Back To The Future! escrita por Raven


Capítulo 12
A new villain


Notas iniciais do capítulo

Pessoal, por favor não me mate! Tive muitos problemas nas últimas semanas, como: um milhão de provas, notas baixas, estou super doente desde sei lá quando, tive sinusite, me enrolei toda, pensei em desistir, comecei a escrever novas histórias aqui no pc, dei a louca, voltei a escrever, e agora estou aqui para contar essa história, enfim, não me matem,por favor, esse ano está muito pesado pra mim, não tenho tempo pra nada, e provavelmente vou ficar de recuperação pela primeira vez em toda minha vida 0.o Agora vou calar a boca e deixar vocês lerem, mas antes, desculpe pelo tamanho do capítulo, eu ia aumentar mas resolvi parar de enrolar e postar isso de uma vez.
Ah, e só pra constar, a maioria dos spoilers que soltei no último capítulo não vai acontecer. Pelo menos não nesse capítulo.
Boa leitura :)



Quinn's P.O.V.
"Rach...você pode vir aqui agora? Por favor!" Falei pelo telefone, manhosa.

"Eu quero muito ir, Quinn, mas meus pais não vão deixar eu sair de casa a essa hora da noite sem motivo aparente!" Rachel disse.

"Por favor, baixinha, minha mãe acabou não levando alta hoje e estou sozinha,...tô me sentindo tão carente e abandonada...poxinha...você me faria tão bem hoje,...mas como não pode..." Fiz charme.

"Tudo bem, eu já estou saindo daqui, me espera, hein!" Ela disse, aceitando meu convite-quase-obrigação.

"Obrigada, linda. Até daqui a pouco. Beijos."

"Beijos." Rachel disse, desligando.


Santana's P.O.V. 

Quando eu e B chegamos em casa, fomos direto falar com a minha mãe, pra resolver o problema da Britt com o monstro que ela chama de pai.

"Oi, meninas! Como aproveitaram o dia?" Perguntou minha mama, animada, como sempre.

"Bem, mãe, muito bem. Agora, será que poderíamos falar de um assunto sério com a senhora?" Falei, séria.

"Claro, contem comigo para tudo."

"Britt, quer que eu fale, ou você se sente confortável suficiente para isso?" Perguntei.

"Tudo bem, eu posso falar. Senhora Lopez, ... é que eu gostaria que a senhora cuidasse de um assunto sério que estou envolvida. Se for possível, é claro." Brittany disse.

"Senhora não, Anita. Já te falei isso inúmeras vezes. Mas do que se trata o...problema?" Falou minha mãe.

"É que..." Percebi o nervosismo da minha garota, segurei sua mão para deixá-la mais tranquila. "Meu pai...ele me...me agride e me insulta sempre que está bêbado. Mas dessa vez, passou dos limites..." 

"Continue, querida, vou resolver isso, confie em mim." Disse minha mãe.

"Ele me espancou por nada e me chamou de..." Senti sua mão ficar tensa, resolvi ajudá-la.

"Ele chamou Britt de coisas horríveis, como sapatão vadia filha da puta, e deixou marcas no corpo dela, mãe! Tipo, no corpo todo!" Falei, nervosa.

"O que? Tudo bem, Britt querida, não se preocupe com isso. Nem você, mi hija, resolveremos isso juntas. Como uma família. Podem deixar comigo que isso nunca mais acontecerá." 

"Obrigada, senhora Lo...quer dizer, Anita. Muito obrigada mesmo." Disse B.

"De nada, minha querida, tudo vai ficar bem. Prometo à vocês." 

"Mãe, será que a Brittz pode ficar aqui até isso se resolver? Não quero que ela fique sozinha em casa com aquele maníaco, é perigoso, não quero vê-la machucada de novo." Falei, firme. Senti Britt apertar ainda mais a minha mão. 'Amo essa garota.'

"Claro, mi hija, eu não seria louca de deixá-la voltar para casa com essas condições! Brittany, pode ficar o tempo necessário, queridinha." Minha mãe disse. 'Amo minha mãe.' 

"Obrigada de novo, Anita." Disse Britt. Sorri para minha mãe e subi às escadas com minha garota.


Quinn's P.O.V.

Poucos minutos depois, e escuto a campainha tocar. Desci correndo as escadas e abri a porta.
"Ué?! Deve ter sido algum pivete...." Falei, vendo que não tinha ninguém ao abrir. Quando fecho a porta e viro, sou surpreendida por lábios macios e doces. "Rachel! Como você fez isso, garota??" Perguntei, confusa e impressionada.

"Tenho meus métodos." Respondeu ela."Então,...O que faremos hoje?" 

"Não faço ideia, tem alguma sugestão?" Falei, puxando-a pelas escadas.

"Na verdade, tenho sim." Ela disse, entrando em meu quarto.

"Sério? Qual?" 

"Podemos brincar de vinte perguntas!! Vai ser um ótimo modo para nos conhecermos mais...profundamente...." Rachel disse, rindo.

"Mesmo, Rach? Tá falando sério? Você tem quantos anos, linda? Onze?" Falei, dando um selinho em seus lábios.

"Quinn! Sério! Por favor! Por mim! Sei que é infantil, mas, por favor..." Disse Rachel, fazendo um sotaque engraçado ao falar o último 'por favor'.

"Tudo bem, me convenceu pelo sotaque engraçado." Rendi-me, não tem como discutir com Rachel Berry.

"Eeeeeeeeeehhhh!! Obrigada, Quinnie! Garanto que não vai se arrepender." 

"Tá, então você começa, ok?" 

"Ok, faremos o seguinte: eu faço uma pergunta, você responde sem enrolar e lembrando que não pode se recusar a responder, hein!" Rachel disse, ansiosa.

"Já entendi, Rach, começa." Falei.

"Ótimo,... Já se sentiu atraída por uma garota antes de mim?" Perguntou.

"Wow, já começou polemizando, hein! Não." Disse. "E você?"

"Também não." Respondeu Rachel. "Espera, isso contou como uma das suas perguntas?" 

"Não. Você e o Finn...fizeram...você sabe...?" Perguntei.

"Não, Quinn. Ele tentou, várias e várias vezes, mas eu não conseguia me sentir à vontade com ele." Rach disse, sincera.

"Acho melhor você fazer todas as suas perguntas primeiro."

"Tudo bem. Essa foi a primeira. E você se sente à vontade comigo?" Disse.

"Estranhamente sim." Rachel respondeu, rindo. "É estranho, quando estou com você, me sinto em casa." Puxei-a para um beijinho.

"Eu também. Eu fui a primeira garota que você beijou?" Perguntei.

"Essa é tensa...porque a resposta é não." Rachel disse, escondendo o rosto corado.

"Espera, o que?? Quem você beijou?" Falei, impressionada.

"Brittany e Santana." Ela disse.

"Oi? Tá falando sério, Rach? Como-como isso é possível??"

"Bem, quando éramos mais novas, tipo, nós meio que éramos amigas, sabe, antes de você vir para Lima. Digamos que nós três fomos garotinhas muito...precoces haha. Eu tinha nove anos, e estávamos na casa da Britt. A Santana perguntou se já tinhamos beijado alguém, respondemos que não, claro. E então ela nos puxou para uma espécie de beijo triplo. Foi estranho, muito estranho. E depois disse: Agora já beijaram. Os anos foram passando e eu comecei a me sentir excluída por elas, foi aí que percebi o que estava rolando. Um ano antes do ensino médio, eu viajei com meus pais e voltei mudada, sabe, mais Rachel Berry que nunca, e elas passaram a me ignorar totalmente." Rach disse.

"Nossa. Eu nunca ia adivinhar!" Falei. "Ainda não entendo porque elas nunca me contaram isso." Rachel suspirou. "O que foi, bebê?"

"É que o beijo delas não me fez sentir como eu me sinto com você." Ela disse. Beijei-a. "Eu te amo, Quinn. Muito." Corei e fiquei paralisada. Minutos depois de um silêncio estranho por minha parte, Rachel disse algo.

"Quinn, tudo bem?"

"Ah, sim, eu só... Você e as duas só se beijaram, né? E só uma vez, certo?" 

"Sim, por que?"

"Não posso perguntar? Ainda tenho que fazer dezesseis perguntas." Falei.

"Ah, tudo bem, sem problemas."

"Qual é o meu maior defeito?" Perguntei.

"Ser tão perfeita." Rachel disse.

"Wow, eu não esperava por isso." Corei. "Quem beija melhor, Finn ou Puck?"

"Você." 

"Rachel Barbra Berry, quer parar de ser tão romanticamente fofa? Assim eu vou te morder!" Falei, muito vermelha.

"Sério? Morde, morde, morde, por favor." Disse.

"Tá falando sério? Rachel, estou começando a achar que você é sadomazoquista." Rimos. "Qual foi a coisa mais estranha que já aconteceu com você?" 

"Olhar nos seus olhos pela primeira vez. Tipo, eu fiquei com cara de boba e com a boca aberta e quase babei." Ela disse, rindo. "Eu pensei que fosse um sonho!"

"Rachel!" Falei, reprovando-a. "Você é tão perfeita..." Sorri de lado. Vi Rach corando. "Podem ser dez perguntas ao invés de vinte?" 

"Tá, se você insiste." 

"Você é virgem, não é? Se você disser que não é vou começar a pensar que o mundo ficou louco."

"Sim, eu sou." Ela respondeu, corando e olhando para o chão.

"Onde você escondia toda essa perfeição nos últimos anos?" 

"Eu não sei. Quem está sendo romanticamente fofa agora, hein?" Rach disse.

"Eu te amo?" Soltei.

"Espera, isso foi uma pergunta?"

"...Não. Foi uma afirmação. Eu te amo, Rach." Falei, finalmente.

"Eu também te amo, Quinnie." Ela disse, puxando- me para um beijo. "E agora é minha vez de perguntar."

Sugar's P.O.V.

"Bebê, eu estive pensando...Não acha que está na hora de entrar pro McKinley não?" Perguntei. "Eu sinto sua falta quando estou nas aulas."

"Tem certeza que quer isso? Quero dizer, todos saberão que você gosta de mim, isso não vai ser um problema?" Harmony disse.

"O que? Eu não gosto de você!"

"O que??" Ela disse, arregalando os olhos cheios d'água. "Eu pensei que-"

"Eu te amo, bobinha." Falei, puxando-a para um selinho demorado.

"Você me assustou, Sugar."

"Eu sei. Mas como eu estava dizendo, não tenho problema nenhum com o fato de saberem o que sinto por você. Pensa um pouco, sou filha de Santana María Lopez e Brittany Susan Pierce, não existe ninguém no mundo tão orgulhoso quanto elas. Aprendi que não importa o que pensam, ou falam, o que importa é que seja feliz. Se você for feliz, então não existe nada mais para se preocupar." Falei.

"Você é a minha pessoa preferida no mundo todo, sabia?" Harmony perguntou.

"Não. Mas agora eu sei. Entra no McKinley, por favor, bebê!"

"Tá bom, eu vou entrar no William McKinley High School, satisfeita?"

"Siiim!!" Abracei-a, animada. "Eu sabia que ia te convencer."

"Você é má, Sug. Mas e aí, qual será nosso próximo plano? Ainda não conseguimos juntar Puck e Kurt, e minhas mães ainda não estão tão firmes como precisamos."

"Na verdade, eu tenho uma ideia. Mas pra isso vamos precisar da ajuda de duas adolescentes apaixonadas."

"Brittany e Santana, acertei?" Ela disse.

"Obviamente. Primeiro: Você vai virar a nova melhor amiga da sua mãe Rachel. Segundo: Vou virar a melhor amiga de Quinn. Com a ajuda das minhas lindas mães. Assim garantiremos que tudo está andando bem. Terceiro: Deixaremos um olho nas minhas mães, para ter certeza que elas ainda moram no mundo feliz dos unicórnios e arco-íris. Quarto: Ganhando a confiança de Rachel, podemos ao mesmo tempo nos aproximar de Kurt, já que os dois são tão amigos. Na verdade você vai se aproximar de Kurt. Eu vou atrás de Puck, encorajá-lo, ver o que está rolando, ganhar sua confiança. E enquanto isso, Rory vai se tornar o novo melhor amigo deles. Assim, temos um olho em cada casal, e muito mais poder sobre toda essa melação familiar. Triplicando nossas chances de sucesso na missão. O que acha?" Falei.

"Não sabia que a minha namorada é tão inteligente." Harmony disse, puxando-me para um beijo.


Kurt's P.O.V.

Depois de ligar para Cooper, Puck e eu fomos embora do parque. O clima estava pesado por causa do babaca do Blaine. 

"Me desculpe, Noah. O Blaine é um idiota." Falei, no carro.

"Tudo bem, não é culpa sua, Topete."

"Você não é muito criativo com apelidos..." Falei, rindo.

"Desculpe. Que tal Elvis?" Perguntou.

"Elvis? Minha nossa, Puck, esse foi ainda pior!" Ri. "Desculpe por isso, mas está difícil de não rir."

"Entendo, é melhor eu esquecer do topete. Que tal K? É melhor, não é?"

"Definitivamente melhor, Noah." Falei. "Yeah, consegui!" Disse ele, parando na porta da minha casa. "Chegamos, K. Obrigado por tudo, você me esclareceu muitas coisas hoje, cara, valeu mesmo."

"Não seja por isso. Você é uma boa companhia, é uma pena que tivemos que acabar mais cedo por causa do anão de gravata borboleta. Nos vemos na escola?" Falei.

"Claro, e você também é uma boa companhia. Podemos sair mais vezes, o que acha?"

"Ótima ideia, Puck. Boa noite." Disse, abrindo a porta e sorrindo para o garoto de moicano.

"Kurt." Falou.

"O que?" Perguntei, virando para ele, que me surpreendeu com algo que eu nunca pensei que faria. Beijou-me. 

"Desculpa, eu não- eu não... Desculpa. Sai do carro, por favor." Disse.

"Puck, não tem problema." Falei, descendo do carro dele.

"Desculpa." Disse Noah, acelerando na noite escura e sumindo rapidamente do meu ponto de visão.


Quinn's P.O.V.

"Com quem e quando foi seu primeiro beijo?"

"Com Puck, no primeiro ano." Respondi.

"Mesmo? Pensei que Quinn Fabray fosse mais precoce." Rachel disse.

"Rachel! Bobona." Falei.

"É porque você é tão linda, achei que... Deixa pra lá." 

"Não, continua."

"Se eu te conhecesse nessa época, acho que não demoraria tanto para..."

"Admita, demoraria sim, você não conseguiria chegar nem perto de mim se me conhecesse naquela época. Não é a toa que me chamavam de Lucy Caboosey." Confessei.

"Tenho certeza que ainda assim você era perfeita, Quinn." Rachel disse.

"Porque eu não me toquei antes, hein?" Perguntei.

"Ahn? Como assim?"

"Por que eu demorei tanto pra perceber o que sinto por você, hein, Rach? Minha vida teria sido milhões de vezes melhor se no primeiro ano eu tivesse beijado você ao invés de Puck. Se eu tivesse namorado você, e não o Finn. Se eu tivesse perdido a minha virgindade com você, e não com Puckerman. Já imaginou?" Falei.

"Quinn, as coisas são do jeito que têm que ser. Estamos juntas agora, isso é tudo que importa." Disse, fofa.

"Tem razão." Sorri."Você realmente era apaixonada pelo Finn?"

"Eu achei que fosse. Realmente. Mas você me faz sentir coisas que ele nunca me fez sentir, então acredito que não, eu não era apaixonada por ele. Talvez até sentisse algo, como amizade, por exemplo, mas não amor." Falei.

"Depois do Puck, você...fez aquilo com alguém?" Rach perguntou, tímida. Ri.

"Fiz o que?" Falei, provocando-a.

"Quinn, você sabe o que é, não me faça dizer a palavra..." Ela disse, nervosa.

"Tá, chata. Não, não fiz. Você acha que eu faria depois de tudo que aconteceu?"

"Não, não mesmo. Mas talvez eu podia estar enganada, não sei..." Rachel disse.

"Rachel Berry? Errada? Haha, duvido."

"O que você quis dizer com isso?" Perguntou.

"Nada de anormal. Deixa pra lá." Falei.

"Você já fez alguma coisa com Santana e/ou Brittany?" 

"Naquele sentido?" Disse.

"Sim,...naquele sentido."

"Não, quer dizer,...não muita coisa, eu até sabia do lance delas no início de tudo, mas preferi não me meter, sabe, senti que no fim de tudo alguma coisa ia juntar aquelas duas e eu ia ficar sobrando." Falei, e um segundo depois, a campainha tocou.

"Está esperando alguém?" Rach perguntou.

"Não. Pelo menos não que eu saiba. Volto em um minuto." Falei, saindo do quarto.Desci as escadas rapidamente e abri a porta.

"Quinn." Disse ele.

"Mas que merda você tá fazendo aqui, Sam?" Disse, fria.

"Nossa, pra que tanto ódio, Fabray?" 

"O que você quer? Não tem relógio? Sabe que horas são?" Falei.

"Só quero conversar. Não vai demorar, eu prometo...Não vai me convidar para entrar?" Disse o loiro.

"Não. Se quiser mesmo falar, fale aí fora. E anda logo que eu tenho mais o que fazer."

"Eu te quero de volta." Falou, como se fosse a coisa mais normal do mundo bater na porta de alguém às 01:42 e sair dizendo que te quer de volta. Quem ele pensa que é?

"Desculpe, não entendi."

"Eu disse...Que te quero de volta." Reafirmou.

"Acho que estou louca, eu juro ter ouvido você dizer que me quer de volta." Falei, forçando uma gargalhada.

"Não está louca, foi isso que eu disse mesmo."

"Então o louco aqui é você, Samuel. Sinto muito mas o que tínhamos acabou. Muito tempo atrás. Não vai acontecer de novo. E além do mais o que você está achando que é isso aqui, aquele quadro do 'Melhor do Brasil'? Cai na real!" Falei.

"Mas Quinnie, eu te-" Ele começou, mas cortei-o.

"Nem ouse dizer que me ama, Sam. Eu não sinto o mesmo. Nem de longe." Falei.

"Claro que ama, Quinn, eu sei que ama!" Disse ele, alterado.

"Não mesmo, Sam, eu não te amo, eu amo outra pessoa!!" Gritei, sem perceber que Rachel estava descendo as escadas, ao ouvir, ela parou e esperou que nossa 'conversa' continuasse.

"Ah é, então me diz, quem é essa pessoa, quem é?" Sam disse, ainda mais nervoso.

"Eu amo a Rachel, porra, eu amo Rachel Barbra Berry!" Gritei, batendo a porta em seguida.

"Eu também te amo." Disse Rach, atrás de mim.Virei e olhei-a nos olhos. Rachel estava com um enorme sorriso estampado no rosto.


Sam's P.O.V.

Depois de ouvir a coisa mais traumática da minha vida, tive que tomar uma atitude arriscada, porém, com grandes chances de sucesso. Entrei no meu carro e dirigi para o lugar que pensei nunca mais entrar. A casa de Finn Hudson.

"Sam? O que está fazendo aqui, cara? E a essa hora?" Perguntou Finn, sonolento.

"Tenho uma proposta pra você, Hudson." Disse.



Notas finais do capítulo

E aí, o que acharam? Amaram, odiaram, querem me ver queimar na fogueira? Deixem-me saber :D
O que acham que Sam e Finn vão armar? Será que o plano maluco de Sugar funcionará? Ficaram com raiva do pai da Britt?
Se alguém tiver ideias ou quiser dar sua opinião, ficarei feliz de ouvir, ou melhor, ler ;)
Não sei quando postarei o próximo capítulo, como já disse, minha vida está muito corrida, mas tentarei o possível para não matar ninguém de curiosidade :)
No próximo capítulo: Sugar, Harmony e Rory iniciam seu novo plano; Sam e Finn entram em acordo (Futuro Faberry ameaçado?); Uma noite especial para Quinn e Rachel (ou não! haha); Senhora Lopez descendo All Lima Heights no desgraçado Pierce?; etc.
Yay!! Sobrevivente do hiatus de 10 semanas de glee!!! Vivaa!!
Bem, pessoal, é isso, espero que gostem, mas se não gostarem, esfreguem logo na minha cara para eu parar de dar uma de louca e escrever uma história decente ;)
Beijos e até o próximo capítulo :D Não se esqueça de deixar um review, please!