(Nem) Todo Mundo Odeia a Emily escrita por May_Mello


Capítulo 40
Todo mundo odeia confusão.


Notas iniciais do capítulo

Voltei meus lindos e lindas rsrsrs'
Semana que vem é minha semana de provas na facul mas quem falou que eu tô lingando né?
Quero agradecer imensamente pelos comentários, e dizer para os novos leitores que sem todos bem-vindos ^-^
Vou pedir desculpas pela demora de novo... mas essa é a vida ne, fazer o que? Só nos resta sentar e chorar... (?)

Fiquem aí com esse capítulo escroto. Um super bjo e até mais o/



–Mas mãe!

–Corre, Emily, corre! – Minha mãe gritou, me expulsando do carro. – Vai dar tempo, aproveita que o portão ainda está aberto.

–Mas e o uniforme?!

–Corre, menina! – Praticamente me jogou no meio da rua, logo depois saiu voando com aquele carrinho velho.

Foi aí que a sensação de liberdade que esteve presente nessa última semana na casa da tia Abby voltou a me atingir. Sim, liberdade. Depois da conversa que tive com a velhinha do bem eu sentia essa liberdade, como se minha vida não dependesse de um só objetivo; como se eu tivesse me curado da doença de obsessão de um amor doentio pelo Lukas.

Eu gosto dele como amigo. E o melhor é que finalmente eu consigo me sentir eu mesma de novo: uma menina de mal com a vida e o universo; não uma bobona apaixonada.

Tentei me lembrar de mais um conselho da tia Abby, acho que era mais ou menos assim : “A vida é um mato sem cachorro, e quando menos se espera cedo se madruga e com ferro se fere e...” Tá bom. Nem me lembro das baboseiras que ela falou. Só sei que não estou apaixonada.

–Isso mesmo, tia Abby, a senhora tirou um fardo das minhas costas. – Murmurei pra mim mesma e depois funguei, percebendo que eu ainda estava no meio da rua.

Corri em disparada rumo ao portão da escola logo à frente, não me importando em estar apenas com um short jeans e uma blusinha branca super solta e perigosa. Que se dane também!

Mas há algo de estranho! Cadê o zelador olhudo e os outros babacas chamados alunos? Que estranho! Eu só saí por uma semana e quando volto... A escola foi destruída, construída novamente e todos os pokémons já evoluíram.

Mas ouvi uma gritaria tremenda vinda do pátio, e logo minhas perninhas de grilo me levaram até lá.

–Que diabos...?

–Briga Briga! Briga! – Havia um coro de alunos em volta de alguma coisa. Fui empurrando todo mundo até a cena entrar no meu campo de visão: Thomas e Tyler se pegando... literalmente!

Vixi!

–Thomas? – Deixei escapar e Thomas levou um soco na fuça quando se distraiu olhando para mim. Logo depois disso Thomas avançou pra cima do Tyler com tanta força que se o zelador bocó não tivesse interferido Tyler não teria mais nariz. O zelador segurou Thomas e outro aluno segurou Tyler.

–O SHOW ACABOU! VOCÊS DOIS PRA DIRETORIA! – Tyler foi arrastado para lá, enquanto Thomas se soltava do zelador e os alunos já se dispersavam.

–Thomas! – Ouvi a voz de Lukas, antes de Thomas ser puxado.

–Ah, senhorita Evans! – O olhudo me olhou e me viu sem uniforme. – VOCÊ TAMBÉM PRA DIRETORIA! – Ui, até arrepiei.

Nós três andamos lado à lado até a sala de tortura, e eu acho que tropecei umas quinhentas vezes observando o corte no supercílio de Thomas. O silêncio estava tão auto que eu já estava ficando louca.

–Esperem aqui enquanto ela fala com esse aqui. – O zelador falou pra mim e pro Thomas, nos jogando para dentro da sala de espera e logo após entrando na sala da diretora junto com Tyler.

–Vamos fugir!

–Onde é que você estava, hein, Evans? – Thomas ignorou a minha sábia idéia.

–Ué, Anthony e Gregory não disseram que eu fui pro Canadá? – Thomas revirou os olhos e eu entendi que ele nunca perguntaria de mim para alguém. E vai ver eles disseram mas ele esqueceu. – O que aconteceu com você e o Tyler, hein? Pensei que eram “amiguinhos”... – Coloquei as mãos nos bolsos, toda debochando da situação.

–Não é nada que lhe interesse! E você estava certa quando deu um tapa na cara daquele idiota! Porque ele é um idiota! Idiota! – Thomas bufou.

–E você também. – Dei de ombros.

–Você nem merecia, nem merecia... – Thomas murmurou algo parecido com isso, delirando e vagueando pela sala. – Idiota é você, Evans. Uma bobona que fica correndo atrás do meu irmão!

Eu nem ia falar nada, mas já que foi o Thomas quem provocou:

–VOCÊ É MIL VEZES MAIS IDIOTA! E NÃO QUE SEJA DA SUA CONTA, MAS ESTÁ TUDO ACABADO. EU TOTALMENTE DESISTI DO SEU IRMÃO! – Gritei com todas as forças dos meus frágeis pulmões, e tive a impressão que a pupila de Thomas se dilatou olhando para mim.

–Você... O que....? Como assim? Desistiu mesmo? – Ele ficou todo desconcertado.

–Muito bonito, senhorita Evans. – A voz de gralha da diretora soou lá da porta de sua sala, enquanto a mesma batia palmas olhando para mim. – Interrompendo o meu discurso com esses seus ataques.

_X_

–É tudo culpa daquele jumento. Tudo culpa dele! Sempre e sempre! – Me referia à você-sabe-quem, vulgo Thomas, enquanto vagueava pelos corredores da escola ao invés de voltar para sala após sair do banheiro, onde estava já que a minha querida diretora me arranjou um uniforme e me fez vestir.

Thomas e Tyler foram condenados primeiro, pela briga aparentemente sem motivo; pegaram detenção e advertência, eu acho. E eu fui “atendida” logo após, e ouvi muitos gritos e sermões, já que estava sem o uniforme e ainda havia gritado em plena diretoria. A diretora disse que eu sempre me supero. Fazer o que, sou foda! Ela também gritou algo sobre o baile de verão estar próximo e depois tomou um gole da cachaça dela.

Passava pelo refeitório ainda praguejando Thomas quando dois olhos azuis se fixaram em mim. Tenho que falar com ele, afinal... Eu sou curiosa ou não sou, hein?

–Tyler... – Chamei-o um pouco antes de me sentar de frente para ele. – Também não voltou pra sala, é? E por que é que você e o Thomas estava brigando, hein?

–Porque ele é um idiota que pensa que pode roubar minha garota. – Fez um movimento estranho com as sobrancelhas.

–Hãn? – Minha cara de débil mental deve estar muito marcante agora.

–Digamos que eu goste de uma garota que ele está tentando pegar. Aquele idiota! E o pior é que ele só quer se divertir com a garota, enquanto eu, EU, gosto dela pra valer! – Se exaltou, colocando a mão no peito.

–Ow... Calma aí. – Comecei a rir. – Então esse foi o motivo da briga? Só isso?

–Só? Como só? E se eu tiver a chance pode ter certeza de que eu vou quebrar a fuça dele!

Levantei as mãos, dando a entender que não me importava nem um pouco. Odeio esses dois mesmo, por mim podem se destruir mutuamente e acabar com meu tormento.

Já estava indo embora porque eu não suporto o Tyler também, mas quis saber mais.

–Diz aí... Quem é a garota que capturou seu coraçãozinho mesquinho?

–Hey, não fale assim, ok? Não me ofenda... E a garota... – Voltou a sorrir sarcástico, do seu jeito costumeiro. – Digamos que você, pequena “E”, não precisa saber quem é.

Dei de ombros e saí. E ele ficou. E eu fui pensando em como as pessoas apaixonadas são idiotas e ciumentas. Credo! Ainda bem que eu já superei essa fase.

_X_

–E é isso. Eu não preciso mais dos seus passos, Anthony.

–Como assim? Nós tínhamos um acordo... E a metade do seu lanche que você tinha combinado de dividir comigo sempre? – Menino interesseiro!

–Eu não preciso mais da sua ajuda! Eu superei minha obsessão pelo Lukas.

–Ai, essas mulheres. Sempre tão complicadas. – Gregory resmungou, sem tirar os olhos da comida. – Estávamos tão empolgados em te ajudar, Emily. – E lamentou-se.

–É, mas acontece qu- – Minha fala morreu assim que os Schultz se aproximaram da nossa mesa com suas bandejas em mãos.

Silêncio total. Eu só ouvi Gregory fungando.

–Hey, Emily, que bom que está de volta. – Só agora eu tinha visto o Lukas e ele havia me visto, já que matei todas as aulas antes do intervalo.

–Yep. – Mordi a minha maçã.

–E você tirou o gesso. – Todos encararam o meu bracinho, até Thomas, que tinha um curativo logo acima do olho. Bobão!

–Yep. – Respostas repetitivas. Adoro elas. – E bela briga por uma garota, Thomas.

–Foi por uma garota? – Gregory assustou-se.

–Como sabe que foi por causa de uma garota? – Thomas arqueou uma sobrancelha.

–Tyler me contou. – Dei de ombros.

–O QUE ESSE IDIOTA TE DISSE?! – Dei um pulo com o grito dele.

–Tyler? Você tem falado com o Tyler?! – Até Anthony se exaltou. Pronto, fuzuê. Parabéns, Emily!

Os três começaram a falar ao mesmo tempo e eu só murmurava ‘calem a boca’, até que me enfezei e gritei um “CALA BOCA” bem auto, fazendo todo mundo parar de falar...

– E QUE HITÓRIA É ESSA DE QUE VOCÊ NÃO GOSTA MAIS DO LUKAS? - ... Bom, todo mundo parou de falar, menos um menino que um dia se chamou Gregory antes de morrer.