Haruno Sakura, do Clã Haruno escrita por EstherBSS


Capítulo 14
Capítulo 14 - Fúria e Rancor


Notas iniciais do capítulo

Gomen, foi dificil postar esse capítulo. Todos sabem que eu me mudei e estava sem net até essa semana. E tb, eu só fico na casa que tem computador no domingo. Não está dando tempo de escrever tudo.

Mas agradeço muitissimo aos reviews que recebi. Eles que me incentivaram a terminar esse capítulo ainda hoje.



Capítulo 14 – Fúria e Rancor

Ela não ouviu o murmúrio quando finalmente se pôs de pé. Ela não ouviu os juízes dizerem que ela tinha vencido e nem as comemorações dos Harunos. Ela não ouviu a voz do Kurogane perto dela dizendo que ele a levaria para o hospital e nem as ordens do avô. Ela não ouviu a voz do Naruto perto dela. Mas ela ouviu a voz dele. “A voz do meu Sasuke.” Bem baixinho, no ouvido dela:

            - Kanpeki. (Perfeito)

E com um sorriso nos lábios, ela deu boas vindas à escuridão.

            - Isso é ridículo. RÍ – DI – CU – LO. - Tsunade tinha uma veia pulsando em sua testa. E ela discutia com Tsukoi. Na verdade, ela gritava enquanto o velho a ignorava – Volte aqui, Tsukoi!

            - Eu já cansei de dizer que Sakura será bem tratada dentro do clã e que não vou levá-la para o hospital. Pare de me seguir, Tsu hime.

Tsukoi saíra do escritório da Hokage e ela o seguia pelo corredor esbravejando sobre a Sakura ter que ir para o hospital. O velho afirmava que não era necessário uma vez que o clã Haruno sempre se curara sem recorrer às, nas palavras dele, “tristes instalações hospitalares de Konoha”.

Então eles começaram a discutir sobre a qualidade do serviço médico da vila. Shizune e Kakashi suspiraram. Eles devem ter passado mais uns vinte minutos discutindo quando a Godaime fez uma proposta inesperada. Tsunade “pediu” para que ela e o time sete tivessem permissão de entrar, então, no clã e visitar a kunoichi.

O ancião demorou a concordar. E então eles recomeçaram a brigar. “Pelo menos, nós podemos visitá-la agora.” Pensou Kakashi enquanto via os dois líderes se digladiarem com palavras.

@}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}----

A fachada imponente da entrada do clã deixava tudo ainda mais estranho.

            - É ainda maior do que o seu clã, Sasuke. Muito, muito maior, dattebayo!

            - Cala a boca, Naruto! Se você continuar gritando assim, é capaz deles mandarem a gente embora! – Sasuke brigou com o loiro.

            - Isso mesmo, Naruto. Os Harunos não ficam à vontade conosco aqui e você fazendo escândalo não vai ajudar em nada. – Kakashi falou tentando conter os protestos do Uzumaki que chamavam muita atenção.

            - Eu li num livro...

            - Fique quieto você também, Sai. – Sasuke disse ríspido.

Eles iam recomeçar a discutir quando Tsunade disse séria:

            - Eu concordei em trazer vocês três aqui comigo porque prometeram se comportar. Acham que foi fácil convencer o Tsukoi a deixar o time sete vir além de mim. Se dependesse dele, nem eu estaria aqui para ver a Sakura. Então, ou calam a boca agora mesmo ou eu bato em vocês até saírem voando pro outro lado da vila. Fui clara?

Todos concordaram entusiasticamente com a cabeça.

Eles andaram por uma rua muito bem cuidada. Havia canteiros de flores tão vermelhas como sangue, pedras decorando todo o caminho e alguns chafarizes lindos. Logo no fim da primeira rua, eles foram abordados por um ninja com uma roupa diferente. Parecia uma espécie de uniforme. Ele foi curto e grosso: Eles não poderiam prosseguir.

Tsunade ficou muito irritada como sempre ficava quando era contrariada. Mesmo assim eles não puderam prosseguir. Ele a mandou voltar. Ela disse que era a Godaime. Ele riu e a mandou voltar. Ela disse que ia socá-lo até a morte. Ele gargalhou e disse que queria ver ela tentar.

Naruto olhava de um para outro com o péssimo pressentimento de que aquilo ia ficar feio.

@}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}----

Kurogane suspirou enquanto olhava para ela. Ela era tão bonita. Não era aquela beleza clássica a que todos estavam acostumados. Era um tipo de beleza diferente. E isso só a tornava ainda mais preciosa.

Sakura dormia serena em uma cama baixa e requintada. No quarto também havia uma poltrona com almofadas ricamente bordadas e uma escrivaninha com uns papéis em cima. Uma estante de livros ocupava toda uma parede. E o quarto possuía uma saída com varanda para o jardim interno da casa. Era dessa varanda, encostado na porta que Kurogane olhava a rosada.

            - Ela melhorou? – A voz trouxe Kurogane de volta à realidade. Ele olhou para cima e divisou o rosto preocupado de JD.

            - Não. Está sem mudanças. Ela ainda não acordou. O Hiouri-nin (ninja médico) disse que enquanto ela não recuperar boa parte dos ferimentos ela não vai acordar.

            - Ah. – JD se sentou do lado de Kurogane e também ficou olhando para a prima.

            - Você vai ficar aqui, Aidan? – Kurogane perguntou.

            - Por que você não me chama de JD como os outros?

            - Não responda a minha pergunta com outra pergunta. Seu nome é Aidan. Foi assim que te batizaram e é assim que eu vou te chamar. E você pretende ficar aí?

            - Você é tão sem graça, Kurogane. Foi a Sakura que me deu esse apelido, sabia.

            - Sabia. Agora... Você vai ficar aqui? – Kurogane disse com aparente indiferença.

            - Você tem hora que é insuportável. Agora eu sei porque você não tem namorada. - JD terminou a frase com uma kunai fincada perto da própria cabeça. Ele tentou manter a calma apesar de estar agitado internamente – Continue arremessando armas assim nos outros que você vai ficar sem amigos. – Ele recebeu um olhar ameaçador do outro que disse entre dentes:

            - Você... vai... ficar... aqui?

            - Eu vou. – JD abriu um sorriso largo – Você é que não vai.

            - Como? – Kurogane estava com uma expressão realmente assustadora.

            - Tsukoi sama mandou você recepcionar os convidados antes que a guarda os expulse.

            - Que convidados?

            - A Godaime e o time sete. Eles vieram ver a Sakura.

            - NANI? (O que?) – Kurogane se pôs de pé com um único movimento – A Sakura está ferida e precisa repousar. O que esses estranhos acham que querem com ela? Alias, por que eles vieram AQUI? Esse clã não permite a entrada desse tipo de gentinha! Como eles ousam colocar o pé no nosso clã. E como ousam achar que vão vir aqui ver a Sakura? Eu não vou deixar que cheguem perto dela!

JD escutava o discurso do outro divertido. Ver o Kurogane se zangar por causa da Sakura era tão engraçado. E o melhor, JD pensava, era que o herdeiro nem percebia como se alterava, bastava alguém mencionar o nome da rosada.

            - Ah, vai sim.

            - Não vou não! Eles não chegaram perto. Eu os manterei longe dela.

            - Você não só vai deixá-los virem aqui como também vai trazê-los até aqui.

            - Não. Eu não vou. – Kurogane falou cada palavra em um tom ameaçador com uma raiva mal contida.

            - Sim. Você vai. – JD jogou um pergaminho para o outro que o pegou no ar – Ordens superiores, meu camarada. E ela vem de deus.

Dizer dentro do clã que uma mensagem “vinha de deus” era o mesmo que dizer que ela partia diretamente de Tsukoi, o líder supremo do clã. E quando uma mensagem vinha “dele” era uma ordem também suprema. Deveria ser cumprida não importa o que acontecesse. Mesmo que metade do clã tivesse que ser sacrificado, o que Tsukoi falava devia ser cumprido. Ainda mais se a ordem viesse sem intermediários, ou seja, uma ordem direta que especificasse bem o que e quem deveria fazer.

Kurogane sabia bem disso e gemeu por dentro. Ele abriu o pergaminho só para ver o nome dele do lado do que ele mais queria evitar: Sakura e aquele Uchiha próximos.

@}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}----

“Eles só me fazem passar vergonha.” Kakashi pensou com um suspiro. Tsunade havia quebrado a mandíbula de dois guardas e algumas costelas de um terceiro. Ela também quebrou algumas janelas e portas. Quando apareceram outros guardas, Naruto também entrou na briga. Sai e Sasuke se mantinham distantes olhando a cena enquanto ele, Kakashi, tinha que pensar em um jeito de solucionar aquele problema.

O copy ninja havia agradecido mentalmente a Kami sama quando aquele tal de Kurogane apareceu. Com poucas palavras, o cara tinha acalmado todos, explicado que eles eram visitantes “convidados” e ainda conseguira que algumas pessoas olhassem para o grupo com olhos mais simpáticos.

Kakashi se perguntou até onde iria a influencia de Kurogane que era tido como o herdeiro do líder Tsukoi.

O sensei estivera mesmo muito agradecido, mas depois de caminhar quinze minutos em silencio atrás de um Haruno seco e mal humorado, ele se perguntava se Kurogane seria mesmo uma ajuda para eles. E o pior é que ele trocava olhares de ódio com Sasuke.

“Será que eles brigaram e eu não soube?” Kakashi pensava. A Godaime e o Sai também tinham percebido o clima estranho entre os dois. Até o Naruto estava começando a perceber. Ele rezava baixinho para que Sasuke não arrumasse confusão com esse cara também.

Kurogane os levou até uma mansão de fazer inveja. Por dentro ela era ainda mais impressionante. Ricas tapeçarias, objetos de decoração exóticos e um grande número de empregados. Eles foram guiados até uma grande biblioteca e lá encontraram o líder do Clã, Tsukoi.

A Godaime e Kakashi ficam conversando com o velho enquanto Kurogane, apenas por ordem do líder, foram levados para visitar a rosada.

@}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}---- @}----

            - Como assim ela não acordou ainda? – Naruto perguntou preocupado.

            - Ela usou muito chakra e precisamos esperar o corpo dela repor toda essa energia antes que ela acorde. – JD explicou paciente.

            - Mas ficar dormindo todo esse tempo... isso não é perigoso? – Sai perguntou e ainda completou – Eu li num livro que quando a pessoa dorme direto sem acordar é porque está em coma. Ela está em coma?

            - Claro que não imbecil! – Kurogane, que estava escorado em uma parede, reagiu ao que o outro disse – Ela não está em coma! Nossa medicina é diferente da sua e por isso que ela está dormindo!

            - Não precisa ser grosso, Kurogane. – JD repreendeu o outro. Mas Kurogane apenas bufou e saiu do quarto para o jardim interno.

            - Se ela ainda não acordou, não sabe das novidades do torneio. – Sasuke falou.

            - Hai. Ela ainda não sabe que o torneio foi suspenso. – JD respondeu.

            - Também, o estádio foi destruído com a batalha das duas. Ficou tão ruim o local que nem tinha como os outros ninjas lutarem, dattebayo! – Naruto disse cruzando os braços e claramente incomodado por não poder se graduar como chunnin de novo.

            - Ela parece estar com febre. – Sasuke comentou olhando o rosto vermelho da kunoichi. Ele estendeu a mão para tocar a testa dela quando Kurogane entrou no quarto bufando.

            - Nani yatten no? (O que está fazendo?) Tire as mãos dela seu infeliz!

            - Nan de sute? (O que foi que você disse?) Com quem você acha que está falando? – Sasuke respondeu com o semblante fechado.

            - Kurogane se acalme. – JD pediu.

            - Shizuka na! ("Cale a boca!" ou "Quando eu quiser sua opinião, eu peço!”) – Ele gritou com JD e se virou para Sasuke - Eu penso que estou falando com um Uchiha idiota que se acha muita coisa. – Kurogane gritou.

            - Hunf. Você deve ser muito forte ou muito imbecil para me falar uma coisa dessas. – Sasuke devolveu aparentando um rosto indiferente. Mesmo assim, o olhar de ódio era evidente.

Kurogane deu uma risada convencida e disse:

            - Você já me viu lutar. Deve saber que eu posso dar conta de você a qualquer momento.

            - Nani yo? (O que?) Aquilo? Gomenasai, estava tão enfadonho que eu caí no sono. – Sasuke respondeu com um sorriso de canto.

Kurogane tremia ao tentar se controlar. Não daria o gostinho de se rebaixar para aquele Uchiha.

Sasuke estranhava o próprio comportamento. Onde estava aquela indiferença que ele sentia por todos? Ele só sabia que não gostava do modo como aquele cara agia possessivamente em relação à Sakura. E se ele, Uchiha Sasuke, pudesse, quebraria a cara daquele Haruno metido a besta.

            - O que está acontecendo aqui? – A voz grave veio de Tsukoi. Ele entrara no quarto e tivera uma visão preocupante: Kurogane e o Uchiha se encarando com ódio. Sendo que o Haruno parecia a ponto de perder o controle.

            - Não está acontecendo nada demais, Tsukoi sama. – JD disse com um sorriso, tentando acalmar o líder.

            - Você acha que eu sou idiota moleque? Quero que me expliquem o que está acontecendo aqui e expliquem agora!

            - Tsukoi, - Tsunade que vinha atrás do ancião, comentou – não duvido nada de que seja alguma espécie de rixa entre os dois. Se você não se importar, sairemos agora e você tem a minha palavra de que Sasuke levará um puxão de orelha. Aposto que você também saberá lidar com o seu ninja.

Deste modo, depois de uma rápida olhada em Sakura, Tsunade e os outros ninjas de Konoha saíram do clã. Kurogane e Sasuke levaram seus respectivos puxões de orelha, mas nem por isso deixaram de guardar certo rancor um do outro. Aquele era o inicio de uma disputa maior.



Notas finais do capítulo

Entendo que o capítulo não ficou lá grandes coisas mas tenham paciencia, onegai.

Assim que eu tiver um tempo livre, eu escrevo.

bjs
Ja ne