Minha Amada Potter escrita por B_M_P_C


Capítulo 33
Um pouco mais do natal e suas enormes emoções familiares.


Notas iniciais do capítulo

Olá gente, que nome enorme que eu fui arranjar para esse capítulo, não?
Espero que gostem!
Boa leitura :3



Riley Black Malfoy narrando:

Meus lábios se juntam aos de Lilly, e um beijo que começa calmo, passa a parecer urgente, como se não aguentássemos o tempo que ele demorou e quiséssemos aproveitar cada instante. Nossas línguas começam a brincar uma com as outras, e uma sensação prazerosa preenche meu corpo, e de repente não me sinto mais vazios.

Lilly sabe beijar bem, e ela passa os braços em volta do meu pescoço, passando a mão em minha nuca, e enroscando a outra em meus cabelos... Eu adoro isso, e poucas meninas sabiam fazer bem, e Lilly era a melhor delas de todas. Seus dedos acariciavam meus cabelos e minha nuca tão naturalmente quanto seus lábios e sua língua brincavam com a minha e autorizavam a minha a explorar cada canto de sua boca deliciosa.

Passo um dos meus braços em volta da cintura dela, enquanto continuo acariciando sua nuca e um pouco do seu cabelo. Não paramos de nos beijar, nenhum dos dois quer parar com o beijo. Parece que os dois temam que o primeiro beijo, seja também o último.

Lilly Luna Potter narrando:

O beijo de Riley começou calmo, e então nós dois o transformamos em um beijo faminto, urgente, como se nunca mais fossemos nos beijar, e eu realmente que temo. Então eu simplesmente o beijo, deixando minhas mãos brincarem com seus cabelos macios, e sem me importar o beijo sem interromper. Não quero, apesar de estar ficando sem fôlego. Então, por necessidade, mordo o lábio inferior dele, puxando-o devagarinho e separando o beijo assim. Ele solta um quase gemido, e nós dois abrimos os olhos.

Sei que estou com os lábios vermelhos, e meu rosto corado. Riley sorri, e nossos olhos se encontram, tenho uma vontade insana de voltar a beijá-lo, mas não o faço. É quando escutamos alguém tocando, e olho para uma pequena praça, um pequeno show de rock com bandas locais está acontecendo. Eu e Riley não falamos nada, ele me segura e aparatamos novamente para baixo, e apesar de estar frio, eu não ligo, vamos correndo para o show.

Riley faz um feitiço que nos mantenha aquecidos, mas sei que não precisa. Reunimos-nos a multidão e eu começo a cantar junto com o cantor, que a me ver dá um sorriso.

–Ei, a ruiva de vestido, que parece estar pegando fogo – o cantor grita – Vem cá – todo mundo fica em silêncio e me olha, Riley bufa do meu lado e me abraça.

–A moça já está acompanhada – ele grita em resposta, e o cantor sorri.

–Sério? Está mesmo, ruivinha? – ele pede para mim, com um sorriso e todas as meninas me olham, algumas com inveja e outras com admiração. O cantor deve ser desejado por elas, e o Riley é muito bonito.

–Lilly Potter, e não ruivinha – respondo – E sim, estou muito bem acompanhada – realço o “bem acompanhada” e a plateia fala “Ai”, o cantor ri.

–Hm... Então, venham os dois aqui – ele fala com um sorriso, e assim que a plateia nos dá passagem, eu vejo quem está no palco, e rio ao ver que o cantor, nada mais é, nada menos é que o nosso lindo baixista, Jason.

–Oi Jason – eu falo com um sorriso de canto, e ele dá um beijo estalado no pescoço, os meninos assoviam, mas meninas soltam suspiros de inveja.

–Oi Lilly. Oi Riley – ele e Riley se cumprimentam com risadas – Ei galera, querem ouvir algo fenomenal? – todo mundo grita “mas é claro” – Ri, Lils, o microfone e a guitarra são seus – ele vai pra bateria.

–Ele quer que a gente cante? – eu falo meio alto e a plateia entende que estou pedindo para eles, e eles gritam que sim, eu sorrio – Então, Riley assume o microfone que a guitarra é comigo – o meu Malfoy sorri e me entrega a guitarra – Vamos tocar, Holiday, do Green Day.

Assim que ele começa a cantar nossa conexão parece ainda mais forte, sem contar que nossa sincronia parece tão perfeita. Nunca tocamos essa música juntos, mas parece tudo tão perfeito, inclusive o baixo de Jason, e sei que o pessoal que está na plateia vai achar que tudo foi planejado.

Tocamos a música até o final, eu me junto ele em algumas partes e todos berram, meninos me jogam flores, e as meninas jogam uma calcinha pro Riley, que solta uma risada terminando de tocar a música.

–Ei meninas, obrigado pelas calcinhas, mas a única calcinha que eu quero e vai demorar um tempo para conseguir pegar uma, é da ruivinha aqui – e falando isso ele me beija, e todo mundo solta assovios inclusive o Jason. Ele no manda para trás do palco, e então esperamos o fim do show e ele vem para nós.

–Então não estão juntos? – ele fala com um sorriso maroto.

–Ficamos hoje pela primeira vez, Jason – Riley responde, abraçando-me – Além do mais, estava tudo muito chato na casa dos Potter.

–Eu nunca vou então não sei dizer – ele sorri – E sim, eu nunca vou porque veio para casa dos meus pais e toco com meus amigos trouxas.

–Pensei que fosse mestiço – Riley comenta, e Jason sorri dando de ombros.

–Sou, mas minha mãe casou com meu pai que é trouxa, e ela sempre foi muito ligada ao mundo não bruxo, então eu fui criado aqui, e sinceramente não conseguiria passar meu natal longe disso. – ele mostra a plateia que começou uma festinha de natal, que por incrível que pareça uniu toda a vizinhança – Ah, mas em fim, querem participar? Vai ter comida daqui a pouco, minha mãe é uma ótima cozinheira.

–Tá, parece legal – eu respondo, e Riley sorri, nós o seguimos, ele vai se despedindo até chegar a uma casa que está aberta, e parece quentinha. O feitiço de Riley está começando a desaparecer, e estou começando a ficar com frio.

–Mãe, trouxe visitas – ele fala, tirando o casaco e colocando em um canto, vejo um espelho na entrada e dou um sorriso, apesar de ter tocado guitarra e pulado, ainda pareço impecável, e Riley também, enquanto Jason entra procurar a mão, eu e Riley ficamos olhando um para o reflexo do outro.

–Você está perfeita – ele sussurra, beijando meu pescoço e espalhando arrepios por todo meu corpo.

–Você também está perfeito, Riley – ele sorri quando falo seu nome, e então uma mulher jovem, loira, com olhos azuis, cabelo loiro e um sorriso gentil, e um vestido azul aparecem. Ela sorri para nós dois.

–Olá – ela sorri para nós dois – Eu sou Sarah Krist, e sejam bem vindos.

–Oi senhora Krist – Riley fala e a cumprimenta, eu sorrio e assim que vou a cumprimentar, ela olha para os meus pulsos e morde o lábio e então olha para mim. Eu olho para eles e vejo que as cicatrizes voltaram a aparecer.

–Lilly Potter, né? – ela sussurra para mim – Jason contou sobre você, só não imaginei que fosse tão perfeita.

–Não sou não – coro e largo a mão dela, colocando minhas mãos atrás das costas.

–Eu ouvi sua voz misturando-se com a de Riley – o Malfoy sorri, eles já se conhecem, claro que sim, ele e Jason eram amigos e tudo o mais. A senhora Krist vem até mim e segura minhas mãos – Não se envergonhe dessas cicatrizes, esconda-as até quando precisar, mas depois revele-as ao mundo, é bem mais fácil se fizer isso.... E mais uma coisa, antes de irmos jantar e não falar de coisas que te entristeçam. Depois de tudo que meu filho me contou por carta, Lilly, eu teria orgulho se você fosse minha filha.

Aquelas palavras soam em minha mente durante toda a janta, e realmente, a comida é muito deliciosa, Sarah e Jacob são tão gentis, e parecem me conhecer a séculos. Conversamos muito, e cantamos mais algumas músicas. Sei de onde vem o talento de Jason agora, Sarah e Jacob cantam muito bem.

Sarah está tocando piano, enquanto eu e Riley estamos abraçados em um sofá, e Jason está meio jogado na poltrona a nossa frente. Estamos tomando vinho e falando besteiras. Jacob substitui Sarah no piano, e ela senta no sofá do lado da poltrona de Jason.

–Oi mãe – Jason sussurra – Vejo pelo seu rosto que você quer falar algo para nós – ela sorri e passa a mão gentilmente nos cabelos do filho.

–Quero sim – ela sorri gentilmente – Eu trabalho com seus pais no ministério Lilly, e ouvi muitas coisas terríveis ao seu respeito – mordo o lábio e dou de ombros – Sei que é natal e não é hora de deixar você mal, mas também sei que deve estar sendo um inferno na sua casa...

–Mãe, se você a convidar para vir para cá, vão achar que ela é realmente uma vadia – Jason fala – Não que eu não prefira, Lilly e Riley aqui em um lugar onde todo mundo possa protegê-la...

–Seu filho tem razão – eu falo entendendo onde ela queria chegar, mas sorrio para Sarah – Mas muito obrigada por tentar ajudar, só que essa bola de neve está quase virando uma avalanche...

–Mas querida...

–Eu tenho um plano para acabar com isso, mas preciso enfrentar o inferno antes, e um inferno maior do que eu já enfrentei. Mas se quiser ajudar, tente falar com meus pais sobre como funciona o mundo dos jovens... – eu sussurro e ela sorri, e nos deixa a sós de novo. Conversamos mais um pouco, e quando é quatro da manhã eu e Riley decidimos voltar.

Despedimos-nos e saímos, andamos de mãos dadas pelas ruas vazias de Londres por um tempo, eu me sinto leve e não me importo se Riley não falar comigo quando voltarmos. Agora eu sabia que o amava e pelo menos tive uma noite perfeita de natal.

Assim que aparatamos no quintal, está super frio, entramos imediatamente na cozinha, e vejo meu pai, meus tios e mais uma penca de amigos da família reunidos discutindo sobre algo, e quando olham para mim, a maioria me olha com raiva, e eu suspiro.

–Ai está a vadia, que foi dar para o salvador da pátria – eu escuto minha mãe falar, mas aquilo não me perturba, estou tão em paz que nada pode me atingir.

–Falou a virgem Maria dos tempos de Hogwarts – eu retruco e entro na sala – E para sua informação eu e Riley apenas saímos daqui, não fomos para algum motel ou se comer. Uma relação de amigos, ou até de namorados não se baseia só em sexo, ou um possível sexo, Gina. Ou você gostava do Harry só porque queria transar com ele? – Gina fica em silêncio e dá um passo para trás.

–Pelo menos ela não engravidou antes de casar – Tio Ron rebate e eu reviro os olhos e dou de ombros. Qual é velho?

–Só se for do Espírito Santo – escuto a voz de um garoto e não é de Riley, é de Hugo, ele sorri de canto pra mim – Vocês julgam demais, sem nenhuma prova. Já perguntaram para alguém quando souberam que Lilly podia ser legal? Já pediram para os amigos da Rose o que acham dela? Não né, então com licença seu bando de preconceituoso que eu não vou deixar a Lils ouvir essas coisas. Muito menos o Riley ouvir vocês desrespeitando a garota que ele gosta.

E dizendo isso, eu e Riley saímos da cozinha e vamos para o meu quarto. Hugo sobe conosco e quando entro, James, Albus, Vic e Ted já estão sentados no chão do meu quarto conversando sobre alguma coisa.

–O que tá rolando? – eu peço, fechando a porta atrás de mim, me encostando a parede.

–Você precisa sair dessa casa – James fala para mim e eu arregalo os olhos – Pelo menos até a poeira abaixar Lilly.

–Que poeira abaixar? – eu peço olhando confusa para todos eles. Vic levanta e vem até mim e me dá um abraço.

–Rose forjou um exame de gravidez com seu nome – ela sussurra para mim – A nossa família quer confrontar você e vão te levar para fazer outro teste, se você não tiver grávida... – Vic está tremendo, eu a abraço forte, mas deixo Teddy a tirar de mim, e olho para James.

–Eles vão achar que você abortou a criança e vão... Eu não sei o que vão fazer para você, mas não vai ser legal – James sussurra e eu sinto meu corpo tremer, vou até a minha vassoura e minhas coisas.

–Não aguento mais essa merda mesmo – eu sussurro para eles, sentindo meu corpo tremer, mas também ficar tomado de uma raiva insana. Coloco algumas coisas que podem ser necessárias em uma mochila, penduro-o nas minhas costas – Albus, leve meu material para Hogwarts. A gente se vê depois do ano novo – eu digo e vou para minha janela, todo mundo está parado, olhando como se eu fosse louca e realmente eu sou.

–ONDE VOCÊ ESTÁ INDO? – ouço Rose gritar, ela está na frente de todo mundo da minha família, eu dou um sorriso e subo em minha vassoura (e dando graças pela janela ser grande o suficiente).

–SER LIVRE – grito em resposta e antes que enfeiticem minha vassoura pego impulso indo para longe daquela casa e voando a cima das nuvens.



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado *u*
Beijinhos ;3
Mandem reviews, hein!