(Nem) Todo Mundo Odeia a Emily escrita por May_Mello


Capítulo 23
Todo mundo odeia a “Semana do Verde”.


Notas iniciais do capítulo

Oi, gente. õ/
É com grande felicidade que venho informar que a May morreu! ~~todos dança'~~
Aqui quem digita é o amigo imaginário dela, o Beterrabo. Muito prazer. :D
...RÁ! PEGADINHA DO BETERRABO! RÁ ÊIÉ! GLU GLU EIÉ!
*barulho do vento*._.
*May dá uma voadora com a mão em Beterrabo, que foge para as colinas*
Oi, galerë. :D
Eu não morri, mas não me matem.-q
Demorei porque fiquei sem net. E não, ela não tinha sido cortada. Foi um pequeno probleminha no fio de num sei das quantas aqui. Sem falar que fui uns dias pra casa da minha tia por causa das férias, então... Não deu pra vir postar antes. *leva um chute no nariz*
Como se pode perceber, depois que bebi toda a água da piscina me afogando na natação, eu voltei ainda mais idiota e sem graça. E totalmente sem inspiração pra escrever, mas pelo menos terminei o capítulo. ~~dança Macarena~~
E ah, se ainda houver alguma alma viva lendo isso, saiba que quero desejar boa leitura e agradecer muuuuitos pelos reviews! ♥



“- Vai ser muito, muito divertido, crianças!

– NÃO VAI, NÃO!”


Tudo bem. Já sei de tudo o que aconteceu. Sabe quando eu tropecei no Thomas, que estava sentado na escada da minha varanda e quase voei para o meio do meu quintal? Então, na verdade, acho que ele não me segurou. Provavelmente eu voei pro meio do meu quintal, bati a cabeça, depois desmaiei e a cena do Lukas quase beijando a Samantha é apenas uma alucinação criada pela pancada na minha cabeça. Isso sim é simples assim.

Então por que alguém não me dá um chute na testa e me acorda desse pesadelo? Ai, ai, ai!

Tudo o que sei é que não consigo parar de rir olhando para a cena. Antes que eu acabasse rindo demais e chamasse a atenção dos dois - que ainda não tinham percebido a nossa presença porque estávamos longe, além do fato deles estarem muito “entretidos” - Thomas me puxou de volta, me fazendo descer alguns degraus da escada e fazendo também que eles desaparecessem do meu campo de visão.

–Cala a boca, garota estúpida. – Thomas tapou a minha boca com uma das mãos enquanto sussurrava. Estávamos da mesma altura, já que ele estava alguns degraus abaixo de mim.

Parei de rir, finalmente me dando conta da gravidade da situação. Lukas estava quase beijando Samantha? QUASE? SERÁ QUE ELES JÁ NÃO ESTÃO SE AGARRANDO AGORA?!

Estalei os olhos e tentei voltar rapidamente para o corredor para voltar a ver a cena, mas Thomas me impediu. Que garoto forte dos infernos!

–Não acredito que isso está acontecendo. – Foi a primeira coisa que disse quando Thomas tirou a sua mão da minha boca. Falei calmamente e olhando fixamente para ele. Meu Deus, estou em choque. – Como o seu irmão pôde fazer isso comigo? Ele me deu um fora no sábado e-

–Emily! – Thomas suspirou. – Cala a boca. Cala a boca e lembre-se da regra número um.

–Ok. – Posso até ter me dado conta da gravidade da situação, mas parece que a minha ficha ainda não caiu. – O que era a regra número um? Ser melhor que a Samantha e ir lá bater a cabeça dela na parede?! Já estou pronta pra ir! – Tentei ir pra lá de novo, mas novamente fui segurada.

–Não, sua anta abduzida! A primeira regra é fingir que não liga pra ele. Finja que está tudo bem. Apenas passe por lá, sorria e ... E... Você sabe! – Thomas se atrapalhou todo.

–Ok. Pensando melhor eu acho que não quero voltar pra lá.

–Você vai! Só... Vamos fazer isso! – Thomas exclamou e eu só balancei a cabeça afirmativamente, ainda chocada.

Subimos as escadas enquanto eu tentava não começar espumar pela boca e virar o pescoço, quando me deparo com o corredor vazio. Nada? Cadê os dois? Como assim eles desaparecem do nada?! Olhei para Thomas que também olhava para mim.

–Ok. Estou seriamente considerando o fato de os dois estarem numa salinha escura por aí e-

–Eu acho que não, idiota. Vem, eles devem ter ido para a sala. – Thomas me puxou pela mão para rumo à porta da sala, abriu a mesma sem nem bater nem nada e praticamente me jogou pra dentro.

Silêncio. Hum... Como assim não tem nenhuma alma viva dentro da sala?! Cadê todo mundo?! E o mais importante: Onde será que os Montgomery foram morar depois que deixaram de ser meus vizinhos? Mentira! O mais importante é saber cadê o Lukas e a Samantha!

Estava quase conseguindo escutar os barulhos dos grilos quando Thomas me puxou de novo pra fora da sala.

–Ei, meu bracinho! – Puxei meu braço me desvencilhando de Thomas antes que ele o quebrasse e eu ficasse com dois pulsos enfaixados.

–Eles devem estar no laboratório. – Constatou, todo pensativo.

–Descobriu a América com esse comentário, não é, gênio?

–Cala a boca e anda, garota estúpida! – Falou seguindo rumo ao fim do corredor em passos rápidos, enquanto eu o seguia.

Enfim viramos o corredor à esquerda e paramos em frente à terceira porta, que estava aberta. E lá estavam todos aqueles acéfalos ouvindo o outro acéfalo maloqueiro e maconheiro do nosso professor de Ciência. Bom, o ser energúmeno do nosso professor, percebendo que eu e Thomas estávamos na porta, fez um gesto com uma das mãos sem parar de falar, indicando pra que entrássemos.

Estava tudo em seu estado normal. Lukas estava fazendo dupla e dividindo a bancada com Anthony, como se nada tivesse acontecido, e Gregory com um pobre nerd. E Samantha... Estava ao lado de Carly - aquela morena coadjuvante no filme da minha vida - que tagarelava sem parar.

Thomas deu um chute de leve na minha canela, acho que indicando pra que eu começasse a andar. Estava com vergonha de olhar pro Lukas depois de tudo, poxa!

Fui caminhando lentamente até uma única bancada vazia atrás de Lukas e Anthony. É, tudo estava normal, exceto pelo fato de Samantha estar com o olho direito parecendo um caroço de abacate vermelho. ESPERO QUE MORRA, TAMBÉM! Ok. Exagerei um pouco. Quase nada.

Gregory nos cumprimentou todo sorridente lá do outro lado da sala, e acho que o Lukas sorriu para nós, já que nem consegui olhar pra ele; Anthony fingiu que nem nos conhecia. Tenho que dizer: Garoto esperto esse Anthony!

Eu e Thomas nos sentamos ao mesmo tempo e ficamos um olhando para a cara do outro. Como assim eu vou dividir a bancada com esse ser?! Que seja, eu só... ESTOU BEM ATRÁS DO LUKAS, MEU DEUS! ALGUÉM ME ACODE!

Estalei os olhos e Thomas apenas sibilou com os lábios “regra número um” enquanto indicava o número um com uma das mãos. Ok. Respira...

–Eu tô bem. Eu tô bem. – Murmurei olhando para frente.

–Oi, Emily. – Merda! Por que o Lukas tinha que ser tão educadinho e se virar pra trás pra me cumprimentar?

–Oi, Lukas. – Vitória! Eu consegui falar, e... acho que estou sorrindo. Só de olhar pra ele já me esqueço de tudo o que passei.

–Você e Thomas vieram juntos? – Como assim ele fica falando normalmente comigo depois de me dar um fora?!

–Nós infelizmente nos encontramos no caminho. – Thomas respondeu - mentiu! - por mim. Garoto chato!

–Oi, Emy. Oi, Thomas. – Anthony finalmente se deu conta da nossa existência e também se virou para trás.

–Oi. – Thomas deu um “oi” totalmente desanimado e eu apenas sorri revirando os olhos. Sim, eu sou complicada e não controlo minhas expressões.

Eu quero muito saber por que é que Lukas e Samantha estavam se beijando no corredor. Eu quero muito saber como é que o Lukas estava com ela tão rápido. Eu quero saber como é que o Lukas pôde fazer isso comigo... Mas eu não posso simplesmente perguntar pra ele ou pra ela. Vou pedir pro Thomas perguntar pro Lukas depois, então. O Thomas com certeza irá me aju-

–Você estava se agarrando com a Samantha no corredor, Lukas? Eu vi bem? – Thomas perguntou. Ok, não imaginava que ele perguntaria isso pro irmão assim, tão rápido.

Lukas corou antes de responder:

–Não, não. Nós estávamos vindo pro laboratório quando um cisco entrou no olho dela. Ela estava totalmente desesperada, então... Não aconteceu nada! Eu só me aproximei um pouco pra soprar o cisco. – É pra rir ou pra chorar? O Lukas não está querendo que eu acredite que era cisco no olho, está? – E como assim você viu bem? Você estava nos espionando?

–Não, eu apenas estava subindo e vi um pouco da cena, mas preferi deixar vocês dois a sós. – É, pelo menos Thomas inventou uma desculpa. – Mas, apesar de estar comigo, a Emily não viu nada. – Porra, Thomas! Valeu por ajudar muito!

Thomas, percebendo a burrada que tinha feito, levou as mãos à boca.

–Você também viu, Emily? Pois deveriam ter ficado e visto tudo, porque não aconteceu nada. – Lukas sorriu e olhou pra mim, porque talvez ele sentisse a necessidade de explicar isso muito bem pra minha pessoa. Tudo bem, eu acredito nele.

É, pode mesmo ter sido só coisa da minha cabeça. Mas eu realmente fiquei com vontade de socar a cabeça da Samantha.

Estou totalmente convencida, até porque Samantha estava mesmo com aquele olhão azul todo vermelho.

Honestamente? Achei até que ficaria com mais raiva, ou até mesmo mais chocada, mas estou de boa na lagoa; só estou com raiva mesmo é do cisco que entrou no olho da outra e gerou toda essa situação.

Acho que o Lukas nem saberia mentir, de qualquer forma. E saber que ele não se envolveu com ninguém, mesmo dizendo que a Samantha é especial, ainda me dá mais esperanças.

–Ei, você dois, virem pra frente já! – O professor bigodudo falou, fazendo com que Lukas e Anthony - que até então presenciava nossa conversa totalmente quieto - se virassem para frente.

–Eu conheço meu irmão. É verdade. – Thomas sussurrou pra mim. – Fale com ele.

–Falar o quê?! – Sussurrei de volta.

–Falar pra ele esquecer sobre aquela história onde você disse que o ama. Isso está totalmente atrapalhando a amizade de vocês dois.

–Como é que eu vou falar pra-

–Lukas! – Thomas cutucou o irmão, fazendo com que ele se virasse pra trás novamente, aproveitando que o professor estava escrevendo algumas coisas no quadro. – Emily quer dizer algumas palavras.

–É, Emily quer di- O quê?! – Finalmente me dei conta do que Thomas tinha feito. Tudo bem, calma. Ok, o Lukas me encarando não está ajudando, mas pelo menos Anthony está morrendo sobre a bancada e não vai escutar nada. – S-Será que você pode esquecer o que aconteceu? Eu quero dizer... Eu realmente não quis dizer que te amo, eu só te a- – Thomas chutou minha canela. Au! – De qualquer forma, eu só estava confusa. – Sorri de uma forma bem estranha, já que a minha canela doía. Mas acho até que estou me saindo bem. – Nós somos só amigos, então... Só esqueça, ok?

–Claro! – Lukas deu aquele sorriso lindo que só ele sabe dar e se virou pra frente novamente.

Não sei se ele realmente acreditou. Eu só espero que sim.

–Está tentando me matar? – Sussurrei para Thomas, desfazendo o sorriso estranho e completamente irritada.

–Claro, desde o primeiro dia que te vi! – Thomas rebateu.

–Agora, como eu estava dizendo, como a semana que vem será a “semana do verde”, nós a aproveitaremos fazendo uma caminhada mágica floresta adentro. Nós e as outras duas turmas do segundo ano. – O professor falou. Como assim caminhada mágica? Da última vez que fizemos uma caminhada na floresta... NÃO! NÃO! NÃO! – Vai ser muito, muito divertido, crianças!

–NÃO VAI, NÃO! - Gritei de repente, chamando a atenção de todo mundo, inclusive a da Zooey, que murmurou algo como “aberração” de algum canto da sala. – Eu quero dizer... É claro que não vai ser não-divertido. Eu mal posso esperar! – Tentei concertar, enquanto Thomas ria.



Notas finais do capítulo

Tá, eu quero morrer depois de um capítulo desses, mas... Eu ainda tenho que dizer que enganei todo mundo. *desvia das pedradas no estilo Matrix*
Lukas não beijou a Sam e isso só serviu pra deixar a Emy ainda mais esperançosa. E no próximo capítulo, posso adiantar que Emy vai falar sobre como foi cumprir as regras do Thomas, porque sim, ela terá cumprido todas! Por isso não percam o próximo capítulo de Os Mutantes - Caminhos do Coração. E, ah, deixem review. Podem me xingar à vontade, viu? HAUSHDAJDHAD'