The Shield escrita por MariSpoladorMoreira, Sandy


Capítulo 21
Capítulo 20: O Preço Por Suas Atitudes


Notas iniciais do capítulo

Heey meninas... Boa tarde. Beu eu li todos os comentários, e amei cada um deles.Espero que entendam e não nos julguem Tudo tem o tempo certo.Até Sexta!
Beiijos ;***
Dyy
*-*-*-*
Olá meninas.
Agradeço de coração por cada review recebido. Li todos, e fico fascinada com o que vocês escrevem.
Obrigada, mesmo.
Máh.




Pov Bella.

Ir para Rússia fez bem para mim e Lisa. Porém a pequena reclamou por lá ser tão frio. Não esperava que em Londres estivesse quente. E isso me daria dor de cabeça. Lisa era muito sensível a mudanças térmicas. Sua sensibilidade, aliada com sua fraqueza e tristeza certamente resultaria em efeitos colaterais...

- Mamãe, eu posso contar a novidade a Tia Alice hoje?

- Pode, mas quando agente chegar à loja. Ainda tá cedinho. E a tia Alice ia nos matar né?

- É. Então eu espero. – ainda era 7h da manhã. Lisa continua suas sessões com a psicóloga. Ainda tem que melhorar, e muito, mas já dormia umas quatro horas por noite. A viagem a deixou cansada. Ela até comeu um pouco. Eu desistira de Edward. Nenhuma mensagem, nenhum recado. Nada. Então resolvi seguir em frente. Mesmo não dormindo direito, e não comendo. Quando a vida resolve ser ingrata, ela é ingrata mesmo, e isso não me agrada nem um pouco.

(...)

- Ai, eu odeio senta nessa cadeirinha. Eu já estou enolme mamãe.

- Lisa, leis foram feitas para serem cumpridas.

- Hum... – eu estava achando-a mais quietinha. Medi sua temperatura e nada. - Mamãe, num tô legal. – disse ela quando estávamos paradas em um sinaleiro quatro tempos.

- O quê você tem filhotinha?

- Não sei... Estou me sentindo estranha.

- Dói? – perguntei em alerta.

- Não... – respondeu com a voz baixinha.

- Descanse amorzinho, mamãe vai dar um jeito... – falei. Não prometi, porque Lisa carrega um ódio mortal de promessas desde o abandono de Edward.

O único ruído do carro era o aparelho de som, que tocava ‘Roling In the Deep’ de Adele. Era uma música triste para mim, e até irônica...

- Tudo bem Lisa? – chamei – Lisa? – repeti a pergunta sem ter recebido resposta.

Ela desmaiou no banco, percebi isso assim que a olhei no retrovisor. Neste momento vi vermelho. Avancei o sinal. Seguindo para o hospital mais próximo possível. Eu não perderia minha Lisa, de jeito nenhum.

Estacionei de qualquer maneira na porta do hospital, tirando-a de sua cadeirinha. Naquele momento não sei onde tirei forças pegando-a no colo e correndo.

- Por favor, me ajudem, minha filha- gritei, chorando. Ao longe o vi vestido totalmente de branco. Seus olhos estavam desesperados. Ele correu em minha direção.

- O que aconteceu?

- Eu não sei se soubesse não estaria aqui!

- Jasper! – gritou. Jazz chegou pegando-a do meu colo

- Eu vou cuidar dela Bella fique tranquila. - então ele a levou porta adentro. Edward o acompanhou, seguindo-o de perto, o rosto retorcido em dor e preocupação. Apesar de tudo, era a garotinha dele ali...

(...)

- Bella como aconteceu?- Alice já entrou gritando. Eu havia ligado há cinco minutos para ela, que veio visivelmente correndo.

- Eu não sei. Estou desesperada- eu chorava- Ninguém me dá noticias dela!

- Eu vou resolver. – ela me puxou pelo braço- Posso falar com o Doutor Carlisle?

- Está em reunião. – respondeu a recepcionista sem nem nos olhar no rosto.

- Minha filha você está falando com Alice Cullen. E eu quero falar com meu pai agora!

- Desculpe mocinha, ele está em reunião, e não tenho ordens para liberar nenhuma Alice Cullen para entrar na sala ou para interrompê-lo.

- Escute aqui, secretária de quinta. Primeiro, quando se atende às pessoas, se atende olhando-as no rosto, isso é a forma mais gentil e educada de se dirigir a um ser humano, e você só lida com seres humanos, com pessoas. Muitas vezes as pessoas que chegam aqui precisam de atenção, ajuda, e você as trata desse jeito. Sugiro que melhore seu comportamento, porque é o seu atendimento que causa a primeira impressão no hospital, e caso não saiba, é a primeira impressão que fica. E segundo, estou pedindo com muita delicadeza para que chame o meu pai, que por sinal é seu chefe. Então, chame-o agora. – Alice falou tudo de forma incisiva e pesada. A moça da recepção ficou verdadeiramente envergonhada, ao ver vários olhares a encarando.

- Desculpe senhorita Cullen. Irei chamá-lo. – falou mais que rápido e se retirou.

- Bella? Alice? O que vocês fazem aqui? – Carlisle apareceu cerca de dois minutos depois que a moça voltou ao seu posto, pedindo desculpas para nós duas.

- A Lisa pai, passou mal e desmaiou. Jasper está cuidando dela com Edward. Mas eles não nós deram notícias.

- Venham comigo.

(...)

- O que aconteceu com a minha filha?- já entrei gritando.

- Bella isso é um hospital. – repreendeu-me Edward.

- Foda-se é a minha filha, minha vida. Eu quero saber o que está acontecendo. E não ligue eu pagarei pelos serviços. Onde ela está?

- Bella? – a voz calma de Jasper soou atrás de mim.

- Jasper. Não me esconda nada.

- Não é de minha natureza, como um profissional médico, tenho o dever de lhe contar toda a verdade, fique tranquila. Lisa agora está em um quarto individual. Está com um soro intravenoso. Eu colhi o sangue para alguns exames. Estarão prontos em no máximo 20 minutos. Acalme-se eu não vou deixar nada acontecer a ela. Eu prometo. E se não se acalmar, serei obrigado a sedar você, ou melhor, sedarei você e Alice. Apesar de tudo, isso é um hospital, e é lugar de respeito, calma e silêncio. Pensem nos outros. – falou.

- Ok, peço desculpas... Posso ficar com ela?- disse mais calma, tentando sem muito sucesso controlar a respiração.

- Pode- ele sorriu calmamente –All, fique com a Bella, por favor.

- Claro amor. Desculpe o escândalo... E, desculpe não chamá-lo de doutor... É pomposo demais - só minha amiga louca para me distrair com suas bobagens nestes momentos...

Os próximos vinte minutos seriam os mais longos da minha vida...

Pov Edward.

Mais uma manhã... Sentei-me na sala de Jasper que era no primeiro andar, de portas abertas. Conversávamos sobre uma menininha entre a vida e a morte que se encontrava com leucemia avançada.

Quando ela entrou desesperada e gritando no hall do hospital, com Lisa desfalecida em seus braços. Meu coração se apertou virando uma bola de gelo. Corri até elas, como se minha vida dependesse daquilo, e realmente dependia.

Jasper a levou para sala de procedimentos. Ela havia apenas desmaiado. Somente depois de uma bateria de exames nós saberíamos o que ela tinha.

Quando a levamos, ela acordou no caminho. Quando me viu começou a debater, e chorar, parecia agoniada. Infelizmente Jasper há sedou um pouco, para poder examiná-la e encaminhá-la para os exames.

Estava esperando os vinte minutos para o resultado. Bella e Alice estavam sentadas no canto da sala em silêncio, olhando para Lisa, que dormia deitada na cama, cheia de fios e agulhas.

Eu de longe pude observar que Bella tinha olheiras profundas. O cansaço estampado na face delicada. Lisa também tinha olheiras e mesmo dormindo, sentia seu rosto se retorcendo em dor.

Fiquei tão imerso em pensamentos, em perguntas sem respostas, que só me dei conta do tempo quando Jasper trouxe consigo papéis, certamente os exames ficaram prontos.

- Bella, as notícias não são tão ruins. Lisa está no início de uma anemia tipo um. Isso é ruim, mas ainda não chegou a nenhuma anemia só mesmo uma baixa de plaquetas. Ela tem se alimentado?

- Não, ela toma um pouco de suco às vezes. Mas nada muito pesado, nada de alimentos sólidos. Na verdade comeu menos de um prato de comida na viagem...

- Teve febre? Dormiu direito?

- Não, bem eu esperava uma, pois quando saímos da Rússia estava nevando. E em Londres estava quente. Mas nada. Ela somente disse que não estava bem e desmaiou pouco depois... E ela não dorme você deve saber dos problemas...

- Claro que sei. Então, tudo que está acontecendo é emocional. Vou deixá-la no soro, mais um tempo. Ela está cansada, e sua imunidade baixa. Assim que acabar você pode levá-la. Receitarei umas vitaminas, e ela tem que se alimentar de uma forma ou de outra. Teremos que fazê-la comer.  

- Tudo bem, farei tudo que estiver ao meu alcance. – falou Bella.

-Ok. Podem ficar com ela enquanto termina o soro. Ela dormiu o caminho todo. No soro coloquei um remédio para acalmá-la ela se debateu muito ao ver Edward. – Jasper falou, e Bella me fuzilou com o olhar, estava querendo realmente me matar.

Muito tempo passou, e a todo o momento Jasper voltava ao quarto de Lisa para checar os medicamentos e o soro. Estava tudo bem, mas o soro ainda demoraria algumas longas horas para finalmente terminar, o que era bom, pois o caso de Elisabeth merecia ser acompanhado de perto. Eu fiquei no quarto com Alice e Bella, todos em silêncio, todos por Lisa.

Em certo momento, Bella saiu do quarto, deixando Alice no comando. Não suportei mais e acabei indo atrás dela, encontrando-a facilmente na lanchonete, sentada frente a um copo de água visivelmente intocado. Sem falar nada, puxei a cadeira e me sentei na sua frente, encarando-a pela primeira vez depois de semanas. Encarando a visão da morte em pessoa. Bella estava acabada...

- Não vai comer nada? – perguntei.

- Preciso, preciso ter força para cuidar da minha filha, mas, não consigo comer, meu estômago não permite. – falou secamente.

- Tente. – pedi.

- Escute. Você simplesmente sai da minha vida sem ouvir uma única explicação, me acusa de coisas que não sabia, abandona uma criança que te adotou e te ama, machuca a todos e agora vem dizer e pedir o que eu tenho que fazer? Francamente Edward... – falou.

- Bella eu... Perdoe-me. – falei por fim.

- Porque eu faria isso? – rebateu.

- Porque apesar de tudo, eu te amo, e amo Lisa. Eu sinto isso dentro de mim, me consumindo. Fiquei doido pela ideia de ouvir aquele filho da puta falando em casamento.

- Se me amasse, teria me deixado falar, explicar tudo imbecil.

- Eu estava cego. Ódio e amor em excesso me consumindo...

- Não justifica.

- Só... Perdoe-me Bella, me deixe fazer parte da sua vida de novo, tentar me redimir, tentar consertar isso.

- Nunca será concertado, espero que você saiba disso – falou seriamente – Isso não passa de uma hora para a outra. Eu sofri e sofro por você, Lisa sofre, e hoje foi o máximo que eu vi de sofrimento. Ela é só uma criança! E meu Deus... Sofrendo por assuntos adultos. Você ficou bravo e desconfiou de mim? Tudo bem, mas eu não gostei nada da minha filha ter sido atingida por isso. Espero que saiba.

- Eu fui um retardado, imbecil, inconsequente. Isso me dilacera, e dilacerou mais ainda ouvir algumas verdades que Alice me disse faz poucos dias. E agora, ver Lisa assim, machucada, doente, ver você acabada. Mata-me Bella, só peço perdão, pedirei perdão de joelhos, pelo resto da vida se você quiser. – falei com sinceridade.

- Aqui não é lugar para isso. – falou me encarando nos olhos. Seus olhos me encaravam com frieza – Só te digo Edward. Se mais alguma coisa acontecer a Elisabeth por sua culpa, eu acabo com a sua vida, entenda isso. – suas palavras foram ameaçadoras. Não era mais Bella ali, era a leoa, a mãe.

- Só me deixe... Tentar me redimir. – pedi – Perdão Bella.

- Você quem sabe... – murmurou e se levantou. Fui atrás, seguindo-a de perto. Segurei sua mão, e por grande sorte, ela não soltou.

Teria volta? Teria solução?