Férias Insanas escrita por flamells


Capítulo 8
7. NOSSO SOBRENOME: CONFUSÃO


Notas iniciais do capítulo

Não me matem, please. Com muito amor e carinho, para vocês.




Depois de assistirmos o vídeo mega engraçado do baile, gravado por Roney, parecíamos zumbis, na mesma posição, um olhando para cara do outro por não ter o que fazer.

Exceto por Emmett e Rose, preferia não ver o que os dois estavam fazendo na nossa frente.

- O motel é do outro lado da rua, ralé! – Roney, que olhava tudo com cara de nojo, falou.

- Até parece que você nunca fez isso. – Rose disse, se desgrudando de Emm.  E todos olharam para Roney, que primeiro fez cara de indignado e depois deu uma risadinha sem vergonha. Veado descarado.

- Se duvidar faz pior. – Edward resmungou ao meu lado. Dei uma risada.

- Edzinho, se você não fosse tão delicioso eu te dava um tabefe. – Roney estava indignado com ele. Jazz e Emm se olharam e começaram a rir do nada enquanto Edward fez careta.

- O que houve? – perguntei com cara de idiota, assim como todos os outros.

Emmett fez sinal de que não conseguia falar. Jasper se adiantou antes que Edward abrisse a boca.

- A mãe dele o chamava assim, de “Edzinho”. Então, uma vez foi nos buscar na escola e quando viu nós dois gritou: EDZINHO, MEU AMOR! Todo mundo riu dele durante uma semana, foi tão engraçado.  – Jasper chorava de rir e Emmett já rolava no chão, literalmente.

Edward estava ficando mais vermelho do que pimenta, o menino poderia ter um treco ali do meu lado e morrer.

- Calma ai garoto, você vai enfartar desse jeito hombre! – já estava começando a ficar assustada. Edward olhou para mim e fez como Alice, deu uma tremidinha no olho esquerdo.

Gente esse tique nervoso pega. Eu heim...

Enquanto isso os garotos riam mais ainda, olhei para eles com cara de vegetal, assim como os outros faziam. Ninguém parecia entender nada.

- Alguém pode me explicar onde está a graça dessa história? – Rose resolveu manifestar o nosso pensamento.

- Nós estávamos no ultimo ano do segundo grau. – Jazz disse e olhamos para Edward, que baixou a cabeça no mesmo instante, e gargalhamos. Coitado.

- Aí Bellinha, você não é mais a única que paga mico no colegial amiga! – Alice ria, feito hiena, de nós dois agora. Parei de rir e mostrei meu dedo médio para ela. Agora quem ria era Edward, idiota.

- Alice por que você não volta para junto dos outros smurfs? – perguntei irônica.

- Ai amiga, magoou. – fez um beicinho que daria dó em qualquer um que não a conhecesse. Fadinha do mal.

- Esse mau humor é falta de homem. – Uma bala para quem acertar quem disse isso. Sim, Roney e seus dispensáveis comentários.

- Se esse é o problema o Ed está ai para isso, não é cabeçudo? – Emmett era mesmo uma pessoa sem noção.

 - Pelo amor de Deus, vocês só pensam em sexo? – no mesmo instante me arrependi de ter falado isso. Rose e Emmett se encararam, Allie fez cara de safada, Jazz ficou roxo de vergonha e Roney já confirmava com a cabeça. – Foi uma pergunta retórica, seus pervertidos.  – levantei do sofá e rumei em direção à cozinha.

Ouvi um burburinho vindo da sala, mas ignorei, vindo daqueles lá coisa boa não era de certeza.

- Bella? – uma voz veio de trás de mim.

_Ah! – gritei esbarrando no copo que estava em cima da pia, o copo que eu havia deixado ali quando fui buscar os retardados na cadeia. Virei-me para ver que era. Edward. – Seu louco, tá querendo me matar já? – esbravejei.

 - Desculpa, só queria ficar a sós com você para falar sobre o ocorrido mais cedo. – ele me olhou nos olhos. Santo Deus, me ajude.

- Falar exatamente o que? – tentei parecer normal, é claro que eu não estava me saindo tão bem.

- Eu não queria ter dito aquilo, foi tão ignorante da minha parte. Mas a tensão do momento foi tanta, que eu acabei descontando em você. Não consegui controlar. Me desculpe, por favor? – eu via que ele estava sendo sincero, e talvez no lugar dele eu teria feito a mesma coisa. Ou pior até.

- Tudo bem Edward, certas coisas não conseguimos segurar. Só por favor, pense um pouco antes de falar. Certas palavras podem machucar mais do que devia. – olhei para ele na mesma intensidade que ele me olhava, o mundo pareceu parar naquele instante.

- Posso te dar um abraço? – ele fez um biquinho idêntico ao de Alice, foi impossível resistir.

- É claro que sim. – logo que respondi, ele colocou seus braços ao meu redor e enterrou seu rosto em meu cabelo. Me senti protegida ali, como se nada mais me afetasse.

- Não Emmett! – ouvi um grito seguido de um barulho. Afastei-me de Edward e olhei em direção a porta da cozinha. Ali estavam meus amigos – sim agora todos éramos amigos – estabacados no chão.

- Porra Emmett! – Jasper soltou. Logo ele!

- A minha idéia de ser esmagadinho por bofes não era bem essa que eu tinha em mente. – Roney falava sozinho.

Alice levantou e puxou a loira consigo, Jazz bufou e levantou também, enquanto o grandão ria sozinho. Esse povo anda se drogando, acho. Roney estendeu os bracinhos finos para Jasper e acabou sendo ignorado, ri.

- Então, eu vou querer saber o motivo de vocês acabarem no chão? – Edward arqueou uma sobrancelha e encarou os demais.

- Ah, nadinha ué... – a anã era mesmo cara de pau. Eu bem sabia o que se passava naquela cabeça de borboleta.

- E então, quem vai fazer o almoço? – Rosalie, que só se faz de burra, mudou o assunto. Enquanto ajudava o veado a levantar.

- Acabo de lembrar que preciso ligar para minha mãe. – Alice começou a sair de fininho, sem vergonha.

- Que coincidência, também irei ligar. – Roney já ia sair saltitando atrás dela, mas o puxei.

- Para a mãe de Alice? – perguntei, me fazendo de louca.

- Não te interessa querida. – se soltou e saiu de nariz empinado.

- Já que a Bellinha e o Edzito fizeram as pazes, eles poderiam fazer o rango. – Emmett parecia ter se recuperado do seu momento histérico.

- NÃO! – Rose e Alice, que não sei como apareceu na cozinha novamente, gritaram.

- Por quê? – Jazz estava confuso, pobre coitado.

- Você não pode ser tão ruim assim... – Edward já havia entendido o porque da objeção das duas.

- Bella é uma catástrofe por si só, imagine em uma cozinha. – Rose afinou a voz na ultima parte, com medo.

- Valeu aí, pela parte que me toca amiga! – fiz sinal de positivo para ela.

- Ok, o Ed faz sozinho então.  – Emmett já enfiava a fuça dentro da geladeira. Onde está a vergonha na cara desse povo Senhor?

- E quem disse que vocês vão comer aqui? – É, mandei na lata.

- Bella, é obvio que eles vão comer aqui. – Rose provavelmente já estava pensando coisas promíscuas com o Emmet.

- É, coma aqui. Coma tudinho. – Só Roney mesmo para falar uma idiotice dessas.

- Deixem que eu faço, saiam daqui. – Edward, com seu humor impar, nos expulsou da cozinha. E como ninguém é idiota, fomos de bom grado.

- Gente eu tive uma idéia. – O lunático, vulgo: Roney, abriu a boca.

- NÃO! Por tudo que é mais sagrado, não fale. – gritei, eu sabia que boa coisa daquela cabeça não ia sair.

- Raxa, quando eu pedir sua opinião você fala. Por enquanto cala a boca. – empinou o nariz, sentando no sofá. Imitamos seu movimento. – Nós bem que podíamos filmar nossa viagem né?!

- Tipo um documentário? – Alice se intrometeu, que novidade. Roney confirmou.

- E podíamos ver quando nós todos nos formássemos na faculdade. Nada antes disso. – pela primeira vez no dia Rosalie pareceu acordar para cuspir. Amém.

- Espera aí... Como assim “nós todos”? – imitei-a. – Rosalie Lilian Hale, o que você está escondendo da gente? – encarei a loira, semicerrando os olhos, e os outros comigo.

- Então... – a loira começou a enrolar, lá vem. – eu simplesmente esqueci de renovar o contrato. Cansei dessa vida e estou voltando para Forks. Não estou de férias, estou desempregada. – desabafou. Todos nós estávamos com o queixo batendo no pé.

- Me diz que é brincadeira. – Alice pediu quase chorando já. Roney havia virado uma estátua, coitado. A loira só negou.

- E quanto tempo você tem para sair daqui? – Jazz perguntou, talvez ele fosse o mais sensato de todos nós ali.

- Uma semana... – Rosalie resmungou, encostando a cabeça no ombro de Emmett.

- Ok, então isso significa que temos que esvaziar o apartamento em uma semana. – refleti sobre os fatos.

- É isso ai! – Rosalie era mesmo muito sem noção, ela e Emm se merecem. Primeiro nos convida para ficar com ela, depois diz que é uma sem teto.

- Espera, - Alice parecia estar saindo do transe. – então temos que sair daqui antes que o prazo termine. – arregalou os olhos.

- O fato é, para onde iremos? – joguei a dúvida sobre todos.

- Para aquele muquifo eu não volto! – a fadinha bateu o pé e fez biquinho.

- A gente fica no AP dos bofinhos ué. – Roney disse isso como se fosse a coisa mais normal do mundo.

Ouvi barulho de coisas caindo na cozinha e olhei em direção à porta da mesma. Por ali passava um Edward de olhos arregalados, me segurei para não rir.

- É claro! – Emmett já se empolgou com a idéia. Por que isso não me surpreende?!

- Que não! – Edward completou. – Emmett, mal tem lugar para nós três no meio daquele zoológico. Seu demente! – deu um tapa na nuca do irmão.

- Relaxa cabeçudo, meu cafofo é igual coração de mãe. Sempre cabe mais um. – o grandão soltou aquela sua gargalhada estrondosa.

- Que maravilha. – Edward riu sem humor. Pobre Jasper ter que aturar esses dois em casa.

- Edzinho, volta para a cozinha volta. – Emmett enxotou o irmão. Que bufou e foi mesmo. Edward estava vermelho de raiva.

- Tão gostoso e tão mal humorado... – Roney suspirou. Tenha a santa paciência!

Olhei para ele e balancei a cabeça, Deus só pode estar querendo me castigar.

- O que vamos fazer a tarde? – Alice havia mudado de assunto. Essa anã está arquitetando algo, só pode.

- Arco do Triunfo! – pulei do sofá e bati palmas no estilo Alice. Credo, isso pega.

- Aham, aham, aham e balança o popozão. – Emmett fazia outra vez aquela dança esquisita.

- Emmett, por que você está dançando? – encarei o ser desprovido de cérebro.

- Não sei. – fez cara de quem estava pensando, e isso parecia doer.

- Emm, pensar não é seu forte cara. Para com isso. – Jasper sacaniou o primo. Retiro o que disse sobre ele ser o mais sensato.

- Ele está me ofendendo ursinha, me defende. – Emmett se escolheu para perto de Rose.

- Hm, ursinha... Que coisa mais exótica. Vem cá ursão! RAWR! – Roney deu uma rugida e Emm choramingou, foi uma cena hilária.

-Voltando ao assunto principal, vamos ou não? – olhei para os seres à minha frente e todos concordaram. A opinião de Edward não importava no momento, haha.

- Vamos  poder começar a fazer a filmagem, yeeeeah! – Alice começou a fazer a tal dança e para piorar tudo Emmett fez junto. Tenha dó!

- Ursão, - Rosalie chamou. – Vem cá! – deu uma piscadinha safada e saiu rebolando em direção aos quartos.

- É HOJE MEU POVO! – Emmett gritou e saiu praticamente correndo atrás da loira. Vai começar a putaria, êlaiá.

- Ai que inveja, todo mundo se arranjou nessa birosca de viagem e eu aqui. -Roney começou seu drama.

- Seus pervertidos. Isso era para ser uma viagem em “família” – fiz aspas – mas todo mundo achou alguém.

- Como é Bellinha? – Alice parou de encarar Jasper, que por sinal já estava ficando com vergonha, e me olhou.

- É, você e Jazz, – os dois coraram, sei. – Rose e Emm... – fiquei deprimida.

- Você e o Ed. – acrescentou.

- É... – respondi distraída, mas logo me dei conta do que havia dito. – Claro que não, pff. -  tentei emendar algo coerente, mas todos riram porque me embabaquei.

- Só eu sobrei nesse fim de mundo! Vida cruel! – Roney se esperneava. Essa coisa deveria entrar para o mundo do teatro, o criatura falsa.

- Roney não era você quem estava no maior amasso com um bofinho ontem, lá na boate? – olhei séria para o ser cintilante e ele em resposta deu sua risada escandalosa.

- Não me contento com tão pouco. – respondeu e fez careta. Que horror!

- Hey, a comida está pronta. – Edward apareceu na sala. – Onde está o Emmett? – perguntou, analisando a sala.

- Já está almoçando... – a fadinha soltou seu veneno. Edward fez cara de nojo, e eu ri.

Fomos todos para a sala de jantar, a mesa estava posta. Tudo nos conformes. Roney foi até as panelas e abriu a tampa.

- Arroz com bife? Só pode ser palhaçada.  Saio do cú do mundo para comer arroz com bife em Paris. – a bixa estava indignada.

- Da próxima vez você faz então. –Edward se sentou, aparentemente irritado.

Tentamos começar a comer, mas os barulhos vindos do quarto de Rose estavam demais. Tá de brincadeira.

- Era só o que me faltava mesmo. – Edward levantou com tudo, e quase carregou a cadeira junto, e saiu marchando até o quarto. Lógico que fomos atrás. – Você dois podem parar com a promiscuidade?! Tem gente querendo almoçar aqui. – gritou.

- Ah cabeçudo, para de ser empata foda. – Emmet devolveu, gritando de dentro do quarto.

- Pra mim já chega. – Edward deu meia volta e foi até a sala, pegou seu prato e simplesmente saiu porta a fora. Do apartamento.

- Nossa, quanto estresse. – Alice comentou, enquanto nos sentávamos novamente.

Os barulhos aumentaram, nos entreolhamos e fizemos a mesma coisa que Edawrd. Resultado final: nós cinco almoçando no apartamento de Emmett.

- O apartamento é bem grande até. – comentei com Edward enquanto lavava a louça.

- É sim, vai ser tranqüilo achar um espaço para vocês. É só dar um jeito nessa bagunça. – ele sempre tão delicado quanto um elefante em uma loja de cristais.

- É, acho que sim. – baixei minha cabeça e me concentrei na louça.

- Merda! Eu fiz outra vez não fiz? – ele pareceu se dar conta do quão ignorante havia sido. – Desculpe, é que... – deixou a frase morrer no ar.

- É que... ? – tentei incentivar. Ele tinha que começar a aprender a abrir espaço na vida dele para as pessoas. Ninguém pode ser tão ignorante assim.

- Nada, esquece. Só me desculpa?! – me olhou no fundo dos olhos e fez beicinho. Isso é maldade.

- Edward você já se deu conta de quantas vezes já me pediu desculpas hoje?! – perguntei rindo. – Está tudo bem. É sério.

- Gente, - a anã apareceu na porta com Roney pendurado nela. – estamos indo. Juízo heim.... – saíram rindo e eu bufei.

- Um dia essas criaturas amanhecerão com a boca cheia de formiga ainda. –resmunguei.

- Sabe Bella, já que Emmett vai sair da agência e ele e Rose estão tão ligados, nós poderíamos nos juntar nessa viagem com vocês. – seus olhos pareciam ter ganhado um brilho diferente. E provavelmente um sorriso se formou em meus lábios.

- Ué, onde está o Edward mal humorado que não gosta de ninguém? – zombei e ele fez cara feia.

- Não sou mal humorado. Só me estresso mais fácil do que o comum.-  Fez biquinho outra vez.  

- Ta bom... – eu ria ainda mais. – Mas quanto a sua pergunta, seria bem legal se vocês viessem conosco. Afinal já fazem parte dela. – sequei as mãos, terminando a louça.

- Aham, desde o momento em que você caiu no meu colo. – o desgraçado riu, me deixando com vergonha. – Certo, vamos voltar para o apartamento de Rose. – disse carregando os pratos e talheres consigo.

- Aê, os pombinhos chegaram! – o sem noção, vulgo: Emmett, gritou.

- Cala a boca Emmett, e não é nada disso que você está pensando. – tentei me defender, porém em troca recebi mais olhares maliciosos.

- Então que horas saímos? – Edward mudou o assunto. Durante o almoço falamos sobre o nosso passeio e ele aceitou de bom grado.

Todos começaram a falar ao mesmo tempo, típico. Edward me olhou e eu dei de ombros subindo no sofá. Vamos colocar ordem no galinheiro.

- Calem a boca, merda! – gritei e todos me olharam assustados. Minha TPM estava me matando.

- O pessoa mal comida. – Roney resmungou para si mesmo, mas não era novidade que todos acabassem ouvindo.

- Tenha a santa paciência! – desci e sentei no sofá, apoiando a cabeça entre as mãos.

- Okay, acho que aqui todos estão de banho tomados e podemos sair em uma hora né? – Edward mesmo com seu humor atravessado conseguia ser o mais sério dali.

No final todos concordaram com ele e foram se arrumar. Uma hora mais tarde estávamos na sala esperando Roney.

- Eu ainda vou matar esse aborto mal sucedido. – Emmett falava. Estávamos muito bravos com a sua demora.

Do nada a criatura aparece, como se nada tivesse acontecido. E ainda tendo a cara de pau de nos apressar. O que me admira é que até Alice foi mais rápida que ele.

- É muito longe daqui? Poderíamos ir andando que tal? – perguntei e a cara de desgosto foi geral. – Qual é gente, vai ser legal.

Consegui que eles quisessem ir andando, seria uma oportunidade de conhecer as ruas de Paris, já que não havíamos tido tempo devido a uns contratempos anteriores. Roney reclamava a cada passo que dava.

- Não acredito que em dois dias aqui eu já fiz mais coisas de pobre do que em toda minha vida. Que vergonha! Pai eterno, é demais para o meu coração sofrido! - Choramingou.

 - Para de viadagem, estamos quase chegando! – Emmet nos guiava junto com Rose, até o Arco.

- Bofe, fique sabendo que eu posso te processar ok. E se eu fizer isso te deixarei sem um mísero centavo. Fique avisado. – Roney não tinha amor a vida mesmo, incrível.

- Ai caramba, torci meu pé. Que dor... – Alice caiu no chão, sai correndo para o lado dela. Me ajoelhei a sua altura, preocupada.

- O que houve fadinha? Onde está doendo? – comecei a examiná-la. Alice era como se fosse a irmã mais nova que eu nunca tive, sempre me preocupava com a pequena.

- Aqui. – apontou para seu tornozelo, com a voz de choro. – Tá doendo Bellinha. – começou a chorar, golpe baixo.

- Edward, me ajude a carregá-la até aquele banco mais próximo. – chamei quem estava mais perto.

- Pode deixar, eu carrego ela até lá. – Jasper se abaixou e pegou a fadinha no colo, saindo na frente em direção ao banco.

A malvada olhou para mim e piscou um olho, safada era tudo fingimento. Sabia que ela estava arquitetando algo.

- Ai que dor. – a danada dizia enquanto Jazz a sentava no banco, me aproximei com os outros.

- Onde dói Allie? Aqui? – cravei as unhas, propositalmente, no tornozelo dela. Que gritou de dor.

- Ai Bella! – me olhou feio. E depois virou-se para Jasper. – Jazz acho que não consigo mais andar sozinha, me ajuda? – fez a carinha de cão sem dono que ninguém resiste. Fadinha do mal, manipuladora.

Jazz virou-se para que ela subisse nas suas costas. Algo me dizia que ele seria o cavalo da relação. Enfim, depois desse episódio seguimos nosso rumo.

- Uau! – foi a única coisa coerente que consegui pronunciar quando chegamos ao Arco.

- Isso aqui é grande. – falou a baixinha, descendo das costas de Jasper. Olhei sério para ela.

- Não Allie, você que é baixinha demais. – ri e fui acompanhada pelos outros. A nanica me olhou feio e mostrou seu dedo médio.

- Ai só Jesus na minha vida mesmo!  - Roney se abanava e olhava para a cena com desgosto. Que novidade.

- Rose, vem bater a foto! – Allie chamou a prima. – Rose? Rose?! – começou a rodar, procurando a loira.

- Serve aquela? – Edward apontou para um casal no maior amasso próximo a nós.  Só pode ser brincadeira, era Emm e Rose.

- Uhul! Pornografia ao vivo! – Roney gritou, balançando as mãos. Varias velhinhas passavam por nós e resmungaram algo. Provavelmente nos xingando. Roney fez cara feia, lá vem merda. – Volta pro teu sarcófago, múmia! – gritou para as idosas.

Espero que elas não falem nossa língua, não agüentaria ir para uma delegacia duas vezes no mesmo dia.

- Pelo amor de Jeová, seu veado retardado. Para com isso antes que alguém seja deportado. – Até Jasper estava irado com a bicha, eu heim. Roney consegue tirar qualquer um do sério.

- Antes deportado do que preso. – Roney fez careta para o loiro, pedindo para apanhar.

- Vamos parar com isso, agora! Vaza todo mundo que eu vou começar a filmagem. – a anã foi espantando todos. – Bella, você é a repórter. – Declarou. O QUE?!

- O QUE? – compartilhei meus pensamentos. Alice não falava coisa com coisa.

- Você é a inteligente aqui. Faça as honras da casa. – malandra, ela era a quem mais sabia sobre Paris ali.

- Mas... – fui tentar argumentar e em troca recebi o olhar possuído, sem chances. – Ok, o que eu preciso fazer?

- Fica aqui, - me posicionou de costas para o Arco. – e quando eu falar gravando você diz qualquer coisa.

- Ooookay. – disse e ela começou a fazer alguns ajustes na câmera e posicionou os meninos. Rose e Emmett sumiram do meu campo de vista.

- Tudo bem, GRAVANDO! – Alice gritou no ouvido de Jasper, coitado. – Bella! Bella, fala onde estamos. – Alice abanava a mão para mim olhar para ela. Mas me distrai vendo Jazz a cutucar. Ela cochichou algo inaudível.

 - Haha, claro Alice. Olá! – comecei a falar e dei um tchauzinho para a câmera. Me senti uma idiota fazendo isso. – Bom, nós estamos aqui na França, Paris. E como as coisas não deram muito bem ontem esse é nosso primeiro passeio. Arco do Triunfo. – Alice filmou o lugar e provavelmente os outros e logo voltou a me filmar, dando uma risadinha.

“– Ele foi fundado em... AAAAH! – gritei, alguma coisa tinha mordido minha perna atrás. Me virei e dei de cara com Edward rindo. Que idiota! – Edward seu desgraçado, idiota, filho da mãe. Eu vou te pegar cabeçudo e comer seu fígado! – comecei a correr atrás dele. – Volta aqui! – ele corria na minha frente, rindo.

Eu não sei em quantas pessoas esbarrei, e nem como arrumei fôlego para correr atrás daquele imbecil por cinco minutos. Mas só parei quando vi que meu cadarço estava desamarrado, mas já era tarde demais. Declarei meu amor pelo chão em plena luz do dia, e pior na praça do Arco com um monte de gente e olhando.

- Que merda! Eu juro que te mato. – resmunguei para o ruivinho que se aproximava rindo.

- Desculpa Bella, não pensei que você fosse fazer isso. – secou uma lágrima e me estendeu a mão. Peguei a contragosto e ele me puxou do chão.

- Bella você tá bem? – Alice veio correndo, mas percebi que ela estava se segurando muito para não rir. Que bela amiga! – Esse vídeo vai para o you tube. – resmungou, olhei desacreditada para ela.

- Chega de palhaçada, vamos entrar logo nessa birosca. Cadê o casal promiscuidade? – me referia a Emmett e Rosalie.

- Estão vindo ali. – Jasper apontou para os dois que vinham acompanhados por Roney.

Logo que os três chegaram rumamos para dentro do museu que fica no Arco.  Sim, lá dentro há um museu criado em homenagem ao Soldado Desconhecido. Tudo era tão incrivelmente lindo, parecia um sonho.

- Hey vamos subir? – Alice apontou para a escada extremamente grande na nossa frente.

- Okay, vamos lá. – Dei o primeiro passo e os outros vieram atrás.

- Temos até as cinco da tarde para ficarmos aqui. – Edward olhou no relógio, ainda era duas da tarde.

Demoramos uns cinco minutos para mais até chegar ao topo da escada.

- Gente vamos voltar, acho que esqueci meu pulmão lá em baixo. – Emmett estava se arrastando.

- Calma Emmett, nós já chegamos. E nem é você que está carregando a Alice nas costas. Coitado do Jasper. – Rosalie cochichou para o bofe, rindo.

- Hey, eu ouvi tá legal! E Jasper está me carregando porque ele tem um bom coração. – Alice se revoltou.

- Nossa esse lugar é lindo! – exclamei. Dava para ver Paris inteira de onde estávamos, ou quase toda ela. O dia também estava ajudando, estava quente e o sol deixava tudo mais perfeito.

Ficamos lá jogando conversa fora até o horário combinado. Deu cinco da tarde resolvemos voltar, só que dessa vez parando em alguns lugares para bater fotos.

Andamos até as sete da noite, somente para bater fotos e quando ninguém mais agüentava resolvemos pegar um táxi para ir até o apartamento, mas para isso tivemos que correr um pouquinho.

- Então, hora de arrumar as trouxas e mudar para o AP do Emmett. – Rose disse fechando a porta do apartamento depois de entrarmos.

-Tem muita coisa? - perguntei. - Estava começando a sentir falta de algo. Resolvi colocar meus pensamentos para fora. - Gente alguém está sentindo falta de alguma coisa? - Elas fizeram que não, dei de ombros.

- Enfim, são só minhas roupas mesmo.. - Rose foi indo em direção ao seu quarto, Alice e eu a seguimos.

- E vai só mala ou alguma caixa? - Alice parecia estar rezando, preguiçosa.

- Malas, as caixas já dei um jeito de despachar. O que me lembra que preciso compra a passagem de volta, Forks ai vou eu. De novo. - A loira choramingou, dentro do closet. Coitada de Paris para o pinico do mundo.

Andei pelo quarto e acabei esbarrando em um conjunto de malas rosa choque. AI MEU DEUS!

- Roney. - falei baixo, mas foi o suficiente para as meninas ouvirem e acompanharem meu olhar. - Roney! - Gritei, apontando para as malas.

- Ai meu Deus! - Rose já saiu correndo de dentro do quarto, comigo e com Alice atrás. Fomos parar só quando estávamos frente a frente da porta do apartamento de Emmett.

Rose tocou a campainha não sei quantas vezes, até ouvirmos o barulho da porta sendo destrancada. Edward apareceu meio assustado. Nem dei chances para ele perguntar nada e já fui logo mandando.

- Esquecemos o Roney!



Notas finais do capítulo

O que acharam? Beijinhos de borboletas.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Férias Insanas" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.