Marotos - Uma Nova História escrita por Sara_McGonagall


Capítulo 5
Azarações e Detenções


Notas iniciais do capítulo

Digo e repito, sem James e Lily nessa história



Sarah quando levantou-se na manhã seguinte ficara se perguntando se realmente o que tinha visto em seu quarto era verdade. Em sua mente, a imagem de James ali, diante dela no seu dormitório ainda parecia uma vaga e confusa, afinal, qual era o motivo pra que do nada tivesse tanto contato com o líder do grupo mais popular da escola? A garota se virou na cama tentando afastar tudo aquilo de sua mente e voltar a dormir mais um pouco afinal, era sexta feira e todos sabiam que nas sextas, as manhãs eram livres, pois só tinham aula de Feitiços a tarde e a noite Astronomia. Sarah nunca fora muito boa em Astronomia e Adivinhação, embora sua intuição fosse boa (ou como dizia Oliva “você prevê o futuro?”) a jovem grifinória não gostava de dizer que era boa nisso, fazia algum tempo que as vezes ela realmente tinha visões. E não eram qualquer tipo de visão. Eram coisas estranhas, com pessoas e lugares estranhos que muitas vezes pensava que eram influencia dos “livros de contos trouxas” que Lily Evans vivia lhes contando. Fora que ela nunca sabia como controlar esse tipo de coisa, isso não vinha quando ela queria, e muito menos em horas que ela estivesse sozinha. Por isso a única que sabia sobre esse “probleminha” era Olivia e ainda assim não sabia exatamente até onde ia. Pra falar a verdade nem mesmo Sarah sabia. Enfim, era sexta feira, dia em que podia dormir um pouquinho a mais, a garota virou-se na cama novamente e então preguiçosamente abriu os olhos para ver que horas eram quando deu de cara com dois pares de olhos a encarando a centímetros de seu rosto.

– AHHHHHH.... – gritou ela sentando-se de um salto na cama. – mas que raios de Zeus vocês estão tentando fazer? Me matar de susto?

– Não seja dramática Sarah Perks.... – disse a morena de olhos claros, Emmeline era uma garota que não tinha rodeios, se queria algo, apenas esticava a mão e o pegava. - ... anda... desembucha, o que foi que aconteceu enquanto estivemos fora ontem a noite?

– Sobre o que exatamente vocês estão falando?

– Ora Sarah... sobre o Maroto mor ter vindo lhe fazer uma visita... – respondeu Alice pulando na cama de Sarah e sentando-se como as crianças fazem a espera de uma história. - .... anda... fala... quanto mais demorar mais fico com fome, e ficando com fome... fico de mal humor... e você sabe como sou quando estou de mal humor.

– Deixem de bobagens... ele só veio primeiro... porque quer que eu faça um teste com o time de quadribol.... e segundo... porque queria saber o motivo da nossa briga com a ruiva. – disse a jovem lembrando-se do que o garoto havia lhe dito sobre manter segredo a respeito da reunião. - ... além disso, não somos as únicas a achar que nossa “ilustre e brilhante monitora” pode acobertar sonserinos por culpa da sua amizade com o cabeça de sebo.

– Ah qual é amiga... – disse Alice a cutucando - ... e ele se daria ao trabalho de vir até aqui, só pra falar com você sobre fofocas?

Sarah empurrou os cobertores e então saiu da cama ajeitando seu pijama com passos determinados e dando as costas as meninas.

– E vocês duas acham que ele queria o que? – perguntou ela agora tirando a blusa do pijama e colocando outra camiseta – Que ele só veio até aqui porque está assim... como posso dizer... “interessado” em mim? – então ela dera uma gargalhada – Que piada meninas... vocês andam lendo muito os livros trouxa da Evans...

Então depois de vestir o jeans que adorava usar, virou-se para elas e vira o olhar sorrateiro de Vance a encarando.

– Qual é meninas... eu não faço o tipo de garota “mandy” de ser... - disse ela pegando o travesseiro e tacando com tudo em Emmeline, - Além disso, vocês conseguem me ver como “a garota de James Potter” e gargalhou ao terminar a frase. Emme se levantou e cruzou os braços.

– E porque não? James é um cara legal quando não está bancando o bobão com alguma garota... – e encarou Sarah - ... e sabe amiga, mesmo que você não ache, nós... – e fez sinal para Alice - ... achamos que tem algo “a mais” nesse súbito interesse dele. Eu só não queria dizer “eu te avisei”, mas acho que como sempre, eu vou acabar dizendo...

– Ok... ok... – disse Sarah finalmente dando um suspiro - ... pensem o que quiserem, mas euzinha aqui não quero alguém que não pode ver um rabo de saia que já sai montado numa vassoura correndo atrás. Tenho meus princípios...

Foi então que Olivia entrou no dormitório saltitando, as meninas não entendiam o motivo.

– Olá meninas... – disse ela se jogando na cama de Sarah - ... o dia está perfeito hoje não?

– Aham... – respondeu Alice trocando olhar com Emmeline e Sarah - ... e estaria perfeito por que....

– Oras... ta na cara que ela passou a manhã com o Lupin... – falou Emme meneando a cabeça – vocês vão ficar ai mofando ou vão descer para tomar café?

Alice saltara da cama e assim como Emmeline começaram a ir em direção a porta. Então Olívia foi até seu malão e começou a procurar algo fazendo sinal para que elas fossem primeiro. – Ei Sah, me ajuda a procurar uma coisa?

– Tudo bem... o que está procurando? – disse a garota indo até a amiga e então Olivia se levantou rapidamente e com a varinha fechou a porta do dormitório.

– É verdade? – disse ela rapidamente.

– Verdade??? Mas de que raios você está falando? – perguntou Sarah confusa.

– Oras, de que James Potter em pessoa veio te pedir para entrar para o time de quadribol.

– É ele veio... – disse Sarah suspirando fundo - ... mas foi apenas para me dizer pra fazer o teste pro time de quadribol, nada mais que isso.

– Time de quadribol???? – agora um sorriso se abria no rosto de Olivia – Sempre quis fazer parte do time de quadribol...

– Bom, então porque não tenta junto comigo? Assim não vou me sentir uma completa estranha no meio daquele pessoal. Venha vamos tomar café que estou verde de fome.

O salão estava praticamente lotado quando as duas jovens grifinórias chegaram. Emmeline já estava emersa em uma conversa com Frank Longbotton enquanto Alice mergulhava num pudim. Sarah correu seus olhos azuis por todo o salão, vendo algumas caras conhecidas. Berta Jorkins e Pandora Madley duas corvinalenses as quais Sarah procurava ser amiga, afinal, não ia querer que seus segredos saíssem nos jornais da escola. Berta e Pandy estavam empenhadas em fundar um informativo, mas até aquele dia não entendia porque motivo Hogwarts precisaria de um informativo afinal, fofoqueiros de plantão é que não faltavam. Os gêmeos mais lindos do planeta chamados Porthos e Aramis Dumas. Sarah sempre teve curiosidade em saber como dois garotos lindos assim puderam existir, mas eram praticamente inalcançáveis, mais ou menos como os marotos. E por falar nisso, sentia não poder falar sobre o assunto com Olivia, justo ela que sempre lhe ajudava em tudo, como ela, poderia fazer algo assim sem a amiga. Mas era uma questão muito mais urgente e precisava saber o que realmente estava acontecendo naquela escola. Meneou a cabeça fazendo ela praticamente mudar seu pensamento e então viu Alice fazendo sinal para que sentassem com elas.

– .... E aí.... vocês dão tinham fome? – disse Alice com a boca cheia de pudim. – Espegamos por vocês um dempão....

– Alguém já te disse pra não falar de boca cheia Bounce... isso é falta de educação sem mencionar nojento... – uma vozinha enjoada ressoou pelas costas de Sarah.

– Olha quem fala... falta de educação é você apontar isso ai... – disse Emmeline apontando para os seios da garota - ...na cara dos outros... sabia que pode arrancar o olho de alguém com isso?

– Hum... pelo menos eu tenho o que apontar.... – respondeu com sarcasmo a jovem e Frank teve que segurar Emmeline pelos braços. - Mas não é com você que tenho assuntos a tratar... então virou-se e olhou para Sarah que se segurava para não virar e azarar a garota - ... ei Perks... estou falando com você... não te deram educação?

– Primeiro Wilson...- disse Sarah virando-se - ... meus pais me deram educação sim, mas para usá-la com quem merece... e segundo... não tem que arrumar alguma outra coisa pra fazer que não faça perder meu tempo falando com você?

– Tenho certeza de que você foi responsável pelo que houve no campo de quadribol... – disse ela encarando a jovem que se levantou a encarando no mesmo nível - ... e acredite vou fazer você pagar por isso.

– E eu lá tenho culpa se você usa roupas menores do que seu tamanho? – disse Sarah segurando o riso - ... não venha colocar a culpa em mim se você usa poções diversificadas pra lavar suas roupas... e se me der licença eu tenho coisas a tratar com meus amigos.

Sarah deu-lhe as costas e Mandy levantou a varinha mas algo atingiu antes que terminasse o feitiço. A garota olhou para a direção de quem a havia desarmado então os quatro marotos estavam na porta, James é claro empunhando a varinha e a girando nos dedos.

– Nunca lhe disseram Mandy... que não se deve atacar alguém pelas costas? – então foi se aproximando de onde Sarah e Oliva estavam sentadas, Sarah apenas olhou para Olivia enquanto James sentava entre elas - ... Principalmente se for alguém a quem eu aprecio a companhia. E você teve sorte Mandy, se Sarah tivesse notado sua varinha, você estaria era com o nariz quebrado antes mesmo de azará-la.

Mandy fuzilara Sarah com os olhos e ela correspondeu ao olhar, James começara a se servir ignorando a guerra de olhares entre as garotas. Lupin, sentou-se ao lado de Olivia seguido por Sírius e Peter que não fez cerimônias e atacou um prato enorme de panquecas. Alice ainda estava com o garfo a meio caminho da boca apenas observando a cena e então Emme endireitou-se e não perdeu a oportunidade.

– Se preza tanto sua reputação Mandy, sugiro que leve isso para outro lugar... está tirando o apetite das pessoas.

A jovem loura, e com o rosto rubro de vergonha ou raiva, saiu batendo os pés no chão de pedra, enquanto Sarah voltara sua atenção a James que comia tranquilamente.

– Obrigado James Potter... a partir de agora minha vida vai virar um inferno... – disse ela sarcástica e então o garoto pegou um guardanapo, limpou os lábios e voltou sua atenção a ela.

– Senti um ar de repreensão em sua frase... – respondeu ele - ... ela ia lhe acertar um feitiço e eu, como bom cavalheiro que sou... a defendi...

Sarah já estava “quase” no limite com aquela situação, era o terceiro dia seguido que praticamente Potter a perseguia, estava prestes a perguntar a ele qual era o motivo de tanto empenho em estar próximo a ela quando ele então se levantou - ... não, não espero agradecimentos agora... – e então chegou bem próximo ao rosto da garota que tentou afastar-se alguns milímetros mas foi impedida pela mesa, e então o garoto sorriu - ... posso esperar até sábado a noite...

A garota engoliu em seco, e sentira os olhares não só de sua mesa mas de mesas vizinhas se lançarem para ela, sabia que aquele “sábado a noite” era o dia em que ele havia marcado a reunião com ela, e com os marotos e .... “Espera ai....” – pensou ela agora desconfiada. Mas James dera-lhe um beijo estalado na bochecha a fazendo despertar do seu breve momento de lucidez.

– Não esqueça de sábado a noite... – disse ele outra vez e então se levantou, e acompanhou Sirius e Lupin, com um Peter saindo com os braços cheios de pães doces.

Sarah estava tentando raciocinar, tentava se segurar e manter a calma e a dignidade para não correr atrás do garoto e enfiar-lhe um avada kedavra nas fuças, é certo que passaria o resto da vida na cadeia por isso mas estava disposta a arriscar.

– Ahhhh escondendo o jogo não é.... dizendo que o Potter queria só que você fizesse parte do time de quadribol enquanto se encontrava na surdina com ele.... – disse Alice e logo se arrependeu frente ao olhar que Sarah havia lhe lançado. Rapidamente seu cérebro começou a ligar os pontos, o que realmente estava passando pela cabeça de James Potter?

Durante todo aquele dia, a jovem grifinória ficara matutando sobre o que tinha ouvido pela manhã, se era uma reunião secreta pelo que o Maroto Mor havia falado, porque raios ele tinha dito aquilo na frente de todo mundo? Não isso só queria dizer...

– Não Sarah... ele não se atreveria... – disse ela para si mesmo enquanto ia para a aula de Astronomia – Vamos Sarah... lave o rosto e pare de pensar besteiras...

A garota entrou em um dos lavabos e fechou a porta tentando pensar direito em tudo o que estava acontecendo. Mas de repente...

– Não acredito... com tantas garotas nessa escola? – uma voz arrastada entrou no banheiro quando Sarah levou a mão no trinco para abrir a porta e parou.

– É isso que eu estava pensando... – dizia outra voz que a garota não reconheceu - ... aquela Mandy Wilson teria mais chances do que aquela coisinha sem graça

“Coisinha sem graça???” – repetiu baixinho Sarah no banheiro se segurando para não abrir a porta e azarar as duas meninas.

– Ela deve ter algo que chamou a atenção do Potter... – disse a primeira voz novamente - .. você conhece a fama dos marotos, eles não saem quem qualquer pessoa, tem um grupo seleto... ela deve ser filha de alguém importante... acredite tem alguma coisa por traz...

– Com certeza... aquela garota não tem um pingo de classe... –a segunda voz falava com ar de desdém - ... você sabia que ela mora com os avós? É, parece que o pai andou morrendo sabe-se lá onde e a mãe se explodiu....

– Ah não... – disse Sarah escancarando a porta do lavabo e encarando as duas meninas da corvinal que ela nunca tinha visto mais gorda na vida - ... Isso já é demais .... Furunculus... – um raio laranja saiu da varinha de Sarah em direção uma das meninas, a outra até tentou correr mas acabou sendo acertada por uma azaração de pernas presas seguida por outra que fez com que seus dentes crescessem feito os de um castor. Nesse instante pode-se ser ouvido o nome das 3 alunas pelos corredores, os detectores de uso indevido das varinhas nos corredores tinha sido acionado e Filch apareceu como um raio pela porta de entrada do banheiro feminino.

– DESFAÇA JÁ ESSA AZARAÇÃO E COMPAREÇAM ATÉ A SALA DA DIRETORA MINERVA.

– Fiu só o gue focê fez? – disse a primeira corvinal olhando para Sarah.

– Hum.... depois disso, vou gostar de pagar essa detenção... – respondeu Sarah guardando a varinha e andando na direção da torre da grifinória onde ali próximo ficava o escritório de Minerva McGonagall. Sabia sobre as regras de feitiços, sabia que não poderia usar a varinha fora das classes, e muito menos azarar alguém assim como fez, mas não conseguia pensar. Tinham tocado na pior coisa que poderiam tocar, a memória de sua família.

A cada passo que a jovem dava, mais pesada e rígida ficava sua perna, afinal, ela tinha sim problemas de comportamento, mas nunca tinha chegado a um nível tão extremo. Sarah então respirou fundo, e antes de bater na porta ouviu um “Entre” vindo de dentro e aquilo foi como engolir uma pedra.

– Com licença.. – disse ela sem conseguir encarar a professora e diretora da casa Grifinória. Minerva McGonagall não era uma pessoa ruim, era justa, leal aos seus próprios pensamentos e ao mesmo tempo os alunos a respeitavam e cá entre nós, morriam de medo dela.

Minerva estava fazendo anotações e não havia expressão em seu rosto, a não ser a linha fina de sua boca e o olhar inquisidor por cima dos óculos que estava usando. Ela terminou de escrever, descansou a pena sobre o pedaço de pergaminho e então juntou as mãos enquanto encarava a aluna em sua frente.

– Sente-se... – disse ela e Sarah não pensou duas vezes - E então...

A jovem olhou para a professora, e engoliu em seco. O que poderia dizer para defender-se? Tinha azarado duas colegas, não que fosse algo “grave” mas isso iria tirar elas de circulação por no mínimo uns 3 dias. E também não podia dizer que as ouviu falando sobre as “intenções de Potter” contudo, ela só reagiu por falarem de sua família. Mas mesmo isso não justificaria.

– Bem... eu... – começou mas não sabia muito bem como começar. Já havia passado alguns perrengues desse tipo mas nada tão sério quanto isso.

– Você tem noção do que eu vou ter de fazer com você? – disse a professora agora se levantando, seu tom era mais de preocupação do que qualquer outra coisa. – Se não me disser o que realmente aconteceu, e um motivo convincente vou ter de deixar com que o professor Flitwick lhe dê o castigo.

Sarah abaixou a cabeça e espremeu mais os livros contra o peito, sabia que por não ser da casa do seu professor de feitiços a coisa iria ser pior para o seu lado, afinal, ninguém a conhecia melhor do que a professora McGonagall. E então dera um suspiro, podia pelo menos contar parte da verdade, não realmente toda ela....

– Professora McGonagall.. – começou ela - ... a senhora sabe que tenho pavio curto...

– Já lhe disse que isso não é desculpa para sair azarando meia escola Srta Perks... – respondeu a professora.

– Sim... eu sei disso, mas... a senhora também sabe que faz semanas que venho me controlando para não me encrencar... mas infelizmente hoje no banheiro feminino, aquelas duas... – a jovem pensou em dizer um “bonito” nome mas quando olhou os olhos da professora acabou desistindo - ... bem as meninas ofenderam meus pais... se referiram ao meu pai como se ele tivesse morrido bêbado em algum lugar e que minha mãe trouxa se explodiu!

– Elas o que? – perguntou a professora com um tom um pouco mais alto, e Sarah teve certeza de que pode ver algo como fogo sair de seus olhos. Sua professora não tinha gostado nada daquele comentário. E então mais confiante, Sarah repetiu o que elas haviam dito, menos é claro, a parte sobre ela ser a nova vítima de Potter.

– A senhora sabe que se quiserem podem ofender a mim, mas não aos meus pais... – disse ela, sentia como se falar sobre eles abrisse um corte em seu coração. Seu pai era auror e passara a vida praticamente ajudando o ministério e morrera em um desses trabalhos, e sua mãe, bem, todos diziam que fora um botijão de gás, mas até aquele dia ela não soubera se fora exatamente isso. Sempre que tocava no assunto sua avó deixava cair o que estivesse segurando e seu avô, bem... ele fingia estar procurando algo que não existia dentro do bolso. Por se importar com eles, nunca quis saber e o amigo de seu avô, Alastor Moody, dizia-lhe para nunca cavar onde não ia gostar do que encontraria. E assim ela tinha feito. – Meu pai morreu em serviço para o Ministério... e minha mãe.. bem, a senhora viu na minha ficha, com que direito elas acham que podem falar deles com desdém?

– Tudo bem Srta. Perks... – disse Minerva agora com um ar um pouco menos severo - ... vou reportar isso ao Sr. Flitwik, MAS vou lhe dar detenção pois mesmo que ouça comentários maldosos, isso não lhe dá direito de mandar seja quem for para a ala hospitalar.

– Mas... – tentou se justificar a garota.

– Mas nada Srta Perks, você irá cumprir detenção... e justamente essa semana precisamos de alguém que limpe a sala de troféus, afinal vamos ter.... hum .... bem, Sr. Filch precisa de ajuda. E no caso irá assumir quando ele for fazer a ronda pelo castelo....

– Então não vou poder ir a aula de astronomia hoje... – disse ela dando um suspiro.

– Receio que sua aula já esteja quase acabando Srta. Perks, falarei com sua professora sobre o motivo de sua ausência, e onde você estará a partir de agora. Vá até a sala de troféus até o Sr. Filch lhe passar as instruções.

– Sim Senhora... - respondeu a garota dando um suspiro, pelo jeito a noite iria ser BEM Longa.

– Como dizia a vocês... na cosmologia moderna, o princípio cosmológico é a hipótese de trabalho de que os observadores terrestres não ocupam uma posição observacional...

James olhara para a porta mais uma vez, alguma coisa o estava deixando inquieto e ele não sabia dizer o motivo. Sua expressão apesar de tentar parecia tão normal quanto fosse mas para os olhos e ouvidos treinados dos marotos, eles sabiam que ele estava com alguma coisa na cabeça.

– Que raios você tem hoje Prongs? – perguntou Sírius agora um pouco preocupado. – Parece que algum sonserino está prestes a te atacar...

– Não... – disse ele um tanto incerto - .... não é nada...

Embora dissesse ao amigo que não era nada, algo sim estava lhe incomodando, o caso é que ele não tinha a mínima idéia do que era. Tentou afastar isso da cabeça de algum modo, foi então que virou para o outro lado da torre e viu Olivia Hornby, melhor amiga de Sarah sozinha. O que era algo raro.

– Ei Moony... – disse ele chamando Remus - ... porque não vai até a beldade Hornby ali e pergunta onde é que a amiga dela está?

– E porque você mesmo não vai perguntar galhudo... – respondeu Remus de mau humor, James sabia do interesse do monitor por aquela garota e só estava tentando ajudar o amigo a deixar essa loucura “não posso me relacionar, por ser um lobisomem” de lado e ser um adolescente normal de sexto ano.

– Deixa de bobagens Remus... – disse Sírius - a gente sabe que você é doido pela garota.. porque não vai conversar com ela... pede alguma anotação emprestada oras...

– Olha James... – começou Remus um pouco mais baixo para que só eles ouvissem - ... vocês sabem de minha condição...

– E daí? Você vai deixar de aproveitar a sua vida só por causa desse... – então Sírius o encarou e olhou dos pés a cabeça - Probleminha peludo?

– Padfoot está certo... – disse James finalmente, e então se lembrou do que a jovem Perks havia lhe dito no café da manhã daquele dia - ... mas acontece que se não se lembram, ela disse que eu tinha acabado de tornar a vida dela num inferno...

– Você não acha que a Peitu... digo... Wilson... – começou Peter mas então Lupin encarou os dois com um ar de preocupação.

– Ok... eu vou até lá, mas vou lhe dizer uma coisa Prongs... – disse Remus seriamente, algo que até James Potter percebeu que não era brincadeira - ... Sarah e Olivia são garotas legais... não do tipo que você pode brincar...

Quando disse isso, Remus saiu em direção a Olivia, e os marotos só trocaram olhares por alguns segundos. A aula correu normalmente, os meninos fingindo fazer os deveres enquanto matutavam o porque Remus estaria demorando tanto. Foi então que ele então voltou coçando a cabeça um pouco preocupado.

– Por que essa cara Remus? – perguntou Peter.

– Bem... diz Olivia que ela e Sarah saíram juntas para a aula de Astronmia, e Sarah disse para ela vir na frente para não se atrasar que ela iria até o banheiro feminino no terceiro andar, porém depois disso ela não a viu mais, e até esta bem preocupada pois ela não apareceu na aula e de acordo com ela, a escola inteira está dizendo que ela é sua mais nova conquista.

James coçou a cabeça e tanto Sírius quanto Remus e Peter o encararam, não que ele ficasse se importando com as conseqüências de seus atos quando essas conseqüências vinham para cima dele, mas não se perdoaria se tivesse acontecido algo com alguém inocente.

– O que vai fazer? – perguntou Remus quando James lhe deu uma piscadinha e começou a empacotar suas coisas – Sírius... é com você... – ordenou James enquanto Sírius foi em direção a professora.

– Srta Threaborn... alguém já lhe disse que está radiante essa noite? – disse ele soltando seu melhor sorriso.

– Obrigado Sr. Black – respondeu a professora - Posso ajudá-lo em algo?

Enquanto Sírius pedia ajuda para a professora, desviando seu olhar, James tratou de esgueirar-se indo em direção a porta. Com todo o cuidado a abriu com a varinha e saiu de fininho do terraço da torre de astronomia. Mais que depressa desatou a correr escadaria abaixo.

Já era alta madrugada quando Sarah percorria os corredores de volta a torre da Grifinória, seus braços doíam por ter de esfregar troféu por troféu (e olha que nunca vira uma escola ganhar tantos troféus na vida) com uma escova de dentes. Seus músculos pareciam se quebrar cada passo que dava e isso a fazia vez ou outra gemer. Não que fosse permitido que alunos transitassem pelos corredores aquela hora MAS estava em detenção então podia tomar um caminho mais longo assim conseguiria manter sua mente lúcida caso alguém lhe perguntasse sobre o que estava fazendo fora da cama aquela hora.

– Aquelas galinhas pretas vão me pagar por isso... – disse ela massageando seu ombro enquanto passava pelo corredor do terceiro andar, aquele em sua opinião era o pior corredor da escola. Mas em todos esses anos já estava habituada as esquisitices, PORÉM, era da Grifinória a casa dos leões, e nada impediria de um sonserino estar a sua espreita, poderia ser surpreendida por alguém querendo assustá-la.

– Aí é só usar sua varinha e pronto... vai estar novamente em detenção só que por uma semana... – disse novamente para si mesma. A Mochila em seus ombros só pioravam a sua situação, quando terminou de subir para o sétimo andar, sentiu um arrepio no pescoço, será que tinha alguém ali?

– Oi? – disse olhando para a esquerda, mas não obteve resposta, a não ser de um quadro mal humorado lhe mandando calar a boca pois ele queria dormir. Deu de ombros e continuou andando, já estava quase chegando e a única coisa que queria era um bom banho e uma cama gostosa e quentinha. Foi então que do nada sentiu seu braço ser agarrado e ela então arrastada para dentro de uma sala de aula fria e escura.

– Ei... o que pensa que esta fazendo? – disse ela se recompondo e então tentando ver quem havia feito essa gracinha com ela – Já azarei duas e não me importo em tomar mais uma detenção!

– Então foi por isso que não foi a aula hoje? – disse James Potter saindo das sombras e trancando a porta com a varinha. Os olhos castanhos esverdeados brilhando por trás dos óculos enquanto andava até uma mesa próximo a janela onde a luz da lua entrava e sentando-se.

– Potter? – disse ela jogando a mochila em uma cadeira próxima e indo até ele com os olhos azuis faiscando de raiva – Quem você acha que eu sou pra ficar me puxando pra qualquer buraco escuro hein?

– Eu perguntei primeiro... – disse ele despreocupadamente o que deu ainda mais raiva a jovem. Sarah tinha pavio curto, todos sabiam e isso não era nenhuma novidade que sua boca e esse “pequeno defeito” lhe rendiam várias detenções e encrencas, mas Minerva McGonagall havia lhe advertido que um milímetro que andasse fora da linha e fosse pega, seus avós é quem receberiam uma coruja, e ela não queria causar mais problemas a eles do que já tinha causado. Respirou fundo antes que acabasse por azarar Potter também e fechou os olhos contando até 1000 para ver se sua fúria diminuía. Mas quando abriu os olhos, dera de cara com os de Potter a encarando bem na sua frente.

– Qual é a sua afinal Potter? – disse ela agora perdendo o pouco de paciência que ainda lhe restava se desviando do garoto e indo até a janela onde era mais iluminado.

– Qual é a minha? Hummm deixa me ver... – disse ele fazendo cara de confusão – Ao que se refere exatamente?

Se tinha algo que Sarah não gostava era de joguinhos e isso Potter sabia fazer e muito bem, principalmente com as garotas e ela já estava de saco cheio, literalmente disso.

– Ah não me venha com essa Sr. James Potter, Líder dos Marotos e Capitão do time de quadribol, Sr. Popular da escola.... por que motivo, causa, razão ou circunstância tem vindo “ao meu encontro”? Em seis anos você e os marotos mal sabiam de minha existência... por que agora... – sem querer a jovem estava jogando suas frustrações sobre ele, e mesmo que fosse algo vergonhoso depois, estava por hora se sentindo muito bem.

– Se me permite... – disse James indo ao seu encontro e escorando-se na beirada da janela. A Luz da Lua agora iluminava-o o deixando realmente incrível, Sarah teve de afastar os pensamentos impróprios (no caso, como ele estava lindo) e repreendeu-se mentalmente por pensar isso do garoto que estava praticamente arruinando sua vida. - ... acho que esqueceu que tínhamos um compromisso agora...

Então a jovem lembrou-se do que havia combinado a na noite anterior no dormitório feminino. Que se encontrariam para conversar sobre a confusão com Lily Evans e outras suspeitas. Fechou os olhos e deixou-se cair sobre a mesa, respirou fundo, não devia ter sido tão grossa e estúpida e reconhecer isso era o certo apesar de achar que não fizera nada de errado.

– Me desculpe... – disse por fim abrindo os olhos e suspirando enquanto sentava-se na mesa e apoiava seus pés na cadeira. – É que...

– Dia difícil? – perguntou ele agora indo ao seu encontro e apoiando-se na mesa a frente da garota. O perfume dele por um instante anuviou o cérebro de Sarah que então endireitou-se e o encarou.

– Difícil? – disse ela dando um sorriso sarcástico – Imagina... só Mandy Wilson parece que resolveu que é divertido me encher, peguei duas corvinais falando mal da minha família no banheiro femino e as azarei, a diretora Minerva me fez polir os troféus, e Filch me obrigou a usar uma escova de dentes pra isso.... estou fedendo a poção de limpeza meus ombros parecem que vão cair... ahhh – disse ela – e se não bastasse... a escola toda está achando que sou sua próxima vítima... imagina uma coisa dessas? Eu nem se quer faço o tipo ....

Então ela empertigou-se empinando os ombros e o nariz, e fazendo um movimento na frente dos seios. – sabe...

James então coçou a nuca pensativo, então era isso que estava acontecendo. Estava tão absorto com os problemas com sonserinos e os conflitos envolvendo seu pai que nem se dera conta do que estava causando a jovem bem diante de si.

– Me desculpe... – disse ele finalmente, afinal não sabia exatamente o que dizer a ela. Nunca havia conversado com alguém que fosse tão sincera como Sarah sempre foi, desde o dia em que o salvara no jogo de quadribol - ... São tantas coisas em minha cabeça que acabo não percebendo que com meu jeito posso prejudicar alguém inocente... e além disso, não estou acostumado a encontrar pessoas tão legais fora do meu círculo de amigos. E acho que não pensei que você poderia achar que eu estivesse tentando algo com você, principalmente depois que falei aquilo na frente da Wilson.

– Nahhh... deixa isso pra lá... – respondeu ela aliviada e ao mesmo tempo surpresa com a resposta do garoto, ele parecia sincero mas era James Potter, então era melhor manter o foco e a cabeça no lugar - ... Não foi a primeira nem vai ser a última vez que Mandy me enche, ou alguém fala mal da minha família... e se for pra defende-los ou meus amigos, acredite... Filch podia me mandar limpar os troféus com a língua que eu não me importaria... – então sorriu para ele, não sabia se era impressão mas ele parecia estar diferente do garoto que andava acompanhado dos marotos. – E se quer saber... não liguei quando disseram que eu e Olivia éramos lesbicas, porque vou ligar agora por dizerem que sou seu novo troféu?

– Disseram isso sobre vocês? – perguntou ele segurando o riso.

– Mandy inventou esse boato... mas então o gatinho branco dela apareceu sem pelos, e eu disse que ou acabava com o boato ou não iria ser os pelos do gato da próxima vez... – respondeu ela e então ela ouviu a gargalhada de James e sorriu.

– Não sabia que era tão vingativa... – disse ele cruzando os braços e a encarando. – Quando a olho, não vejo alguém capaz de fazer coisas desse gênero.

– Ahhhh acredite Sr. Potter... não subestime uma grifinória... ainda mais se tiver mais 3 amigas engenhosas e com BASTANTE criatividade... – disse ela agora sorrindo, mal lembrava quando tinha sido a última vez que sorriu dessa forma e de certa forma começava a se sentir melhor.

– É acho que tenho de tomar cuidado com as leoas da Grifinória... – respondeu ele com um sorriso que fez com que Sarah ficasse fora do ar por alguns segundos.

– Eu acho melhor mesmo, ou pode assim acordar sem seus preciosos cabelos algum dia... – a garota então sorriu e ouvira a gargalhada dele outra vez. – E então, por que veio me procurar?

– Bem, como você não apareceu na aula... pensei que talvez tivesse acontecido algo... e fiquei preocupado... – disse ele arrastando a mesa para mais próximo da mesa da garota e sentando-se na sua frente enquanto compartilhava a cadeira onde ela apoiava os pés. – pedi a Remus que falasse com Olivia e quando ela contou que não a tinha visto mais desde que tinha se separado de você quando foi ao banheiro... Decidi vir lhe procurar e quando não a encontrei em nenhum lugar, pensei que o melhor jeito de te encontrar era esperar em algum ponto no caminho para a sala comunal, assim se você passasse eu veria... e estava certo não?

– Eu nem tive tempo de avisar Olivia... ela deve estar subindo pelas paredes... – respondeu a jovem enquanto coçava a cabeça

– Quando a encontrei na sala comunal mais cedo depois da aula... – respondeu ele – Ela estava conversando com Remus e Emmeline, então acho que deve estar bem.

– Que bom... Olivia é a única pessoa em quem confio... – disse por fim - ... as outras meninas são legais e tudo mas Olivia é diferente. Sabe, as vezes sinto uma ponta de inveja da sua relação com, Black, Lupin e Pettgrew.... – então levantou os olhos e encontrou os de James a encarando – Digo... vocês se conhecem desde o primeiro ano, cresceram juntos... aprontam juntos... e a gente percebe que apesar de tudo, se preocupam um com o outro... – então desviou os olhos para a paisagem do lado de fora da janela, o céu estava escuro mas sem nuvens – Tenho amigas como Emmeline e Alice, mas não são exatamente como Olivia.. por exemplo... acho que deve ter sido a única que notou minha falta.

– Olivia não foi a única... – disse James com um sorriso que praticamente fez com que Sarah sentisse uma bola de gelo em seu estomago - ... eu também notei que não tinha ido a aula..

– Ah é verdade... – respondeu ela sorrindo – mas isso porque você queria conversar comigo... e aliás, não era para ter mais 3 marotos conosco nessa reuniãozinha?

James então curvou-se para se aproximar mais da jovem e sorriu marotamente – E perder a chance de um encontro a sós com Sarah Perks? – sorriu novamente com a careta que ela fez e endireitou-se outra vez.

– Aham... todo esse esforço pra um encontro comigo... – respondeu ela fazendo careta e se aproximando assim como ele fez - ... então acho melhor falar logo... sabe como é a minha lista de encontros é muito grande.

A jovem então gargalhou mostrando que o acabara de falar era terrivelmente falso e James a acompanhou nisso.

– Mas deixando as piadas de lado – falou a garota endireitando-se e tomando uma postura mais séria - ... o que exatamente você queria conversar?

– Bem... – começou James mais seriamente agora - ... você deve ter ouvido falar sobre o meu pai estar sendo acusado de coisas das quais eu tenho absoluta certeza que ele jamais fez ou faria... – então viu a menina menear a cabeça e continuou - ... então, ele mesmo me disse pra manter meus olhos bem abertos aqui em Hogwarts pois tinha absoluta certeza de que o que está agindo lá fora – então seu rosto foi tomado por uma sombra e sua voz ficou mais sombria - ... talvez tente fazer algo aqui dentro também...

Sarah sentiu um calafrio na espinha e do nada um trovão cortou o céu dando-lhe um susto.

– E o que seu pai acha que é? – perguntou Sarah agora preocupada, seus avós eram bruxos e sabiam se defender, mas tinha receio por eles.

– Meu pai diz que há boatos de um bruxo das trevas muito poderoso que vem recrutando pessoas.... – disse ele olhando para a noite do lado d fora - ... pessoas que ele precisa pra conseguir o que quer, e que não se recusariam a matar para isso... – então voltou sua atenção a garota e percebendo seu olhar temeroso, sorriu amavelmente tentando não deixá-la preocupada - ... e depois do que eu vi na nossa sala de herbologia, acho que não vai demorar muito para tentarem algo aqui dentro da escola...

– Mesmo com Dumbledore aqui? – perguntou Sarah tentando não parecer preocupada, mas tinhas seus próprios medos que a atormentavam e então viu ele concordar com a cabeça – Bem, se... eu fosse querer influenciar possíveis bruxos das trevas, acho que começaria com os sonserinos afinal... – então encarou o garoto -... você está achando que o que houve na sala de Herbologia foi de propósito? Digo... para implicarem com o diretor Dumbledore ou com McGonagall?

– Sabe... – respondeu ele voltando até ela e dando um sorriso - ... eu não tinha pensado por esse lado.. mas você tem razão... se eu fosse alguém querendo hogwarts.... começaria tirando quem realmente oferece perigo...

– E você acredita que sonsos estão por traz da brincadeira do visgo... – disse Sarah se levantando é... isso faz sentido... – respondeu ela agora cruzando os braços... mas o que teria em Hogwarts que alguém como esse bruxo poderia querer? - e então sorriu - penas e pergaminhos? Espinhas? Puberdade?

James sorriu ainda mais com a piada e então levantou-se e esticou os braços, a noite já avançava madrugada a dentro e eles ainda tinham de voltar em segurança para a sala comunal.

– Ainda não sei... por isso conversando com os garotos decidi que Hogwarts precisa de uma “Equipe de Resposta Tática” – disse ele com um brilho no olhar que fez Sarah sorrir como uma boba, então ele se aproximou empolgado com o que havia planejado - ,,, sabe... a muito tempo queria formar um grupo de pessoas de confiança... que me ajudassem a detonar qualquer plano que algum sonserino tivesse...

– Ok... – respondeu Sarah um pouco temerosa - ... o que você quer é um tipo de grupo que “defenda” hogwarts, mas que fique em segredo sobre ele?

– Não seria só defesa... todos treinaríamos feitiços, azarações... – então olhou para os olhos da garota - ... precisamos defender os que estão cegos com respeito aos sonserinos...

– Também acha que não estão só bancando os engraçadinhos não é? – perguntou ela novamente e então ele negou com a cabeça, Sarah então teve certeza de que as coisas eram mais sérias do que ela imaginava. E não ia ficar de braços cruzados. Então se levantou encarou o garoto - Bom, então acho que posso ajudar você com isso... sei que preciso melhorar em duelos... embora minhas azarações sejam bem eficientes.... as corvinais de hoje cedo que o digam... - respondeu Sarah sorrindo e James então se levantou - ... se procura gente de confiança, Olivia é a primeira pessoa em quem consigo pensar, acho que Alice e Emmeline podem ser de grande ajuda também, pois Emme também acha que Lily está confabulando com o inimigo...

– Não quero levantar suspeitas sobre nossa monitora... - disse James com um largo sorriso nos lábios - ...Se confia em suas meninas, bem... eu confio nos meus meninos... e já somos 8, é um bom número pra começar... mas precisa jurar e enfeitice as meninas se for preciso, para que não contem nada sobre isso a ninguém por enquanto.

– Hum... isso é moleza... - disse Sarah estralando os nós dos dedos e arqueando uma das sobrancelhas o que fez com que o maroto mor desse um largo sorriso. - Bem Sr. Potter... acho que esclarecemos tudo então preciso voltar a torre antes que me coloquem de castigo outra vez...

– Bem... isso pode ser resolvido de outra maneira... - respondeu o garoto e Sarah o olhou desconfiada, ele então foi até o fim da sala e bateu com a varinha em um pequeno archote apagado na parede. Este se ascendeu e desanuviou uma porta a qual Sarah teve de arregalar os olhos para poder ver melhor.

– Como foi que você fez isso? - perguntou ela curiosa.

– Não nos chamamos Marotos por a caso sabia? - respondeu James indo até a cadeira, e pegando a mochila de Sarah e colocando no ombro - Venha, Hogwarts é cheia de passagens secretas... e acho que vou ter de ensinar algumas a você para poderem sair sem serem pegas...

– Eu até que conheço algumas "normais" mas essa definitivamente não conhecia....

O caminho pelo corredor estreito e sombrio fora até agradável, James a conduziu por curvas e escadarias e é claro teias de aranhas, meninos talvez não ligassem pra essas coisas mas ela tinha certeza de que as garotas iriam se apavorar, Olivia tem aversão a aranhas então como ela passaria com ela por ali, ela não tinha a mínima idéia. Pararam no alto de uma escada e então James fizera sinal para que ela parasse e ele inclinou-se para frente.

– Tudo certo... - ouviu sua voz e então o seguiu, estavam na escadaria na frente da Mulher Gorda. Após dizerem a senha e finalmente entrarem na sala comunal, aquela hora já estava vazia, nem mesmo a lareira estava acesa, James então devolveu a mochila para Sarah que agradeceu a gentileza.

– Obrigado... - disse a garota pegando a mochila e então fez uma careta ao sentir de novo a dor nos ombros - ... não sei se conseguiria chegar até aqui sem ajuda....

– Acho que tenho ainda uma poção para dores musculares... - respondeu ele coçando a nuca timidamente, algo que Sarah até estranhou afinal, James sempre parecera tão seguro - ... sabe como é, quem pratica quadribol sempre precisa...

– Não se incomode com isso ... - disse ela agora indo em direção as escadas que levavam ao dormitório das garotas - ... eu dou uma passada na ala hospitalar amanhã e Madame Pomfrey resolve isso rapidinho... Tenha bons sonhos James..

– Sarah... - a jovem que estava subindo e então voltou dois degraus e o encarou, ele apoiou-se com um braço na parede e sorriu - ... vejo você no treino de quadribol amanhã?

– Er... claro... com certeza... você é o capitão não é? - respondeu ela um tanto surpresa pela pergunta do garoto. - Posso levar Olivia comigo? Ela é uma ótima artilheira,

– Claro... - respondeu ele com um sorriso, - Peper Scrimgior saiu no começo do ano, precisamos de artilheiros também... se ela se sair bem pode ficar no time.....

– Ela vai ficar radiante quando souber disso.. - então a jovem ouviu um borburinho vindo do alto da escada e então decidiu que era hora de subir - ... boa noite James....

– Boa Noite.... e sonhe comigo... - respondeu ele já correndo escadaria acima, Sarah apenas meneou a cabeça, Emmeline tinha razão. Potter não era de todo ruim.



Notas finais do capítulo

Foi mal a demora, estava garimpando os posts do antigo fórum e realizando um cronograma para poder seguir com a história. Mas, agora a coisa vai andar.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Marotos - Uma Nova História" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.