(Nem) Todo Mundo Odeia a Emily escrita por May_Mello


Capítulo 48
Todo mundo odeia bailes.


Notas iniciais do capítulo

Eae? Como vão?

Esse capítulo ficou bem grande e eu nem demorei direito. Viu como sou gente boa? hahahaha
Muito obrigada pelo comentário, gente linda!

Muito de vocês me pediram pra ver o look da Emily, e já adianto que não sou boa nisso. Então só coloquei a foto do vestido (que eu amo e faz muito tempo que tenho essa foto guardada).
Mas enfim, espero que gostem.
E tem vingancinha hihihi
Bjão, e boa leitura :D



Minha mãe irrompeu pela porta com uma imensa caixa em mãos. Me olhou com uma cara de espertinha e depositou a caixa do meu lado no sofá.

Eu comi a última batatinha do pacote que tinha em mãos e fiquei olhando pra ela com cara de ovo cozido.

–Abre, Emily!

–Se isso for um vestido de baile eu juro-

–Como eu bem te conheço, aposto que estava pensando em ir de calça e tênis pro baile, então eu dei um jeitinho! Eu sei, sou a melhor mãe do mundo!!! – Se gabou.

–Na verdade, eu iria com meu all star e meu vestido preto do baile retrasado. – Sério, era isso mesmo.

–O QUEEE?! ABRE A CAIXA AGORA!

–Tá, tá. Que seja. – Concordei a contragosto.

Um minuto de silêncio.

–MÃE, ISSO É... PERFEITO! – Ok. Essa aí sou eu, literalmente pirando naquela coisa branca, cheia de pedras brilhantes, jogada dentro da caixa.

Apesar de ser uma coisa bem diferente das que eu usava era lindo. E às veses é bom tentar coisas novas.

–Eu sei. Eu sei! – E essa é minha mãe batendo palminhas e fazendo suas enormes pulseiras baterem umas nas outras.

–Mas, cara... É tipo muito lindo. – Peguei o vestido lá de dentro e comecei a rodar com ele pela sala. Eu sei que nem parecia eu nesse momento, mas... é.

–Eu sei! Eu sei! E olha os sapatos! Olha! Olha! – Olhei e vi. Nossa, que pleonasmo. E os sapatos eram também tão bonitos que quase me esqueci que não sei andar de salto. Eram prateados pra combinar com o vestido e o salto nem era tão alto assim.

–Mãe, eu-

–Não precisa agradecer, fofura da mamãe! – Eu nem ia mesmo! – A mamãe só quer te ver feliz. – Feliz é? Então me solta desse abraço de urso que tá me dando agora que eu fico bem feliz. – Agora vai provar seu vestido que depois você vai ter seu dia de princesa no salão de beleza! Corre! Corre! – E deu um tapinha na minha bunda, jogando a caixa e tudo pra cima de mim.

Sim, como o tempo passa rápido. Parece que foi ontem que... eu nasci!, e agora só falta uma semana pro dia em que vou ao baile com Thomas Schultz. O que posso dizer sobre isso? Nada. Que se dane.

Brincadeirinha. O que posso dizer é que minha mãe está bem mais animada do que eu e o meu vestido é lindo, não posso negar.

_X_

Vestido da Emily:

Abotoei a minha última sandália. Dei mais uma olhada no meu espelho gigante. Então é isso. É isso, e me sinto tão insegura que nem os cinco quilos de laquê no meu cabelo e os dez de maquiagem vão fazer essa insegurança passar.

É a primeira vez que vou em um baile depois de tanto tempo, e é a primeira vez que estou interessada em saber a opinião alheia a meu respeito. Qual é? Eu pareço bonita... segundo a minha mãe, o que nem conta.

Só sei que... estou com fome. Esse baile também nem é grande coisa. O único fato relevante é que... nem tem fato relevante, e talvez eu só vá poder ver a cara de ogro sem cebola da Zooey no dia seguinte, isso se ela for no último dia de aula. Nem sei da onde tirei “ogro sem cebola”, estou realmente com fome.

Demorei uns dois dias mas desci as escadas com a minha sandália. Fui em direção a cozinha, mas não sem antes receber mais uns sem-número de elogios da minha mãe na sala. Acabei de abrir a geladeira quando a campainha tocou. Escutei a voz de Thomas e minha barriga gelou um pouco, mas tenho certeza que foi por conta do frio que veio da geladeira.

–Emily! – Minha mãe me chamou? E sabe o que isso significa? Que vou ir ao baile com fome!

Fui até lá com a minha cara de tédio rotineira. Olhei o Thomas. Ele parece o mesmo.

Tudo bem. Estou mentindo, ok? Ele... parecia o mesmo, só que bem mais bonito e... diferente.

(Nota da autora: Como eu já disse antes, essa não era um história original. Era sobre Tokio Hotel, e até hoje eu ainda imagino o Thomas como Tom Kaulitz, guitarrista da banda. Mas sintam-se livres pra imaginar ele de maneira diferente. E sim, eu coloco notas no meio da história porque eu posso! )

Nunca imaginei o Thomas de terno e fazendo o estilo social... Deve ser por isso que ele não estava vestido assim, porque isso seria impossível de acontecer. Ele só estava bem mais arrumado do que o habitual. Um social bem mais despojado, com as mangas do blazer arregaçadas e nos pés um sneaker preto. E só, se você desconsiderar o detalhe que agora ao invés de dreads, ele tinha rastas, trancinhas, no cabelo todo. Cabelo esse que foi tingindo de preto. E parece que enquanto eu tinha um ataque cardíaco silencioso, minha mãe e ele falavam da recente mudança que ele fez no cabelo.

–Lukas me ajudou na mudança, pra falar a verdade. – Ele sorriu, enquanto minha mãe quase desfalecia.

–Ficou muito bom! – minha mãe exclamou.

–Verdade. – Concordei baixinho, mas como já foi retratado nessa mesma história, Thomas tem ouvidos biônicos.

–Obrigado. – Ele disse num suspiro e ficou me encarando por três dias e quatro noites. Sério, ficou aquele silencio.

–Ah, vou pegar a câmera pra tirar uma foto da minha garotinha indo para o baile toda lindona e com um menino todo lindão e... – Minha mãe subiu as escadas e continuou seu monólogo, do qual não podíamos mais ouvir.

–Eu não ia dizer nada, mas você está tão bonita que eu sou forçado a trair a mim mesmo e dizer que... – Ele tomou fôlego, enquanto eu ria.

–Você está nervoso, Thomas Schultz? – E sorri mais um pouco, vendo que ele não conseguia completar a frase.

–Não, acontece que você... está muito diferente. E linda demais pra que possa descrever alguma coisa. Eu peço desculpas por isso, senhorita Evans. – Isso foi meio que fofo, de verdade.

–Tsc. – Balancei a cabeça negativamente. – Quem é você e o que fez com o Thomas? – E foi a vez dele de rir.

–Aqui, aqui, aqui! – Minha mãe desceu as escadas rodopiando e segurando a nossa câmera velha. – Certo, agora fiquem parados no primeiro degrau da escada e digam “xis”.

–Não precisa disso tudo, mãe! E ainda por cima eu estou com fome e você fica me atrasando pra chegar ao baile. – Dizia, enquanto era empurrada a contragosto pela minha mãe em direção as escadas.

Olhei para Thomas, que se pôs ao meu lado e me puxou pra bem perto dele como se tivesse permissão! Oras!

Eu sorri e acho que a primeira foto não deu certo, já que ele ficou encarando o meu sorriso. A segunda acho que ambos estávamos nos encarando com caras estranhas. E finalmente acho que a terceira saiu certo: nós dois olhamos pra minha mãe e sorrimos.

–PER-FEI-TO! – Minha mãe exclamou novamente.

–Ok, ok, ok, mãe. – Puxei Thomas enquanto pegava minha espécie de casaco/sobretudo no sofá.

–Tchau, senhora Evans. Vou cuidar bem dela. – Thomas se despedia e eu fingia que acreditava que ele iria cuidar de mim!

–Tudo bem, e estejam em casa antes do sol nascer, ouviram?

–Tá, tá. – Fechei a porta atrás de mim e percebi que ainda segurava a mão do Thomas; a soltei lentamente pra não dar muito na cara e encarei a rua. – Então é isso? Nós vamos andar até o baile?

–Claro. Queria o quê? Uma limusine com rodas de ouro?

–Não, mas até uma bicicleta serviria! – Cruzei os braços e desci as escadas da minha varanda toda emburrada. Thomas riu.

–Estúpida. – Disse baixinho antes de pegar a minha mão e me puxar pra frente da casa dele, onde um carro estava parado. O que posso dizer? Não era uma limusine mas era um carro comum!

–Isso deve servir. – Constatei.

–É? Você deveria ficar contente. É do meu padrasto, deu trabalho pra conseguir permissão. E ainda tive que disputar com o meu irmão, que vai levar a Samantha. – Declarou todo fodão enquanto abria a porta pra mim.

–Mentira. Aposto que seu irmão conseguiu uma limusine pra levar a Sam. – Disse antes de entrar e nós dois rimos.

Ele entrou no carro, que ficou inteirinho cheirando ao perfume dele. Pequeno detalhe irrelevante, ok?

Ri do meu último pensamento. Pensei em elogiá-lo, mas isso iria fazer com que ele ficasse se achando demais. E além de tudo, eu não sirvo pra isso. Não consigo me visualizar dizendo “Thomas, você está bonito pra caramba! Adorei seu novo cabelo e isso quase me faz te odiar um pouco menos!”

... É, deixa pra lá.

_X_

–E nós chegamos. E vivos, ainda por cima! – Comentei, enquanto ele fazia caretas pra me irritar, já que eu o estava irritando. – Vou deixar meu casaco aqui, falou, navalha?

–Qual é, Emily? Eu dirijo bem pra caramba!

–Percebi mesmo. – Ri enquanto ele fechava o carro.

Quase ficamos cegos na entrada do salão com um monte de flashes, mas tudo bem.

–E o baile de Verão tem o tema de Verão. Super original! – Declarei.

–Você acha que a Zooey ainda está me esperando?

–Provavelmente. –E nós rimos de novo. Está ficando meio entediante constatar que nós rimos, já que estamos rindo de tudo.

–Emily, Thomas!

–Gregory?

–Vocês já beberam o ponche? Está... maravilhoso. Lindo, igual a Emily!

–Você ficou bêbado com ponche? Seu idiota! Isso nem tem álcool! – Lhe dei um pequeno empurrão no ombro.

–Eu trouxe o meu próprio álcool. – Sussurrou como se fosse um segredo da CIA. – E foi só o que sobrou pra fazer, já que eu vim sozinho. Você veio com o Thomas? Deveria ter vindo comigo!

–Sem chances, cara. – Thomas se pronunciou, rindo.

–Cadê o Anthony?

–Ele e a Lucy sumiram.

–Quem é Lucy? - Perguntei.

–Sei lá. Espero que seja alguma garota. Sabe, não entendo como ele consegue um par e eu não! Não me conformo!

–Pobre Gregory. – Belisquei uma de suas bochechas já rosadas, devido ao ponche “personalizado” que ele estava bebendo.

– Que seja, vou dançar! E sozinho, já que sou o único sem um par nessa coisa estúpida! – E saiu berrando.

–Eu aposto que não, Gregory. – Thomas comentou, se referindo a Zooey e ao quanto ela também deveria estar sozinha.

_X_

Lá pelas tantas, eu, Thomas, Lukas, Samantha, Anthony e até a tal de Lucy que o balofinho arrumou como par estávamos rindo mais do que a boca sobre uma piada qualquer. Olhando assim, de longe, esse momento fazia até parecer que bailes eram divertidos.

Correção: bailes nunca são divertidos. Principalmente agora, que acabei de parar meu olhar em uma Zooey cuspindo abelha e parecendo uma incorporação do demônio na entrada do ginásio. Então ela veio mesmo hein? Vai se arrepender.

–O-ow... – Declarei assim que ela colocou aqueles olhos de Medusa na gente, e todo mundo se voltou pra onde eu estava olhando.

Enquanto ela caminhava até nós alguns idiotas riam por ela estar totalmente atrasada e sem um par. Eita, povo bobo.

–Cara, vocês vão morrer. – Anthony que também já sabia da nossa pequena “vingancinha” ajeitou os óculos, e pelo jeito virou vidente, pois até já sabia nosso futuro.

–Thomas Schultz! – Ela deu um grito tão agudo que o baile inteiro parou pra ver a cena. – E você, sua... sua aberração! – Ela me olhou com nojo, e eu acho que ela iaexplodir de tanto ódio. – Então vocês estão juntinhos contra mim?

–Cuidado hein, tô achando que você é muito nova pra ter um infarto. – Ela ignorou meu sábio conselho e começou a rir debochadamente.

–Vocês vão se arrepender amargamente de terem feito isso comigo!!!

–Não, Zooey, você que vai se arrepender amargamente por ser tão infantil e mimada. Olhe a sua volta, ninguém sentiu a sua falta. Ninguém! – Thomas falava tudo calmamente, e acho que a veia na testa dela iria estourar de tanta raiva.

–Na verdade, ninguém gosta de você! – E essa aí foi a Samantha. Espera. Até a Samantha?

–Você pensa que manda em tudo e que é a pessoa mais importante do mundo? Eu quero ser importante também! – Carly, a líder de torcida que é super amiga dela se pronunciou. Quando foi que isso aqui virou um tribunal contra a Zooey?

–Ora, até você sua imprestável!–Zooey se voltou seu olhar a ela por alguns segundos.

–Está vendo? Ninguém gosta de você. Todo esse tempo eles só estavam fingindo te adorar por alguma razão idiota. – Ela respirada pesadamente, e eu fiz uma pausa pra logo depois continuar: -Você se lembra quando me disse que eu era um nada? Você estava errada, Zooey... Você que é um nada, não é melhor do que ninguém. E eu tenho um único sentimento por você: pena. – Falei tudo. Peguei pesado?

–Você é a pessoa mais detestável do mundo, e eu nem estou brincando. – Nem sei quem disse isso, provavelmente mais alguém que já sofreu nas mãos dela. Todo mundo estava se voltando contra ela.

–Você deveria ter umas aulas de como tratar as pessoas! – Outro alguém disse.

–Cai fora daqui, Zooey!!! – Alguém gritou lá do fundão.

–Você não deveria ter vindo. E que isso te sirva de lição. – Thomas declarou por fim.

Ela olhava pra todos, tremendo de tanta raiva. Demorou mais o olhar sobre mim e Thomas, e não demonstrava arrependimento e nem intenção de choro. A essas alturas eu já estaria chorando muito, mas ela é ruim demais pra isso.

Enquanto alguém começou a pedir ordem e respeito no microfone, ela se virou e amparada por duas líderes de torcida que ainda sobraram do lado dela, ela deu meia volta. E saiu enquanto era vaiada por todos.

–Não queria isso. – Declarei baixinho, só pra que Thomas ouvisse, enquanto o pessoal se dispersava novamente.

–Eu também não. Mas foi ela mesma que causou tudo isso. Insistiu em vir ao baile, em causar uma cena... Ela só não contava que todo mundo ia ficar contra ela.

–WOW! O QUE FOI ISSO? – Gregory chegou com cara de assustado perto da gente.

–Acho que ela vai ficar mal por um bom tempo.– Ouvi Lukas dizer e nos viramos.

–Vai nada. Conhecendo a peça ela ainda vai continuar se achando. – Sam disse.

Olhei de esguelha para Thomas que deu de ombros.

–Ela vai arrumar um jeito de processar todo mundo. – Anthony disse e caímos na risada.

–Nossa, que situação. – Declarei.

–Ela estava pedindo por isso. – Gregory falou calmamente pela primeira vez na vida, imitando uma cara de deboche. Já estava bêbedo o menino.

Nem notei que a música tinha recomeçado. Mas todo mundo ainda comentava sobre o show, alguns rindo, outros só com os olhos estalados, outros indiferentes...

Mas tudo tinha voltado ao normal. Espero sinceramente que a Zooey aprenda a lição.

–É gente, vou experimentar o ponche. Vem Sam. – Lukas disse depois de um momento de silêncio e os dois saíram em direção ao outro lado do salão.

–Eu vou ao banheiro. – Lucy( que eu nem havia notado que ainda estava aqui) declarou e deu uma piscadela para Anthony.

–Eu...Eu vou também. – Anthony ajeitou os óculos antes de sair feito um cãozinho sem dono atrás da Lucy.

–Hum... Saquei tudo! Esses dois safados! – Comentei.

–Eu é não vou ficar segurando vela. – Gregory saiu enquanto ainda falava, e Thomas sorrriu.

–Então, senhorita Evans... – Thomas pareceu escolher com cuidado suas próximas palavras, enquanto se voltava para mim. – Quer dançar?



Notas finais do capítulo

O capítulo do baile vai ser dividido em dois e aguardem, porque o próximo tá foda. Ou não. *corre*