas a julgar pelo jeito que ela estava  - parada, estática em minha frente, com as mãos pendendo ao lado do corpo e com a cabeça baixa – acho que ela não estava nem um pouco a vontade trancada num ambiente comigo.

Não que eu estivesse, é claro que não estava. Quer dizer, se fosse em outra situação, eu juro que não me importaria de tê-la ali, se é que me entendem. Mas ali, a força, juro que eu não estava achando nada agradável.

- Hãn, já que temos que ficar trancados aqui, vamos tentar relaxar, tá? – eu falei tentando quebrar o silêncio constrangedor, sentando-me em minha cama. Eu observava Juh vindo em minha direção e sentando a meu lado.

O tempo foi passando e a conversa foi aparecendo. Não falávamos muito sobre o que eu julguei que os outros quisessem que estivéssemos conversando. Ficamos apenas falando de coisas superficiais, falando sobre todo e qualquer assunto, e sem realmente dizer nada. Exatamente assim.

Eu não sei quando o assunto mudou e começamos a falar de coisas mais, hm, importantes. Mas esse momento realmente me deixou bem surpreso quando aconteceu.

- Harry, o que nós somos? Amigos, conhecidos, inimigos...? – Juh me fitava com os olhos castanhos transbordando de um sentimento que eu não sabia identificar. Mas tinha algum ali, certamente tinha.

- Olha Juh, eu sei que posso te magoar e parecer mais canalha do que eu já estou sendo, mas eu fiquei contigo por diversão mesmo. Me desculpa se tu fica triste ouvindo isso ou se eu te iludi por algo, mas nunca foi minha intenção. – ela estava com a cabeça baixa agora, encarando a estampa do meu edredom. Levantei o rosto dela de modo que nossos olhos se encontrassem. – Ei, eu te considero uma amiga, de verdade. Tá?

Ela ficou em absoluto silêncio, e eu também não fazia questão de quebrá-lo. Ficamos um encarando o outro por um tempo incomensurável. Eu notava cada feição do seu rosto, mas parei no meio do caminho, me deparando um a boca entreaberta. Instintivamente, fui me aproximando devagar, quase em câmera lenta. Depois disso, nada mais precisou ser dito.

E quando dei por mim, minha boca já tinha contato com a dela. Comecei o beijo lentamente, como se precisasse de alguma permissão, como se minha língua pedisse por passagem. E ela cedeu. O que começou com um beijo lento, se tornou voraz – e bem safado. Ela puxava de leve os cachos de minha nuca e eu percorria minha mão por suas costas, descendo até as coxas e voltando para as costas.

Deitei-a na cama e fiquei com meu corpo sobre o dela. Ela colocou a mão direita por baixo de minha camisa e começou a dar leves arranhões em minhas costas. Eu me coloquei a beijar seu pescoço e dar leves mordiscadas. Eu a ouvia suspirar e soltar gemidos baixos. Ri contra sua pele e voltei para sua boca.

Sem separar nossos lábios, ela empurrou-me para o lado e deitou por cima de mim. Em meio a nossos beijos, senti que sua mão já não se encontrava em minhas costas. Mas aí já era tarde. Senti que sua mão estava acariciando meu amigo, por cima das calças. Joguei a cabeça para trás e soltei um gemido um tanto quanto alto, enquanto a via observar meu rosto com um sorriso.

Sentei na cama e a trouxe para perto de mim, fazendo-a sentar em meu colo, com as pernas uma em cada lado me meu corpo. Recomeçamos o beijo e minhas mãos começaram a procurar o fecho de seu sutiã. Quando eu finalmente o alcancei, Juh separou nosso beijo e segurou minhas mãos – não vou comentar que as mãos dela levaram minhas involuntariamente até acima de seu ventre, e que isso obviamente me deixou, hm, feliz.

- Harry, melhor não, tá? – ela me olhava piscando várias vezes. Assenti com a cabeça e ela saiu do meu colo, sentando a meu lado na cama. – Não tá bravo, né? – ela encarava meu rosto.

- Não, bem capaz. Eu te entendo. – eu disse lhe lançando um sorriso. – Mas agora eu é que vou ter que perguntar: o que a gente tem? – e disse soltando uma risada, e sendo acompanhado por Juh.

- Hm, digamos que é uma amizade com certos privilégios, ok? Eu livre, você livre, e de vez em quanto acontecem coisas como estas. – ela disse num tom divertido e deitou-se em minha cama, colocando os pés em minhas pernas.

- Por mim, tá perfeito. – eu disse tirando seus pés de cima de mim e deitando a seu lado.

Ela virou de frente para mim e começou a brincar com meus cachos. É, eu poderia começar a me acostumar com isso. Já que os outros fizeram o favor de trancar-nos em meu quarto, o que nos restava era esperar a boa vontade de algum deles e abrir a porta.

Mas... Ei! Eu tinha uma chave da porta numa das gavetas do meu criado mudo. Era só eu procurar e... Não, esse momento pode durar mais um tempo. Daqui a pouco os outros abrem a porta.

Ou não. Na verdade, nem tava me importando mais com isso.



Notas finais do capítulo

E aí, mereço reviews? >< Enfim bbs, espero que tenham gostado e comentem aqui ou pelo twitter ( @_JuliaWolff ), quero saber o que cês tem achado. u.u Beijos e até a próxima ♥