(Nem) Todo Mundo Odeia a Emily escrita por May_Mello


Capítulo 24
Todo mundo odeia cumprir as regras.


Notas iniciais do capítulo

VIRGE'. SANTA. MÃE. DE. CRISTO!._.'
Ok, ok, ok... -q Antes de matarem, tenho explicações. ESTOU SEM INTERNET! O que eu temia aconteceu, pessoas - se é que ainda tem alguém que vá ler isso.
Meu pai é realmente dumaw. Além de estar sem net e já estar morrendo porque eu arranquei dois sisos de uma só vez e não consigo nem respirar{?}, temo que este seja o último capítulo que conseguirei postar dessa história. Calma, eu explico: é que minha querida mãe vai simplesmente ME MATAR MESMO quando descobrir que eu peguei o chip dela pra colocar no modem aqui. Cara, tô tão ferrada... Espero que ainda tenha alguém que leia ou se importe com isso aqui.
Nem revisei ou sequer reli o capítulo, por isso desculpem qualquer coisa. Estou com tanta pressa de postar e com tantas saudades; além de estar com medo que o cap. nem seja postado por conta desse modem dos infernos aqui! Ainda bem que ele resolveu funcionar agora... Acho... Ó só, as falas das lembranças da Emy estão um pouco confusas, essa meio que era a intenção. Sei lá. -q Qualquer coisa é só falar que quando eu consegui aparecer de novo eu tento te responder, ok?
Ai, ai, ai. Deixa eu rir pra não chorar... Mentira! Eu não posso rir ou meus pontos dos dentes arrancados sangram. Triste... Triste... D:



Posso até ouvir risos maléficos da vida ao fundo.

Cara, acho que nunca corri tanto na vida! Pensando bem, acho que já corri assim uma vez. Ah, sim, me lembro perfeitamente! Foi no ano passado, quando eu acordei muito - mas muito mesmo - atrasada pra chegar na escola e pegar o ônibus rumo à floresta pra fazermos uma divertida e engraçada viagem. Cof, Cof.


Sim, a cena se repete, meus caros amigos! Aqui estou eu, correndo feito uma condenada com uma pesada mochila nas costas, rumo à escola pra pegar um ônibus rumo à floresta. Todo esse sacrifício só por conta de uma estúpida “semana do verde”! É uma conspiração da vida contra mim, eu tenho certeza! Só estou indo nessa... coisa indesejada – pra não dizer outra coisa – porque vale metade da nota total e eu tenho que ficar de olho no Lukas.


Só espero que...


–EEEEEEEEIII! EU CHEGUEI, EU CHEGUEI, EU CHEGUEI! PARA ESSA JOÇA! – Por pouco não perco o ônibus. Não sei se seria sorte ou azar se isso acontecesse.


Não consigo nem respirar de tanto que meus pulmões doem por conta da corrida.


O motorista me olhou com aquela cara de poucos, quer dizer... nenhum amigo, enquanto eu subia no ônibus.


–Evans! Isso é hora de chegar?! Já nos atrasamos cinqüenta e sete minutos por termos ficado esperando você! – Meu professor de Ciências, Sr. Fitz, exclamou do primeiro banco. Só não respondo para ele porque não consigo nem respirar. – E seu lugar é com o Sr. Shay!


Beleza. Depois eu mato todo mundo nesse ônibus e quando eu estiver internada no manicômio, com uma camisa de força e amordaçada, me perguntam por que eu fiz isso.


Shay... Lucas Shay é um gordo estúpido que fala cuspindo e só anda gripado. Se eu sobreviver nesse inferno de viagem é porque realmente eu não morro mais. Tudo bem. Calma. Eu já até sobrevivi na do ano passado, que foi um pouco... trágico. Sim, pois se você considera cair de cara em um “troço” - do qual nem quero lembrar ou falar - na frente de todo mundo, pegar alergia em toda parte do corpo – toda parte mesmo! –, e se assustar com uma sombra e sair gritando que era o Jason como algo trágico, então sim, foi bem trágico. Mas com a minha sorte, talvez dessa vez seja pior.


Comecei a procurar pelo Lucas andando calmamente. Mas é uma pena que o motorista se vingou por eu ter chegado atrasada mais rápido do que eu esperava e deu uma arrancada com o ônibus, me fazendo dar uma voada pra frente e por pouco não cair. Acho que Gregory e Lukas me cumprimentaram, mas estou muito ocupada tentando me manter em pé, pra responder qualquer coisa.


Encontrei Lucas com os olhos e rapidamente me sentei ao seu lado, mas quase achei que não caberia no banco, já que ele ocupava quase os dois bancos inteiros. Desaforo!


–Eu odeio você, Evans. – Lucas falou e logo depois teve uma crise de espirros, e eu limpei a cara antes de responder:


–Sério? Entra na fila, Shay. E aproveita e me conta uma novidade... Pensando bem, só fica quieto! Finja que eu não existo que eu faço o mesmo, apesar de ser um pouco impossível fingir que você não existe! Eu só quer- – Esse demônio já começou a me ignorar antes mesmo de eu terminar de falar. Diacho!


Tudo bem. Apenas virei meu rosto para outro lado colocando os dois pés no banco da frente, deixando minha mochila parada entre minhas pernas e minha barriga.


As árvores são verdes, o céu é azul. Ai, que tédio, quero tomar um Red Bull.

Sério, estou morrendo.


Deixe-me analisar: Lukas e Gregory estão sentados juntos, um pouco mais à frente, na fileira de bancos oposta à minha. Anthony está uns dois bancos depois do meu e comendo chocolate. Mas onde é que está o...


–AU! MEU CABELO, SEU INFELIZ! – E lá estava Thomas, logo atrás de mim e rindo descaradamente da minha cara de dor. – VAI PUXAR O CABELO DA MÃE!


–O seu é mais divertido. – Piscou os olhos várias vezes, acho que estava tentando ser fofo e ao mesmo tempo engraçado. Vai saber. Ele é estranho...


Deixei minha mochila no assoalho do ônibus e me virei para trás, de modo que fiquei de joelhos no banco. Ao lado de Thomas tinha uma menina quase tendo uma hemorragia nasal e tremendo mais do que eu perto do Lukas. Coitada. Pelo menos o cabelo dela é pior do que o meu, me sinto feliz. Yeah!


–Realmente achei que você não viria pra eu ter um pouco de paz. – Thomas comentou, me fazendo olhar para ele.


–Achou errado, meu caro. – Falei toda cheia de pose. – Aliás... Eu não tenho nada pra falar com você. – Ia me virando para frente de novo, quando ele segurou a minha mão não-enfaixada.


–Ah, tem sim! – Ele olhou para mim, depois olhou pra menina ao lado dele e depois olhou para o balofo do Lucas. – Pode nos dar licença? – Falou para a menina ao lado dele como se fosse o dono do ônibus.


–C-Claro. – A menina gaguejou, gaguejou, gaguejou e... quase desmaiou. Thomas se levantou pra que ela saísse do banco, já que ela estava do lado da janela.


Assim que a menina se levantou, Thomas me puxou rapidamente, me fazendo sentar ao lado dele. A menina, coitada, teve que se sentar ao lado do Shay. Mas... Espera aí.


–O que você está fazendo? – Me virei para Thomas, só agora percebendo que eu tinha mesmo trocado de lugar.


–Vamos conversar.


–Ok.


Barulho de grilos.


–Como foi? – Ele me perguntou.


–Foi o quê? – Arqueei uma sobrancelha.


–Como foi a semana cumprindo as regras que eu te passei?


–Foi... Bem. Obrigada por perguntar. – Sorri amarelo.


–Desembucha, Emily! – Ele praticamente gritou. Medo. Ui.


–Ok. Vamos por regras...


Regra número um: Ignore-o; finja que não se importa.


(Eu e Lukas voltando pra casa sozinhos juntos.{?}. Thomas estava na detenção juntamente com Gregory, e eu consegui escapar com a desculpa que meu pulso estava doendo, só que teria que repor o dia perdido em outro. Grande merda!)


–Então... Obrigada pelos doces.

–Não tem de quê.

–Você e Samantha... Tem algo rolando entre vocês dois?

–Por que está me perguntando isso, Emily?

–Não sei. Talvez porque somos amigos agora.

–Ow...

–Por quê? Achou que fosse por outra coisa, Lukas? Eu já disse que eu estava apenas confusa e enganada quando disse que te amava.

–Não, não é isso.

–Então o que foi? Está mesmo achando que eu estou com ciúmes? Claro que não. Claro que... Não.

–Não, só que é estranho...

–O que é estranho? Falar disso comigo? Isso estranho? Estranho é amar uma pessoa e fingir que não a ama, não que eu te ame, quer dizer... Err... Tem mais bala aí?

Regra número dois: O Thomas sempre está certo.


(Matando aula de Educação Física debaixo da arquibancada... Culpa do Thomas, porque eu não iria fazer a aula, de qualquer maneira, por causa do meu pulso)


–Emily, foco no que você está fazendo!

–Thomas, eu estou tentando com todas as minhas forças... Essas suas regras é que são impossíveis de cumprir!

–Não, as regras são perfeitas e eu estou sempre certo. Você é que é muito estúpida, mesmo!


Regra número três: Lembre-se da regra número dois.


(Ainda matando aula debaixo da arquibancada)


–Ah, que seja. Vou tentar começar a cumprir as regras ainda hoje.

–Tá vendo? Como é que você diz que elas são impossíveis se você nem tentou ainda, sua estúpida?

Regra número quatro: Seja fofa, delicada e toda prestativa... Não com ele, com ou outros. MAS FAÇA COM QUE ELE VEJA!


(Indo para o mercadinho e passando em frente à casa dos Schultz)

–Ah, oi, Emily!

–Oi, Lukas!

–Oi, estúpida...

–Oi, cape- Cof, cof... Oi, Thomas!

–Pra onde está indo, sua esquisita-estúpida?

–No mercadinho.

–Olha que coincidência, eu e o Thomas também.

–Er... Legal...

–Você bem que poderia adiantar nosso trabalho, não é mesmo?

–Como assim, idi- Err... Thomas?

–Você poderia comprar as coisas pra gente, já que você vai indo lá mesmo.

–Thomas! Deixe a Emily em paz! E por que não pode ser o contrário? A gente trazer o que ela precisa?

–Não, Lukas, eu sei que a Emily é solidária e prestativa... Não é mesmo, aberração?

–AAH! NÃO, NÃO É, NÃO! E SE DEPENDER DE MIM PRA IR AO MERCADINHO PRA ALGUÉM ,TODO MUNDO VAI MORRER DE FOME OU SEJA LÁ O QUÊ! EU NÃO SOU EMPREGADA E NEM OBRIGADA! PASSAR BEM!

–Uia.

–Tá vendo, Thomas? Eu disse que era pra deixar ela em paz.


Regra número cinco: Seja você mesma.


(Conversando com Anthony enquanto pego qualquer livro dentro do meu armário, e Lukas conversa com Gregory logo ao nosso lado.)


–Então, Emily?

–Então o quê, Anthony?

–Qual deles você gosta?

–Eu já disse que odeio toda a humanidade, como posso gostar de alguém?

–Não tente mentir para mim.

–OLHA, EU POSSO FAZER MUITAS COISAS ERRADAS, MAS MENTIR, NÃO, SEU BALOFO!

–Emily, não chame o Anthony de balofo.

–EU O CHAMO DO QUE EU QUISER, O QUE VOCÊ TEM A VER COM ISSO, HEIN, SEU IDI- Ah, oi, Lukas.


Regra número seis: Nunca esqueça o leite.


(No mercadinho comprando leite ao lado do Thomas enquanto Lukas se decide sobre a marca da manteiga um pouco mais distante de nós. Ainda no mesmo dia da regra número quatro.)


–Precisava fazer aquele escândalo?

–Como você ousa me chamar de aberração, se só quem me chama assim é a Zooey, e eu quero a cabeça dela numa bandeja por conta disso?!

–Você é muito estressada. Agora ferrou tudo. O Lukas deve te achar mais louca do que já era.

–Ah, cala boca.

–Cala a boca você e me deixa pegar o leite.


Regra número sete: Seja perfeita. P.S: Mais perfeita que a Samantha.


(Fazendo trabalho de História no grupo da Samantha, do Lukas, do Gregory e alguns nerds. É, esse dia foi perfeito. Cof, cof.)

–Olha, um mosquitinho. Coitadinho. Vamos abrir a janela pra colocar ele pra fora antes que ele se machu-

–Olha aqui o que eu faço, ó, Samantha!

PLAFT!

–EMILY! – Samantha.

–O que você fez?! – Lukas.

–Sua desalmada! – Nerd número um.

–Desnaturada! – Nerd número dois.

–Sua feia! Quer dizer... Sua sem coração! – Gregory.


Regra número oito: Deixe o resto com o Thomas.


... Hãn ...


–Err... Essa parte... – Thomas dizia enquanto eu havia acabado de contar a minha trágica semana. – E como assim você matou o pobre mosquito?! – Ele tentou desviar do assunto. Tô sabendo.


–Thomas! Você fez a sua parte na história? – Perguntei, antes do ônibus passar dentro de um buraco e me fazer bater a bunda no banco.


–E o que iria adiantar se eu fizesse a minha parte se você nem fez a sua? – Ele me olhou arqueando uma sobrancelha.


–Como não fiz? Só deu alguns errinhos no plano. – Dei de ombros.


–Errinhos?! Você chama isso de errinhos? Você fez absolutamente tudo errado!


–Pelo menos eu tentei, ok?


–O que eu faço com você, sua estúpida? – Thomas bateu na própria testa. Qual é? Eu não fui tão mal assim... Ou fui? – Será que dá pra piorar?


–Chegamos, crianças! – O professor exclamou lá da frente.


–Dá. – Respondi a pergunta de Thomas. Posso até ouvir risos maléficos da vida ao fundo.




Notas finais do capítulo

TCHARÃN!...._.Err... Oi. -q
AHHHH! LEMBREI! LEMBREI! Quero agradecer muito pelos reviews, que estão cada vez mais difíceis de responder., mas um dia eu consigo... Muito obrigada mesmo, viu? Eles me animam tanto, principalmente nessa fase difícil aqui da minha vidinha. OBRIGADA!
E não sei quando eu volto, mas podem ter certeza que EU VOLTAREI! Jamais irei abandonar vocês, só se vocês me abandonarem primeiro... -q
Muitos Bjos&Qjos! :*