True Love escrita por Giovanna


Capítulo 24
Se Apaixonar, Indiretas e Esquecer.


Notas iniciais do capítulo

TIVE QUE POSTAR HOJE DEVIDO A TAMANHA RAIVA QUE EU FIQUEI. Eu sou um ser estranho, quando minhas emoções ficam muito fortes, sejam de sentimentos bons ou ruins eu fico inspirada :3
Deixa eu contar o que aconteceu: eu estava lá completamente entediada quando eu decidi pesquisar um filme antigo/clássico inglês para eu assistir. Dai tinha um monte de listas dos melhores filmes ingleses e pá, até que eu vi lá:::::: Romeu e Julieta; e, acreditem ou não eu nunca tinha visto e nem sabia o que acontecia (eu só sabia que eles eram inimigos e pá), dai ok, eu lá de boa assistindo o filme, mó emocionante e pá, dai o padre foi lá e falou o plano. Até aí tudo ok. DAI A CARTA NÃO CHEGA PARA O ROMEU. EU:::::::::::::::::::: PUTA FALTA DE SACANAGEM! Dai ok, eu lá torcendo para ele demorar bastante para chegar na igreja e dar tempo para a Julieta acordar ele vai lá e chega. Até aí tudo bem. Dai ela começa a se mexer. EU:::::::::::::::::::::: TEM ESPERANÇA! ACORDA LOGO VADIA, ELE VAI SE MATAR! (Sim, eu sou um ser muito carinhoso) Dai ele lá prestes a tomar o veneno, eu:::::::::::::::: ABRE OS OLHOS LOGO PORRA, ELE VAI SE MATAR E A CULPA VAI SER TODA SUA, ANDA, CERTO, ABRIU, AGORA PARA DE FICAR SORRINDO IGUAL IDIOTA QUE ELE NÃO VIU VOCÊ ACORDADA, ANDA, ELE VAI SE MATAAAAAAAAAAAAAAAAAAR! DAI QUANDO ELA FINALMENTE SE TOCOU, ELA VAI LA, MAS ELE JA ENGOLIU. DAI O CARA VAI LÁ E MORRE. PUTA FALTA DE SACANAGEM. DAI ELA VAI LA E SE MATA TAMBÉM, CONCLUSÃO::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: PERDI DUAS HORAS DA MINHA VIDA À TOA.
Então, baseado nisso, eu posso concluir cinco coisas:
1. William Shakespeare era um ser muito vil ft. cruel ft. puto.
2. As pessoas querem que todos os casais apaixonados se matem.
3. Eu perdi duas horas da minha vida a toa, porque tipo, na boa, se os dois morrem no final não adianta nada!
4. Eu tenho uma queda por pessoas deprimidas/deprimentes, que nem o Romeu no começo, no meio e no final do filme :3 E o Toby, de PLL (SÓ MEU OK [mas eu posso emprestar ele por um tempinho para a Spencer {e nas segundas ele é da vadiazinha da Mih porque eu vou estar ocupada com o Edmund -v-}]) :3
5. Eu vou ter que parar de assistir séries/filmes ingleses porque mexem demais com as minhas emoções.
OK, ENFIM, O CAPÍTULO NÉ.



POV Clarisse

—Não, pare! Me coloca no chão! – gritei entre os risos.

Ethan riu, mas não me largou.

—Você é minha prisioneira agora! – ele disse me girando.

—Ethan, eu vou escorregar! Se eu cair e morrer a culpa é toda sua. – digo conseguindo me recuperar da minha crise de risos. Ele finalmente me pôs no chão.

—Certo, certo, você venceu. Mas acabou com toda a graça.

Revirei os olhos com um sorriso. Olhei para ele. Não pude deixar como estávamos próximos. Tipo, muito próximos. O olhar que ele estava me lançando era intenso. Parecia quase que ele podia ver através da minha alma, sei lá. Ele esticou a mão lentamente e tirou uma mecha de cabelo do meu rosto. Por onde sua mão passava deixava um pequeno rastro de calor e provocava arrepios. Ele se inclinou e eu apenas continuei lá parada, sem nenhuma reação, com meu cérebro completa e absolutamente paralisado. Ainda estava assim quando ele me beijou.

POV Will

—CAUSE I FEEL LIKE A BAD JOKE!

Suspirei e desliguei meu notebook. Não era a primeira vez que Charles andava usando músicas no volume máximo como indiretas.

—WAS IT REAL? OR A LOVE SCENE FROM A BAD DREAM? I DON’T THINK I CAN FORGET ABOUT IT.

Levantei da cama e saí do quarto. O som estava bem mais alto no corredor. Andei até o quarto de Charles e bati na porta. Quando abriu a porta, ele ainda estava cantando.

Entrei no quarto sem esperar pelo convite e desliguei o som.

—EI! – Charles reclamou.

—Charles, o Jason saiu. – digo.

—E quem disse que estou preocupado com o fato de Jason estar ou não em casa? – Charles rebateu.

Revirei os olhos.

—Charles, até um cego veria o clima tenso entre você e o Charles. – digo. – A grande pergunta é: por quê? O que aconteceu?

Charles respirou fundo antes de responder.

—Jason beijou a Silena.

Fiquei meio chocado. Silena nunca demonstrou qualquer interesse por Jason e vice-versa.

—Na festa. – continuou.

—Mas... Pensei que Jason gostasse da Piper.

—Era o que parecia – Charles concordou.

—E pensei que garotas tivessem um tipo de código do tipo “Eu prometo não ficar com o seu cara” ou coisa assim.

Charles deu um meio sorriso.

—Acho que não. De qualquer jeito, Silena não sabia que era ele, porque Jason estava usando a estupida mascara. – disse.

—Mas... - ainda estava meio em choque. Não, aquilo não estava certo. – Tem certeza que era ele?

—Loiro, olhos azuis, a mesma voz, a mesma tatuagem na nuca, sim Will, eu tenho. – ele disse revirando os olhos.

 

POV Jason

Analisei o cardápio enquanto a garçonete colocava meu café na mesa. Ela se endireitou e olhou para mim, o bloquinho em punho.

—Então...? – disse.

Passei os olhos mais uma vez pelo cardápio.

—Eu gostaria de esperar mais um pouco. – digo. Ela guardou o bloquinho impaciente e deu meia volta. Suspirei e continuei encarando o cardápio.

—Jason! – uma morena que estava passando parou na minha frente. Olhei para ela. Eu não fazia a mínima ideia de quem ela era.

—Oi! – a abracei fingindo estar empolgado. – Quanto tempo!

Ela sorriu.

—Muito! Está esperando alguém? – ela olhou para a minha mesa vazia.

—Não, não; quer se sentar? – sentei de novo e apontei para o lugar vazio à minha frente.

Espero que ela não seja uma psicopata que queira roubar meus órgãos.

—Claro! – ela se sentou e colocou a bolsa no chão. – Então, o que tem feito ultimamente?

Olhei para a mesa e comecei a brincar com o cardápio.

—Ah, você sabe... – continuei olhando para as minhas mãos em cima da mesa. – Coisas. – olhei para ela.

Ela retribuiu o olhar.

—E o que te traz até aqui? – ela se inclinou sobre a mesa e se apoiou nos dois braços. Inclinei-me também.

—Depende do que estaríamos falando. – digo. – Se estiver se referindo à cidade, bom, eu me mudei faz um tempo e moro com alguns amigos.

—Eu queria dizer sentado sozinho em um café lotado. – arqueou uma sobrancelha. – Algum encontro frustrado?

—Como eu já disse, - rebati calmamente – não esperando ninguém, se é o que quer saber.

—Qual é Jason. – ela revirou os olhos. – Acho que não combina bem com um garoto do seu tipo ficar sentado sozinho tomando café enquanto folheia um cardápio.

—Meu tipo? – arqueei uma sobrancelha e mexi um pouco o café antes de tomar alguns goles.

—Bonito e popular. – ela disse.

—Então me acha bonito? – sorri. Ela revirou os olhos de novo.

—... e convencido – completou. Revirei os olhos. – Esperaria isso de qualquer outro garoto, mas não de você. – continuou.

—Precisava sair um pouco, estava entediado. – ela arqueou uma sobrancelha. - Fora que eu fiz algumas coisas que talvez eu não devesse ter feito e digamos que meus amigos são meio rancorosos.

—Agora sim, finalmente admitiu! Viu, já é um começo. – ela olhou no relógio enquanto falava. – Dez minutos para finalmente admitir que você está fugindo dos seus amigos, é um recorde seu.

Estreitei os olhos.

—O que quer dizer? – perguntei desconfiado.

—Sabe exatamente o que eu quis dizer. – disse. Olhou no relógio mais uma vez e se levantou. – Olha só a hora, estou atrasada! – pegou a bolsa e estava prestes a sair quando segurei seu braço.

—Não vai me dizer seu nome? – perguntei.

—Pensei que se lembrasse muito bem de mim – sua voz estava irônica e seu sorriso torto revelava que em nenhum momento ela acreditou na minha excelente atuação.

—Talvez eu tenha uma memória fraca.

—Reyna. – disse antes de se virar e ir embora.

Continuei encarando o caminho pelo qual ela tinha saído até muito depois de ela ter ido embora.

—Reyna. – sussurrei me lembrando.

Como se as coisas não estivessem complicadas o suficiente.

 



Notas finais do capítulo

Sério, é uma puta falta de sacanagem vocês não lerem as notas dos capítulos, eu me sinto ignorada T.T. Enfim né. Então retornamos ao assunto de sempre: o passado. Vou ser bem honesta com vocês; essa fic está tomando um rumo desconhecido até para mim. Fazer o que né, histórias tem vida própria. E com esse final troll retornamos ao mesmo assunto que envolve praticamente toda a fic e praticamente todos os personagens: o passado. É o passado que faz o presente. Eu pretendo resolver todas essas questões, mas talvez só dez capítulos não dê para isso. Então - para felicidade de alguns -, a fic não está tão perto assim de acabar. Bem pelo contrário, estamos chegando ao clímax agora! ~Essa frase me faz pensar muita besteira~
Como praticamente tudo gira ao redor de passado e desonestidade (QUE NEM PLL! PSOAKSO) (algumas ações de alguns personagens estão muito confusas, como por exemplo a do Jason, mas acalmem-se, vou explicar tudo isso mais para frente) eu estava pensando em fazer alguns capítulos bonus do passado. Dai eu preciso da opinião de vocês: vocês querem ou não? Se quiserem, vocês podem "votar" nos shipps que vocês quiserem, por exemplo, o lance do Luke com a Annabeth, o lance do Ethan com a Rafa, o lance da Reyna com o Jason e assim por diante. Entenderam bem? UFA, FINALMENTE CHEGUEI AO PONTO O/ Fala sério, tudo isso só para falar isso, eu enrolo demais né. Enfim. Eu preciso muito da opinião de vocês gente, se vocês não colaborarem não dá )':



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "True Love" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.