Meu, somente Meu Vizinho, Sasuke Uchiha. escrita por heyouitsady


Capítulo 37
Bailes, Viagens e Fim do Conto de Fadas.


Notas iniciais do capítulo

Demorei, eu sei. Não me apedrejem ou não poderei escrever mais, -n.
Tá, esse cap eu coloquei até uma musiquinha sugestiva pra vocês ouvirem, caso quiserem. Encarem a música como fim de episódio, quando encerra sabe? Q, Não sabem? Ah, esquece então.
1beijo seus lindos. ♥



E depois de todo aquele bafuá e do Sasuke me tirando daquele lugar lindo de morrer – me iludindo sobre um lugar o qual eu achava que ia ser lindo e romântico -, estou em casa, de pernas para o ar no sofá, vendo tv e morrendo de vontade de meter a mão no telefone e ligar pro Naruto pra pedir logo as informações e detalhes da situação. Mas de acordo com Sasuke: “ É melhor você perguntar amanhã, vai que eles ainda vão ficar um bom tempo juntos conversando... “ e blablabla.



– Sakura, preciso falar com você.- Minha mãe chegou do nada, assustei.







– O que foi?- Falei me sentando e abaixando o volume da TV.









– Eu tenho que te dizer uma coisa, mas estava tudo tão corrido para arrumar as coisas quando cheguei em casa que não deu tempo... Então, o caso é, eu conheci uma mulher na praia, ela é estrangeira, dos EUA.- Eu ouvia tudo com atenção.- Conversamos e eu a adorei, de verdade. Você também iria.









– Tá, e o que tem a ver?- Falei e ela fez uma careta.









– Tá bom, direto ao ponto. Falamos sobre filhos e ela disse que tinha uma filha, e eu mencionei você. Papo vai, papo vem, e então falamos sobre intercâmbio. Ela se ofereceu caso você queira fazer um. Você sabe, ficar na casa dela enquanto estuda e tudo mais...









Fiquei calada, olhando pra ela. Peraí, intercâmbio? Ela perguntou se eu queria? Quero dizer, ela sabia que sim, uma vez eu disse a ela que gostaria de conhecer outros países, viajar. E os Estados Unidos era um deles. Mas dadas as circunstâncias era muito com o que lidar, muito o que deixar, muito o que pensar. Não acho que eu esteja pronta.









– E vocês disseram quando eu iria?- Até eu me assustei quando essa pergunta saiu da minha boca.









– Bom, se tudo ocorrer certo. No próximo ano.- No próximo ano? Não estava longe, afinal, já estamos no final deste. O baile da escola já estava quase chegando.









– Hun...- Só o que consegui falar.









– Então, se você quiser me avise. Aliás, eu já marquei pra você ir tirar o passaporte e tudo mais. Precisamos dos seus documentos. Caso decida ir, não vai ficar tarde demais pra tirar.- Sorriu e levantou.- Eu vou terminar de arrumar a cozinha. Pense bem.- Ela parecia querer que eu pensasse no melhor pra mim, no caso ir, mas também pensar nela, no caso o que eu deixaria, isso me confundiu ainda mais.









– Tudo bem.- Falei.- Eu vou pro quarto tá?









– Tá bem. Vê se já separa os documentos.









– Ta bom.- Subi correndo e abri a janela. Eu tinha que pedir a opinião de alguém.- SASUKE!- Ninguém apareceu.- SASUKE!!- Gritei mais alto. Nada.









Tirei o chinelo e mandei pela janela dele.









– Out!- Alguém gritou e logo ele apareceu com os olhos semi-cerrados e confusos, com os cabelos despenteados. Eu ri, estava lindo.- Que foi criatura?- Jogou o chinelo de volta e eu me abaixei desviando.









– Que jeito de tratar sua namorada.- Falei, fazendo bico.









– Ah, que dó dela.- Falou coçando os olhos.- O que foi?









– Eu tenho que te perguntar uma coisa.









– E tem que ser agora? Não podia esperar eu acordar?









– Tem que ser agora.- Sim, sou eufórica.









– Então fala aí.









– Vou ser direta.- Ele acentiu com a cabeça.- Sim ou não?









Ele olhou pra mim com cara de “ ele põe luvas brilhantes e jura que é o Michael Jackson? “









– Especifique por favor.- Ele disse se debruçando na janela.









– Estou indo pela sorte. Sim ou não?









– Olha, se me acordou pra isso, a gente se fala depois.- Já estava saindo da janela e ia fechar um lado quando falei.









– Sim ou não para eu me mudar pros Estados Unidos?









Ele parou bruscamente na janela, sem me olhar, uma mão a janela e os olhos vidrados em algum ponto dela, depois se virou pra mim.









– O que?- Parecia tentar se convencer de que havia ouvido errado.









– Minha mãe... Ela conseguiu um jeito pra que eu fizesse intercâmbio pra lá. O que você acha?








– Não.- Olhei pra ele e levantei uma sombrancelha.- Não, claro que não. Quero dizer... Você não pode ir, sua mãe não pode fazer isso comigo, ela não... Eu não sei, o que é melhor pra você? Eu só...







– Sasuke.- Ele me olhou.- Eu não decidi nada. Por isso vim te perguntar. Preciso da sua opinião. É importante pra mim.








Ele ficou me encarando por um tempo, respirou fundo como se já tivesse finalmente se acalmado e conseguisse falar.









– Eu não sei. De verdade. Talvez seja bom pra você... Mas eu não quero que você vá.- Falou me olhando.









– Então sua opinião é um não.









– Bem, olhando só pelo meu lado...- O interrompi.









– Um não?









– É, um não.









– Tudo bem, obrigada.- Sorri.









– Hey.- Ele me chamou antes que eu saísse da janela.- Você... quer ir?- Falava aquilo como se tivesse medo da resposta.









– Bom, eu não sei. Como você sabe, eu sempre quis viajar pra lá.- Ele acentiu.- Mas é muita coisa aqui, muitas pessoas. Eu não acho que conseguiria fazer isso.- Ele sorriu, calmo e sereno.









– É claro que você não consegue viver sem mim.- Ele disse.









– Cala a boca ou arrumo as tralhas agora mesmo.- Ele torceu o nariz numa careta e depois pegou uma caixa média cor-de-rosa e jogou pra mim.- O que é isso?









– Abra.









Abri a caixa e vi lá dentro flores, lindas flores de diversas cores. Assim que as puxei pra mim, percebi que estavam todas unidas e em baixo um espaço circular que cabia perfeitamente meu pulso. Flores de baile.













– Sasuke... O que... como assim?- Falei e ele me olhava divertido.






– Não está na cara? Ah, esqueci como você é lerda.- Aprendendo como acabar com a emoção de um momento com Sasuke, passo 1.







Fiz careta e a vontade que me deu de jogar a flor nele com a caixa e tudo foi enorme. Ele riu.







– Estou me adiantando, pra ninguém resolver te chamar antes de mim.








– Ah tá... Mas deixa eu esclarecer uma coisa. 1- O que você está pensando? Mesmo se não fosse o primeiro a me chamar, claro que eu iria com você. Nem que eu tivesse que te chamar, caso você não me chamasse (?).- Ele levantou uma sombrancelha.- É poisé. 2- Por que tão rápido? Ninguém começou os convites ainda e 3- tá ligado que não vou usar essas flores porque não vão combinar com nada né.









– Ai, como você fala!- Mostrei língua.- Língua pra mim é beijo.- Ele sorriu, se debruçou na janela e fez algo que eu acabei entendendo como uma espécie de bico.









– Poisé, você no seu canto, eu no meu e todos felizes.









Ele fez só um “ hunf “.









– Se quer saber.- Começou.- Começaram sim os convites, Naruto já convidou Hinata. E você é mal-agradecida Sakura.









– Obrigada pela parte que me toca.-Pisquei os olhos rapidamente e depois o tico e o teco começaram a correr na rodinha de hamster na minha cabeça e comecei a ligar os pontos.- Peraí, Naruto chamou Hinata? E como você ficou sabendo disso? ELE LIGOU PRA VOCÊ E NÃO PRA MIM? QUANDO? AAH, COMO ASSIM? FUI EU QUE AJUDEI ELE!- Estava a ponto de cair da janela, já tinha colocado um joelho em cima da mesma e me apoiava na moldura dela.









– HEY! Calma! Desce daí.- Ele disse e subiu na sua me empurrando pra dentro com o pé. Quanta delicadeza.- Não foi ele que ligou. Fui eu.









– O QUE? VOCÊ ME DISSE PRA NÃO LIGAR!- Apontei o dedo pra ele.









– Faça o que eu digo, não faça o que faço.- Sorriu de lado.









– Miserável.- Falei e semi-cerrei os olhos.









– Também amo você.- Disse e riu. Senti minhas bochechas queimarem, tanto de raiva como por ter ficado sem graça depois dessa pseudo-declaração.









– Hunf.- Fechei a janela com força.









------------------------------------------------------------------------------




– MAS É CLARO QUE SIM SAKURA!- Ino berrava tão ansiosa como se fosse ela quem iria viajar.- ISSO VAI SER MARAVILHOSO! Imagine? Novas pessoas, novas paisagens, novos ares, novos rapazes...- Ela me cutucou com o cotovelo e Sasuke fechou a cara.

















– Você realmente está tentando me convencer a ir? Porque isso pra mim não foi uma coisa encorajadora.- Falei e ela sentou.













– Deixa de ser boba. É claro que é pra você ir, eu só estava brincando, sei que você vai casar e ter um time de futebol com o Sasuke.- Automáticamente olhei pro sasuke e ele olhava pro lado sem graça. Será que ele quer mesmo um time de futebol? TÁ ACHANDO QUE SOU COELHA?









– Poxa, a mulher que parir um time de futebol...- Fui interrompida.









– Nunca mais será a mesma.- Hinata chegou acompanhada de Naruto.









– AHÁ! VOCÊ.- Falei apontando pra cara de Hinata.- E VOCÊ!.- Apontei pra na Naruto, eles olharam pra mim como se eu apontasse uma faca pra eles.- Podem contar tudo, agora. 1,2,3 e já.









Ficaram me encarando e eu achei que eles deviam estar pensando que eu tinha alguma doença mental.







Cruzei os braços.




– E aí? Podem começar.- Falei.





– Bom... Não tem muito o que contar.- Naruto começou.- Depois que voces sairam nós ficamos conversando e aí... rolou.








– Só isso?- Falei com cara de bumbum.- Cadê riquezas de detalhes? Te ajudei, virei sua BFF pra você me dá só isso?- Depois que falei a palavra BFF ele fez cara de confuso.- Best Friends Forever.- Falei e ele continuou me encarando.









– AI, MELHORES AMIGOS PRA SEMPRE, SUA MULA.- Ino falou.









– Aaah!- Naruto finalmente entendeu.- QUE LINDO SAKURA-CHAN!- Largou Hinata e me abraçou tão forte que acho que meus órgãos internos devem ter se embaralhado.









– T-tá bom.- Me soltou.- Fiquei sabendo que você também já convidou Hinata pro baile.









– Ah, é verdade!- Ele olhou pra Hinata.- E ela disse sim.









– Que surpreeesa.- Eu e Ino falamos juntas com sarcásmo e rimos depois.









– Sasuke me convidou ontem.- Falei.









– Aê, estamos garantidos.- Hinata falou.









– Eu não!- Ino disse.- Mas tudo bem, logo eu arrumo alguém.









– Já imagino quem seja.- Falei.









– Duas.- Hinata disse.









– Três.- Sasuke.









– Quatro.- Olhamos pro Naruto.









– Sabe quem é?- Perguntei.









– O que? Quem? Não, eu só estava seguindo a contagem com vocês.- Como uma pessoa dessas chegou ao ensino médio?









– Tá depois dessa, vamos mudar de assunto.- Ino começou.- Adivinhem só, Sakura vai fazer um intercâmbio.









Naruto e Hinata olharam pra mim surpresos.









– Não tem nada decidido ainda.- Falei. Percebi que Sasuke ficava tenso quando o assunto era esse. Ainda mais depois de Ino mencionar os garotos.









– Sério? Pra onde?- Hinata perguntou.









– Estados Unidos.- Falei e Gaara chegou.









– Quem vai pros Estados Unidos?- Perguntou.









– A Sakura.- Naruto respondeu.









– Sério?









– Não tem nada decidido! Oi, será que alguém tá ouvindo?- Falei.









– Lá não é ruim, ao contrário.- Gaara disse e todos olhamos pra ele.









– Como assim? Já esteve lá?- Ino perguntou.









– Sim, passei as férias de final de ano lá por dois anos. Eu particularmente gosto muito de lá.









– Hum...- Comentei pensativa e Sasuke passou o braço por meus ombros, parecia que ia falar algo, talvez mudar de assunto quando Ino o interrompeu.









– Então, eu disse pra ela que ela devia ir.- Ino disse.









– Eu também acho.- Gaara disse.









– Vou sentir falta dela.- Hinata falou. Isso seria um não?









– Eu também, peferiro ela aqui.- Naruto disse e isso definitivamente foi um não.









Pelos meus cálculos, na maioria das vezes incorreto, são três a dois para “ não “.







O professor entrou na sala e todos foram para o seus respectivos lugares, a aula correu chatamente chata.







– A-di-vi-nhem.- Ino chegou saltitando pra perto de nós na fila do lanche.











– Ino, quando você vai perceber que não gostamos de adivinhações e somos mais chegadas em “ aconteceu isso, isso e isso. “?- Falei e ela fez cara de nojinho. Foda-se josé, alguém tinha que falar as verdades (?).











– Você é tão educada comigo.- Disse.- Tá, não importa. O Gaara me convidou pro baile.- Começou a pular no lugar.









– Sério? Uau, que rápido.- Hinata comentou.









– Não tenho culpa se o de vocês são piores que lesmas e não tem atitude.- A encaramos.- Que foi? Sabem que eu tenho razão. Mas o que eles tem de lerdo, tem de bonitos também.- Ela riu sozinha.










Pegamos nossos lanches e fomos até os garotos.














O baile era daqui a 5 semanas, os preparativos já estavam começando, um corre corre exaustivo no colégio.














Fui com minha mãe tirar o passaporte e já estava terminando de resolver a maioria dos documentos pra viagem, mesmo sem saber se eu realmente iria.








– Você tem que abalar Paris em chamas.- Isso é o que minha mãe diz quando quer alguma coisa que realmente chame atenção e arrase em algum lugar.- Vamos escolher juntas seu vestido do baile.







– Que sorte a sua de eu estar gostando de vestidos agora, porque se não, ia ser uma tragédia ir me levar até uma loja dessas.- Minha mãe jogou o cabelo – toda diva – e saiu do quarto, mas não sem antes dizer um “ vai na padaria comprar um doce pra mim que tô a fim de comer”.








http://www.youtube.com/watch?v=eocCPDxKq1o&feature=relmfu







Terminei de guardar minhas coisas e desci, peguei o dinheiro com minha mãe e sai.







Eu queria ter ficado em casa, queria que por alguma razão minha mãe tivesse me chamado de volta e não tivesse que ter olhado pra onde estou olhando agora.





Dizemos que é melhor a verdade e sinceridade do que a mentira e a omissão. Mas você não se dá conta do quanto preferia não saber até que isso aconteça com você e num clique você perca o chão.




Sasuke estava lá, em pé do outro lado da calçada, e uma garota, de cabelos ruivos estava o agarrando, era Karin. Se beijavam.







No meu caso, não foi um clique. E sim, uma bofetada na cara e algo parecido com o meu estômago dando voltas. Ao mesmo tempo, perdi toda e qualquer movimentação do corpo, não conseguia sair do lugar, minha respiração parecia ter se perdido, não piscava, sentia raiva, muita raiva, nojo e eu simplesmente não conseguia acreditar no que estava vendo, até que eles se largaram e como se Karin já soubesse que estava ali a um bom tempo, olhou pra mim sorrindo.







Sasuke seguiu seu olhar até me encontrar, estava com uma expressão de surpresa no rosto e quando me viu, seus olhos se arregalaram ainda mais, parecia ficar mais branco do que já era.





Notas finais do capítulo

Enjoy it.