Eternal Flame escrita por bandolinz


Capítulo 2
Má Notícia


Notas iniciais do capítulo

A partir de agora os capítulos serão narrados pelo ponto de vista da Renesmee. =)





Galhos de árvores dançavam no céu impedindo a visão das nuvens acima de nós, eu admirava a paisagem. Jacob soltou minha mão, brincou jogando um pequeno monte de folhas secas sobre mim e saiu correndo, um sorriso largo iluminava seu rosto. Não pude deixar de sorrir também e corri para alcançá-lo. Essa era uma cena comum, mas eu estava consciente de que aquilo era um sonho. Inúmeras borboletas coloridas invadiram meu campo de visão. Eram lindas. Quando se foram uma luz forte me cegava.


− Renesmee, querida, já é hora de acordar. − Bella falava enquanto abria a cortina.

Em geral eu sempre acordava de bom humor. Num salto saí da cama e a abracei. Olhei para o seu rosto, ela era mesmo uma das pessoas mais bonitas que eu já vira.

− Bom dia, mãe.

− Bom dia, meu anjo. − seus lábios se curvaram em um sorriso − Estão te esperando lá embaixo.

Reparei no cheiro amadeirado que pairava no ar. Jacob! Pela janela vi o grande lobo marrom avermelhado zanzando de um lado para o outro. Toquei no rosto dela ‘O que ele tem?’.

− Nada, eu acho.

Soltei um riso baixo e deixei passar essa. Minha mãe sempre mentiu mal. Dei um beijo em sua bochecha e fui me trocar. Se havia algo errado, Jake me diria.

Puxei um vestido azul claro do mini-closet − a casa projetada por Esme e dada de presente aos meus pais teve de passar por algumas reformas, feitas pela mesma com muito entusiasmo, para abrigar um closet no meu quarto. O ‘guarda roupa’ era de um espaço considerável, mas se tornava pequeno comparado ao mega-closet que Alice preparou para mim na mansão dos meus avós. Ela se divertia muito em ter de renovar todo o guarda roupa duas vezes por semana, nem que eu quisesse conseguiria vestir mais de uma vez a mesma roupa.

Em dois minutos eu estava lá embaixo pronta para sair. Edward estava sentado em uma poltrona lendo um livro, parecia estar concentrado.

− Pai, vou dar uma volta com Jake.

− Você mal se levantou e já vai sair com o cachorro. − ele atacou sem tirar os olhos do livro.


Pisquei duas vezes. Do lado de fora Jake bufou. Edward nunca foi o melhor amigo de Jacob, mas até que se davam bem. Esse tipo de comentário da parte do meu pai era atípico, parecia que eu acabara de ouvir Rosalie.

− Edward! − Bella interveio. − Não fale assim de Jacob. Vá, Nessie, eu me entendo com ele.

Não fiquei para ver o que aconteceria, mas já podia imaginar. Quando saí dei de cara com Jacob na forma humana, com uma camiseta preta e uma bermuda jeans claro, que dava indícios de ter sido uma calça no passado.

− Olá, Ness.

Joguei-me em um abraço e ele retribuiu. Era tão bom vê-lo, nem parecia que ontem mesmo estivemos juntos.

− Também senti sua falta. − disse afagando meu cabelo. Sua voz era serena. − Vamos.

Ele segurou minha mão e caminhamos na direção das árvores. Fez-se silêncio por alguns minutos, mas aquilo não me incomodou. Eu sempre ficava muito à vontade com Jacob. Percebi que estávamos indo na direção da clareira que ficava na fronteira entre Forks e La Push. O tempo estava agradável, não mostrava indícios de que iria chover.

− Como está Billy?

− Ele vai bem. Reclamando que você deve a ele uma visita. Sabe como o velho gosta de você. − ele sorriu de leve.

− É mesmo. Já faz algum tempo...

− Aposto que você tem algo pra me contar. − interrompeu ele enquanto passava o braço comprido por minha cintura sem olhar meu rosto, me levantou e me colocou do outro lado de um grande tronco caído que estava em nosso caminho.


Pensei por um segundo e me lembrei da viagem que eu ganhara de presente de aniversário.


− Ah, claro! Como pude me esquecer... Jake, nós vamos ao Brasil. Vou poder rever Zafrina e os outros, não é maravilhoso?

− Você anda muito esquecida para uma garota que ainda vai completar seis anos. − ele riu debochado e bagunçou meu cabelo.

− Pára, Jake. − afastei seu braço e ajeitei meu cabelo me esforçando para conter o riso. Cruzei os braços e completei com ar de superioridade. − Seis anos com um corpinho de quinze e mente de trinta.

Ele caiu na gargalhada.

− Claro, claro. − passou o braço pelos meus ombros e me puxou para perto de si. − Então, você parece bastante animada com a viagem.

− E estou. É um presente de meus avós, uma pena eles não irem conosco, mas Carlisle preferiu ficar, precisam dele no hospital.

− Não é de se espantar. Isso é tão Carlisle. − disse revirando os olhos.

− De qualquer modo vai ser divertido, nunca viajei para tão longe. – Eu mesma pude perceber a empolgação vibrando em minha voz.

− Espero que sim. − Jacob estava subitamente sério, a expressão pensativa.

Talvez a América do Sul não pareça tão interessante para ele como eu imaginava que seria, mas poderia também se tratar dos vampiros que encontraríamos por lá. Não, não. Jake sempre mostrou um surpreendente autocontrole em relação aos vampiros, eu sabia que aquilo o incomodava um pouco, contudo ele definitivamente já havia se acostumado.

− Não se preocupe, você vai acabar gostando.

− Eu não vou com você, Nessie. – as palavras saíram mecanicamente.


− O quê? − minha voz falhou.


Paramos de andar.

− Escute − ele segurou meu rosto com as duas mãos, de modo que eu olhasse diretamente seus olhos. Seu olhar era intenso. − não há nada no mundo que eu queira mais do que estar ao seu lado. − suspiro − Mas ver você feliz já é o suficiente. − a última frase saiu quase como um sussurro.

Ele voltou a andar, dessa vez lento até para um humano. Fitando o chão ele prosseguiu como se falasse consigo mesmo.

− Sei que será divertido. Há tantas coisas que você nunca viu... E também tem seus amigos sanguessugas, eles gostam tanto de você e você deles. Eu te tenho comigo todos os dias, eles merecem uma chance uma vez na vida. − ele se virou e sorriu amargamente, seu olhar era triste.

Ver Jacob daquela maneira me desorientava. Apesar de confusa eu podia entender o que aquilo significava, e a idéia de tanto tempo longe de Jake me dilacerava. Senti que as lágrimas enchiam meus olhos. Corri em sua direção e o abracei, enterrando minha cabeça em seu peito.

− Por favor, Jake. − a voz saiu abafada.

− Não chore, Ness. Serão só algumas semanas, vai passar rápido. − Ele beijava meus cabelos delicadamente.

Eu me sentia uma criança mimada que acabara de perder o presente de Natal. Ficamos assim por um tempo que eu acredito ter sido longo, mas que nem vi passar. Agora tudo fazia sentido. O receio de Bella, a ansiedade de Jake, o mau humor de Edward. Era bem provável que a conversa de ontem sobre a viagem tenha continuado depois que fui dormir, Jacob deve ter chegado e tudo culminado em uma grande discussão. Enquanto eu, alienadamente, dormia. Não poderia ir deixando o meu Jacob, poderia?

− Então eu não vou. Não podem me obrigar a ir.

Jake me olhou pasmo por um instante. Tirou os meus braços da sua cintura e os segurou, me afastando dele. Suas sobrancelhas se uniram e o tom era de sermão.

− Não faça isso. Já tive problemas demais com essa história. − Fiz um biquinho, senti que voltaria a chorar a qualquer instante. Então sua expressão suavizou. − Você está fazendo isso parecer pior do que realmente é. Por favor, Nessie, não complique as coisas. − agora era quase uma súplica.

Engoli o choro e respirei fundo.

− Estou agindo como uma garota de seis anos, não é?

− Como uma garota de cinco, boba e mimada.

Eu ri.

− Me desculpe.

− Não se desculpe, está tudo bem. − ele enxugou minhas lágrimas com o polegar. Mais que droga, elas insistiam em escapar. − Quer voltar pra casa? Sacudi a cabeça rapidamente em negativa. Ele segurou novamente minha mão e continuamos a caminhada, dessa vez o silêncio era mais profundo, gritava por entre as árvores. Reparei que já estávamos perto da clareira, não demorou muito e chegamos. Sentei-me na grama, Jake sentou de frente para mim e ficou me encarando como se tentasse ler minha expressão. Toda minha concentração estava voltada para um pedaço de grama que eu picotava em minúsculas partes.

− O que te incomoda tanto? − perguntou por fim.

− Vou sentir sua falta.

− Eu também. − Desviei minha atenção da grama para o ver cair para trás, deitando com as mãos na cabeça. − Mas pelo menos não vou ter de me preocupar com o presente.

− Jake!

Ele riu. Engatinhei até seu lado me aninhando junto ao seu corpo.

− Vou continuar aqui, te esperando. − livrou uma das mãos e passou a fazer desenhos em meu braço com os dedos. − O tempo que for preciso. − prometeu solenemente.

Agora tudo parecia bem. Eu só queria desfrutar o momento ao máximo e guardar comigo aquela sensação do calor de Jacob me aquecendo, envolvendo e protegendo.

− Não esperava fazer isso, mas vou ter de impor algumas mudanças no modo em que me tratam naquela casa. Parece que eu sempre sou a última a saber das coisas. − disse fingindo irritação.

− Ah, não. Nem vem com essa. Alguém tem que ocupar a última posição por mim.

Ri baixinho.

− Amigos servem pra isso.

− Nessie, e se eu não fosse... − parou parecendo escolher melhor as palavras. − Bem, se você pudesse mudar algo no modo como eu te trato, você mudaria? Não entendi bem a pergunta. Claro que eu não mudaria nada entre nós. Jacob era meu. Meu melhor amigo e a pessoa que eu mais amava além da minha família. Tínhamos uma relação maravilhosa, eu confiava nele, ele sempre me apoiou e protegeu. Minha vida não teria sentido sem Jacob. Ele estaria pensando em aproveitar minha ausência para me abandonar de vez? Como ele poderia ter alguma dúvida em relação aos meus sentimentos por ele, quanto a minha necessidade dele?

− Não mudaria nada, Jake. − tentei ser o mais explícita possível. − Quero você aqui sendo meu amigo para sempre.

− Então é isso que eu sempre serei. − beijou minha testa.

Tive a impressão de ouvir uma nota de decepção em sua voz, mas devo ter imaginado. O dia passou rápido levando parte da tarde. Conversamos sobre vários assuntos, ninguém falou mais da viagem. Foi um dia maravilhoso. Afinal, poderia ser de outra maneira com Jacob ao meu lado? Logo estaria escurecendo então fomos para a casa dos meus avós. Dessa vez Jake não entrou, disse que tinha muito a fazer na reserva.

− Então amanhã você passa aqui para caçarmos?

− Claro, claro. − deu um beijo em minha bochecha e saiu. − Até mais, Nessie.

Subi a escada distraída e nem percebi que Edward já estava parado na porta. Olhei para ele desconfiada, analisando sua expressão. − Eu não estou bravo com você, querida. − disse respondendo meus pensamentos. − Me desculpe por hoje de manhã, foi muito hostil de minha parte.

Seu semblante era uma mistura de culpa e constrangimento. Era fácil acreditar que ele estava sendo sincero.

− Tudo bem. − o abracei afetuosamente. − É bom ter você de volta.

Ele sorriu lindamente, como sempre. Meu pai parecia um anjo talhado por um grande artista em alguma catedral importante. Ele riu com meus pensamentos e entramos em casa. Emmett surgiu em nossa frente ocupando todo o meu campo de visão. Como ele era grande! Só não era maior que Jake.

− Puxa, Nessie, você demorou. Perdeu toda a diversão. − ele riu como um urso e apontou com a cabeça para Rosalie e Alice conversando animadíssimas no sofá. Rodeadas de sacolas de roupas e sapatos.

− Ah não... − desviei de Emmett e me lancei no braço do sofá examinando rapidamente as sacolas. − Vocês me decepcionaram... Não pensei que me deixariam sem compras de viagem.

Alice lançou um olhar furtivo para Rosalie e as duas riram baixinho. Nesse momento Bella entrou na sala.

− Renesmee, que bom que você chegou. Estamos indo caçar, nos acompanha? − Bella parou ao lado de Edward pondo o braço em volta da cintura dele.

Edward ergueu uma sobrancelha ao ler em minha mente que eu pretendia caçar amanhã em outra companhia.

− Não, ela não vai. Nós vamos ao shopping fazer compras de viagem. − Alice me salvou, um sorriso orgulhoso enfeitava seu rosto de porcelana. − Não tem problema, não é Nessie? − Eu não poderia ter uma idéia melhor.

Alice deu pulinhos de alegria e piscou para Bella.

− Não se preocupe, na volta caçamos alguma coisa.

− Na verdade... Combinei de caçar com Jake amanhã.

− Tudo bem. − ela sorriu outra vez, a idéia pareceu agradá-la. − Caço mais tarde com Jazz.

Alice dançou pela sala parando ao lado de Jasper que estava parado ao pé da escada. Bella, Edward, Emmett e Rosalie foram caçar. Em dois tempos tomei um banho e me arrumei para sair com Alice. Eu gostava de ir ao shopping com ela, era muito divertido vê-la dançando entre os corredores das lojas decidindo entre uma peça e outra. Seu bom gosto era outra qualidade indiscutível.

Dessa maneira a noite passou voando e eu voltei para casa com um novo guarda roupa, triste por ter de me despedir de algumas peças que eu ainda nem havia usado. Alice saiu para caçar com Jasper. Eu estava muito cansada para esperar os outros voltarem então o sono acabou me dominando.