Love Of Friends, Love Of Lover.. escrita por Angelzinha, Angelzinha2


Capítulo 24
Capítulo 25- Desmascaração da vaca(WHAT??)Parte 2


Notas iniciais do capítulo

Yoo amores^^
Tah aí o prometido "capítulo de férias" :D
Espero que gostem^^
Ps: Esse é o penúltimo capítulo :'(
Good reading!




Capítulo anterior:

" -Os pais nunca entende nosso lado.- Sakura diz suspirando. – Eles sempre tentam colocar a culpa de algo na gente. Tipo quando pregou chiclete no cabelo daquela quase sócia dos nossos pais lembra?

-Sakura, aquela vez você fez de propósito.

-Não, ninguém mandou ela sentar na cadeira que eu tinha deixado o chiclete.

-Mas você sabia que ela iria sentar naquela cadeira.

-Hum. Quem manda ela querer mexer comigo.

-Só porque ela te chamou de pirralha?

-Voce ainda fala só?? Queria ver se fosse com você!- Sakura diz cruzando os braços emburrada.

-Mas você chamou ela de bruxa primeiro.

-Mas bem que ela parecia.- Sakura diz com um sorriso travesso, o que faz Sasuke dar um sorriso de lado involuntário. Não sabia o porque, mas Sakura era a única pessoa que tinha o poder lhe fazer esquecer os problemas, e fazê-lo sorrir, até quando ele achava que nada mais tinha solução.- Ei, me responde uma coisa..- Sakura diz se sentando na cama, olhando Sasuke.- Você não acha que tem algo de estranho nessa história não?

-Como assim?- Sasuke pergunta confuso.

-Sabe, essa história da gravidez, pra mim tem algo errado..

-E o que seria?- Sasuke perguntou se sentando, agora mais interessado na conversa.

-Na minha opinião, tem algo faltando nesse "quebra-cabeça"- Sakura diz fazendo aspas.

-Hum. Você acha que a Karin tah inventando isso?

-Inventando não, até porque ela não seria tão burra.- Sakura diz pensativa.

-Mas você mesma não diz que ela é capaz de tudo?

-É, mas nesse caso não. Ela não seria burra de inventar uma gravidez, porque aí logo alguém descobriria que era mentira, e ela perderia tudo. O plano dela se baseia em você, e uma gravidez falsa não ajudaria em nada.

-Nesse ponto de vista, você está certa.- Sasuke diz surpreso com a dedução de Sakura. Não que ela não fosse capaz, mas nunca a viu fazer tantas deduções de uma vez. Detetive Sakura.- Sasuke diz com um sorriso de lado.

-Já vai começar a tirar uma com minha cara.- Sakura diz cruzando os braços emburrada.

-Claro que não.

-Você fala assim como se eu não soubesse pensar..- Sakura diz olhando para baixo.

-Ei, eu não disse isso.- Sasuke diz levantando o queixo de Sakura.- Só estou brincando com você.- Diz com um sorriso de lado. Sakura também sorri, e ambos ficam em silencio por um tempo se encarando.

-Er.. acho melhor eu ir. Já tah ficando tarde, e a gente tem aula amanha.- Sakura diz se levantando.- Boa noite emo.- Diz sorrindo.

-Boa noite irritante.- Sasuke responde com um sorriso de lado. Como sempre ela havia conseguido o distrair, e faze-lo esquecer por um momento seus problemas.

         Sakura voltou para casa com a cabeça a mil. Queria descobrir um jeito de resolver aquela história o mais rápido possível."

.........................................................................................................................................................

         Doce, doce e mais doce...

         Existe coisa melhor? Não! ú.u

         Ainda mais quando existe um lugar como esse. Cachoeira de chocolate, árvores de jujubas e chuva de milk shake. Com certeza não há lugar melhor, e nem companhia melhor do que meu pônei rosa. Eu já tava com saudades dele! Ele tinha me abandonado.. aquele.. aquele filho duma mosquita! ú.u

         TRIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!!!!!

         Epa! Ouço ruídos.. Será OS EXTRAS TERRESTRES VINDO ME ABDUZIR?? OOHH NOOM! SOY MUUY NOVA! AINDA TENHO QUE ATORMENTAR MUITO A VIDA DO EMO! E tenho que experimentar o novo sorvete da sorveteria nova que o tiozinho que vendia milk shake na praça ,montou ‘-‘

         TRIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!!!!

         De novo??? Gsuis.. acho que conheço esse barulho..

         Abri os olhos com dificuldade e a primeira coisa que vi foi uma calcinha com estampas do Mickey e da Minnie. AAAAAAAAAAAHÁÁÁÁÁ!!!!! AGORA SEI ONDE ELA TAH! Mas como ela foi parar no meu ventilador de teto? Oh God, dúvida cruel!(?)

         Levantei da cama que nem bêbado quando vira a noite bebendo(?). Bati no meu abajur, tropecei no meu all star e subi em um skate. Bem, o resultado vocês já devem imaginar. Mas peraê.. o que um skate tah fazendo no meu quarto?

         Dei de cara com a parede. Só abri os olhos quando ouvi vozes. Não, dessa vez não eram vozes do além, e sim do idiota do meu irmão.

-Meu skate!!- Ele disse com os olhinhos brilhando.- Obrigado por ter achado!- ele disse pegando o skate, e saindo correndo de novo. Eu mereço!

         Me levantei gemendo, e fui para o banheiro, tomar banho, e pensar em my life. Se bem que acho que acho que ando pensando demais.. Entendem a gravidade do problema? Coitado dos pobresitos dos meus neurônios. Deve tah pior que o do Naruto quando tenta se decidir qual lámen comer.

         Saí de meus desvaneios quando ouvi a doce e melódica voz da minha adorável mãezinha/SintamAIronia.

-SAAAAAAKUUUURIINHA-CHAN! MEU BEBEZINHO! VOCE ESTÁ ATRASADA!- Oh God! Não acredito que ela me chamou assim --'Espero que o emo não tenha ouvido nada.- Ah, finalmente achei sua calcinha!

Inner: Dê graças a Kami por não tah na geladeira dessa vez!

Sakura: Quem te chamou aqui brucutu?

Inner: Nossa! Já acorda mal humorada.. Cadê o Sasuke-kun para te acalmar?

Sakura: Vou nem responder ¬¬

         Falando nesse emo... Como vou ajudar ele a resolver esse problema com a ruiva/AdestradoraDeCobrasEDonaDosDoendesRuivosMalígnosDoMal(?)

         Bem, deixa isso para pensar depois. Saí do banheiro já pronta e desci para tomar café da manhã, e tive uma surpresa quando vi meu pai na mesa, com um sorriso maior que o do Caio Castro na propaganda da Close Up ‘-‘

-Bom dia luz do dia!- Tah, isso foi de matar.

-Boa dia pai.- Eu disse me sentando gemendo. Sim, a queda com o skate estava começando a fazer efeito.

-Dormiu bem querida?- Ele perguntou colocando um pedaço de bolo no meu prato. Tem algo errado. Muuuyy errado! Vocês devem estar se perguntando o que há de errado em um pai servi a filha não é mesmo? Bem, no meu caso tem TUDO! Para começar, eu e meu pai nunca fomos assim, "um poço de gentilezas" um com o outro. Não porque não queremos, mas porque somos assim. Acho que puxei ele nisso, não sou muito de fazer gentilezas para as outras pessoas. Bem, e ele está MUITO sorridente hoje. Não que ele não sorri, mas meu pai é o tipo de homem fechado, mais na dele. #Medoo '-'

-Tah, sorriso exageradamente exagerado(?), gentileza fora do normal..- Eu disse com uma mão debaixo do queixo, com os olhos semicerrados analisando meu pai.- Pode ir falando quais suas intenções!- Eu disse apontando o dedo indicador quase no nariz do meu pai. Ele ficou vesgo '-'

-Do que você esta falando?

-Pai, você tah muito estranho. O que você tah querendo?

-Está bem, você venceu.- Ele disse suspirando. Háaa soy demais!!- Tenho uma notícia para te dar.

-Boa ou ruim?- Perguntei comendo meu bolo.

-Bem, na minha opinião e da sua mãe é ótima.- Yuuupi! Novidade na área!- Se lembra de quando você era bem pequena, e falava que quando crescesse iria ser médica.

-Sim, e vou ser.

-Se lembra também que eu disse que você iria cursar faculdade em Londres?- Ele perguntou, e eu apenas afirmei. O bolo estava muito bom, não tinha como responder.- Pois então, seu tio se tornou reitor de lá ano passado, e conseguiu uma vaga para você.- Ele terminou a frase sorrindo, e eu engasgando.

-Como? Quando? Onde? Porque?- Tah, sei que disparei perguntas que não precisavam de respostas, mas será que tinha ouvido direito?

-Isso mesmo que você ouviu filhinha.- Minha mãe apareceu do nada, com um sorriso de orelha a orelha, e eu com cara de bunda(?)

-HAHAHAHAHA!!!- Comecei a rir descontroladamente, após alguns minutos. – Boa essa!- Eu disse batendo a mão na mesa. Eu tava rindo, e meus pais me olhando como se eu fosse uma extra terrestre. Tah, meu cabelo não é nada normal, mas não sou tão estranha assim neh?! ú.u Ou sou? ‘-‘ – Ai.. essa foi muito boa!- Eu disse secando as lágrimas no canto dos olhos, consequência do ataque de risos.

-Isso não foi nenhuma piada Sakura.- Meu pai me disse olhando sério.

-Vocês estão brincando neh?- Perguntei olhando para o rosto do meu pai, e depois para minha mão. Não tinha nenhum indício de brincadeira, piada ou algo do tipo. Eles não podiam estar falando sério. Não é possível que eles querem mesmo me mandar pra essa tal faculdade.- Vocês só podem estar brincando..

-Não, não estamos.- Meu pai me olhou sério, com a aquela famosa pose de "eu é que mando nessa joça manolo!"(?) Olhei pra minha mãe com meu melhor olhar do gato de botas do shrek, pra ver se ela me ajudava, mas não deu muito certo.

-Eu não vou!- Eu disse convicta.

-Vai sim senhora!- Meu pai dsse.

-Não vou!

-Vai!

-Não vou e pronto!

-Você não manda em você! Se eu disser que você vai, você vai e fim de conversa!

-Eu já disse que não quero ir! Pára de querer controlar minha vida!

-Enquanto você for de menor, e tiver sobre o mesmo teto que eu, tenho o direito de decidir o que é melho para sua vida!

-Mãe..- Olhei pra ela com os olhos já marejados, suplicando para ela me ajudar.

-Filha, entenda que só estamos tentando fazer o melhor por você..- Ela disse pegando na minha mão, eu puxei de volta com raiva.

-Vocês querem é acabar com a minha vida!- Eu disse pegando minha mochila e indo em direção da sala. Saí de casa batendo a porta. Ouvi um "Sakura Haruno volte aqui!" do meu pai, mas ignorei. Não tava na hora de ir pra escola ainda, então me sentei em frente a casa do Sasuke na calçada, e deixei as lágrimas correrem. Eu não queria me mudar. Não queria sair dali, deixar todos os meus amigos por longos seis anos. Tinha tantas faculdades boas nas cidades, porque que eu tinha que ir pra outro país? Porque meu pai queria me afastar daqueles que tinham mais valor para mim? Meus amigos, as pessoas que eu mais amava.

         Ouvi a porta da casa de Sasuke abrir, sequei minhas lágrimas imediatamente, e comecei a torcer pra que não fosse o Sasuke. Azar meu, era ele. Aquele perfume era inconfundível.

-Já está pronta tão cedo irritante?- Ele disse se aproximando de onde eu tava sentada.

-Nem é tão cedo assim emo.- Eu disse tentando disfarçar a voz de choro.

-Você estava chorando?- Ele perguntou parando do meu lado.

-Não.- Respondi de cabeça baixa. Não queria que ele visse meu rosto, porque com certeza meus olhos e meu nariz estavam super vermelhos.

-Você não me engana. Está com voz de choro.-Ele disse se abaixando na minha frente. Levantou meu queixo com a mão.- E está com os olhos e o nariz vermelho. O que aconteceu?

-Nada, deixa isso pra lá.- Eu disse virando o rosto. Eu não queria contar pra ele sobre a tal mudança. Não agora.

-Foi alguma coisa séria?- Ele insistiu.

-Depois te conto, ok? Agora vamos, o Chyo já tah chegando.- Eu disse me levantando. Sasuke não disse mais nada, apenas me seguiu até o carro.

.........................................................................................................................................................

         Cheguei no colégio, e fui direto para a mesa onde eu e as minhas amigas sentava todos os dias.

-Testa de marquise!- A loira desmiolada disse assim que eu cheguei na mesa.

-Fala porquinha.- Eu disse me sentando.

-Que desânimo é esse?- Tenten perguntou.

-É uma longa história Tenten..- Eu respondi suspirando.

-Mas você não pode nos contar?- Temari perguntou.

-Meninas, eu vou me mudar de país ano que vem.- Eu disse, e senti mais lágrimas escorrem. A reação das meninas foi imediata: Hinata que estava calada desde que cheguei, arregalou os grandes olhos perolados, Tenten ficou de boca aberta, Temari engasgou com a coca-cola que ela tava tomando, e Ino, bem, ficou lá parada com a maior cara de parede.

         Cinco minutos depois...

-NÃOOOOOOOOO!!!- A Ino/LoiraLoka gritou.- VOCÊ NÃO PODE SE MUDAR!- Vi uma lágrima escorrer em seus olhos. Isso partiu meu coração, porque apesar de todas serem minhas melhores amigas, eu me identificava mais com ela.- Se você for embora, quem é que vai no shopping pra me ajudar carregar as sacolas??- Tah, agora deu vontade de dar uma porrada nela.

-Só pra isso que eu sirvo? Bom saber..- Eu disse virando a cara e cruzando os braços.

-Claro que não testuda! Você serve pra isso e muito mais!- Ela disse me abraçando.

-Sah... Você vai mesmo?- Hinata me perguntou com os olhos marejados, de todas nós, ela era a mais sensível.

-Não sei Hina... se for por mim, com certeza não vou. Mas toh com medo do meu pai me obrigar..- Respondi de cabeça baixa.

-Mas Sah, seu pai não pode te obrigar a ir!- Temari diz enxugando as lágrimas no canto dos olhos.

-Eu sei, também não acho que podem Tema, mas eles são meus pais, e muito cabeça dura!

-A gente tem que fazer algo pra mudar a ideia do seu pai..- Tenten disse pensativa. #Medoo

-Não acho que isso seja possível..- Disse desanimada, todas me olharam da mesma forma. Ouvimos o sino tocar, e fomos todas para a sala.

...............................................................................................................................................

         Os dois tempos de matemática finalmente tinha acabado, e saí da sala parecendo uma zumbi(?) Tudo isso porque eu tinha acabado de fazer uma prova gigante e surpresa. Bem, pelo menos era surpresa pra mim, porque eu nem me lembrava mais dela, e por isso acabei tendo uma surpresa(?) '-'

         Eu tava andando distraída pelo pátio aberto do colégio, quando senti uma pessoa tampar meus olhos. Coloquei minhas mãos na pessoa, e comecei a tentar reconhecer. Com certeza era maior que eu, e era do sexo masculino (não posso dizer que homem, porque vai que não é neh? '-'). Achei até que era o Sasuke, pelo físico atlético. Er.. quer dizer.. não que eu repare isso nele.. eu, bem.. ah! Deixa pra lá, que sei que vocês entenderam ù.u

         Como eu tava dizendo, eles eram bem parecidos fisicamente, mas tinha algo totalmente diferente: o perfume. Eu tinha certeza que aquele não era o perfume do Sasuke, pois se fosse eu reconheceria de longe.

-Desisto!- Eu disse desanimada por não ter conseguido distinguir a tal pessoa.

-Você desiste muito fácil.- Ouvi uma voz que conhecia muito bem.

-Kai?- Perguntei assim que me virei, e fitei os olhos azuis dele.- O que voce tah fazendo aqui?- Perguntei com uma sombracelha levantada.

-Não gostou de me ver? Acho que vou embora..- Ele disse fazendo aquela carinha de decepcionado.

-Ei! Eu não disse que não gostei de te ver..- Disse sorrindo.

-Mas é o que parece.- Ele disse com um sorriso de lado.

-Não é nada disso, é só porque eu não esperava te encontrar aqui no colégio. Afinal, o que voce tah fazendo aqui?

-Se lembra que eu disse que iria morar aqui?

-Sim, mas o que tem haver?

-É que vou estudar aqui.- Ele disse sorrindo abertamente.

-Hum. Tah explicado o uniforme.- Eu disse com uma mão embaixo do queixo, analisando o uniforme dele, que era igual o de todos os garotos. Como eu não tinha reparado isso antes?

-Sim.- Ele disse sorrindo.

-Eu tava com saudades.- Disse abraçando ele, e ele retribuiu.

-Eu também estava com muitas saudades de você.- Ele disse quando nos afastamos.

-E aí, como foi os primeiros tempos de aula?- Perguntei quando começamos a andar.

-Nada de muito interessante. Mas foi legal. Mas vim aqui até voce, porque você tem saber de uma coisa muito importante.

-O que seria?

-Não quero conversar com voce isso agora, porque acho que aqui não é um lugar apropriado.

-Tudo bem então, mas quando você vai me contar?- Perguntei fazendo carinha do gato de botas do sherk.

-Podemos nos encontrar a tarde?-Para mim não tem problemas.

-Então- Ele disse escrevendo algo em um papel.- Me encontre hoje nesse endereço, está bem?

-Tudo ótimo.- Respondi sorrindo.

-Ótimo então.- Ele respondeu sorrindo de canto.- Agora tenho procurar meu irmão, porque ele está meio perdido.- Disse revirando os olhos, e eu ri da cara dele.

-Tudo bem, até mais tarde.

-Até.- Ele disse dando um beijo na minha bochecha e saindo. Eu estava curiosa. O que será de tão importante eu deveria saber? Tomara que seja coisa boa...

......................................................................................................................................................

Karin Pov's

         Aquele ruivo maldito! Argh! O que ele queria com a chicletinho estragado? Espere que ele não conte nada a ela, porque senão nem sei o que pode acontecer comigo..

         Mas deixa isso para lá, porque já estou chegando na casa do Sasuke-kun, e não posso deixar ele perceber nada. Toquei a campainha, e logo ele apareceu na porta com uma cara nada agradável.

-Oi meu amor!- Eu disse com a intenção de lhe dar um selinho, o que não deu certo, porque ele virou o rosto, e acabei acertando no rosto.

-O que voce está fazendo aqui?- Ele perguntou com seu costumeiro tom frio.

-Vim passa a tarde com o pai do meu filho.

-Hum.

-Não vai me chamar para entrar?- Perguntei fazendo biquinho, e expressão de ofendimento. Sasuke apenas saiu em direção do sofá. Entrei, fechei a porta da sala, e fui sentar ao seu lado.- Que jogo é esse?- Perguntei vendo-o iniciar um jogo no video game.

-É um jogo de raciocínio. Possui um nível muito elevado para o seu baixo QI.

-Hum.- Respondi sem entender muito bem o que ele quis dizer.- Sabe, eu estava pensando em nomes para nosso filho ou filha.- Eu disse passando a mão em seu braço, de forma sensual.

-Hum. Voce está me atrapalhando.

-O que voce acha de Kasasuke se for menino, ou Akasuna se for menina?

-Para mim tanto faz.- Ele disse dando de ombro. Mesmo eu o amando, as vezes ele me irritava profundamente com aquele jeito frio e indiferente.

......................................................................................................................................................

Sasuke Pov's

         Estava jogando video game, quando ouço a campainha tocar. Esperei alguém atender, mas como ninguém apareceu, eu mesmo tive que ir. Fiquei surpreso ao ver a criatura que estava parada na porta.

-Oi meu amor!- A ruiva dos meus pesadelos disse sorrindo, com a intenção de me dar um selinho. Virei o rosto, o que acabou acertando na bochecha.

-O que voce está fazendo aqui?- Perguntei tentando parecer o mais frio possivel, com a esperança de que ela se tocasse que sua presença me incomoda profundamente, e fosse embora. O que não pareceu funcionar.

-Vim passa a tarde com o pai do meu filho.- Isso foi como um balde de água fria. Não sei se conseguiria tolerar uma tarde com Karin no meu pé.

-Hum.

-Não vai me chamar para entrar?- Karin perguntou fazendo bico, o que fez meu estômogo revirar. Não respondi nada, apenas voltei para o sofá.

- Que jogo é esse?- Ela perguntou se sentando ao meu lado.

-É um jogo de raciocínio. Possui um nível muito elevado para o seu baixo QI.

-Hum.- Ela respondeu com expressão de quem não havia entendido nada. Agora entendi porque Sakura jura de pé junto que Karin verdadeiramente é loira, e sem cerébro. - Sabe, eu estava pensando em nomes para nosso filho ou filha.- Ela disse passando a mão em meu braço, o que não me deixou nada confortável.

-Hum. Voce está me atrapalhando.- Falei tentando fazer ela se tocar.

-O que voce acha de Kasasuke se for menino, ou Akasuna se for menina?- Ela disse, e tive que segurar o riso. De onde ela havia tirado aqueles nomes bizarros?

-Para mim tanto faz.- Disse dando de ombro.

         Derepente ouvi alguém descer as escadas, mas o problema é que não havia mais ninguém em casa além de mim. Só poderia ser uma pessoa.

-Sakura..- Ouvi Karin pronunciar com desgosto, o nome da garota que, não por qual motivo, vive em meus sonhos.

-Atrapalho alguma coisa?

-Para dizer a verdade, você atrapalha sempre.- Karin disse.

-Me desculpe, mas não escuto opiniões se vacas.- Sakura disse sorrindo, e sentou(jogou) entre nós dois no sofá. Ouvi Karin resmungar alguma coisa, mas não dei importância, e voltei a jogar. Com Sakura entre a gente eu não estava mais tão incomodado.

-Sabe chicletinho, estávamos conversando sobre que nome colocar em nosso bebê. Acho que se fizer a combinação do nome do Sasuke-kun com o meu, ficará perfeito. Como por exemplo Kasasuke Uchiha, ou Akasuna Uchiha, não acha?

-Sabe, acho que o nome não mudaria o fato de ser uma aberração da natureza, e ainda por cima com seu sobre nome neh Karin Albertini? Aliás, não sabia que seu sobrenome tem origem italiana, porque que eu saiba seus pais são japoneses, não é?- Sakura possuia um sorriso desafiador nos lábios. Eu não sabia o que ela pretendia, mas boa coisa não era.

-Er..- Karin parecia não saber o que responder. Ouvimos a campainha tocar.- Está esperando visita Sasuke-kun?- Karin perguntou tentando mudar de assunto.

-Não se preocupem, é pra mim.- Sakura disse se levantando, e indo até a porta. Sakura abriu a porta, e um loiro de cabelos cacheados, e olhos castanhos, passou por ela. Karin ficou completamente pálida quando o viu, estranhei a reação dela, mas continuei apenas observando-os.

-Até que fim você chegou Ferdinando.- Sakura disse sorrindo.- Se lembra dele Karin?

-E-eu? Nã-não.. nunca o vi.- Karin disse gaguejando.

-Não foi isso que ele disse. Como você pode se esquecer de uma pessoa na qual você compartilha algo?- Eu estava cada vez mais confuso. Quem era aquele cara e que ligação ele tinha com Karin?

-O que está acontecendo aqui?- Perguntei de uma vez, me levantado do sofá.

-O que tah acontecendo aqui Sasuke, é que essa cobra te enganou. Ela não está, e nunca esteve grávida de você!- Sakura disse olhando firmemente para Karin. Pude ver o ódio em seus olhos, mas com certeza não era maior que o meu naquele momento.

-Como assim?- Perguntei por impulso. Eu estava confuso e com raiva ao mesmo tempo. Como ela podia me enganar assim?

-É isso mesmo que você ouviu, você não é o pai dessa aberração da natureza. O verdadeiro pai é ele.- Sakura disse apontando para o tal de Ferdinando.

-Mentira!- Karin disse.

-Cala a boca!-Sakura disse firmemente dando um passo em direção de Karin, que recuou outro.

-Isso é verdade?- Perguntei á Ferdinando.

-Infelizmente é..- Ele respondeu suspirando. Ele tinha sotaque italiano, o que me fez lembrar o que a Sakura tinha dito sobre o sobrenome de Karin.- Não era para isso acontecer, mas acabou acontecendo. Se me permitir, lhe conto tudo.- Ele parecia ser bem sincero. Apenas fiz sinal positivo com a cabeça. Me sentei de novo no sofá que estava antes, enquanto Sakura sentou ao meu lado. Ferdinando sentou no sofá de frente para nós, e Karin continuou em pé ao lado do sofá que eu estava. Ela estava imóvel, e tinha expressão indefinível.- Tudo começou com um simples contrato entre as empresas de nossos pais. Mas o que nossos pais não esperava, era que tinha um pequeno detalhe: para ocorrer a fusão das empresas, teria que haver um casamento entre as duas familias. Como eu e Karin erámos filhos únicos, tivemos que nos casar para que tudo desse certo. No começo eu não queria, mas com o tempo meu pai me convenceu. Karin também se recusou, e até mesmo fugiu na primeira tentativa de casamento, mas não sei como, depois nos casamos. Claro que nada foi verdadeiro, nos casamos com a condição de nos divorciar assim que se completasse um ano de casamento. Morávamos na mesma casa, mas geralmente não nos viámos. Á três meses atrás, fomos em uma festa, e acabamos bebendo demais, e ficamos "sem querer". Não me lembro se usamos preservativo naquela noite, só sei que em menos de um mês depois encontrei Karin no quarto, cheia de sangue. A levei no médico, e ele disse que ela estava grávida, e que tentou abortar, mas não deu certo. Eu queria assumir o filho, mas ela sempre negou, dizendo que não era meu, mas acabei pedindo para o mesmo médico que a atendeu no dia que ela tentou abortar, para que fizesse um teste de DNA, e como esperado, o filho era meu. Mesmo assim ela não quis que eu assumisse, dizendo que já tinha encontrado um pai "melhor" para o filho dela.- Senti uma raiva subir por todo o meu corpo. Minha vontade era acabar com Karin, mas eu nunca teria coragem de fazer nada contra uma mulher, mesmo que fosse a pior delas.- Eu não podia fazer mais nada por ela, já que ela não me aceitava como pai de seu filho, então deixei aquela conversa de lado, até o dia em que o primo dela, o Kai, me procurou para saber a verdade, porque ele também não acreditava na versão dela. Vim de viagem para cá, há três dias, e Kai me pediu para contar tudo para Sakura. Contei para ela, e agora aqui estou eu.

         Ele terminou de falar, e minha cabeça ainda tentava assimilar tudo o que ele disse. Karin havia mentido, me enganado, e quase acabado com minha vida. Não sabia como agir, mas uma coisa eu tinha certeza: eu queria tirá-la de vez da minha vida.

-Karin.- Disse olhando para ela.- Você é o pior ser que já conheci na face da terra.- Eu disse me levantando, e indo devagar em sua direção. Vi lágrimas correndo em seu rosto, o que não me comoveu em nada.- Você a pessoa mais desprezível, mentirosa e sem caráter. Capaz de tudo para conseguir o que quer. Pois de agora em diante, saiba que quero total distância de você.

-Sasuke.. Por favor, não faça isso comigo!- Karin disse chorando.

-O que estou fazendo com você, não nem o começo do que você fez comigo, e muito menos a metade da vontade que tenho de acabar com você.

-Me perdoe Sasuke-kun! O que fiz, foi por amor..- Ela disse entre soluços.

-Amor? Você não ama nem você mesma, como pode falar que me ama? Tenho pena da criança que você carrega. Espero que você tenha pelo menos a decência de cuidar bem dessa criança. Agora fora daqui!

-Sasuke, me perdoa! Juro que nunca mais faço nada que te aborreça. Eu vou cuidar bem dessa criança, você será um ótimo pai, e vamos viver muito felizes!

-Você é doente! Não tem outra explicação..

-Por favor! Me ouça...

-Não me obrigue a colocá-la para fora!- Disse em tom firme, o que não pareceu surgir efeito, porque ela tentou me abraçar. A segurei com força no braço, e sai a puxando. Abri a porta, e a joguei no chão.- Espero nunca mais te ver!- Disse batendo a porta.

......................................................................................................................................................

Sakura Pov's

         Tudo tinha saído como eu pensava, mas me doeu ver Sasuke daquela forma.

-Você tah bem?- Perguntei me abaixando em sua frente. Ele estava sentado no sofá com a cabeça baixa e as duas mãos em frente o rosto. Estava pensando em algo, com certeza.

-Estou.- Ele disse suspirando um pouco mais relaxado, agora "esparramado" no sofá, olhando para o teto da sala.

-Bom, já estou de saída. Me desculpe pelo transtorno..- Ferdinando disse se levantando.

-Você não tem que se desculpar.- Sasuke disse ainda olhando para o teto.- Valeu pela ajuda cara.- Disse agora olhando para Ferdinando, com um sorriso de lado, que eu confesso ter me aliviado um pouco.

-Não fiz mais que minha obrigação.- Ferdinando disse sorrindo.- Então foi um prazer.- Disse estendendo a mão para Sasuke, que retribuiu o aperto de mão, e depois estendeu para mim. Retribui o aperto de mão também, e fui com ele até a porta.

-Muito obrigado Ferdinando. A gente nem sabe o que seria de nós sem a sua ajuda.- Eu disse sorrindo.- Quer dizer, o que seria do Sasuke sem a sua ajuda..- Corei quando percebi que tinha me envolvido na historia, sendo que não tinha nada ver.

-Não foi nada. Precisando, é só chamar. Ah, espero que se acertem agora.- Ele disse piscando.

-Como assim?- Perguntei confusa.

-Percebi que vocês não são apenas amigos.

-Não! É claro que somos APENAS amigos.- Eu disse dando ênfase em "apenas".

-Não, não são. E não costumo me enganar com as pessoas.

-Mas nosso caso não é esse.

-Se você diz, tudo bem então. Bem, tenho um compromisso agora. Até outro dia.

-Até.- Eu disse, e ele saiu. Fechei a porta, e Sasuke por incrível que pareça, JOGANDO VIDEO GAME. O que esse cara tem na cabeça? E eu toda preocupada, achando que ele estava super mal ¬¬

-Melhorou rápido hein?- Eu dissse me sentando do lado dele no sofá.

-Não. Você é demorou demais com o Ferdinando.- Ele disse continuando a olhar para o video game. É imprensão minha, ou tinha uma pontinha de ciúme nessa frase?

-Tah com ciúmes é?- Perguntei rindo da cara dele.

-Não. Para que eu iria ter ciúmes de você?

-Hum. Pois é o que parece.- Respondi levantando.- Toh vazando, tchal.- Disse andando.

-Sakura, espera.

-O que?- Perguntei parando, e me virando para ele.

-Obrigado por ter me ajudado.- Ele disse me olhando com um sorriso de lado.

-Não foi nada, afinal é para isso que serve os..- Eu disse tentando terminar a frase, mas a palavra insistia em não sair.- ...os amigos...- Eu disse tentando sorrir.

-É.- Ele disse com um sorriso fraco. Abri a porta da sala, e sai pensando no porque daquela palavra quase não ter saído.

......................................................................................................................................................

         Estava no meu quarto contando meus fios de cabelos(?) quando ouvi um barulho vindo da porta da sacada. Olhei para ver qual seria a quem era o pertubado, e como sempre, era o emo entrando no meu quarto SEM SER CONVIDADO.

-O que você está fazendo?- Ele peguntou se sentando no chão, e se encostando na minha cama.

-Eu estava contando meus fios de cabelo, mas você me atrapalhou.

-Hum. E quantos você já tinha contado?

-223, mas agora vou ter que começar tudo de novo por sua culpa.

-Sei que você gosta da minha presença.- Ele disse se sentando na cama, do meu lado.

-Convencido.- Eu disse, e ficamos calados por um tempo. Eu contando meus cabelos, e ele olhando para um ponto qualquer em sua frente.

-Contei a verdade para os meus pais.

-E o que eles disseram?

-Que já estavam desconfiados que a Karin não era boa pessoa.

-Isso a gente sempre soube.

-É, mas tinha muita coisa que a gente ainda não sabia.

-Tipo o que?

-Que os pais delas são iguais, ou até pior que ela.

-O que eles fizeram?- Perguntei já com medo da resposta.

-Não fizeram, mas foi por pouco. Eles tentaram desviar um grande parte do dinheiro da empresa. E tentou dar um golpe em nosso pais, queriam todas as ações.- Sasuke disse, e fiquei em choque. Então além da Vakarin quase acabar com a vida do Sasuke, os pais dela quase acabaram com a nossa vida também.

-Aqueles.. aqueles... Filhos duma mosquita! O QUE ELES PENSAM QUE SÃO? ACHAM QUE PODE TUDO É??- Perguntei ficando em pé em cima da cama, pegando um travesseiro, e batendo no Sasuke.

-Ei, calma!- Sasuke disse se desviando das travesseiradas, tentando tomar o travesseiro de mim.- Eu não tenho culpa deles terem feito isso.

-Desculpa.- Disse me sentando de novo, e me recompondo do meu "pequeno" surto.- Eu me descontrolei um pouquinho..

-Um pouquinho?- Sasuke perguntou com uma sombrancelha levantada.- Você pretendia me matar que sei.

-Você adivinhou meus planos secretos..- Disse fingindo desapontamento.

-Eu sabia que nessa cabecinha de vento só tinhas planos maléficos contra mim.- Ele disse com um sorriso de lado.

-Ei! Pra começar, minha cabeça não é de vento, e não tenho apenas planos maléficos! Run!- Eu disse cruzando os braços, e olhando pra frente.

-Desmancha esse bico bebezinha.-Ele disse, e o ignorei.- Se não vai me ouvir por bem, vai ser por mal.- Ele disse se aproximando de mim. Não vi muita coisa, só sei que derepente estava em baixo dele e ele... estava fazendo cócegas em mim. Aposto que pensaram besteiras. Seus pervetidos ¬¬

-Pá....pára.... pára com isso!- Eu dizia rindo, tentando empurrá-lo, o que era meio difícil, por ele ser maior, e mais forte.

-Só vou parar quando você admitir que me ama.- EPA! Aí ele pegou pesado!

-Não.. isso nunca!- Eu dizia tentando parar de rir.

-Então não vou parar.- Ele disse aumentando as cócegas.

-Tah bom! Te amo, afinal você é meu melhor amigo..- Eu disse TOTALMENTE CONTRA A MINHA VONTADE ù.u.

-Sou?

-Acho que sim.- Eu disse me levantando.

-Bom saber. Não quero saber de outro melhor amigo seu.- Ele disse deitando na minha cama, e me puxando para deitar do lado dele.

-E não vai ter.- Disse me acomodando em seu peitoral.

-Nem acredito que tudo acabou bem..- Ele disse suspirando, acariciando meus cabelos.

-Graças a Kami, deu tudo certo.

-Agora tudo voltou ao normal.

-É..- Eu disse respirando fundo, e me lembrando da "conversa" que tive de manhã com meu pai.

-O que está acontecendo Sakura?- Ele disse se levantando, e me olhando seriamente.

-Nada.. porque?- Eu disse me sentando também.

-Te conheço muito bem, e sei que tem alguma coisa te incomodando. Sou mesmo seu melhor amigo?

-Claro que é.

-Então me conte o que está acontecendo.

-Tive uma conversa com meu pai hoje de manhã.

-E?

-Se lembra de quando a gente era criança, que meu pai sempre me falava que quando eu crescesse, ele iria me mandar para aquela faculdade em Londres?

-Lembro, porque?

-Ele me disse, que ano que vem vai me mandar pra lá..- Disse fechando os olhos, e sentindo as lágrimas escorrerem mais uma vez.

-Você só pode estar brincando..

-Não Sasuke, é verdade..- Eu disse chorando ainda mais.

-Ele não pode fazer isso Sakura.

-Eu já disse isso pra ele, mas ele já está decidido.

-Não fique assim. Tudo vai dar certo.- Ele disse me puxando para um abraço.

-Eu espero..

-Era por isso que você estava chorando de manhã?

-Era.

-E porque não me contou?

-Fiquei com medo.

-Medo de que?- Ele perguntou levantando uma sombrancelha.

-De você se afastar de mim..

-Isso nunca..- Ele disse me dando um beijo no topo da cabeça.

..........................................................................................................................................

Ninguém Pov's(?)

(Autora: Essa parte fica perfeita com a música "With arms wide open" da banda Creed. Link para quem quiser ler, ouvindo: http://www.kboing.com.br/creed/1-200393/)

 

 

         O resto do ano se passou muito rápido, e Sakura e Sasuke odiou isso. Sasuke e ela quase não brigaram durante esse tempo. Preferiram aproveitar melhor o restante do ano com coisas que realmente valia a pena, do tipo passear com os amigos e tentar se divertir ao máximo. Com certeza foram ótimos momentos que ficarão guardados para sempre, ao lado dos melhores amigos, no qual Sakura nunca pensou em ficar longe. Quando Sakura lembrava que iria passar anos longe deles, sentia o coração apertar ainda mais.

         Sakura estava terminando de fechar uma das malas, quando Sasuke entrou no quarto. Bem, digamos que eu ela não estava fechando ela, ela estava TENTANDO fechar. A mala insistia em ficar aberta, o que já estava tirando paciência de Sakura.

–Está com problemas?- Sasuke perguntou vendo Sakura pular em cima da mala, e tentar sem resultado algum, fechá-la.

–Essa..- Sakura disse com dificuldade, devido ao "tremendo" esforço.- Essa mala não quer fechar..

–Você não tem mesmo jeito para essas coisas.- Sasuke disse com um sorriso de lado.- Deixa eu tentar.- Ele disse tomando o lugar de Sakura .- Acho que você colocou roupa demais.

–O que eu posso fazer se as outras malas estão todas cheias?

–Hum. Pronto.- Sasuke disse colocando a mala no chão.

–Então acho que já tah na hora de ir..- Sakura disse respirando fundo.

–Eu não vou poder ir com você no aeroporto.- Sasuke disse desanimado.

–Porque?- Sakura perguntou triste. Achava que pelo menos ele iria, já que nenhuma das amigas poderiam ir.

–Meu pai acabou de ligar, dizendo que tenho que ir urgentemente para a empresa. Só vim me despedir de você.

–Ah é, já tinha esquecido que você está trabalhando lá.- Disse com um sorriso sem graça.

–Tenho uma coisa para te dar.- Sasuke disse procurando alguma coisa no bolso.

–Para me dar?- Sakura perguntou levantando a sombrancelha.

–Toma. Só não sei se você vai gostar.- Ele disse entregando a Sakura uma caixinha preta. Sakura a abriu, e dentro tinha uma correntinha prata, com um pingente tambérm prata, em forma de coracao, com uma pedrinha rosa no meio. Muito linda.

–É linda Sasuke!- Disse sorrindo.

–Era da minha mãe.

–Da sua mãe? Então muito obrigado, mas não posso aceitar..- Sakura disse estendendo a caixinha, e ele recusou.

–Pode sim. Ela me deu quando eu era criança, e me disse para dar para uma pessoa especial.- Ele disse meio sem graça.

–Obrigado então.- Sakura disse corada .-Entao tchal..- Sakura disse dando uma abraço em Sasuke, que correspondeu com um abraço bem apertado. Sakura se soltou dele, e se virou para sair do quarto. Sentiu ser puxada por Sasuke, e se virou rapidamente. Sasuke posicionou uma mão na cintura de Sakura, e a outra no rosto dela.

–Vou sentir sua falta.- Ele disse acariciando o rosto de Sakura. Sakura fechou os olhos, e sentiu a respiração dele mesclando com a dela. Sentiu os lábios de Sasuke tocarem o seu com carinho, logo depois um pedido passagem para a língua. Sakura sentiu uma lágrima escorrer, e aprofundaram mais o beijo. Não sabia ainda o que sentia por ele, só sabia que era mais intenso do que ela pensava.- Por favor.- Ele disse ainda de olhos fechados, assim que se separaram.-Não se esqueça de mim.- Ele disse a fitando profundamente. Sentiu uma corrente elétrica apenas com aquele olhar. De todos, com certeza ele era quem ela iria sentir mais falta.

–Jamais.- Sakura respondeu sorrindo, e ele deu seu famoso sorriso de lado que sempre fazia o coração de Sakura disparar.

         Sakura pegou suas malas, e saiu do quarto sem olhar para trás. Com certeza a pior dor, era a dor da despedida. Principalmente quando a despedida é da pessoa que a gente ama.



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado^^
O próximo só sairá quando tiver recomendações ù.u
Até o próximo XD
Kisses ♥'