Hermione E O Seu Passado Desconhecido. escrita por Isabelle Munhoz


Capítulo 6
Capítulo 5 - Indo para Hogwarts.


Notas iniciais do capítulo

Oiii gente *-*
Aqui esta mais um cap. Já estava pronto ontem mas resolvi deixar vocês esperando mais um pouco. HuaHuaHuaHua, poxa vida, minha risada malefica não é muito boa. Mas o motivo de deixar vs esperando não foi esse, é que eu queria já ter outro cap. pronto antes de postar. Mas não tenho, e fiquei mal por não postar que eu resolvi que hj a ssim que eu entrasse postaria o cap.
Esse cap. é o maior que eu já escrevi, pra qualquer fic. Esta gigantesco. E isso conta por que amanhã eu volto as aulas e não sei quando poderei postar de novo, por que eu estava escrevendo os cap a noite, a unica hora que me da inspiração, mas como eu tenho aula no dia seguinte não vou poder ficar até meia noite escrevendo. :(
Esse cap. é onde as coisas começassam a mudar. Avisando já comecei a escrever o proximo mais não sei quando vai dar pra mim terminar.
Adorei todos os comentarios e espero que gostem.
Vou parar de falar e boa leitura.



    Pov. Hermione.

     Como é lindo, a neve que cai em flocos e cobre o chão da Londres trouxa. Sentada aqui na cadeira ao lado da janela é o único momento verdadeiramente que tenho de paz desde tudo que aconteceu.

     Não falo muito com os Granger depois de tudo, vivo trancada em meu quarto pensando e torcendo para não entrar em depressão. Quando Sirius conseguiu me acalmar um pouco e me trazer de volta aquele dia Dumbledore me comunicou que tenho que fazer a seleção de casa outra vez, só aquela noticia  me deixou uma noite sem dormir, eu amava a Grifinória mas mesmo assim não me vejo lá agora que descobri minha verdadeira antecedência não consigo pensar no meu futuro lá.

       Amanhã volto para Hogwarts e estou nervosa, sinto com que meu mundo vai ser completamente diferente esse ano, sinto que não devo ficar perto do Harry e tenho medo dele me julgar por ser filha daquela... Argh, como se eu só tivesse me aproximado dele por interesse ou algo do  tipo.

        Olho para minha escrivaninha e vejo três cartas ali em cima, só duas foram abertas a ultima ainda não tive coragem para ver o que ali havia contido. A primeira era de Rony me convidando para ir para sua casa mas não tive coragem nem de responder me sinto suja para ir num lugar que todos estão do lado da luz enquanto eu em meu sangue tem gotas das trevas, já a segunda é do Harry perguntado se eu ia ou não para lá outra carta que eu também não respondi, eu tinha que ter um tempo sozinha.

       Levanto e vou até a mesa, peguei a carta e a analisei. Eu tinha que ler esse era o momento.

      Abri e comecei a ler:

     Hermione Jane Granger.

     Que diabos aconteceu com você para não responder minha carta nem a de Rony? Estou preocupado, não tenho noticias suas.

       Disse que viria passar uns dias na casa de Ron mas nem uma misera coruja mandou. Aconteceu algo?

       Até o Rony que é um completo idiota esta preocupado com você, e para chegar a esse extremo a coisa esta bem feia, por que o Rony se preocupar com algo ou alguém, é raro.

     Estou avisando, se não responder essa carta você irá se ver comigo quando voltarmos para Hogwarts, você é minha melhor amiga e estou preocupado com o seu sumiço.

     Estou com saudades.

     Te amo.

       Bjs.

     ..

  Harry Potter.

      Deixei umas lagrimas saírem ao terminar de ler a carta, Sim Harry eu também amo você, como amo o Ron.O que será que vai pensar de mim agora? Prefiro mil vezes ser apenas uma colega do que uma inimiga.

       Limpei as lagrimas com as costas de minha mão e ouvi alguém soluçando no quarto ao lado. Já estava virando rotina.

        Outra coisa que também me incomoda, as vezes ouço minha mãe chorando em seu quarto e meu pai tentando consolar a esposa e me sinto mal por isso. Ai eu penso em tudo que aconteceu, e tudo que eles esconderam de mim e esse sentimento some e em seu lugar fica ódio, será que esse ódio todo que eu sinto é por causa de Bellatriz? Será que eu descendi o seu temperamento só que esta aflorando agora?

       Fui até meu malão e olhei se tudo estava em ordem. Tudo que eu precisaria para o ano escola estava ali. Alguns dias atrás meus pais e eu fomos ao beco diagonal comprar minhas coisas. Minha mãe achando que isso iria me animar, no final acabei só piorando.

        Deitei em minha cama e com muito esforço consegui tirar tudo de meus pensamentos e adormeci sem o pesadelo constante que tenho com Bellatriz querendo um abraço e depois me apunhalando com uma faca.

     ...

     Na manhã seguinte.

      ...

      Tudo estava pronto.Olhei para o relógio que tinha em meu quarto e vi que já era nove e meia, meu  costume era sair daqui as dez mais prefiro não encontrar ninguém pelo menos não no trem.

        Com tudo em perfeita ordem desci e vi os trouxas me esperando com seus casacos ajeitados e prontos para irmos.

        - Deixa que seu pai leve sua mala Hermione. – mamãe disse tentando ser legal tirando a mala de minha mão e dando-a ao meu pai.

       Fomos até a estação em um silencio que já havia se tornado normal entre nós. Sai do carro e peguei um carrinho colocando logo a seguir minhas coisas lá. Esse ano eu havia resolvido que não levaria Bichento comigo, não sabia para que casa iria então não queria perturbar ninguém.Chegamos na barreira para o mundo mágico e meu pai me chama.

       - Hermione. – viro meu rosto e o encaro.

       - Sim?

       - Nos arrependemos de não ter te contado tudo. – mamãe disse. – Achamos que era para o seu bem.

         Assenti tristemente.

       - perdoa-nos – meu pai perguntou.

       - Eu só preciso de tempo. – respondi secamente.

      - Entendemos. Você terá quanto tempo precisar. – os dois disseram me abraçaram e passei para a plataforma de Hogwarts.

            Como esperado havia poucos bruxos ali, só alguns do primeiro ano que deveriam estar deslumbrados com a idéia de ir para Hogwarts.

         - Hermione. – ouço uma voz vindo em minha direção e ninguém consegue ver alivio maior do que o meu quando vi que era a Luna. – Como foram as férias?

         - Ótimas Luna e a sua? –menti e perguntei um pouco baixo.

       - Boas também. – Luna vendo o meu estado pergunta. – Aconteceu alguma coisa?

        - Sim Luna, mas não quero falar sobre isso. – pedi.

        - Tudo bem. – ela disse sorrindo. – Bem vou indo, estou procurando zonzóbulos.

          Uma das coisas que eu admirava na loira era que ela não pegava no nosso pé, se quiséssemos contar contávamos se não tudo bem. Olhei em quanto ela corria por ai com uns óculos estranhos e estava a procura de Zonzóbulos. Ps. Não sei se isso existe mesmo, diz a Luna que sim mas nunca vi pessoalmente.

           Entrei no trem cabisbaixa e com um humor sombrio, fui até umas das ultimas cabines do trem onde eu sabia que Harry e nem Rony iriam, mas por preguiça.Peguei uma cabine vazia, que nesse horário era fácil encontrar guardei minhas coisas e me sentei com apenas um livro para me distrair.

         Tentei ler, juro que tentei mais minha concentração estava muito longe do livro em minha mão. Ela estava no dia em que eu descobri, no dia em que eu soube que meu mundo todo fora apenas uma mentira.

          Lagrimas começaram a sair de meus olhos sem minha permissão e logo eu já estava alheia ao mundo do lado de fora de minha cabine.

        Pelo canto do olho vejo um vulto passando mas de repente para, mas não ligo para isso ainda estava concentrada demais em minha dor.

           - Granger?O que esta fazendo aqui sozinha sem o cenoura e o cicatriz? – a porta da cabine abriu e vejo uma fuinha loira entrando. – Você esta bem?

          - Claro que estou. – minha voz saiu chorosa, limpei meu rosto e olhei para o loiro bem na minha frente.

         - Sabe Granger você pode saber todas as matérias em Hogwarts mas tenho que te dar uma péssima noticia, você não sabe mentir. – ele diz.

        - Não te entendo Malfoy, você me pergunta se eu estou bem mas na verdade você não esta nem ligando se estou bem ou  não. – eu disse olhando em seus olhos.

 ...

  Pov. Draco Malfoy.

 ...

     Granger, Granger eu quero saber de absolutamente tudo sobre você. O que? Malfoy não, você não quer saber nada sobre essa sangue ruim. Sei, admite que você quer saber. Não, nós não queremos saber.Você finge que é verdade e eu finjo que acredito ok?

       Balancei minha cabeça.

      O que estava acontecendo comigo? Primeiro eu não paro de pensar nessa garota e agora estou falando comigo mesmo. Preciso ir para um mede - bruxo urgente.

       - Sabe esse ano eu resolvi  fazer um ato bom por semana. E esse vai ser o meu dessa semana. – menti de onde eu tirei isso?

        - Malfoy, sim eu estou mal. Isso da para se notar. Mas acha mesmo que eu escolheria você para meu confidente? – ela perguntou.

       Claro que não.Por que ela te odeia e você odeia ela.Mas você não odeia ela Draquinho. Para de me chamar de Draquinho, e quietas as duas.

        Desde quando eu comecei a falar com as minhas consciências mesmo?Desde que você começou a precisar de nós. Já não disse para ficar quieta.

        - Não, mas não vejo nenhum de seus amiguinhos aqui. E na falta de quem falar pode contar para mim. – respondi.

        Mais lagrimas começaram a sair de seus olhos e aquilo me deixou angustiado, me aproximei um pouco mais dela e disse;

        - Me conta, você precisa desabafar.

       - E quem me garante que se eu te contar você não vai sair  contando para metade de Hogwarts? – ela perguntou relutando a minha ajuda.

       - Eu garanto.

        - Grande ajuda. – ela  sussurrou.

      - Vai Granger, me conta vai. Sei que precisa falar com alguém e eu estou disposta a ouvir. – eu disse e ela me olhou com aqueles lindos olhos castanhos que estavam cobertos por lagrimas. – Prometo não contar pra ninguém o que você irá contar aqui.

        As lagrimas começaram a piorar, e eu pensei que era impossível. Elas desciam de seus olhos e sumiam entre sua bochecha e sua boca.

        -É que nessas férias, descobri que não sou filha de meus pais.-ela disse ainda chorando. – Sou filha de bruxos.

         Franzi a testa.

         - E isso não é bom? – perguntei, eu acharia bom se fosse ela. Mas  você não é  ela querido. Quantas vezes terei que mandar você calar a boca.Calma.

           -Bom?Bom? – ela disse num tom de indignação. – Você passa a vida toda achando que é uma pessoa e logo descobre que aquela vida que você viveu é uma... Mentira, acha isso bom? Que o seu porto seguro não é seu na verdade. Que seus pais são outros.

        Refleti por alguns minutos o que ela acabara de me dizer. Ela tinha um ponto, sei que deveria estar triste mas isso significava que ela não era uma sangue ruim.

        - E agora terei que fazer a seleção de casa outra vez. – ela resmungou.

        -Como é? Você terá que fazer outra vez a seleção de casa? – perguntei, ninguém nunca teve que passar por isso antes. Hermione assentiu. – Por que?

         - por que era para eu ter sido da Sonserina, porém como todos pensavam que eu era nascida trouxa não me enquadraria no perfil da Sonserina e o chapéu achou melhor me colocar na Grifinória. – era pra ela ter sido da Sonserina?

        - Você acha que vai agora pra Sonserina? – perguntei.

        - Não sei. – ela balançou a cabeça. – Só não queria estar passando por isso.

        Era horrível ver Hermione naquele estado, nunca a vira chorando e agora ela estar ali se debulhando em lagrimas por mentiras era triste. Se eu pudesse sofreria tudo para que ela não sofresse.

        - Vem cá. – passei ao braços por seu corpo e ela fez o mesmo, devemos ter ficados uns minutos assim. Ela chorando em quanto eu sem jeito tentava consolá-la.- Quer me contar quem é o seu pai?

        Ela me olhou e suspirou.

         - Sirius Black.

         - O meu primo de segundo grau?- perguntei com os olhos arregalados.

         - Ele é seu primo? –ela perguntou. Assenti. – Então isso nos faz ...

         - Primos de terceiro grau.

           - Eu sou prima do Malfoy? – ela disse. – Meu querido Merlin que mal eu fiz  pra tu.

           - ou. – percebi que foi uma ofensa. – Eu sou demais.

         - Modéstia mandou lembranças. – ela disse.

           Eu ri e ela deu um pequeno sorriso ainda agarrada a mim, mas percebi que seu sorriso sumiu e ela voltou a chorar.

        Os olhos de Hermione estava começando a ficar inchados quando alguém abria a porta de nosso vagão.

          - Mione a Luna me disse que você já tinha... – Potter não concluiu a frase ao ver que Hermione e eu estávamos abraçados. – o  que esta acontecendo aqui?

         Assim que viu ele Hermione se solta de mim rapidamente.

        - Nada. – eu disse  ao mesmo instante que a porta da cabine é aberta outra vez. Será que hoje é o dia de visitas ao Malfoy?

          - Senhor Potter, Malfoy e senhorita Bla... Granger. – pelo jeito a professor Mc. Gonagall também sabe. – Senhorita preciso falar com você.

         Hermione assentiu se levantou e segui a professora deixando Potter e eu sozinhos.

        - Fique longe da Hermione. -  ele  aconselhou-me.

        - Não fico se eu não quiser. – Potter iria retrucar mas o cortei. – Não é culpa minha se ela prefere e mim como conselheiro.

          Me levantei e fui rumo a minha cabine que Pansy e Zabini me esperavam.Ao entrar Zabini perguntou.

         - A onde você estava?

         - Depois eu conto. – disse meio mal humorado.

         - Pelo jeito ta mauzão em Draco. – Blásio brincou e começou a rir da minha careta e Pansy o acompanhou.

          - Cala a boca.- só fez a risada deles virarem gargalhadas. – Idiotas.

         - Desculpa Draco, mas a careta que você fez. – Pansy disse entre as gargalhadas. – Foi hilária.

        Revirei meus olhos.

         - Parando um pouco do momento zuar com o Malfoy, vai nos conta aonde você estava? – Blásio perguntou.

       - Bem eu estava conversando com a Granger. – respondi.

     - Granger? – os dois gritaram juntos, mas Pansy continuou. – Desde quando é amigo da Granger Draco? E por que ela  estaria falando com você?

       - Ela estava mal e eu resolvi consolá-la. – respondi. – Não me pergunte o porquê,eu não sei. E ela me contou que descobriu coisas sobre o seu passado e que agora terá que fazer a seleção de casas de novo.

         Falei tentando não tocar no assunto sobre seu pai que não é seu pai e o que me fez lembrar que ela não falou quem era sua mãe.

           - E ela sabe pra que casa vai? – Pansy demonstrou um interesse que nunca vi nela por Hermione.

           - Ela disse que não sabe, mas eu acho que ela vem pra Sonserina. – falei.

           - A Granger? Sonserina. – Blásio não conseguia acreditar no que ouvia. – Serio acho que estou ouvindo demais. DRACO, EU ESTOU ENLOQUECENDO.

          - Por que você esta enlouquecendo? – perguntei.

          - Por que primeiro eu ouvi você falando que estava com a Granger e agora você disse que ela provavelmente vem pra Sonserina. – Zabini colocou a mão na testa como se estivesse tirando a temperatura, como ele é dramático.

        Depois daquela cena que ele fez mudamos de conversa e tive que agüentar a viajem toda aquele idiota com suas brincadeirinhas sem noção e Pansy rindo delas.

       Chegamos em Hogsmeade e pegamos as carruagem para Hogwarts, e nem sinal da Granger. Potter me jogou um olhar mortal mais não disse nada. Entramos em Hogwarts e fomos para o salão principal.

        Estava muito barulho, típico de inicio de ano. Mas a surpresa foi quando a Minerva entrou com os alunos novos logo atrás dela vinha Hermione, olhei para a mesa da Grifinória e vi Ronald perguntando para  o Potter o que ela estava fazendo ali.

          - Bem vindos a mais um ano em Hogwarts. – Dumbledore disse ganhando a atenção. – logo será a seleção de casas, mas antes tenho que comunicar a vocês que uma aluna terá que refazer a seleção de casa.

         As mesas começaram a murmurar todos surpresos.

      - A senhorita Granger descobriu esses dias coisas sobre sua vida que afeta sua seleção. – Dumbledore continuou. – Senhorita Granger venha até aqui na frente.

        Olhei para Hermione que estava indo se sentar e meu olhar foi até o Potter que parecia estar em choque de tão surpreso.

           E o chapéu começou a falar.

           - olá de novo senhorita Bla, Granger. –parece que todo o corpo docente está sabendo sobre a vida dela. – corajosa sim muito corajosa,  era uma ótima Grifinória e tudo que aprendeu lá nunca será esquecido em seu coração sempre terá um leão guardado. Mas daria muito bem também na Sonserina, aonde devo colocar. Nunca se esqueça senhorita que mesmo que não esteja mais na Grifinória que uma parte sua sempre será daquela casa....Mas você irá para... SONSERINA.

             Eu sei que já esperava por isso mas mesmo assim quando o chapéu seletor disse meio que fiquei em choque. A vi descendo ali de cabeça abaixada  e vir se sentar no canto afastado da mesa da Sonserina.

          - Vou falar com ela. – falei pra Blásio.

          - ok te encontro depois. – no primeiro dia de aula ele já estava dando em cima de uma garota, assim vai manchar a reputação da Sonserina.

       Levantei e fui para o canto da mesa onde Hermione estava sentada, e meu ato não ficara desapercebido muitos olhavam com os olhos arregalados.

         - Oi priminha. – disse enquanto me sentei em sua frente.

           Granger levantou a cabeça e me olhava confusa.

         - Não me chame de priminha Malfoy. – ela rosnou.

        Acabei rindo.

           - O que a Minerva queria com você? – perguntei.

          - Só falar sobre a Seleção de casas e caso eu viesse a vir para Sonserina que o Siri...meu pai tinha comprado as coisas pra mim. – ela ia falar Sirius, mas como ninguém sabia ela falou pai.

          - Então todos os professores já sabem que você não é quem achavam que era? – perguntei.

          - Não, acho que só alguns. – Ela respondeu e olhou em meus olhos e perguntou. – Por que esta sendo tão legal comigo Malfoy? Até o ultimo ano você me odiava.

          Parei pra pensar nisso.Nem eu mesmo sabia o motivo, mas agora que estou sendo...

          - Vamos recomeçar, você é minha priminha. Prazer sou Draco Malfoy. – eu disse estendendo a  mão para ela.

           - Hermione Gran... Black. – ela sussurrou o nome bem baixo só pra mim ouvir.E pegou a minha mão.

        Eu ri e ela me acompanhou e percebi que Potter e o Weasley nos olhavam espantados como toda a mesa da Sonserina.

      Passamos o jantar todo conversando, e ela me contou  como ficou depois que descobriu tudo e como ela não sabia o que fazer agora.

        - Vamos. Eu te mostro onde é a torre da Sonserina. – eu disse me levantando, ela seguiu o meu gesto.

       Saímos do barulho que estava o salão comunal e fomos em direção a torre da Sonserina. Tinha vezes que Hermione parecia que ia começar a chorar mas ela engolia sua tristeza e mudava de assunto.

          - Hermione.- ouvimos uma voz vindo de trás de nós, nos viramos e era o Potter sendo seguido pelo Weasley. -  o que aconteceu? Você na Sonserina? Não estou entendendo nada.

           - Harry... – Hermione não estava conseguindo dizer nada, por isso tentei intervir.

          - Potter tenho que mostrar a masmorra da Sonserina pra Hermione, vocês se falem depois. – eu disse peguei seu pulso e a  pulsei para frente e andamos rápido, mas ainda consegui ouvir o cicatriz me xingando de tudo que é  nome.

         Quando chegamos em frente ao quadro ela disse:

        - obrigado não sabia  o que falar.

       - Tudo bem primin... – ela me mandou um olhar zangado, me virei para o quadro. – sapos de chocolate.

         E o quadro se abriu.

        - Essa é a senha. – afirmei.

         Ficamos um tempo lá em baixo só conversando. Até que ela não é um irritante sabe tudo como eu sempre imaginei.

        - Granger. – Era a Pansy. Hermione se levantou e ficou em sua frente. – Bem eu queria pedir desculpas.

        Hermione e eu arregalamos os olhos. Eu sei que eu tenho orgulho mais essa garota tinha um orgulho muito maior que o meu.

         - esta falando serio? – Hermione perguntou.

         - S-sim. Queria que fossemos amigas.-Pansy disse, acho que esse foi o momento mais surreal da minha vida em Hogwarts até agora. -  Queria recomeçar.

       -  Ei. – protestei. – Essa frase é minha.

       - Te roubarão a frase em Draco. – Hermione brincou.

       Fiz beicinho.

       As duas riram.

        - Claro Pansy que poderíamos recomeçar.

        Pansy sorriu e se sentou ao meu lado junto com Hermione.

          Ficamos um tempo conversando.

         - Ei estão fazendo uma festa sem a alma das festas. – Blásio aparece. – Que maldade.

         - E desde quando você é a alma das festas ? – perguntei entrando em sua brincadeira.

        - Desde sempre. – Blásio diz e se vira pra Hermione. – Prazer Granger sou o Blásio Zabini o mais bonito Sonserino de todos os tempos.

          - Desculpa ser estragas prazeres querido mais eu que sou o mais bonito Sonserino de todos os tempos, alias sou o homem mais bonito. – falei.

           - Vai achando Draco, vai achando.

         Hermione e Pansy riram.

          - Sabe Hermione, o Blásio é meio idiota. – olhei pra ele. – Meio não, completo idiota mais você se acostuma.

           - Magoou Draquinho, magoou muito. – ele colocou a mão no coração.

         Hermione abriu um sorriso que acho que foi o mais sincero que eu vi hoje e isso me fez feliz, tive que abrir um sorriso também.

            - Vamos Hermione, vou te mostrar o dormitório. – Pansy disse se levantando. – Melhor não ficar muito tempo com esses idiotas, assim você pode ficar meio louca e olha que eu digo isso por experiência própria.

        - Ei. – Blásio e eu protestamos.

         - Tchau meninos. – e as duas subiram para o dormitório feminino.

         - Até que a Granger é legal. – Blásio disse.

       - Uhum. – disse. – Vou ir dormir.

       Me levantei, subi para o dormitório troquei de roupa e deitei-me.

        Dormi pensando nela, como sempre. Algo me dizia que esse ano vai ser  surpreendente.

     ....

     Continua...



Notas finais do capítulo

Agora me digam o que acharam???
Gostaram?
Na minha opinião esse foi o melhor cap. até agora.E quero saber agra a de vcs.
Mereço indicações?
Ps. Pra quem le Dramione amanhã provavelmente postarei o novo cap.
Bjs e obg a todos.