Hunt Angels escrita por Blante


Capítulo 3
Capítulo 01 - Parceria


Notas iniciais do capítulo

HA. Agora sim, a historia começa.



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/128801/chapter/3

  Ryuki caminhava calmamente pela rua estreita, estava com uma sensação boa, e o céu estava perfeito, com a lua brilhando cheia. Ele amava a lua, era um gosto comum entre os demônios. Naquele momento só haviam duas coisas q o incomodavam, a primeira era tão irrelevante que ele nem notava direito, o frio. Não que ele não gostasse do frio, na Terra preferia o frio ao calor, mas se tivesse de escolher um clima favorito escolheria o neutro da sua cidade natal, a Hell, não era quente lá, pelo menos não para eles, demônios. O frio nessa noite não estava tão intenso, mas estava forte o suficiente para obriga-lo a usar casaco, gorro e meias, ele adicionou uma calça jeans pesada bem larga, não estava acostumado a usar roupas fora dessa dimensão por isso preferia não senti-las coladas no corpo. A segunda coisa era um tanto mais importante, Ryuki acabara de ser banido. Dez anos, era o tempo que ele tinha de passar ali. Não se incomodava muito de ficar naquele lugar cheio de humanos e anjos misturados, o que o incomodava era ser obrigado a ficar ali durante dez anos inteiros. E ainda ser obrigado a caçar anjos. Não, ele não gostava de anjos, na verdade os odiava, como todo demônio. Não, ele também não era medroso, nem fraco, nem nada do tipo, ele só tinha preguiça. Preguiça de sair por ai procurando e cortando cabeças com auréolas. 

Ryuki xingava mentalmente essas obrigações, enquanto ia em direção a uma velha pousada no subúrbio da cidade. Já de longe ele ouvia vozes, pareciam duas mulheres discutindo, quanto mais se aproximava entendia melhor as vozes. 

 - O QUE FOI QUE VOCÊ DISSE, HUMANA? - foi um grito agudo, vindo de uma garotinha q não parecia ter nem 15 anos. Mas o que chamou a atenção de Ryuki não foi a voz da garota, foi a maneira como ela se referia a outra, no outro lado do balcão, humana? Um humano não se referia a outro humano com o termo " humana ". Bom, pelo menos não que ele saiba.

 - Eu disse o que você ouviu, senhorita. Não podemos oferecer quartos para menores desacompanhados e muito menos hospedar um cliente de graça - A mulher tentava manter o tom de voz calmo, mas estava visivelmente irritada. Ela parecia ter por volta de 20 e poucos anos, usava um avental e os cabelos presos num rabo de cavalo na altura dos ombros.

 - MENORES? você está me chamando de menor? menor do que você? QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR COMIGO ASSIM? - Dava pra perceber que a garotinha também estava bastante irritada, se equilibrava na ponta dos pés para encarar nos olhos a mulher do balcão e praticamente cuspia os berros na cara dela.

 - SE MANCA, GAROTA! - Ja não dava pra esconder a raiva, então ela começou a gritar também -  NÃO TEM GARNA E JÁ CHEGA MANDANDO NOS OUTROS!?!? SABE O QUE É E-D-U-C-A-Ç-Ã-O?? QUEM VOCÊ PENSA QUE É?

 - quem eu penso que sou? escuta aqui, você não tem IDEIA de com quem tá falando não, né? então eu vou te avisar, é melhor me deixar entrar e ir dormir, ou eu venho com meus guardas depois aqui e acabo com esse lugar todo e com estiver aqui dentro, entendeu? - já estava bem claro para Ryuki, não precisava olhar a cor dos olhos da garota, era obvio que ela era um demônio recém-banido e não tinha idéia de como funcionava a dimensão dos humanos.

 - COMO É QUE É? - agora era a mulher do balcão que cuspia no rosto da garotinha - VOCÊ TÁ ME AMEAÇANDO? ISSO FOI UMA AMEAÇA? QUER QUE EU CHAME A POLÍCIA, PIRRALHA?

 Já estava na hora de fazer alguma coisa antes que acabasse numa confusão ainda maior. E a garotinha já estava tomando fôlego pra responder com outros berros e cuspis quando Ryuki interferiu:

 - Ahhh, não precisa não moça, nós já vamos embora - ele entrou no recinto com passadas rápidas e puxou a garotinha porta a fora. A mulher do balcão ficou olhando a cena sem entender, provavelmente se perguntando se o garoto asiático estava ali na porta dês de o começo.

 - Mas o que…? - A garotinha se calou quando reparou nos olhos cor de sangue.

Ele a puxou ate um beco vazio, iluminado apenas por um poste velho de luz fraca. 

 - Você quer se meter em confusão é? - Ele usou um tom baixo, para o caso de o lugar não estar tão vazio assim.

 - Eu não, foi ela quem começou! Me chamando de menor e falando q eu não tenho isso nem aquilo - ela respondeu com a voz no mesmo tom.

Ele suspirou, aquilo ia ser um problema.

 - A quanto tempo você ta aqui? 

 - Cheguei faz umas duas horas acho, fiquei meio perdida… 

 - Você foi banida? - Ele a cortou, ja imaginando a resposta.

A garota ficou meio sem graça, talvez tivesse corado - não dava pra ter certeza com aquela luz fraca.

 - E… Eu… - ela parou com uma expressão séria no rosto, balançou a cabeça uma vez e o encarou nos olhos, decidida - É, fui sim.

 Agora ele tinha certeza. Ela era nobre, ou pelo menos filha de um, com todo esse negocio de honra eles não aceitavam ordens e preferiam ser eliminados, a ir para a Terra viver como humanos. Mas quando a garota o encarou, o que passou pela sua cabeça foi outra coisa, foram os olhos, os  olhos da garota não eram vermelhos. Eram de um tom amarelo vibrante, que ressaltava mesmo na fraca iluminação do poste velho. 

 Ele ficou boquiaberto por um segundo, encarando a garota de volta. Então se encostou pesadamente na parede ao lado dela, com as mãos no bolso, tentando afastar o pensamento que estava possivelmente conversando com algum demônio de clã extremamente nobre.

 Silencio.

 A garota dos olhos amarelos parecia perdida nos próprios pensamentos. Ele não queria interromper esses pensamentos, e não podia ir embora e deixa-la sozinha, ela ia acabar ficando na Terra pela eternidade.

 - Escuta, - ela começou a falar devagar e foi baixando cada vez mais o tom de voz - eu não entendo nada nesse lugar, é tudo tão irritante… você sabe um lugar pra dormir sem confusão? - Ela pareceu mudar de assunto na metade da frase. 

 - Eu ia dormir na pousada onde você fez confusão, mas tem várias outras desse tipo por aqui, não vai ser um problema - Ele tentou falar de um jeito brincalhão mas ela não ligou muito.

 - Quantos anos você vai ficar aqui? 

A mudança repentina de assunto foi como um susto.

 - D-Dez, dez anos.

 - Posso te pedir um favor? - a voz estava baixa, num tom gentil e um tanto tímido.

 - Ok.

 - Vamos fazer uma parceria? 

Outro susto. Na verdade esse pareceu mais um choque do que um susto.

Ele demorou a responder então ela continuou:

 - Você fica comigo aqui na Terra, durante esses dez anos… ou só ate eu me acostumar e… e eu te ajudo a caçar anjos! E também quando voltarmos pra Hell talvez eu… talvez eu possa… - ela parou um pouco pra pensar e novamente encarou o garoto, talvez tivesse se esquecido que tinha de terminar a frase.

Ele não pensou muito no assunto, ia conseguir jogar o trabalho de degolar anjos para outra pessoa, e em troca só teria de manter uma garotinha longe de confusão.

 - Por mim tudo bem - Ele sorriu, do jeito mais gentil que sabia.

Ela sorriu de volta, dava pra perceber um sorriso lindo ali, brilhando na luz fraca.

Ele se lembrou que ainda não tinha se apresentado.

 - Ah, meu nome é Ryuki - e estendeu a mão na direção dela.

 - Lilith, Shinigami Lilith - Ela respondeu, dando continuidade ao aperto de mão.

Não era só um demônio nobre, não era só uma integrante do clã mais nobre, o Shinigami.

Era Lilith, a irmã mais nova de Lucifer, O Grande Rei Lucifer.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

Então, o que acharam do Ryuki e da Lilith? ;]



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Hunt Angels" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.