Hermione E O Seu Passado Desconhecido. escrita por Isabelle Munhoz


Capítulo 13
Capítulo 12 - Surpresa nada boa.


Notas iniciais do capítulo

oii gente.
Voltei antes que o esperado *dancinha da vitoria*.
Esta super grande o cap. E espero mesmo que gostem.
Gente eu estou sentindo falta das recomendações.Mas não estou forçando ninguem.
Espero que gostem.
Ps. Eu não sei quando volto a postar, pq semana que vem tenho provas todos os dias e tenho que estudar muito esse ano pq estão puxando demais na minha escola.



 Pov. Hermione.

  ...

    - Sim Ron, eu sou filha daquela...mulher. – respondi.

      Rony parecia paralisado. Sua boca estava aberta e seus olhos arregalados e os únicos movimentos percebíveis era sua respiração.

      - Rony fala alguma coisa. – Harry pediu.

      - Por que vocês não me contaram? – Ron perguntou. – Eu deveria saber, pensei que fossemos amigos.

         - Claro que somos amigos. – falei. – Só que pra mim é diferente, não é algo que eu queria comentar Rony.

         - Eu nunca acreditaria nisso que alguém me contasse. – ele disse. – Mas sei que vocês não  mentiriam pra mim. Agora eu entendo o que aconteceu...Mas espera um minuto você contou pro Malfoy mais não contou pra mim.

          Como o Rony e o Harry eram parecidos.

        - Não contei para Draco. – respondi. – ele não sabe que somos primos.

         Ronald deu um sorriso maldoso e se levantou.

         - Melhor irmos. Se Filch nos pega teremos que dar um banho naquela gata estranha dele.

           Me levantei junto com Harry.

            - Desculpa Ron, deveria ter te contado. – eu disse.

            - Tudo bem. – ele disse abrindo os braços, no mesmo instante o abracei com toda a força que consegui arranjar. – Nos vemos depois Mione.

             - Até mais.

             Fiquei olhando enquanto  os dois andavam até virar o corredor e não serem mais vistos. Suspirei e fui para a masmorra da Sonserina.

           Eu andava nos corredores escuros e frios por causa da  noite e meu coração acelerava com cada barulho que eu ouviu como se alguém fosse pular na minha frente e tentar me matar.

          Estreitei os olhos para enxergar melhor e senti uma certa dificuldade. Longo me lembrei que deveriam estar inchados de tanto chorar.

          E de uma coisa leva a outra no final lembrei o motivo de estar chorando.

            Aquela mulher quer o que de mim?

           Era o que mais eu queria saber. Por que quando eu consigo aceitar tudo o que a vida tinha para mim ela vem e estraga com uma carta maluca.

            Estava quase chegando no quadro quando fui abordada por uma pessoa nem tão viva.

          - Ainda fora da sua casa menina? – o barão Sangrento perguntou flutuando ao meu redor.

          - Estava conversando com uns amigos e perdi o tempo.

           - Com aqueles Grifinórios suponho. – assenti. – E a coisa mais estranha que já vi, primeiro a segunda seleção de casa e agora uma Sonserina amiga de Grifinórios.

         Revirei os olhos.

         - Melhor a senhorita entrar. – o barão disse. – Filch esta vindo.

           Não respondi somente corri até o quadro e falei a senha o vi abrir e entrei no salão comunal a Sonserina.

         Como sempre as cores verdes era predominantes da grande e luxuosa sala. Havia varias poltronas e uma mesa de centro. E numas dessas poltronas estavam Draco, Blás e Pansy.

          Fui até eles sorrindo.

          - Voltei. Sentiram a minha falta? – perguntei.

           - Você nem imagina o quanto Mione. – Draco disse. – Blás já estava pensando em se jogar da torre de Astronomia caso você não aparecesse.

          - não precisa mais Blás. Já estou aqui. – sentei ao lado de Pansy. – O que estavam falando?

         - A mesma coisa chata de sempre Quadribol. – Pansy respondeu revirando os olhos. – Meninos não pensam em outra coisa.Ou são só esses dois?

          - Pode acreditar que é qualquer garoto. – falei me lembrando dos dias junto com Harry e Rony na mesa da Grifinória. – A maioria dos meu amigos só pensam nisso.

         Draco e Blás contorceram seus lindos rostinhos.

         - Não nos compare a Grifinórios não. – Draco disse com nojo.

          - Assim vai derrubar nossa auto-estemas. – Blás continuou.

        As vezes eles sabiam ser chatos.

         - Suponho eu que você estava com eles não é? –Pansy perguntou curiosa.

          - Sua suposição esta certa. – respondi. – Estava com Rony e Harry.

        - O cicatriz e o pobretão. – Draco disse.

        - Draco Malfoy... – o ameacei apenas com o olhar.

       Ele riu.

        - Não sabia que seu olhar podia ser tão malvado. – e agora os três estão rindo. – Melhor tomarmos cuidado.

         Fiz biquinho.

        - Eu vou dormir. – falei. – Por que eu tenho mais o que fazer, amanhã terei um dia cheio,vou começar a estudar para as provas que estão chegando.

        - Mas Mione falta uma semana.

        - Céus como pude nem ter começado a estuda antes? – perguntei preocupada. – Estou super atrasada.

              Levantei e nem liguei com os múrmuros de protestos atrás de mim e subi pro meu quarto. Deitei e acabei dormindo enquanto pensava nas provas.

       ***

        Os dias foram se passando e a cada dia que se passava eu ficava cada vez mais atarefada. Depois de uns dais nem pude mais ver direito Harry e Rony vivi dentro da biblioteca estudando para as provas que não tardaram a chegar.Até Draco, Blás e Pansy eu tive dificuldade de ver por causa das provas.

         E com muito estresse as provas se passaram e as férias de natal chegaram muito rápido. AS provas feitas, deveres também eu estava pronta, ou quase pra voltar pra  casa.

        - Vamos tomar café e depois  pegamos as carruagens para Hogsmeade. – Pansy disse me puxando para descermos. – E lembra você tem que ficar um pouco pelo menos na nossa cabine, sem não Draco pira.

         Sorri.

          - Não sou nem louca pra não ficar com vocês. – comentei. – Eu ainda tenho muito o que viver.

        Ela riu e descemos para o salão comunal principal.

        Chegamos ao grande salão que estava lotado com todos os alunos, estava muito barulhento que em todas as mesas estavam conversando animados pelo ultimo dia.

          Sentei na mesa da Sonserina calado.

           - Que raiva não queria ir pra minha casa. – resmungou Draco.

            - Por que? – Pansy perguntou.

            - Bem...Meu pai... – levantei a cabeça na hora, o pai dele não estava em Askaban?.- Ele fugiu junto com alguns comensais, vai fazer minha vida um inferno por não ter feito a marca.

              Suspirei aliviada por saber que Draco não tinha se juntado a eles, pelo menos por enquanto.

            - Hermione não comenta com ninguém. – Draco pediu. Consegui ver o medo em sua voz, ele não deveria ter dito isso na minha frente.

           - Não se preocupa, não vou contar. – falei.

          Ele suspirou aliviado.

           - Termina de comer logo Blás temos que pegar as carruagens. – Pansy reclamou.

             - Calma, já estou terminando. – Blás disse depois de um gole de suco de abobora.

                Assim que o Blás terminou de comer levantamos e fomos para fora do castelo junto com muitos alunos. Paramos em frente ao portão.

           - O que vai fazer nas férias Mione? – Pansy me perguntou.

          - Acho que vou passar uns dias com os trouxas. – Pansy contorceu seu rosto e eu revirei os olhos. – E depois  vou ver meu pai, acho.

          Eu estava pensando nisso esses dias. Será que Sirius iria querer que eu passasse uns dias com ele?

        - Eu ainda vou querer saber quem são. – ela disse. – Mas respeito que você não...- ela não conseguiu terminar a frase pois foi interrompida.

         - Mione você vai ficar conosco não é? – um ruivo vinha em nossa direção, olhei para Pansy no meu lado ela estava super vermelha de raiva odiava ser interrompida.

         - Você não viu que ela esta falando comigo?

        - Não estou falando com você buldogue. – reclamou Rony. – e sim com a Hermione.

         - Olha como me chama pobretão traidor de sangue. – o tom de voz da garota estava aumentando.

         - Já chega. – entrei na conversa antes de chegar com mais e mais palavrões e insultos de todos os tipos. – Sim Rony, eu vou pra cabine de vocês não se preocupe, só vou ficar um pouco com eles.

          Joguei um olhar implorando para que ele compreendesse e aceitasse.

           - Claro Mione. – ele disse, veio e me deu um beijo na bochecha. – Até lá.

            Sorri e virei para encarar os três que estava me olhando como se eu fosse um E.T de outro mundo.

         - Vamos gente. – falei.

          Sem dizer nada entramos na carruagem e fomos até Hogsmeade em silencio. Draco olhava para a paisagem pensativo, já Pansy e Blás se encaravam jogando olhares mortais um para o outro.

            Assim que a carruagem parou Blás e Draco desceram.

          - Quer ajuda meninas? – Draco perguntou.

         Pansy e eu assentimos. E ele deu cada mão para nós duas ajudando-nos a descer.

           - Sabe percebi que nem perguntei. – falei. – Como foram suas notas?

            Entramos na cabine guardamos nossas coisas e nos sentamos. Draco e Blás num banco e Pansy e eu no outro.

          - Mione. – Blás gritou. – Acabamos de sair das aulas e você quer falar sobre notas.

          Revirei os olhos.

      - Pelo jeito foi mal não é? – provoquei.

         Ele fechou a cara.

       Conversamos um pouco e rimos muito das idiotices que Blás falava, agora esta comprovado que ele tem um cérebro do tamanho de uma ervilha.

         - Gente eu já volto. – falei me levantando. – Vou pra cabine do Harry e daqui a pouco volto.

        Antes de virar e sair vi Draco fechando a cara.

         Andei meio desajeitada pelo trem em movimento até achar a cabine em que meus amigos Grifinórios estavam sentados.

            Bati e abri a porta.

           - Cheguei. – falei entrando. – Cadê todo mundo?

           Só estava Ron e Harry na cabine, mas eu sempre soube que a Gina, Luna e Neville vinha ficar com eles.

          - Gina esta com Dino, Luna esta com uma amiga da Corvinal. – Harry respondeu amargurado. – E Neville não sei.

           Por que Harry estava tão amargurado daquele jeito? Será que ele esta...Não, ele esta gostando da Gina?

        - Tenho que te contar uma coisa. – Harry disse.

        E me contou sobre as aulas com Dumbledore, falou que esta tentando achar uma memória que o professor Slughorn tem que o diretor quer.E sobre as lembranças que Dumbledore conseguiu.

         - Nossa. – só conseguir dizer isso.

         - Muita coisa não é? – Rony perguntou.

           Assenti.

            Conversamos um pouco mais sobre isso e tentamos pensar em algo que pudesse fazer com que ele conseguisse a memória tão secreta do professor de poções.

            - Tenho que ir. – falei. – o trem já vai parar e eu tenho ainda que pegar minhas coisas.

            - Ok. – Falou Harry e Rony juntos, mas Ron continuou. – mas dessa VEZ, você vai lá em casa não é?

            Sorri.

           - Vou. – falei mais alto que o normal.

       Sai da cabine rindo e voltei pra cabine dos Sonserinos super animada, quando entrei na cabine o trem parou. Sem dizer nada peguei minhas coisas e sai com os três me seguindo.

         - Vou mandar cartas para vocês. – Pansy disse e me abraçou logo indo encontrar os pais.

         - Até mais.- Blás disse. – Me mandem corujas.

        Me virei para Draco.

        - Tchau Malfoy. – e o abracei, quando fui me distanciar dele percebi que nossos rostos estavam a centímetros e inconscientemente nos beijamos.

          Eu já não pensava mais, meu corpo estava agindo por conta própria.Não foi um super beijo foi apenas um selinho mais que significou muito pra mim.

          Mas fomos interrompidos por alguém limpando a garganta.

          Nos separamos e vimos que era a mãe dele, Narcisa Malfoy que estava sorrindo. Devo ter corado tanto que fiquei da mesma cor que os cabelos dos Weasley.

           - Até mais. – falei. – Bom dia senhora Malfoy.

         E sai correndo em direção a barreira para o mundo trouxa. Assim que passei achei meus pais,Sirius e Harry parados conversando. Fui até eles.

         - Oi. – falei ainda envergonhada.

        - Por que esta tão vermelha Hermione? – Sirius perguntou. Apenas virei as costas e vi Draco e a mãe dele aparatando. – Malfoy?

       - Nada não Sirius. – falei. – Para de ser curioso.

     Ele riu.

       - Mione é por causa do Malfoy? – Harry perguntou começando a rir junto com o padrinho.

         - Há. Cala a boca Potter. – gritei.

       Ele me olhou assustado e parou de rir.

        - Estamos aqui também Hermione. – papai disse, ainda temendo minha reação, não tinha escrito muitas cartas para ele durante o ano.

          Fui até eles e o abracei depois fui até minha mãe e refiz o gesto.

          - Vamos. – pedi. – Não quero olhar pra esses dois idiotas.

         - Assim magoou filhinha.- Sirius disse.

         - Que bom papai. – sorri sinicamente.

          Nos despedimos e voltamos para casa. Assim que guardei minhas coisas no meu quarto e desci por que minha mãe havia me pedido.

         - O que foi? – perguntei assim que entrei na cozinha e vi os dois sentados na mesa de jantar.

          - Queríamos saber se perdoou a gente? – papai perguntou.

          Suspirei e sentei com eles.

         - Bem... No começo eu meio que me senti traída. – falei. – Mas no final de tudo e depois de muitas conversas com minha consciência percebi que tive sorte de ter vocês.

          Minha mãe não continha mais as lagrimas que estavam caindo de seus olhos.

          Levantei e os abracei chorando junto com ela por ver minha sorte de tê-los comigo.

    ***

         Os dias seguintes foram calmos, contei como foi meu ano com meus pais e no dia anterior minha mãe me avisou pra fazer as malas que eu iria passar o resto das minhas férias com Sirius na casa dele. Algo dele querer estabelecer uma relação pai e filha.

          - Hermione ele chegou. – mamãe gritou do andar de baixo.

         Peguei minhas coisas e desci e vi Sirius no hall da porta falando pra minha mãe que nós já íamos e negando um café.

         - Oi Sirius. – cumprimentei.

         - Oi Hermione.- ele sorriu. – Vamos.

         Assenti.

         - Vamos pra Ordem? – perguntei.

         - Sim pra minha casa. – ele disse. – Mas lá não é mais a Ordem, Dumbledore achou melhor mudar quando fui inocentado.

          Ele pegou meu malão.

         - Tchau mãe, pai. – os abracei e sai da casa.

         Sirius estendeu o braço e ele fez uma aparatação acompanhada.

         Paramos em frente ao lugar que deveria ter a casa numero 12 que ainda estava escondida.

       - Continua escondida. – Sirius disse. – Os trouxas pirariam de um dia pro outro ver uma casa ali.

        Assenti e a casa começou a aparecer.

         Entramos no corredor longo e fomos para a sala.

      - Deixe as suas coisas segundo andar terceira porta a direita. – ele disse meio nervoso como se soubesse algo que eu não sei.

          Afirmei com a cabeça e subia as escadas.Andei até a terceira porta e a abri. O quarto era lindo as paredes brancas e uma linda cama com renda rosa.

         Sorri. Ele tinha feito aquele quarto pra mim.

         - A do Harry é na porta a sua frente. – Sirius apareceu do nada dentro do quarto. – Tem alguém querendo te ver.

          Franzi o cenho.

         Quem estaria aqui?

         - Esta na sala.

        Sem dizer nada desci as escadas e fui até a sala e me assustei profundamente com o que vi.

         Tinha uma mulher sentada no sofá sorrindo ao me ver. Não consegui dizer nada a não ser:

        -Bellatriz?

        ...

    Continua...



Notas finais do capítulo

O qeu acharam?
Gostaram?
Odiaram?
REcomendações lindos?
Bjs e até o proximo cap.