Hermione E O Seu Passado Desconhecido. escrita por Isabelle Munhoz


Capítulo 36
Capítulo 34 - Escolhendo um lado.


Notas iniciais do capítulo

Voltei
E agora começa a tocar o coro: Aleluia, Aleluuia, Aleluia...
kkk.
Gente, desculpa mesmo a demora.
Mais minha vida está tão corrida, escola, cursinho, tarefas, to em epoca de prova, procura escola pro ano que vem, e também to me preocupando com a formatura.
Sexta foi o churrasco de formatura, foi tããão bom que queria que o tempo parasse.
Ahhh e antes que eu me esqueça, queria agradecer a
MokaSakuraUsagiNanohaRoseElena pela recomendação, obg amore, amei.
Bem boa leitura.



Pov. Hermione Black.

...

Os dias se passaram lentamente com a maioria dos dias nublados, uma atmosfera sombria atacou a maioria dos alunos do castelo, principalmente os Sonserinos que assim que viram que mesmo sendo comensais os pais do Blás foram mortos perceberam que qualquer um morreria por nada.

E um clima estranho também ficou entre Draco e Blás, imagino eu que depois de tudo que o moreno passou ultimamente ele tenha colocado que quer entrar na luta anti-Voldemort e como Draco é de uma família que quase todos são comensais isso deve ter ficado na cabeça do meu amigo.

Passei folha por folha no livro que estava a minha frente, já era final de tarde perto do escurecer e todas as aulas haviam terminado. Eu acabei indo para a biblioteca para tentar distrair a minha mente de tudo que esta acontecendo.

- Hermione. – ouvi uma voz fraca me chamando.

Tirei os olhos do livro e olhei para Harry que me olhava fixamente com seus olhos verdes.

-Sim?

- Estou saindo do colégio. – ele disse e vendo a minha careta confusa continuou. – Lembra que eu te contei sobre as horcruxes e que Dumbledore talvez precisasse da minha ajuda? – vasculhei as minhas memórias e lembrei de tal momento – Então, pelo visto esse momento chegou ele disse para daqui a dez minutos estar na torre de Astronomia.

Olhei para os lados confirmando que as poucas pessoas que estavam na biblioteca não nos ouviam.

- E o que esta esperando? – perguntei olhando de esguelha para a porta.

- Estou com um mau pressentimento. – Harry respondeu.

E essa simples resposta fez meu coração pular dentro do peito, eu também estava com essa sensação inquietante, estranha e que cada vez me deixava mais nervosa no peito, mais o que eu diria? E pra quem? Não, cada um tem os seus problemas pra cuidarem.

- Me conte sobre isso. – pedi.

- Não sei dizer o que é. – Harry disse. – Só sei que eu devo deixar isso com você. – ele mexeu em sua capa e tirou um frasquinho pequeno e logo reconheci como a sorte liquida que ele ganhou no meio do ano. – Divida entre você, Ron e Gina ok? – assenti. – E fique esperta para qualquer coisa que aconteça no castelo, com Dumbledore longe podem tentar atacar.

Suspirei fundo e peguei o frasquinho em sua mão.

- Tome cuidado. – pedi e vi meu amigo assentir e sair correndo da biblioteca indo para a torre de Astronomia imagino.

Sem vontade alguma coloquei o frasco da poção em minhas vestes e fechei o livro que até momentos antes eu fingia ler. O peguei e guardei na fileira que eu o havia encontrado.

E mesmo sem gostar me arrastei pelos corredores do castelo que para mim parecia cada vez mais sombrio. Pensei em ir para a Sonserina mais me lembrei de uma coisa que Harry havia me pedido, fui para o salão comunal, poucas pessoas estavam ali já que não era hora de desjejum.

Entrei tentando não ganhar a atenção de ninguém e fui direto em direção a mesa da Grifinória ao ver que meus “alvos” estavam ali. Cheguei perto de Rony e Gina que estavam brigando, de novo, e os empurrei fazendo-os olhar para mim.

- O que foi? – Gina perguntou assustada.

Não respondi, só coloquei a mão em minhas vestes e peguei o frasco disfarçadamente para que ninguém reconhecesse. Gina não viu o que era na hora, como ainda estava em um ano antes que nós não sabia muito sobre isso, mas assim que Ron olhou para o frasquinho em minhas mãos me olhou interrogativamente.

Nada disse, só peguei mais dois frasquinhos vazios que sempre os tinha comigo para caso precisasse, era melhor sempre me precaver.

E com um tremor de leve nas mãos distribui o conteúdo da Felix entre os três frascos, e cada vez mais nervosa para que ninguém percebesse o que eu estava fazendo consegui com sucesso terminar de distribuir a poção em quantidade igual pra cada.

- Harry saiu do castelo com Dumbledore. – falei olhando para a cara de idiota dos dois. – Pediu para que caso algo acontecesse durante sua ausência para tomarmos isso, e como eu não vou estar sempre com vocês já estou entregando.

- Não entendi. – Gina admitiu. – Caso algo aconteça? O que aconteceria?

- Com Dumbledore fora do castelo será mais fácil fazer com que os comensais entrem. – respondi baixinho para que ninguém conseguisse escutar. Olhei para Ron e vi que mesmo lerdo como ele é já havia entendido tudo. – Bom, recado dado agora tenho que ir atrás do meu namorado.

Gina sorriu maliciosamente, bem típico dela e continuou a briga que estava tendo com o irmão antes de eu chegar mostrando que eu já podia sair, a ultima coisa que eu ouvi foi Ron gritando falando que tudo que acontecer entre ela e o melhor amigo dele, ele tinha que saber.

***

Eu andava rapidamente pelos corredores do castelo e com a cabeça baixa parecendo que eu era culpada de alguma coisa. E incrivelmente eu me sentia culpada, eu tinha decidido que iria ficar de olho em Draco, que de umas semanas pra cá ele andava muito estranho sempre trocando corujas com a mãe dele e me fazendo prometer que nunca deixaria de estar ao seu lado.

E para mim essas eram atitudes muito suspeitas, por que eu conhecia o Draco, ele não era um cara romântico que pensava que teria um feliz para sempre no final de sua vida então ficar fazendo-me prometer isso era no mínimo suspeito. E com isso comecei a ficar alerta, mas por que justo hoje ele tinha que desaparecer? Fui no jardim, nada. Biblioteca, é mais fácil encontrar ele no covil da falecida Aragogue do que lá. Masmorra da Sonserina, também nada. E agora estou correndo para o salão principal.

Dou mais um suspiro triste quando entro no salão principal e noto que o loiro também não estava ali, mas para alegria minha vi Blásio sentado lendo um livro – sim, estranho da parte dele, mas desde que começou essa estória de vingança ele esta estudando mais – e Pansy a sua frente olhando para ele intrigada.

- Gente, vocês viram o Draco? – perguntei assim que cheguei perto deles.

Blás levantou o rosto com a sobrancelha erguida interrogativamente e na hora já pude ver o que ele pensava: Deve estar fazendo coisas que não vamos gostar de descobrir, Pansy ao ver ele assim bateu em seu ombro e sorriu pra mim.

- Vi ele indo em direção ao sétimo andar. – Pansy respondeu. – Não sei o motivo, mais ele ando indo muito lá ultimamente.

- Deve estar fazendo alguma coisa de errado Mione. – Blás respondeu enquanto fechava o seu livro.

- Faça-me o favor Blásio Zabini, não tem nada no sétimo andar que possa ser errado. Tem a entrada para a torre da Grifinória e a da torre norte e o escritório do diretor da Corvinal, o que isso tem de ruim? – Pansy disse brava levantando-se.

Essa suspeita que Blás estava tendo constantemente de Draco não fazia mal apenas a mim, fazia mal mesmo a Pansy, que conviveu com os dois desde que entraram em Hogwarts e verem os dois se estranhando não era bom, se Rony e Harry estivesse assim acho que eu enlouqueceria.

Sem dizer mais nada Pansy saiu andando do salão principal com o nariz empinado e com a postura de Sonserina arrogante que ela tinha normalmente.

- Sabe Hermione. – Blás chamou a minha atenção. – Uma coisa que poucos sabem é que eu sou muito bom em adivinhação. – revirei os olhos, odeio essa matéria. – E enquanto eu estava estudando hoje me veio um pressentimento, e não quero te assustar, mais é hoje que iremos decidir em que lado estaremos.

Olhei para ele confusa.

- Não entendi. – respondi tristemente com o meu fracasso, como logo eu Hermione Granger Black não entendeu alguma coisa? – Pensei que você tinha certeza que lutaria contra você sabe quem.

- Eu tenho. – Blás afirmou. – Não é de mim que estou falando, nem de você e sim de outras que ainda não pensaram direito nisso. – suspirei, sabia bem de quais pessoas ele estava falando. – E um pressentimento me diz que eu devo ficar com a minha varinha sempre ao meu lado hoje, por que iremos precisar.

O jeito que ele falava era tão sombrio que um arrepio passou por toda a minha espinha.

- Também estou com um pressentimento ruim, por isso estou procurando Draco. – falei e mexi nas minhas vestes achando o que eu acabara de pensar. – Isto Blás é uma moeda que usávamos ano passado na Armada de Dumbledore. – o entreguei a moeda reluzente. – Estou com a do Harry comigo por isso fique com a minha, caso eu mude alguma coisa nela todos os que tem a mesma moeda vão receber a mensagem instantaneamente.

Blás levantou o braço e pegou a moeda de minha mão.

- Caso algo aconteça procure o Rony. – continuei. - E tente proteger os alunos menores tudo bem?

Blás assentiu e ficou me observando saindo correndo do salão principal. Assim que virei o corredor acabei esbarrando com tudo em alguém e caindo no chão.

- Mione? – ouvi a voz do ruivo.

- Ron? – indaguei. – Ah, Merlin, que bom que te encontrei. Preciso falar uma coisa pra você.

Rony estendeu o braço e me ajudou alevantar.

- O que foi? – ele me perguntou passando a mão em seus cabelos desembrenhados.

- Avisa para os alunos que eram da A.D ficarem alertas. – falei e vendo que ele ficou confuso expliquei melhor. – Estou com um mau pressentimento, e Harry também estava antes de sair com Dumbledore, por isso fique de olho em qualquer coisa que acontecer ok?

- Tudo bem Hermione. – Ron respondeu.

- E dos meus amigos... – nunca pensei que teria que dizer isso. – O único que tenho certeza que esta do nosso lado é o Blás. – a segunda parte, falei tão rápido com medo de não conseguir terminar a frase.

Meu amigo me mandou um olhar de entendi e sai correndo em direção ao sétimo andar. Meu coração batia cada vez mais forte quando cheguei no andar que pretendia fui andando pelos corredores pouco iluminados com muito medo do que estaria por vir.

Quando cheguei no corredor que aparecia a sala precisa meu coração quase parou. Meus medos, minhas inseguranças tudo estavam presentes ali, explicando melhor eu estava sendo traída. Mas não traída como uma mulher e sim com um mundo.

Peguei minha varinha na hora.

- Quem esta ai? – Bellatriz gritou.

Deu um sorriso sínico e com a varinha levantada para todos eles respondi:

- Sou eu, mamãe.

- Hermione? – ouvi a voz de Draco.

- Não. – falei com escárnio. – Aqui é Dumbledore.

Ouvi uma risada desdenhosa de Greyback.

- Que menina insolente. – ele levanta a varinha em minha direção.

- Não! – Bellatriz gritou fazendo os comensais tremerem. – Nem ousem tocar nela.

Mas a raiva me consumia, eu tinha sido traída pela pessoa que mais amava, Draco tinha me traído e colocado para dentro do castelo comensais da morte.

- Não preciso da sua proteção Lestrange. – quando meu lado Sonserina aflora coitado de quem esta por perto, com a varinha levantada para Greyback gritei: - Estupefaça.

Ele conseguiu se salvar com um protego rapidamente e quando iria atacar Bellatriz levantou a mão mandando ele parar.

- Esta atacando a sua própria família Hermione. – ela disse já não tendo mais a voz de mãe que ela quase sempre mantinha comigo. – Atacando sua mãe, seu namorado, sua família.

- Você NÃO é a minha mãe. – falei em alto e bom tom, não depois que ela entra no castelo para matar todos que eu amo.

Droga era isso que eu queria evitar, me decepcionar com ela, com Draco, e no final acabou acontecendo tudo que eu temia.

- Malfoy NÃO é meu namorado, não mais. – continuei vendo o olhar triste e malvado que ele me mandara. – E vocês NÃO são a minha família, família é quando eu sei que posso contar para tudo, e não só para matar o meu melhor amigo a mando de um lunático, sim é isso que Voldermot é, um lunático gay.

- Lunático? Gay? Quem você acha que é para falar assim do nosso lorde? – Bellatriz gritou com todas suas forças.

- Nosso nada. – gritei de volta. – Ele não é nada meu.

- Lestrange não temos tempo a perder. - Aleto Carrow falou sombriamente.

A vi assentir.

- Draco cuide de Hermione. – ela falou. – Temos que terminar nosso serviço.

Vendo que eu não conseguiria deter todos sozinhos dei uns passos disfarçadamente para o canto escuro do corredor e peguei minha moeda escrevendo rapidamente:

Comensais no castelo. Malfoy é um deles. Tem alguns aurores. Protejam os alunos.

E mandei para todos enquanto Draco pegou meu braço com força me impedindo de ir atrás dos comensais que saíram correndo.

- O que você esta fazendo? – gritei.

- O que VOCÊ esta fazendo? – ele me perguntou. – Não disse que sempre estaria comigo?

- Eu também deixei claro que cuidaria da minha família em primeiro lugar. – respondi com desdém.

Draco soltou uma das mãos de meu corpo e pegou sua varinha.

- Me deixa ir Malfoy. – berrei. – Tenho que lutar.

Ele somente me olhou tristemente e disse:

- Eu te amo Hermione. – e apontou a varinha pra mim. – Me desculpa.

Logo cai na inconsciência.

***

Acordei meio tonta e de imediato não me lembrei do que tinha acontecido. Aos poucos minha memória foi aparecendo e me levantei correndo.

Sim, Draco tinha me lançado um feitiço e eu apagara. Quanto tempo tinha se passado? Minutos, horas? Não sei. Mas não acho que muito por que mesmo no sétimo andar eu conseguia ouvir barulho de feitiço.

Sai correndo pelas escadarias até chegar no térreo onde havia muita bagunça e sujeira mais nenhum corpo morto, só alguns alunos feridos. Vi que Neville estava duelando com Thor Rowle. Se continuasse assim ele perderia.

- Estupefaça. – apontei para o comensal que foi lançado longe. Neville aliviado olhou para trás e me encarou.

- Obrigado Hermione. – ele disse.

Sorri, pelo menos ele disse algo pra mim depois de semanas.

- Hermione? – olhei em direção a saída e vi Blás todo suado correndo em minha direção. – Você esta bem? Não te vi durante os duelos.

- Eu estou bem. – falei. – Malfoy me fez ficar inconsciente.

E lembrar dele me fez querer chorar, mais não iria chorar, não aqui no meio de todo mundo. E isso me fez lembrar uma pessoa.

- Onde esta Pansy? – perguntei nervosa.

- Foi com eles. – Blás respondeu e vendo que eu estava prestes a chorar continuou. – Mas este não é a pior coisa até agora.

- Tem algo pior? – perguntei com medo.

Blás pegou minha mão e me levou para fora, já havia anoitecido e muitos professores e alunos estavam em volta da torre de astronomia com as varinhas levantadas, empurrei alguns alunos e fui até o centro.

Harry estava lá... agarrado a um corpo...

Lagrimas finalmente conseguiram sair de meus olhos.

Dumbledore estava morto.

....

Continua...












Notas finais do capítulo

E ai o que acharam???
Gostaram???
Até o proximo, que ja aviso que vai demorar.