A Filha De Ártemis escrita por Carol C


Capítulo 12
Músicas, Apaixonados e Reconhecidos - p2 - 2/2


Notas iniciais do capítulo

FUI RÁPIDA!
NEM PODEM RECLAMAR!




POV: Lily

Ela soltou um suspiro, bem nessa hora ouvimos o sinal tocar. Apostamos corrida até o refeitório, óbvio que eu perdi. Sentamos na mesa e ficamos esperando o café da manhã, a Helen sentou na minha frente, e ficamos conversando. Quando as ninfas começaram a colocar os pratos nas mesas, ela por um segundo, pareceu fazer uma cara surpresa. De repente eu senti duas mãos na minha cintura.

– Bom dia La Luna Bella. - ouvi alguém sussurrar no meu ouvido.

Os pelos da minha nuca ficaram arrepiados. Eu conhecia, foi a mesma voz que falou no parque... Ai que sonho. Virei o rosto e me deparei com os dois olhos castanhos escuros mais lindos e maravilhosos que eu já tinha visto. Um sorriso se formou por meu lábios.

– Bom dia, Will. - ok, concordo que estou mais que apaixonada.

Mas como... Como ele... Eu não sei, mas eu sentia que ele não queria dizer só bom dia. Ele se sentou do meu lado. Às vezes ele olhava pra mim, ficava observando o refeitório, sorria, e tamborilava na mesa. Mas na maior parte do tempo ficava me mandando sorrisos, que eu retribuía feliz. A Helena percebeu isso e não deixou passar.

– Vocês estão falando de alguma coisa que eu não sei?

– Não estamos falando! - dissemos juntos.

Ele me olhou como se dissesse 'mas estou tentando'. De onde que eu tirei isso?!

– Não é o que parece. - a Lena falou

– Só estava pensando, me lembrei de uma vez que fui no parque, faz um tempo... Fui com a minha mãe, ela queria ver um amigo.

Arquei as sobrancelhas.

– Onde? - perguntei.

Pela expressão que ele fez, já sabia a resposta, mas quis dar um suspense.

– Acho que em Paris... É, foi há nove anos em Paris...

Abri um sorriso enorme, e ele retribuiu.

– Desisto! Não consigo entender as indiretas de vocês! - Helen disse levantando as mãos pro alto.

Nós dois rimos. Logo a Luiza apareceu e sentou do lado da Lena.

– Bom dia pessoas. Eu quero saber o que aconteceu ontem, que parece que nós duas, vamos segurar as velas, não estou certa, Lena?

– Você não está certa, está correta. Eu não acredito que vou perder meu companheiro de segurar velas. - falou Kath aparecendo sei lá de onde.

– Desculpa, mas acho que a rosa selvagem tembém já encontrou alguém para doma-la. - Will disse e Kath o fuzilou com o olhar.

– Oi pessoas da minha vida! - falou a Clair sentando do lado do Will.

– Ei! Você tem que sentar comigo! E bom dia pessoal! - Theo disse se sentando ao lado de Kath.

– Ei! Ela não vai sentar com você não! A minha amiga ta roubando o meu 'irmão' de mim! Não pode. Eu tenho que te aproveitar também. - reclamou Kath.

– Tá bom, reclamona. - Theo a puxou para o colo dele.

– E eu vou perder o meu irmão para uma das minhas novas amigas... - disse Clair fazendo biquinho.

– Você vai me perder?! Eu achei que você já tinha sido roubada! Na escola você mal fala comigo. - falou Will inconformado.

– Desculpa... O que eu faço pra não falar com o meu irmãozinho?

– Me faz segurar vela. Enquanto passeia com o Theo.

Clair ficou vermelha e Theo também. Espera. Eles não são namorados?!

– Bom, eu to morrendo de fome. - Kath comentou. - E você madrugador?

– Estou me controlando para não reclamar. - falou Will olhando para Kath.

– Bom, se controle, porque quando você está com fome reclama e muito. - ela disse

– Não! Muito pelo contrário, quando eu reclamo, reclamo muito.

– Puxa vida, acho que estou sobrando, nessa mesa de apaixonados. - disse a Lu

– Não está que eu sei. - Will disse pra ela.

Ela arregalou os olhos e ele sorriu, como se dissesse: 'Eu não vou contar... Mas de qual quer jeito eu sei.' De onde que eu estou tirando isso?! Daqui a pouco vou ler mentes!

Senti o cheiro de pão recém assado, o pão daqui é tão bom... Eu vi o Will, fazer uma cara estranha. Como se pensasse 'Está dando uma vontade de invadir a cozinha... Estou morrendo de fome.'

– Pelo visto a fome tá grande. - Kath comentou. - Que horas o sol nasceu hoje?

– Cinco e cinco da manhã... - ele resmungou.

– Ohhhh... Que peninha... Você não conseguiu dormir de novo?

Ele olhou para ela, como se dissesse 'Não acredito que você me perguntou isso'. Eu vou ficar maluca! Daqui a pouco vou começar a responder os pensamentos dele.

– Você sabe que eu não consigo. - ele falou estreitando os olhos.

Olhei para a mesa em que o Quíron sentava, lá estava ele, o Sr.D, e a Rachel estavam. Ela falou alguma coisa para Quíron, ele suspirou e bateu palmas. Todos se viraram para ele.

– Hoje faremos uma mudança, vocês poderão se sentar com quem quiserem! Mas é só hoje!

– Que bom! Vamos poder ficar aqui! - Clair disse animada.

Eu olhei para a Lu. Ela revirou os olhos e gritou.

– Você é um amor, Quíron!

Ele riu e revirou os olhos. Enquanto Lu se arrumava.

– O que foi? - ela perguntou

– Eu quero saber por quem você está apaixonada... - a Lena disse estreitando os olhos.

Olhei para o lado e o Will estava com uma expressão impaciente.

– Psiu. - ouvi alguém fazer baixinho. virei a cabeça, era a Kath - Não liga, ele fica assim quando tá com fome, se ele estiver com muita ele fica emburrado. - ela sussurrou para mim.

– Eu ouvi. - falou o Will olhando seriamente para ela.

Logo as ninfas apareceram, foi engraçado quando o Will viu a comida.

– Finalmente! Não aguentava mais! - ele exclamou, sorrindo.

– Esfomeado. - falou Theo colocando a cabeça no ombro da Kath.

– Não fala nada. Estou com fome. Só isso.

– Só?!

– Tá, estou com muita fome.

– Vai comer mais que o normal? - Kath perguntou.

Will deu de ombros. As ninfas chegaram e cada um pegou um pouco, todos pegamos quase a mesma coisa. As meninas ficaram conversando, eu só ouvia. Logo senti alguém me cutucando.

– Oi?!

– Vamos? - Will me perguntou.

– Nós temos que ensaiar! - Kath falou, meio feliz e meio emburrada. - Não acredito que o Apolo deu tarefa para nós. Vamos ensaiar Will? Theo?

– Olha, os meus irmãos só ficam realmente acordados depois do almoço... Acho que você vai ter que esperar um pouco. - Helen falou.

Kath deu de ombros.

– Tudo bem, então eu trino o solo, e os meninos ficam conversando.

Logo todos estavam conversando, de novo, eu levantei silenciosamente e saí. Estava indo pro chalé, quando senti uma mão no meu ombro, e essa escorregou até pegar a minha mão. Eu parei quando senti que a pessoa entrelaçou os dedos nos meus. Olhei para o lado.

– Vamos ensaiar, Lua? - ele me perguntou.

– Vamos. Só deixa eu pegar o meu violão? Pra caso nós escolhamos a música.

– Você tem violão? - ele me perguntou com os olhos brilhando.

– Tenho... Eu deixo ele escondido do Connor e do Travis, num lugar especial. - falei indo na direção do chalé.

Quando chegamos lá me abaixei no nosso beliche. Forcei um pouco o assoalho e uma parte se levantou, eu a arrastei e tirei o meu violão lá de dentro. Ainda bem que ele estava na capa.

– Impressionante, acho que ninguém encontraria aí. - ele falou.

– Vamos? - ele assentiu e saímos do chalé. - Vamos para a clareira? - ele balançou a cabeça.

– Não... Eu quero te mostrar um lugar.

– Que lugar? - perguntei curiosa.

– Você vai ver...

Fomos na direção da floresta, ele pegou minha mão e entrelaçou os dedos. Caminhamos em silêncio, por um tempo. Ai começamos a fazer perguntas um pro outro. Estava tão entretida na conversa que nem vi o tempo passar.

– Estamos chegando. - ele falou, e eu saí de meus pensamentos.

Olhei para frente e perdi o fôlego, o lugar era incrível.

– Onde é? - perguntei

Ele apontou para a parte mais clara. E fomos, lá tinha uma clareira, e era incrível, eu amei. As flores, a grama alta... Era perfeito.

– Gostou? - ele me perguntou

– Amei!

Ele me puxou e sentamos bem no meio do lugar. Tirei o violão da capa e o Will me ajudou a afinar o violão.

– Posso tocar? - ele me perguntou

Dei o violão para ele, e ele começou a tocar alguma música, que eu não conhecia.

– Qual música vamos tocar no sábado? - perguntei, não sou muito boa para escolher músicas.

– Não sei...

Ele começou a tocar uma e balançou a cabeça negativamente. Ele estava tocando pedaços de várias músicas diferentes, ele mudava muito rápido. Às vezes ele fazia uma cara estranha, depois de longos dez minutos mudando de música.

– Talvez... - ele disse

Ele parou de tocar e me olhou.

– O que foi? - ele me perguntou

– Quantas músicas você tocou? - perguntei

– Nem sei, só fui mudando. - e deu de ombros. - Quer ouvir essa última? Acho que foi a melhor que eu achei.

Ele começou e logo eu soube qual era. Sorri, eu amo essa música, era a... (autora: NÃO OUSE DIZER!) (lily: por que?) (autora: tem que ser surpresa!) (lily: tudo bem...) Comecei a cantar e ele também. Ficou legal, é ficou bastante. Ensaiamos umas oito vezes e deitamos na grama, para descansar, cantar pode ser fácil, mas cansa. Ficamos olhando o céu por um tempo. Quando os pássaros começaram a cantar fechei os olhos.

– Essa canção é muito bonita. - comentei

– É mesmo. - ele falou

– Concorda comigo?

– Claro, o som dos pássaros acalma, e não tem como achar feio. - ele se levantou - Vem dançar.

– Dançar?!

– Sim, aproveitar que a música está calma.

Ele segurou minha mão e me puxou. Ele colocou as mãos na minha cintura e e coloquei as minhas no ombro dele, e começamos a balançar de um lado pro outro, as vezes dávamos passinhos pequenos. Ele começou a cantarolar uma música em espanhol, olhei nos olhos dele.

Ficamos um tempo assim, ele parou de cantar, a mão dele deslizou para as minhas costas, e a minha foi para o pescoço dele. Ele foi se aproximando e eu também dele. Foi a mesma coisa da noite anterior, eu só o via, ninguém mais importava. Eu estava perdida nos olhos dele, no sorriso dele. Eu senti meu coração começar a bater mais rápido. Eu coloquei a minha mão na nuca dele. Ele foi se aproximando, logo senti nossos lábios se tocarem. Eu nunca me senti... Tão viva, tão completa. Apaixonada eu sabia que estava, mas isso não era uma simples paixão, era o amor. Pensei ter ouvido uma risada, mas deixei isso e lado.

POV: Rose.

Vocês nunca ouviram falar de mim, certo? Bom... Me apresentando, sou Rose uma das ninfas do acampamento. Me chamo assim pois sou uma roseira, nessa semana eu fiquei bem amiga de uma das filhas de Deméter, e hoje ela pediu ajuda para mim.
Se bem que ela podia ter me dado uma tarefa mais fácil, 'Vigie aqueles dois, quero saber o que eles vão fazer, e se vão se entender.' Primeiro, achar dois campistas numa área enorme não é tão fácil, principalmente se eles forem para a floresta.

Eu fiquei uma meia hora procurando por esses dois quando desisti. Fui na direção da nascente, lá fica a minha arvore... O mais interessante foi que eu achei os dois quando estava indo para lá. Me escondi numa moita e fiquei observando. Os dois estavam balançando no ritmo de alguma música, estavam tão fofos. Ele olhava para ela com amor, e era retribuído, eles tinham que se entender, pareciam um casal perfeito! Na verdade, acho que eram.

Eu fiquei observando quietinha de onde estava. Eles começaram a se aproximar, logo estavam num beijo romântico, tão lindo... Ele estava com uma mão nas costas dela, a outra na cintura. Ela estava com a mão no pescoço dele e a outra no cabelo. Típico de Aphrodite, se ela estiver assistindo deve estar gritando de felicidade. Dei uma risada baixa e saí correndo para contar para a minha amiga o que aconteceu.

POV: Kath

Estava andando impaciente de um lado para o outro. Tinha falado para Rose achar o Will e a Lily... Eu sabia que alguma coisa ia acontecer, só queria ter conhecimento do que. Mas eu tinha pedido isso para ela já fazia quarenta minutos! Estava demorando. Ouvi os galhos atras de mim se quebrarem, peguei meu chaveiro/espada e apontei para aquela direção. Rose estava parada ofegante, sorrindo. Guardei a espada e fui ao encontro dela.

Ela estava com o cabelo vermelho um pouco bagunçado. Os olhos azuis brilhavam de animação.

– Achou eles? - perguntei, e ela abriu um sorriso maior do que o anterior.

– Achei. Eles são muito fofos...

– Eles se entenderam?

– Não só se entenderam... Acho que em algumas horas, ou minutos vão estar namorando...

– Yes! - gritei animada. - Obrigada!

– Mas...

– Mas o que? - perguntei

– Estava tão fofo... E eles se conhecem faz... Quanto tempo?

– Um dia. - respondi rapidamente.

– É que tem vezes que é melhor deixar quieto, eles podem querer manter segredo. Dizem que o amor proibido, ou em segredo é melhor.

Pensei por um segundo.

– Você está certa. Pode ir... Obrigada pela ajuda. Eu não vou comentar nada.

Rose assentiu e virou as costas, saindo correndo.

– O que você estava fazendo? - ouvi alguém perguntar atrás de mim.

Pulei de susto e me virei. Coloquei a mão no coração e falei ofegante.

– Que susto Connor!

– Desculpa. - ele disse dando de ombros.

Como ele podia ser tão lindo?! Perfeito, deus grego, maravilhoso, lindo, tudo. Incrível, do olhar encantador, sorriso de matar, olhos castanhos que nem se falam, único.

– Então, o que você estava fazendo? - ele me perguntou.

– Nada, só falando com uma amiga.

– Qual amiga?

– A Rose, uma ninfa, ela é super legal, e inocente.

– Eu sou mais. Sou o mais legal, o mais divertido, o mais engraçado, o mais lindo, o mais perfeito...

– O mais convencido? - perguntei rindo.

– Pode ser, só acho que eu perco para o Apolo. - ele disse piscando para mim.

– Nós vamos ter que trinar depois do almoço.

– Nós?! - ele me perguntou confuso

– O Will me deixou ajudar vocês no ensaio da banda.

Ele fez uma cara estranha quando eu disse isso. Eu cheguei perto dele e sussurrei no ouvido dele.

– Ainda não me apaixonei, acho. Te vejo mais tarde.

Dei as costas e saí, fui procurar o... Alguém. O... O Travis! Ele precisa se arrumar com a minha irmã!


POV: Travis

Eu estava tentando pensar em um jeito de falar com a Katie... Eu gosto dela faz um bom tempo... Estava andando de um lado para o outro pensando Quando alguém atrás de mim gritou o meu nome.

– TRAVIS!!!

Me virei e era a Kath correndo na minha direção.

– O que você veio fazer aqui? - perguntei

– Vim te ajudar.

– Com o que?

– Conquistar minha irmã está na lista?

Eu arregalei os olhos. Eu não sei por que, olho pra Kath e lembro do Connor, eles devem ter o gênio parecido.

– Eu não gosto da sua irmã.

Ela revirou os olhos.

– Claro que não. - ela não disse isso com ironia. - Você ama ela.

– Tá eu amo ela. O que você quer fazer?

– Olha, você ama ela e ela te ama. É só dizer.

– Não é tão fácil...

– Ela gosta de rosas. De preferência vermelhas. Ela gosta de ir na praia. Ela acha jantar no luar a luz de velas romântico. E ela ama poemas. E gostaria que o menino se declarasse pra ela.

Fiquei chocado.

– Tá, você me disse isso. O que eu faço.

– Eu achei que o lerdo fosse o Connor... Junte tudo e está conquistando ela.

– Como eu vou fazer tudo isso?

– De seu jeito. Quer fazer uma aposta?

– Claro. - respondi sorrindo. - Fala.

– Aposto quinze dracmas que você até o final do verão não vai estar namorando ela. - esperta... é, tem gênio parecido com o do Connor

– Eu aposto que eu vou estar!

– Duvido!

– Guarde seus dracmas para mim então.

Ela deu um sorriso e saiu correndo. Ela é esperta... Muito esperta...


************************************************************************

Eba! Escrevi esse em três dias! Que diferente, não é?

Coloquei mais cedo! Sou ótima, não? Adoro fazer surpresas.

Bom... Uma surpresa pra vocês! E agradeço a

Rocky

Leon Arian

Susan Aparecida Linda

Srta Speggiorin

Savana Hartmann

Mica Pastre

Isa_Animais

Sophie Kane

Obrigada vocês todos que comentaram nesses últimos três dias! Três dias, oito reviews. *-*

Eu adorei... E o próximo vai ter POVs inéditos! Tipo o Theo... a Clair... É eles vão narrar. E o Will e a Ly vão ser reconhecidos! Quem está ansioso?

Agora... eu só queria saber... os reviews são o que me motiva a continuar, porque ai eu sei que vale a pena continuar. Se for um review, eu vou continuar, porque tem uma pessoa querendo ler...

eu não vou pedir, mas eu acho que uma recomendação é diferente... mas eu não vou pedir isso, vocês só farão se quiserem e por vontade própria.

Bjs ciom carinho da autora

Carol