The Shield escrita por MariSpoladorMoreira, Sandy


Capítulo 5
Capítulo 4: Incomodado


Notas iniciais do capítulo

Olá meninas...
Agradeço muito pelos reviews que estamos recebendo de cada uma de vocês, é inspirador e perfeito.
Esperamos que gostem do capítulo, e até breve.
Máh.
*-*-*-*
Heey gente,
Bem eu e máh, decidimos optar para
um caminho agradavél para nós e vocês.
Decidimos que iremos postat toda SEXTA e DOMINGO.
algo flexivel para nós que moramos a algumas horas de avião uma da outra, e também há um quesito chamado escola, e ai vocês sabem o dia que terá algo novo para vocês.
agradeço desde já a compreenção de todos /as
Beiijos

Sandyy




Sinceramente, não sei como Bella não ficou brava comigo... Depois que saí da casa delas, fui para a minha, arrumei minhas coisas, joguei tudo dentro do meu volvo prateado amado demais, e corri para curtir a noite, bem ao meu estilo. Músicas altas e agitadas, bebidas, mulheres, e muito sexo. Esse sou eu, o supremo Edward Cullen... Detalhes da minha vida pessoal a parte, estou um caco nessa manhã. Hora de trabalhar! Era isso que o meu despertador gritava enquanto fazia um beep irritante...

Levantei e fui cambaleante para o banheiro, lavando o rosto com a água extremamente gelada, escovando os dentes e aparando a barba em seguida.

- Você consegue garanhão gostoso... – falei para a imagem de mim mesmo no espelho, cheio de confiança.

Subi as escadas rapidamente, entrando na cozinha em seguida, onde três empregadas e a governanta pedófila estavam sentadas a mesa, tomando café.

- Bom dia. – falei educadamente. Todas responderam baixinho, e uma até corou e ficou olhando, dei uma piscadela para ela, que corou ainda mais.

- Hãn hãn. – pigarreou a pedófila – Senhor Cullen, pode subir até o segundo andar e buscar Elisabeth, você toma café da manhã com ela...

- E Isabella? – perguntei, deixando o intimo ‘Bella’ de lado.

- Saiu cedo demais, questões de trabalho. – respondeu secamente.

- Ok, subirei.

- A mesa já está posta para vocês na sala principal. – falou.

- Certo. – saí da cozinha rapidamente.

Fui andando pelo longo corredor, chegando a sala, e em seguida subindo as escadas de dois em dois degraus, chegando a porta do quarto rosa de Lisa. Estava prestes a bater, mas, ouvi vozes.

- Você sabe que sempre estarei aqui Lisa... – a voz do repugnante falou – Sempre.

- Sim Jake.

- E você sabe que tem que ser legal comigo né? – falou o asqueroso.

- Sim.

- E porque?

- Porque você é o meu papai... – ela falou baixinho, embargada? Estava muito fechada, não pude ver nada direito...

- E o que acontece com garotinhas que não obedecem os papais?

- Elas... – ela soluçou.

- Isso aí minha garotinha. – então ele abriu a porta e eu quase caí pra trás.

- O que faz aqui babá? – ele riu da minha cara.

- Vim buscar Elisabeth.

- Ooooh, a babázinha veio buscar a minha pequena... – ele apertou minhas bochechas. Meu ódio ferveu – Que emprego gay hein meu caro?

- Não é da sua conta... – falei em alto e bom som.

- Ora ora, a boneca se estressou... – ele riu, e Elisabeth se encolheu – Em dois tempos te boto para fora daqui rapaz.

- Desculpe senhor...

- Bom garoto. – ele riu novamente – Vou trabalhar. Até de noite Lisa do papai.

- Até Jake. – ela respondeu baixo

E o ignorante saiu, em toda a sua nojeira. Realmente, odeio ele...

- Elisabeth vamos, não quero chegar atrasado logo no primeiro dia.

Ela obedeceu prontamente. Quando chegamos à sala de jantar a governanta sem sexo nos serviu e foi para a cozinha terminar seus afazeres suponho.  Elisabeth foi quietinha o tempo todo na verdade nem conversou comigo hoje.

Depois de deixa la na escola segui para o campus da faculdade. Havia muita gente aglomerada nos corredores. Segui ao meu destino e foi simples e rápido. Poderia começar hoje mesmo e como eu não perderia tempo, seria o mais novo estudante.

Quando cheguei em casa ainda tinha um tempo antes de ir buscar Lisa resolvi arrumar as minhas coisas que estavam uma bagunça.

**

Quando o sinal da pequena escola bateu várias crianças correram em minha direção. Ali havia diversas babás: de uniforme feias, de uniformes bonitas, de uniforme estranhas. Havia também as de roupas normais mais essas se mostraram  fáceis de mais.

 Elisa veio em minha direção carregando sua mochila q era maior que ela.

-Você não vai falar comigo hoje? –perguntei após alguns minutos de viagem em silencio.

-Não estou querendo conversar hoje Sr. Edward. –pronto e voltamos à estaca zero.

A Elisabeth de hoje era diferente da de ontem. Estranho essa mudança de humor, se fosse mais velha arriscaria dizer que era TPM.

O tempo mudou de repente  começou a fazer frio, e gotas de chuva grossa começou  a cair.

 A pequena chegou trocou a roupa, e nós almoçamos. Cacete esse silencio estava me incomodado já.

-o que vamos fazer hoje?- perguntei

- nada.

-Elisa,podemos conversar? – ela assentiu – vamos no seu quarto.- ela me seguiu.

Sentamos no tapete enorme e cor de rosa, do seu quarto um de frente a outro.

-Pode falar senhor.

-Primeiro, só Edward. Então sabia que agora eu gostaria de estar dormindo, com minha irmã mais nova que adora ser mimada, ou gostaria de estar com meus amigos, ou até mesmo meus pais?- ela negou – e no entanto estou aqui. Bem eu sei que você gostaria de estar com sua mãe. Mas só tem nós dois aqui agora. Então acho que deveríamos suprir as necessidades um do outro . Eu quero ser seu amigo. Mais se for para cada dia eu ter que “refaze la “  vai ser um pouco estranho. Eu sei que tem algo errado acontecendo. Quer falar sobre isso?

-Não Ed. – ela parecia assustada

-ok, mais pra frente talvez, quando tivermos mais intimidade sim? – a pequena assentiu. – vamos brincar então. O que você acha?

-Não sei muito bem, tenho tudo isso, e na verdade eu apenas troco as roupas das Barbies as vezes.

-Mas com todo esses brinquedos?

-Eu não gosto de brincar sozinha, mamãe sempre está ocupada de mais. E ela disse que não terei um irmãozinho.

-Porquê?

-Pois segundo ela não tem ainda o “homem ideal”

- Mais o Jake?

-Ed, eu posso ser pequenininha mais se algum dia ela ficar com ele eu fujo.

-ok, vamos deixar o assunto adulto de lado. De que vamos brincar?

-De salão pode ser? –pela primeira vez no dia ela sorriu até mesmo com os olhos

-Mas eu não sei pentear seu cabelo... bem nem o meu – fiz um biquinho

-Não eu serei a cabelera.

-É cabeleireira.

-Cabelera – ela repetiu sem muito sucesso.

**

Quando eu EDWARD me imaginaria como agora- além de conversar com uma criança, por me sentir incomodado com certas atitudes com o sei lá o que da minha patroa. Diga se de passagem com um trabalho de nós máximo 50 horas. – Com vários tic tacs  cor de rosa no cabelo, maquiado do inicio ao fim do meu rosto. É acho que estou me deixando levar muito fácil por esse pequeno ser, e isso não é nada bom ou é?

- Ficou satisfeita Senhora?- ela gargalhou da minha cara,na verdade estava muito engraçado mesmo.

-Muito mademoiselle – dei uma voltinha, com as mãos na cintura,quando estava na metade da volta – de frente para a porta- minha patroa abriu a porta e sorriu.

-Boa tarde Edward .

-Boa tarde Isabella. Bem é eu vou indo não quero me atrasar para o primeiro dia de faculdade.

Fui até Elisabeth, sorri a abraçando.

-Tem mãos de fada, pequena – sussurrei só pra ela.

-Eu queria que você fosse meu papai. – levei um certo choque, com os dizeres. Me despedi e sai de lá sem fala.

-Nossa você ficou uma gracinha de moça. – disse o otário.

Eu não disse nada, em voz alta – pois mentalmente mandava o otário se fuder- apenas passei sem dizer nada. Ah mais eu vou descobrir o que se passa nessa casa.