O Pedido escrita por Laarc


Capítulo 13
A história do interrogatório


Notas iniciais do capítulo

narração
"diálogo"
'pensamento'




Asa Noturna estava impaciente. Andava de um lado para o outro no corredor esperando Garfield sair do banheiro. Há quanto tempo aquele verdinho estava lá? Dez minutos, quinze, vinte? Ele não sabia mais. O metaformo já tinha esgotado o pouco de paciência que Asa Noturna tinha. E ele não ia esperar mais. Não, ele ia derrubar aquela maldita porta!

E quando o líder titã começou a avançar, a porta se abriu, e de dentro do banheiro saiu um Garfield muito cabisbaixo, ainda enrolado numa toalha.

"Você tem um minuto para colocar uma roupa e me encontrar na sala de operações. Entendeu?"

O verdinho só abaixo a cabeça "Okay..."

.

.

Rapaz-fera bateu bem de leve na porta e entrou na sala com muita cautela. O jovem estava muito assustado. Ele já havia visto Richard nervoso daquele jeito, mas a fúria do rapaz era sempre direcionada a algum vilão, preferencialmente Slade. Mas agora, Garfield era o objeto de ódio de seu líder. E lá estava Asa Noturna, em pé, apoiado contra a parede e com os braços cruzados. Encarando Garfield como se o metamorfo fosse o próprio Slade.

"Eu me atrasei um pouco, Asa, é qu-"

"Sente-se!"

Ele sentou.

"Você sabe por que está aqui?"

"Por causa do que aconteceu hoje..." Respondeu Garfield com a cabeça baixa.

Asa Noturna descruzou os braços e se aproximou do jovem "E o que aconteceu hoje? Vamos lá, Logan! Me diga! O QUE QUE ACONTECEU HOJE?"

"Eu não... não..."

"Você NÃO o quê?"

"EU NÃO SEI! Caramba... eu não conseguia me transformar e quando eu vi, o Cinderblock estava... e a Ravena... a Ravena..."

Mas ele não conseguia dizer mais nada. Para Garfield era como se o tempo tivesse parado naquele momento. E ele finalmente despertou para encarar os fatos.

A Fera estava certa. Tinha algo muito errado com seu lado animal. E ele não queria admitir isso. Da mesma forma que ele não queria admitir o que sentia pela Ravena. E no final, foi ela quem acabou pagando o preço. Ela lhe salvou a vida, ao custo da própria.

"Eu preciso ir..." Sussurrou Garfield.

"O que você disse?"

"Eu disse que eu preciso ir ver a Ravena!" Ele se levantou e encarou o seu líder.

"Não! Já está passando da hora da gente ter uma conversa séria e você só sai daqui depois de responder as minhas perguntas! Que história é essa de não conseguir se transformar?"

"Eu não vou responder nada enquanto eu não ver a Ravena!"

"Você perdeu o pouco de juízo que tinh-"

Mas Asa Noturna não pôde terminar a frase porque Garfield o interrompeu bruscamente "E se fosse a Estelar no lugar da Ravena? Você ia querer ficar lá com ela ou aqui, sendo interrogado?"

Essa pegou o líder de surpresa. Nunca Richard iria esperar tal comparação. "Mas o quê? Isso não faz sentido nenhum..."

"Faz todo o sentido! Eu só tô pedindo pra me deixar ir lá na ala médica e ver se a Ravena está bem! É sério... eu só quero saber se... se ela vai ficar bem...ela... ela salvou a minha vida, Dick! Por favor, me dá um minuto que seja!" O jovem metamorfo deixou seu corpo desabar na cadeira e abaixou a cabeça, segurando-a com as mãos.

Richard não sabia o que fazer. Não era isso o que ele tinha planejado. Estava mais do que pronto para lidar com um Garfield zangado e até mesmo violento, mas não com um Garfield tão... tão... desamparado. Ele suspirou fundo, puxou uma cadeira e se sentou próximo ao seu amigo. "Olha, Gar, vamos fazer o seguinte... eu preciso dar um telefonema e talvez isso demore um pouco. Você tem vinte minutos. Mas depois disso, nós vamos ter uma conversa muito séria! Tá bom pra você?" Tentou falar o mais suavemente possível.

Garfield levantou a cabeça e deu um fraco sorriso "Obrigado! Tá excelente. Eu... eu posso ir agora?"

"Vai! E fala pra Kory me encontrar aqui, tá bom?" Disse o jovem líder retribuindo o sorriso. "Ah, Gar! Vinte minutos! Nem um minuto a mais!"

"E nem um minuto a menos, Dick!" respondeu com um sorriso de gratidão.

Nada mais justo.

.

.

Se Garfield pudesse se transformar numa águia e sair voando até a ala médica, ele com certeza o faria. Mas como ele não podia, foi correndo mesmo.

O lugar estava bem diferente do que ele se lembrava. Não havia mais marcas de sangue pelo chão e o cheiro também havia sumido. Ravena, agora confortavelmente deitada sobre uma cama, estava limpa e vestindo um camisola branco. Estelar estava ao seu lado, monitorando a condição da sua amiga.

Ao ver o rapaz entrar na sala, a ruiva se levantou e foi ao seu encontro "Gar! Você já está melhor? O Richard nã-"

"Tá tudo bem, Kory! Eu e o Asa já nos entendemos, pode ficar tranquila!"

"Ai, que bom! Estava assustada... ele saiu daqui tão nervoso..."

"Acho que ele se acalmou um pouco... e como está a Ravena?"

"Eu dei um banho e vesti uma roupa limpa nela. Infelizmente, tive que jogar o uniforme no lixo... ele estava muito rasgado e encardido...também passei uma pomada bactericida nas feridas e fiz um curativo no machucado da cabeça. Há uns dois minutos ela iniciou seu transe de cura, o que é uma ótima notícia! Significa que o seu corpo está forte o suficiente para começar a reparar os danos acumulados durante a luta."

Garfield estava muito aliviado com a resposta. "Nossa, Estelar, ótima notícia mesmo! Você sabe quanto tempo vai demorar até ela acordar?"

Ela sacudiu a cabeça "Eu não sei te responder isso, amigo. Sinto muito. O Ciborgue me disse uma vez que o estado de cura dela só termina quando todo o seu corpo é reparado. Acho que pode demorar um pouco para fechar todas as feridas, mas também, não haverá nenhuma cicatriz!"

"Okay... ah, Estelar, o Asa pediu pra você encontrar com ele lá na sala de operações. Eu vou ficar aqui com a Rae um pouquinho."

"Está bem, Gar. Você pode acompanhar os sinais vitais dela por aquele monitor ali. Estão um pouco fracos, mas nada preocupante! Boa sorte!" A alienígena deu um rápido beijo na bochecha do jovem e deixou a ala médica.

.

.

Asa Noturna não havia mentido para Garfield. Ele realmente precisava dar um telefonema muito importante. Mas o tal telefonema não durou nem um minuto sequer. Ele esperou até Kory chegar e atualizá-lo sobre a condição da empata. Satisfeito com a resposta, disse que a moça poderia ir descansar. E ela estava mesmo muito cansada. Afinal, foi ela quem, praticamente sozinha, derrubou o vilão do dia.

Mas o jovem líder tinha um plano. Ele estava muito desconfiado de Garfield e de seu estranho comportamento, e por isso, iria investigar. Andou sorrateiramente até a ala médica, porém não abriu a porta. Ele iria descobrir o que estava acontecendo com o verdinho, mesmo que para isso precisasse espiar o seu amigo pela janelinha da porta da enfermaria.

Richard não soube dizer por quanto tempo o metamorfo ficou parado apenas olhando a empata.

Ele viu quando o jovem caminhou lentamente até a cama e começou a passar as mãos delicadamente pelos machucados da moça, como se estivesse avaliando o dano feito.

Ele viu quando Garfield começou a pentear os cabelos violetas com os seus dedos verdes.

Ele viu, e quase teve um ataque do coração, quando o rapaz se abaixou lentamente e deu um demorado e suave beijo nos lábios de Ravena.

Ele também viu quando Garfield puxou uma cadeira e, sentando-se ao lado dela e acariciando a mão pálida da moça, se rendeu a suas emoções e começou a chorar.

Lembranças dos últimos dias invadiram a mente do líder titã. O misterioso bom humor de Ravena, os dois muito distraídos na última reunião da equipe, a empata protegendo Garfield de Cinderblock com a própria vida e a estranha comparação que o verdinho havia feito entre Kory e Ravena.

E naquela hora, Asa Noturna sabia exatamente o que estava acontecendo.

Ele finalmente resolveu o mistério. Mas, sinceramente, se soubesse o que iria descobrir, ele preferiria ter ficado no escuro.

E ele ouviu um apito baixinho do seu relógio. Os vinte minutos tinham acabado.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Pedido" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.