Rehab escrita por Amanda, Juh, Taís


Capítulo 26
Sasuke: Questões


Notas iniciais do capítulo

Rá, estamos muito orgulhosas de nós mesmas, postamos 4 capítulos em 1 mês! Record!!!Muito obrigada pelos comentários!Boa leitura!



Eu gostaria de entender todas as coisas que aconteceram em minha vida até aqui. Sei que muitas delas ficarei sem entender. Mas se tem algo que quero fazer, é buscar algumas respostas e dar o sentido da minha vida que se perdera desde a morte da minha mãe. Então... Sigam-me os bons!



Desatei a gravata, desfiz alguns botões da camisa, joguei o terno em minhas costas segurando-o com uma mão e saí por aí sem rumo. Sabia que precisava fazer algo. Estava a duas quadras da empresa Uchiha, em uma rua onde havia muitos restaurantes e lojas bacanas. Não sei ao certo o que procurava, mas sei que precisava ser embrulhado numa caixa lilás com bolinhas amarelas e um grande laço vermelho! É isso mesmo, estou sendo viadinho por um dia, posso? Herr. Avistei aquelas milhões de lojas e revirei os olhos ao imaginar uma mulher tentando fazer compras por aqui, passaria pelo menos duas vezes em cada uma dessas. Herr.



Passei rapidamente os olhos nos nomes dos estabelecimentos, eis que acho "Win Hearts", a loja era muito Gay, mas certamente acharia alguma coisa por lá. Respirei fundo ao atravessar, porque estava deixando minha dignidade do outro lado da rua. Herr. Olhei atentamente em volta, só pra ter certeza se não havia por ali alguém conhecido e entrei na loja.



O lugar realmente era "fofo", tudo brilhava e tinham muitos detalhes. Fiquei até tonto com tantas coisas. Uma atendente veio até mim se oferecendo pra me ajudar com o presente, mas recusei. Ela veio com aquele papo de chocolates e flores, mas despachei ela rapidinho, afinal sou eu quem vou dar, certo? Então eu devo escolher, oras.

Dei uma olhada nos corredores, acabei parando em uma seção de ursos de pelúcia. Uma merda, todos os ursos eram de personagens ou de viadinhos... Mas eis que lá na ultima prateleira, escondidinho no cantinho que era pra não atrapalhar, eu acho, o ursinho renegado, o rebelde, o ursinho rejeitado. Perfeito! É, encontrei! O ursinho meio carrancudo branco e em sua camisa preta estava escrito "Eu amo você". Acho que me define, porque quem diria que eu seria capaz de dizer isto? E de verdade, nem ligo, só quero agradá-la. Mulheres se importam com isso, só que pra mim tanto faz! Mas com certeza ela vai gostar muito, ele é médio, mas é bem peludo e nem os olhos da minha cara valem mais que este urso. Onde já se viu, não se fazem mais nada barato hoje em dia. Herr.

— É pra minha mãezinha, sim Neji, larga! — Naruto disse no corredor ao lado. Quê? Naruto e Neji também estão aqui? Harr. Droga, preciso dar o fora.

Bem quietinho dei a volta, mas vi o Gaara de costas no outro corredor escolhendo alguma coisa. Droga, droga, droga! O que esses babacas estão fazendo por aqui? Harr. Então decidi arriscar ir até o caixa, pra pagar logo o ursinho e sumir dali. Mas sorte não existe mesmo! Quando estou quase saindo, Itachi entra pelo corredor do qual eu pretendia sair. Harrr. Saco. Fui desmascarado.



— Sasuke? — Itachi disse estranhando e ao mesmo tempo assustado. Rum, aí tem... Mais um segundo depois:




— Sasuke? — Os três patetas atrás de mim também chamaram e disseram em coro.




— Eu sei que meu nome é lindo, não precisam ficar repetindo com tanta freqüência. — dizia bem ciente da minha mão escondendo o urso.




— Ei cara, o que você ta fazendo aqui? E o que isso aí na sua mão? — Naruto perguntou. Haarr.




— Nada tão importante quanto o que vocês têm nas suas. — disse rebatendo. Se é pra pagar de viadinho, então todos vão pagar juntos! Muaaah.




— Naruto quer dar uma bola de pelúcia pra "mãe" dele. — Neji contou caçoando.




— Já disse que não é uma bola! É o globo terrestre, com todos os países. Ela gosta de culturas diferentes, ta! — Naruto se defendeu.




— E parece que a "prima" do Neji quer ganhar um álbum de fotos de pelúcia. — Gaara disse rindo da cara de Neji.




— Pelo menos tenho criatividade, e você que está levando essa concha do mar de pelúcia horrorosa para "Irmã". — Neji rebateu. Fiquei prestando atenção nisso.




— Crianças, aprendam com o mestre... Tcharammm! — Itachi disse mostrando um coração de pelúcia.




— Isso não é meio obvio demais, não Itachi? — Perguntei.




— Não, a mulher que ganhar isto, vai saber que gosto do coração dela, do que é interiormente. — Itachi disse todo filósofo. Hmmm. Quer dizer que o bunda branca tem alguém?




— É um ursinho. — Chacoalhei de má vontade antes que alguém me perguntasse, com a mão tapando ele inteiro é claro. Hehe.



Então fomos para fila do caixa, todas as mulheres que entravam na loja e viam aquela fileira de homens românticos jogava algum cartãozinho para nós. Herr. Os embrulhos ficaram ótimos. Saímos da loja cheios de sacolas de viadinhos. Harrr. Eu até pensei que por hoje minha cota de ser visto pagando mico já havia acabado, mas não! É colocar o pé na calçada que meus três pesadelos esbarraram em mim. Harrr.




— Sasuke! — As três gritaram em coro. Droga, já estava começando a enjoar do meu nome.




— Ok, por favor, não me matem! Nada de unhadas e nem palavras chulas, por favor. Estamos em um ambiente público, por favor, vamos manter a decência! — eu já comecei dizendo.




— E quem aqui está brigando, Sasuke? — Videl disse. Tive que abrir um dos olhos pra ver, né. O medo de levar uma tamancada na cara era muito. Herr. As três estavam bem comportadinhas, de braços dados e bem felizes se comportando como boas meninas. Continuavam as mesmas de sempre, iguaiszinhas, variando entre o loiro, preto e ruivo. Minhas três ex- namoradas.




— Quanto tempo em Uchiha? — Bulma disse me cumprimentando.




— E verdade... Vejo que estão bastante felizes? — perguntei meio que afirmando. Hehe.




— Ah, sim... Estamos fazendo compras, Bulma vai se casar com Yamcha! — Karin disse. Meus olhos saltaram pra fora, né? Não esperava por isso. Se bem que ao julgar pela conta bancária dele, dá pra entender o casamento! Herr.




— Meus parabéns! — disse verdadeiramente.




— Obrigada... Videl também está aproveitando as compras. Amanhã estará viajando ao EUA. — Bulma comentou.




— É, estarei seguindo minha carreira de modelo por lá, rumo às oportunidades! — Videl disse com os olhos brilhando. Então olhei pra Karin esperando a próxima bomba.




— Bom, eu continuo a trabalhar como modelo por aqui mesmo. A propósito... Estive passando pela Uchiha, amei a campanha, odiei ela! — Karin disse com seu peculiar ar de maldade de sempre.




— É tudo um ponto de vista, não é mesmo? — Disse com uma pontadinha de ironia, afinal Sakura foi escolhida e elas não.




— Algumas pessoas não sabem apreciar uma beleza verdadeira... O contrário de você, né Sasukezinho? — Karin perguntou com uma colher cheia de malícia pra cima de mim. Não gostei não.




— Sem dúvidas sei apreciar! A propósito... Já viram minha namorada? — perguntei no mesmo tom em que ela havia usado. Ninguém respondeu.




— Esqueça isso, Sasuke, quando quiser diversão de verdade... Você sabe onde achar, estarei te esperando! — Karin disse.




— Então deite! Por que vai cansar. — hehehe, disse e ela saiu fumaçando, Videl e Bulma a seguiram olhando pra trás me dando tchauzinhos sorridentes. Hehe.




Aí vai uma pergunta que exige uma boa resposta: O que eu tinha na cabeça quando estava com elas? De verdade, não gostava de nenhuma delas, só fazia questão de pegar todas! Talvez fosse aquela vontade de experimentar rebeldia e quem sabe conseguir tapar o buraco do grande vazio que estava dentro de mim. Não funcionou! Quando olhei pra trás todos os idiotas estavam de bocas abertas babando ao vê-las atravessando a rua graciosamente. Herr. Todos caem nessas belezas diabólicas. Se bem que ando mais crítico ultimamente. Nem são tão bonitas assim! Parecem varetas vestidas de grife. Até nisso mudei minha concepção em relação a elas. Herr. Piruas a parte, eu e os panacas combinamos de fazermos o que deveríamos fazer e à noite ir a um barzinho.



Meu bom e canalha amigo Neji me emprestou seu carro pra variar, já que estava junto com o Gaara. Meu Deus, até quando viverei sem meu porsche? Harr. Voltei pro barraco do Itachi, porque o próprio Itachi não veio comigo, disse que sua musa estava esperando ele bem perto de onde estávamos. Então ta, né? Fui tomar um banho e me arrumar. Passei um pente no cabelo, tentando ficar mais bonito do que já sou, mas não deu! herr. Passei a gota do perfume francês que ainda tinha dentro do frasco e também espirrei um pouco dentro da caixa onde havia guardado o ursinho. Ela tem que sentir meu cheirinho nele, né. Hehe. Então fui buscá-la, cheguei em frente a sua casa e toquei a campainha, ela apareceu. Estava linda! Antes que ela pudesse falar grudei meus lábios nos dela.



— Sasuke... Preciso te contar uma coisa.




— Também preciso... Me espere aqui. — disse e fui até o carro buscar o presente. Ao ver a embalagem seus olhos brilharam.




— Presente? — ela perguntou como se não estivesse acreditando. Eu a incentivei a abrir, ela começou a desfazer o embrulho com entusiasmo. Segurei a caixa enquanto ela pegava o ursinho que estava dentro, ao ver ela ficou maravilhada, mas começou a avaliá-lo atentamente. Sua expressão ficou gélida e por fim séria.




— Sasuke... Não posso aceitar! Guarde isso. — Não podia acreditar no que acabei de ouvir!




— Guardar? — Perguntei indignado.




— Não posso, não dá pra aceitar! Você deve guardar ele e entregar pra alguém que ame de verdade!




— Mas Ino... — tentei dizer algo, mas ela silenciou meus lábios com seu dedo e aos prantos ela me deu um selinho. Eu a abracei. E ficamos assim por uma década.




Próxima pergunta a ser respondida: O que as mulheres querem? E isso aí, o que elas querem? Posso revirar meu cérebro dentro da caixa craniana, mas continuo sem resposta para isto! Poxa... Se tem algo que tenho tentado fazer ultimamente é ser gentil e romântico, ter um namoro sólido, e fazer alguém feliz... Tudo o contrário do que fazia antes. Agora me perguntem se funciona? NÃO, não funciona povo do meu Brasil. Eu sinceramente não sei amar, estou tentando, mas essa merda é complicada demais! Pensei que ia arrasar com o meu ato né, mas quebrei a cara e quando um homem quebra a cara, ele vai beber com os amigos, certo?



— O SASUKE É UM BOM COMPANHEIRO... O SASUKE É UM BOM COMPANHEIROOO, O SASUKE É UM BOM COMPANHEIROOOOOOOO, NÍNGUÉM PODE NEGAR!!! — Cá estávamos nós, e pasmem vocês, não foi só eu que quebrei a cara por aqui!!! Parece que a nossa tentativa de romance foi toda falha. Exceto é claro Itachi, que até agora sequer voltou pra contar a história, vagaboy! Enquanto isso no lustre do bar, meus pobres amigos já estavam ficando alterados. Eu até bebi alguma coisa fraca, mas logo parei. Ta aí outra coisa que mudou. Herr.




— Como assim ela não estava em casa na hora que marcamos? Poxa, eu ia dar o mundo pra ela! — Naruto disse reclamando.




— Pode dar o mundo e ela ainda vai conseguir enfiar dentro daquela bolsinha! Minha prima é fogo, assim como aquela Tenten. Como assim bem na hora que vou entregar o presente, ela sai que nem doida pra ir fazer uma reportagem? Harr. — Neji esbravejava.




— É, Sasuke e Neji, de todos nós, Gaara pelo menos conseguiu entregar o presente! — Naruto disse, nós olhamos para ele que ao responder evitada me olhar.




— Preferia não ter entregado! Você quer se desculpar com alguma dignidade, e ela só falta dar um chute na sua bunda, porque está esperando alguém! — Gaara disse entre dentes.




— Pior mesmo é você tentar ser legal e ela dizer simplesmente: Obrigada! Não posso aceitar, passe para próxima! Harr, que ódio viu! — disse e todos brindaram seus copos e afogaram às magoas. Pouco tempo depois, Itachi me ligou.




— Ei bunda branca? Onde vocês estão que não chegaram aqui ainda? — Itachi perguntou num sermão.




— Não enche, estamos bebendo!




— Então mecham- se e comprem pizzas, porque temos que fazer uma despedida pro Sai, lembram- se? — Itachi disse. Harr. Droga já ia me esquecendo!




— Certo, vou agilizar as coisas por aqui.




— Rápido, porque ele está vindo pra cá! — Itachi disse e antes que eu pudesse responder, ele desligou na minha cara. Pelegrino. Harr.




Eu, Gaara, Naruto e Neji fomos comprar pizzas, ao chegarmos no barraco do Itachi já estava rolando uma música e o videogame já estava a nos esperar. Pouco tempo depois Sai chegou e todos nós fomos encher a pança e relembrar histórias de quando éramos pivetes. Naruto ainda é um, mas a maioria de nós crescemos, graças a Deus. Hehe. Jogamos mais algumas partidas de Mortal Kombat. E antes que todos fossem embora, Sai fez um pequeno discurso de agradecimento.




— Obrigada! Eu agradeço de coração a todos vocês! Foi incrível crescer com vocês, passar por tantas coisas juntos. Me sinto privilegiado de ter conhecido uma galera como vocês! Gaara, Naruto, Neji... Vocês são os amigos mais leais que alguém pode ter! Itachi e Sasuke... Vocês são os melhores irmãos que eu já pude ter. Vocês dois tem um grande coração! Andem logo, venham me abraçar antes que eu chore, merda... — Sai disse e todos começaram a se jogar em cima dele fazendo um montinho em cima do sofá. O barraco do Itachi é tão velho, mas tão velho, que caiam muitos ciscos nos olhos dos outros. É.




Essa parte da minha vida se chama: AMIGOS. Tenho outra pergunta relevante a se fazer. Por que quando crescemos as coisas se tornam tão complicadas? Sai namora Sakura, que já foi a grande paixão de Gohan que agora namora Temari, que é irmã do Gaara que não consegue esconder sua "implicância" pela Ino, que é minha namorada. Eu que já namorei Temari, já beijei Sakura que já beijou o Neji, que agora gosta de Tenten e que tem uma prima, a Hinata, que gosta do Naruto que gosta dela de volta. Ta aí, talvez ele sejam os únicos descomplicados da história.




Quando finalmente todos se foram, eu e Itachi despencamos feito jaca podre no sofá. Mas alegria de pobre... Vocês sabem! Assim que deitamos a campainha tocou. Sinceramente, esses garotos não sabem entrar e sair deste barraco sem esquecer nada? Mas que merda.



— Você atende! — eu disse.




— Nem ferrando!




— Eu não vou!




— Nem eu!




— Par ou impar? — sugeri.




— Par.




— Impar. — eu disse colocando dois dedos, Itachi colocou um, hehe. Ganhei!! — Você atende, mané. — disse e ele se levantou indo até a porta já murmurando as sete pragas do Egito sobre os meninos, até virar uma múmia, totalmente sem cor.




— Finalmente! Pensei que não iam atender! — Sr. Fugaku Uchiha, o bunda branca disse.




— Pai??? — perguntei aparecendo atrás de Itachi.




— Como vai, Sasuke? — perguntou, olhando sobre Itachi com aquele sorrisinho amistoso.




— O que você quer aqui? — Itachi perguntou.




— Bom, só vão saber se me convidarem a entrar. — meu pai disse já dando uma olhada na terceira guerra mundial que rolou ali.




— Não vamos forçar a barra, certo? — Itachi disse.




— Parem de ser mal criados comigo! — ele reclamou entrando e se sentando no sofá. Eu me sentei no braço do sofá de frente pra ele, Itachi ficou em pé de braços cruzados.




— Desembucha! — Itachi disse de má vontade.




— Quero que vão a um jantar especial que darei.




— Vai se casar, não vai? — Itachi deduziu.




— Pretendo.




— Pai? Vai mesmo cair nessa? Ta na cara que é uma biscate! — eu disse injuriado.




— Você ao menos sabe quem é? — ele questiona.




— Não... Mas se ela te seduziu, logo após a perda da nossa mãe! Pai, só faz um ano e sete meses que a mamãe se foi...




— E nós vamos ficar de luto até quando? Até quando vocês dois vão ficar com este buraco enorme dentro de vocês? Se me ignorarem como pai faz vocês se sentirem melhor, então vão em frente, continuem! Porque não estou querendo me casar novamente pra preencher o vazio que a mãe de vocês deixou, não! Eu a amei até quando não pude mais, e meu amor por ela nunca vai acabar. Só quero que entendam que não estou tentando substituí-la, só preciso seguir em frente assim como vocês... Ela gostaria disso. — ele disse terminando quase num sussurro.





— Não pode nos culpar por estarmos amargurados! Tem idéia do que é ver sua mãe morrer? — Itachi disse como se estivesse implorando por compreensão.




— E vocês têm idéia do que é ter uma montanha de dinheiro, e ainda assim, não livrar da morte a mulher que ama? Eu não consegui salvá-la... Meus dólares não compraram a cura e nem pagaram o amor, entendem isso? — ele perguntou. Eu e Itachi assentimos pela primeira vez respeitando e compreendendo a dor dele.




— Como ela é? — Itachi perguntou e meu pai sorriu levemente com a bandeira branca levantada.




— É uma boa mulher, como posso dizer? Ela é mais parecida com vocês do que comigo! Jovial, engraçada e até radical. — contou-nos.




— Quantos anos a piriguete têm? — perguntei ironicamente.




— É uma mulher respeitável Sasuke, 42 anos. Também tem uma filha que é uma jovem incrível. — ele respondeu em tom de advertência. Os olhos de Itachi se esbugalharam e eu também fiquei muito surpreso dela não ser uma novinha. Herr.




— Você está certo de que ela não é uma golpista? — perguntei.




— Sim estou certo, já tive várias provas disso.




— Quer saber? Ainda acho que ela deve ser uma piranha! — eu disse.




— É mesmo assim que chamaria Tsunade? — Ele perguntou. Mas é claro que não, né! Darrr. Espera aí... QUÊ???????????




— V-você disse... — antes que terminasse ele me interrompeu.




— Sim, Sasuke, vou me casar com a mãe da Sakura. E quer saber? Quando contei a ela que você é meu filho, ela ficou muito feliz. — ele disse. Esqueci-me de como é que se respira!




— Peraí... Mãe da Sakura? — Itachi perguntou sem entender.




— Não pode ser... — disse abobalhado porque meu cérebro estava derretendo.




— Encontro vocês em meu jantar, será daqui a duas semanas! Se cuidem... — ele disse saindo — E ah, Sasuke, você se encarrega de levar Sakura. — avisou por fim e se mandou. Eu e Itachi nos olhamos com cara de bunda.




E aí vai mais uma: Qual é a do meu pai? Ele conseguiu fazer a mim e ao Itachi nos sentirmos imbecis insensíveis. Ele também sofreu com a gente o tempo todo, e nem ligou de termos nossos ataques de rebeldia. Consigo ver claramente que ele não desistiu de mim, e nem do Itachi, está apenas nos dando tempo. O piorsão foi a injustiça que cometi ao julgar a pessoa que estava com ele, sem ao menos ter conhecido. Em pensar que eu xinguei tanto a Dona Tsunade! Meu pai não podia ter uma companheira melhor que ela! No meio da noite pensei que só eu estava acordado pensando, até Itachi dizer algo sobre Sakura ser nossa irmãzinha e rir feito bobo. Harr. Mas hein? Só o que me faltava! Harr.



Mas que merda, esse dia é infinito, é? Não estava conseguindo dormir. Droga! Me levantei pra ir pegar um copo d'água, quando passei pela estante da sala vi ali o ursinho que comprei. Peguei com raiva e joguei no fundo do guarda- roupas. Harr. Não sou otário, sei que as coisas entre a gente não está dando certo. Talvez tenha uma explicação pra isso? Azar! Harr. Se ficar pensando muito minha cabeça vai explodir.




Quando finalmente preguei os olhos, rapidinho tive que abri-los de novo. Meu despertador avisava que ainda sou pobre e tenho de ir trabalhar. Harr. Quando cheguei à empresa, fui direto à recepção perguntar pra secretária baranga sobre meu pai, ela era só sorriso, com aquele aparelho grotesco. Deviam proibir ela de sorrir! Disse que meu pai ainda não tinha chegado. Então subi para minha sala, cheguei logo organizando a papelada sobre minha mesa, pouco tempo depois Sakura chegou, me cumprimentou rapidamente e foi direto para sua mesa. Ela usava um óculos escuro às 07:00 hrs da manhã! Ela estava chorando? O que será que aconteceu? Alguém brigou com ela? Harrr. Não sabem que ela é toda delicada, não? Não podem brigar com ela! Harr. Trabalhamos em silêncio e ninguém o quebrou, mas eu estava preocupado com ela, mas mais preocupado ainda com o que eu estava prestes a fazer. Harr. Quando terminamos o expediente, eu saí primeiro da sala, porque queria falar com a Ino, no caminho esbarrei no Sai.



— Ainda está por aqui? — estranhei.




— Vim buscar minhas coisas de escritório e dar um beijinho na minha namorada.




— U-hum... É, a Sakura vai com você? — perguntei.




— Estou esperando a decisão dela, será e é uma surpresa pra mim também! — ele disse confiante. Como se já soubesse a resposta dela. A resposta que ele gostaria de ouvir dela.




— Hm... Bom, tenho que ir, Sai. To atrás da Ino. Viu ela por aí? — perguntei com pressa. Alguém por aqui tem que fazer alguma coisa, né?




— Acabei de encontrar com ela, está lá na recepção.




— Valeu, to indo lá. E mais uma vez... Boa viagem! — eu disse e ele assentiu. Chegando à recepção Ino estava conversando com a secretária baranga.




— Me desculpe atrapalhar, meninas. Ino, posso falar com você?




— Claro! — ela disse meio desconfiada. Segurei sua mão levando-a para o lado de fora da empresa.




— Ino... Eu não sei nem como começar a dizer isso. — ela me encarou atentamente ficando séria. — Hoje custei a dormir, porque pensei nas coisas que você disse ontem... — eu dizia e ela me interrompeu.




— Você ficou magoado comigo! Não era minha intenção, por favor, entenda.




— Não, não é nada disso, quero dizer, eu não gostei da sua atitude, mas depois eu refleti a respeito... E percebi que o nosso namoro tem sido muito legal, você é uma garota incrível e maluca... — disse e ela sorriu, com seus olhos cheios de lágrimas — Mas estarei sendo injusto com você e comigo também, se ficarmos preso um no outro... Sem amor! — terminei e ela ficou zangada.




— Sasuke, por favor... Não precisa terminar comigo pelo que eu disse, podemos aprender o amor! E vamos viajar juntos pra outro país, vamos tentar... — ela dizia se alterando.




— Ino, não foi pelo que você disse! E viajar não vai alterar em nada... O amor não se aprende, Ino, você sabe que eu tentei! — expliquei e chorando de soluçar ela me abraçou, mas de repente começou a me bater. — Harr, para com isso, Ino! — reclamei e ela me abraçou novamente, só que agora parecendo frágil. Harr. Vai entender.




— Tudo bem, Sasuke, pode terminar comigo. Hahahahahaha, eu estou bem... É, eu estou bem, maravilhosamente bem! Isso é libertador sabia? Na verdade, eu que quero terminar com você agora. É, é isso mesmo, eu quero! — ela disse agora com um ar de maníaca dando gargalhadas nervosas. Meu Deus ela endoidou de vez. — E se você quer mesmo saber... Eu tenho outro!




— Você o que? — perguntei meio desconfiado.




— E Isso aí, eu tenho outro!




— Ta falando do Gaara? — perguntei sem surpresas e ela esbugalhou os olhos. Não sou trouxa, né. Mas duvidei que ela estivesse com ele mesmo.




— Ele te falou alguma coisa? — ela perguntou quase chorando de novo.




— Não. — dei de ombros.




— Ah... Você está viajando, Sasuke! É outro, um cara rico e bem mais atraente do que você, hahahahaha. — ela disse gargalhando nervosamente mais uma vez.




— Você está mentindo! — disse. Com certeza ela está!




— Não, certamente não estou, querido. — ela disse convencida.




— Me apresente ele então? — provoquei.




— É exatamente o que vou fazer... É exatamente o que vou fazer... — ela repetia indo embora.




Eu tinha mais uma pergunta a fazer, mas meu tempo está curto. Precisava me resolver logo com a Sakura! Subi até a nossa sala, mas a encontrei vazia. A bolsa dela também não estava lá, harr. Droga! Voltei à recepção e perguntei sobre a Sakura para a secretária baranga, que me disse que ela havia saído mais cedo, harr. Quando finalmente me resolvo tudo começa a dar errado! Minha única opção era de ir à sua casa, certo? Saí da empresa as pressas, peguei um taxi que me deixou em frente a casa dela, e quem disse que eu queria entregar dinheiro ao taxista? Herr, andar de taxi hoje em dia é coisa de rico, viu. Só faltei entregar meu rim ao taxista de tão caro que foi! Quero meu porsche de volta!



Parei em frente à casa da poodle, e fiquei pensando se deveria tocar a campainha, mas não queria encontrar com a minha futura madrasta. Sei lá, ainda não digeri que a Sakura será minha irmãzinha, herr. Então escalei sua janela... E pasmem, Sakura não me empurrou!




— Sasuke? Por que ta aqui? Não sabe o que é tocar a campainha como as pessoas normais? — ela perguntou e parecia que eu tinha a assustado.




— Sakura, eu fiz o que você pediu. — disse imediatamente ignorando suas perguntas, ela me encarou confusa.




— Eu não te pedi para entrar pela janela, eu nem te chamei aqui... — ela respondeu rapidamente. Nem entendeu o que eu disse, herr. — Peraí... O quê?




— Você disse para eu jogar tudo pro alto... Bem, eu fiz isso. Sei que foi um pouco tarde, mas fiz! Terminei com a Ino e tudo...




— Você o que? Você terminou com a Ino? — perguntou, era impossível desvendar sua expressão.




— Sim, e... — foi ai que percebi que tinha uma mala em cima de sua cama. — Você vai viajar mesmo com o Sai?!




— Não sei, Sasuke, eu não sei!




— Você não pode fazer isso... Você nunca vai saber se a gente daria certo se viajar... — disse. — E agora eu vou te dizer uma coisa bem gay, então, por favor, não me peça para repetir... Acho que realmente gosto de você, Sakura. Nunca senti isso por nenhuma outra garota! E ultimamente eu só tenho pensado em você, na gente... Merda, não devia estar falando isso!




— Não Sasuke, fala mais, continua... — ela me incentivou, harr, merda.




— Eu não tenho 100% de certeza, mas acho que vale muito a pena lutar por você, mesmo que seja com o Sai. — despejei tudo e agora me ssentia um completo viadinho. — E você será uma completa covarde se viajar, porque sei que você também sente algo por mim! Algo pelo Sasuke vagaboy, irresponsável, que tira rachas, que teve várias namoradas, que já foi preso, foi expulso de casa e que já fez tantas coisas pra te irritar... E que também é muito bonito, sexy, e que ta aqui, falando um monte de boiolagem pra você. — a ultima parte eu disse sorrindo e piscando pra ela. Hehe, charme Uchiha. Ela sorriu, seus olhos estavam cheios de lágrimas.




— Ok, Sasuke, mas e a Ino? Ela é louca por você e é minha melhor amiga! E eu não quero perder sua amizade por uma coisa que pode não dar certo depois. Você mesmo disse que não tem 100% de certeza. — ela disse e sua expressão mudou novamente, estava tensa.




— Não tenho 100% de certeza porque nunca senti por alguém o que sinto por você, isso é novo pra mim... — confessei me aproximando dela, segurei seu rosto e a fiz me encarar. — E a gente não precisa assumir algo agora. Nós podemos ir devagar, vamos nos conhecer melhor e ter a certeza de que vale muito a pena brigar com os amigos, se for o caso... Mas para isso você tem que escolher ficar aqui comigo. — a ultima parte saiu num sussurro. Já fiz minha parte, agora fica com ela a decisão. Se ela escolher o Sai vai ser um chute no meu saco, harr. — E então?




— Ah, eu nem queria ir mesmo... — ela respondeu depois de um suspiro e me abraçou forte. Ficamos abraçados por um tempo até que ela disse: — Bem, você terminou com a Ino, certo? Então eu ganhei aquela aposta, haha!




— Ah, droga, é verdade! E quando você vai terminar com o Sai, hein? — quis saber.




— Hum... Quando for exatamente 20:00 hrs nosso namoro estará acabado. É o horário do vôo dele. — ela respondeu olhando em seu relógio.




— Então você ganhou mesmo a aposta. O que vai querer de mim?




— Não sei, me surpreenda! — ela disse enlaçando os braços em meu pescoço.




— É o que farei... E ah, você tem que me prometer que nunca, em hipótese alguma, vai contar pra alguém as viadagens que te disse hoje! — pedi, herr.




— Não é viadagem, é fofo, toda mulher gosta de ouvir. Você deveria dizer isso mais vezes!




— Éeeeeeeeeee... Não! Isso já é pedir demais. Agora prometa, Sakura! — disse me sentando em sua cama.




— Hehehehe, o super Sasuke Uchiha finalmente admitiu que gosta de alguém! Não sei se posso prometer isso... — ela disse rindo de mim, taquei um travesseiro nela.




— Isso vai mudar se você não prometer! Promete?




Bom, ta aí minha ultima pergunta: Depois de toda essa boiolagem, por que o Sasuke aqui não beijou a Sakura? Leitores, antes que me matem vou lhes explicar: o idiota aqui prometeu que a respeitaria e que não ficaria com ela até que os dois estivessem com 100% de certeza de que vale a pena ficarem juntos e blábláblá! Viadagem isso, não?! Ta, ta, ta... Vou confessar, herr! Tentei beijá-la sim, mas ela colocou o maldito travesseiro que joguei nela entre nós. E ainda discursou sobre o quanto é importante a amizade dela com a Ino e que eu deveria respeitá-la por enquanto. É. Poxa, não foi dessa vez que o Sasuke entrou pro clube dos viadinhos... Aleluia.





Notas finais do capítulo

Ninguém desconfiava que o pai do Sasuke namorava a mãe da Sakura? A gente pensou nisso desde o começo de tudo! Antes mesmo de decidirmos o nome da fic! Bom, o que vocês acharam do capítulo? Queremos comentários, recomendações!! Vamos tentar postar o próximo rápido, mas não dou muitas garantias porque estamos escrevendo uma outra fic.Beijos até o próximo.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Rehab" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.